Querer amamentar x conseguir amamentar

Quando eu estava grávida, nem por um milhonésimo de segundo imaginei que não fosse amamentar ou que talvez tivesse alguma dificuldade para isso. Todo mundo que eu conhecia tinha amamentado, muito bem, por um longo período e tinha tido leite para dar e vender (salvo casos extremos, como quando uma amiga teve um problema de saúde pós parto).

As únicas dificuldades de que eu tinha conhecimento antes da chegada do Léo eram duas: que doía no início, até o bico do peito “acostumar” ou o bebê acertar a pega, e que o sono da madrugada, interrompido para dar de mamar, era terrível.  E isso para mim, que olhava de fora, parecia fichinha. Afinal, eu tinha optado pelo parto normal e quem encara as dores das contrações deve passar rindo pelas dores de um bico de peito rachado. E o que seriam algumas noites mal dormidas? Fichinha também! Afinal, quantas e quantas madrugadas, na minha época de faculdade, eu não passei em claro, fosse estudando ou fosse fazendo festa? Barbada!

Já sobre o outro lado da história eu tinha ouvido muito. Amigas me falando sobre as maravilhas de amamentar, dizendo como é gostoso ter o filho no braço, fazendo carinho com a mãozinha no nosso peito, como nos sentimos poderosas, amadas, queridas e importantes.

Enfim, tudo certo, eu iria amamentar e esse seria um momento sublime na minha vida. Mas não foi bem assim que as coisas aconteceram. Em outro post aqui eu já falei sobre as dificuldades que encarei nesse processo e que me fizeram parar de amamentar o Léo quando ele estava com três meses.

Bom, mas o post de hoje, não é para falar das dificuldades que vivi na amamentação, mas sim para refletir um pouco e, quem sabe, gerar uma reflexão sobre essa enorme, intensa e nem sempre positiva cobrança que existe pela amamentação de nossos filhos.

Como acabei de comentar aqui, eu quis MUITO amamentar, justamente por saber de todos os benefícios dessa prática. E mesmo não tendo conseguido amamentar como eu queria (amamentei só até o Léo ter três meses e, mesmo assim, sempre dando complemento) continuo sendo super a favor dessa prática. Só que a questão é que muitas mães, assim como eu, também queriam ter amamentado seus filhos, mas não conseguiram. Seja por falta de experiência, seja por alguma dificuldade física.

E eu aposto que todas essas mães, assim como eu, passaram por momentos terríveis, por não terem conseguido realizar uma coisa que, ao seu ver, era vital para seus filhos. Essas mães, assim como eu, devem ter chorado, escondido ou escancarado, devem ter se cobrado, devem ter se sentido menos mãe, devem ter questionado se a saúde dos seus filhos seria a mesma tendo que tomar leite artificial e devem ter se culpado, muito, muito, muito por terem falhado nessa tarefa. Sim, porque a gente vê isso como uma falha, como algo que não conseguimos cumprir e que seria importante para nossos pequenos. E isso acaba com a gente.

Pode durar menos tempo para algumas e mais tempo para outras. Eu, por exemplo, sofri com isso até o Léo fazer seis meses. Até ele ter essa idade eu tinha vergonha de dar mamadeira para ele em público (juro!). Tinha horror dos olhares reprovadores de conhecidos e desconhecidos e pavor das perguntas certeiras que sempre vinham em minha direção: mas porque você não dá o peito para ele? Porque eu não consegui! Simples e triste assim.

Só quem vive essa experiência mal sucedida sabe o dano que ela causa. Nós sofremos com isso. Por mais que muitos maridos achem isso uma bobagem e que amigas nos consolem, a gente sofre! Como eu disse, a cobrança é enorme. E, além dessa cobrança gigantesca que já vem da gente, ainda há toda uma “estrutura” realizando essa mesma cobrança externamente.

Primeiro, há diversos companheiros que cobram isso de suas mulheres e que, em vez de dar apoio quando algo sai errado, agem com sensibilidade zero e pioram ainda mais as coisas. Afinal, nesse momento super sensível a pior coisa que pode acontecer é existir a cobrança daquele que mais amamos, além da nossa própria (graças a Deus, por isso não passei!).

E aí, quando saimos  de dentro de nossas casas, há ainda a cobrança dos familiares, principalmente daquelas mães que amamentaram sem grandes dificuldades e que acham, ou melhor, tem certeza, que só porque foi assim com elas tem que ser assim com todo mundo. E aí segue a cobrança de todos os lados: primas, tias, sogra e até mãe (thanks God, disso também fui poupada).

Mas não acaba por aí. Quando pensamos que a cobrança irá se resumir a alguém que tem a ver com a nossa vida, descobrimos que não, que a sociedade como um todo nos cobra isso. Pessoas com as quais nunca tivemos o prazer (ou desprazer) de cruzar na vida nos olham com olhares inquisidores quando nos vêem com um bebê em uma mão e uma mamadeira em outra e algumas chegam ao cúmulo de fazer perguntas e comentários totalmente desnecessários, indiscretos e, muitas vezes, desagradáveis.

Ah, sem contar ainda todas as campanhas e iniciativas, seja de governo ou de insituições, que pregam aos quatro ventos as maravilhas de se amamentar mas, sem nem sequer por um segundo, lembrarem de compartilhar alguma informação ou orientação para aquelas que vivem alguma dificuldade no processo.

Não que eu seja contra essas campanhas. Bem longe disso! Só acho que há de se pensar no outro lado da moeda, no lado B da história, de quem quis, tentou e não foi bem sucedida na empreitada. Ou seja, na minha opinião, toda iniciativa em prol da amamentação deveria ter também um espacinho dedicado a atender e ajudar aquelas mães que estão tendo dificuldade no processo ou, então, aquelas que já passaram por isso e sofrem por não terem conseguido.

Bom, acho que já me estendi demais, provavelmente porque esse é um post sobre o qual quero falar há muito tempo e que trata de um assunto muito importante para mim. Então, para finalizar, quero deixar o conselho de quem já passou por essa situação difícil: cobrem-se menos. Façam sua parte, tentem, não desistam na primeira dificuldade, mas se não deu, não deu. E também respeitem seus limites. Se sentirem que chegou a hora de parar de dar o peito e seguir só com o leite artificial (porque muitas vezes é isso que irá garantir a saúde dos pequenos), saibam que isso não será o fim do mundo, ou se não se sentirem confortáveis com as cobranças alheias, reservem-se o direito de amamentar seus filhos como podem longe dos olhares reprovadores. Eu fiz isso e me ajudou.

E essa história de que não se cria vínculo porque o bebê não mamou no peito, posso garantir para vocês que não existe! Maior bobagem do mundo! O Léo mamou aos trancos e barrancos até três meses (se é que chegou a isso) e sempre tomou complemento junto, e é impossível amor maior do que o que eu sinto por ele e apego maior do que ele tem por mim (tem horas que é até demais! kkkk!).

Enfim, como bem diz o meu marido, tudo é uma conjunção de fatores. Amamentar é importante sim, é claro! Mas há diversas outras coisas que também são importantíssimas: bebê ser amado, bem cuidado, estimulado, bem alimentado, mesmo que com leite artificial. E é a junção disso tudo que irá determinar o quão feliz e saudável seu filho será.

Então, se as coisas não foram perfeitas de um lado, desencane! Tem diversos outros pontos para você acertar e garantir a felicidade do seu filho e a alegria geral da nação.

150 comentários

  1. Anonymous

    Perfeitas suas palavras!
    Eu passei pelo mesmo problema que vc,vontade de amamentar,só q não foi possível….vc conseguiu descrever tudo que eu senti porque não pude amamentar ….
    Nos sentimos sozinhas,porque não há apoio para essas situações infelizmente…..
    O melhor é saber q amamentando ou não,amor de mãe cura e fortalece!!

    1. By Shirley Hilgert

      Olha, eu achei que ia ter que fazer terapia porque não consegui amamentar, mas já superei o trauma. Claro, com o próximo filho vou tentar, tentar, tentar, tentar, tentar tuuuuuuuuudo que puder para amamentá-lo, mas se não for possível, saberei que isso não irá mudar nada na minha relação com ele. Isso já é um conforto.
      Abraços!

    2. Nathália

      Olha, suas palavras foram perfeitas! Era tudo o que eu precisava…estou me sentindo tão triste, mas tão triste que até dói =( minha filhinha está com 28 dias hoje e eu estou dando complemento desde sempre…meus seios machucaram demais, desde a maternidade, e por conta disso não consegui amamentar nos primeiros dias e dei complemento (Aptamil sem lactose). Meus seios sararam na segunda semana, mas ela é bem esfomeada e não quis aceitar só o peito…tentei de tudo…copinho, xícara, colher….nada ela aceitou senão a mamadeira…agora com 28 dias ela nem pega mais meu peito…estou mega frustrada =(

      1. Shirley Hilgert

        Nathália, deve levar um tempinho, mas você irá superar. Eu garanto! Fique bem. Bjs

  2. Anonymous

    perfeito. Eu tive a sorte de conseguir amamentar, mas nao sinto que isso me torne MAIS MÃE que qualquer outra mãe. eu me sinto ate cansada dessas xiitas da maternagem. e o meu maior estimulo para a amamentação foi ler que emagrece hauahuah desculpe, mas eh verdade… e isso nao diminui em nada o amor que eu sinto pela minha filha.

    1. By Shirley Hilgert

      Pois é, ando também bem paciência para gente xiieta. Por favor, custa respeitar um pouco os limites e até a tristeza dos outros? Tem gente que acha que só porque conseguiu amamentar todo mundo consegue e DEVE fazer isso. Por favor, né!
      Beijos. E obrigada por deixar seu depoimento aqui.
      Shi

  3. Rafa

    Shirley, impressionante como quando leio os seus posts sinto que sim, vou conseguir ser mãe apesar de todo o medo e insegurança.
    Sempre tive seios fartos e agora mais ainda na gestação,todo mundo comenta: nossa, você vai ter leite de sobra e já começo a pensar como explicar se isso não acontecer.
    Lendo tudo isso e vendo o relato das outras mães,me sinto mais forte e segura caso isso aconteça, na verdade me sinto uma mãe “normal”. Obrigada por compartilhar!

    1. By Shirley Hilgert

      Rafa, que bom que as minhas palavras, que são meros desabafos, estão também sendo úteis.
      Eu sinto que toda vez que escrevo sobre algo que não está bem resolvido ou que me fez sofrer em algum momento me ajuda a superar.
      Boa sorte! Vou torcer para dar tuuuuuuudo certo quando seu baby chegar, mas se algum probleminha sugir no caminho, saiba que é super normal.
      Qualquer coisa que precisar, conte comigo!
      Beijos
      Shi

  4. Adorei!!! Enquanto lia, senti tudo que passei e passo até hoje. Queria MUITO ter amamentado meu filho, mas por uma série de fatores não consegui, primeiro sou mãe de primeira viagem, não fui instruída nem na maternidade, meu bebê teve o fêmur quebrado na hora do parto e passou quase que um mês inteiro com gesso, teve icterícia e ficou ns UTI por dois dias, acredito que por tudo isso, não fui feliz na missão de amamenta lo. Mas estou fazendo o que comentou, compensando com muito amor e carinho.

    1. By Shirley Hilgert

      Ah Fabiana, com certeza tudo isso que você e seu bebê passaram no início atrapalhou um pouco a amamentação. Mas o jeito é a gente relevar, tocar a bola para frente e dar muuuuuuuito amor e carinho para nossos pequenos. Isso compensa qualaquer outra falta.
      Beijos!

  5. Anonymous

    Perfeito! Passei por isso, também e até hoje me cobro muito por não ter conseguido amamentar meu filho, mesmo meu peito jorrando leite dia e noite. Ele mamou por apenas 10 dias e na consulta com o pediatra, ele já tinha perdido 600g porque não estava conseguindo pegar direito e meu bico estava dilacerado… Tinha vezes, que eu amamentava com sangue, de mão dada com meu marido, chorando de dor. Então, com 14 dias, ele começou a tomar complemento e eu dava o meu leite em mamadeira prá ele, também. Assim, fomos até os 3 meses… Mas me cobro muito até hoje por não ter me informado antes sobre as dificuldades e por ter “desistido” aos 10 dias… Quem sabe em um irmãozinho, as coisas serão diferentes… Força para todas as mamães!

    1. By Shirley Hilgert

      Eu também me cobrei por não ter me informado melhor antes de ter o Léo. Mas como eu disse no post, achei que amamentação fosse a coisa mais tranquila e fácil do mundo. Coisa que agora sei bem que não é.
      Mas tudo isso é aprendizado e no próximo filho já saberemos fazer diferente. E se não der certo de novo (tomara que não!) também já teremos aprendido a nos cobrar menos.
      Obrigada pelo seu depoimento! Abraços. Shi

  6. Anonymous

    Isso quase aconteceu comigo, aos 4 meses a pressão para dar a mamadeira para o João foi grande, pois todo mundo achava a baixo ganho de peso dele e a irritabilidade eram de fome (na verdade era APLV). A principal pressão para amamentar foi muito mais interna do que externa, mas por sorte eu tenho o acompanhamento de uma doula nessa questão e ela me ajudou bastante. Hoje, as vésperas dos 6 meses do João, ele está bem alimentado com o leite materno e quase não preciso complementar com a mamadeira (90ml 2x no dia é suficiente).
    Acho que se eu não tivesse esse acompanhamento, certamente tinha desmamado…

    1. By Shirley Hilgert

      Nossa! Que bom que você tem o acompanhamento de uma doula. Isso é maravilhoso! Meu filho também tem APLV e isso atrapalhou mais ainda as coisas. Infelizmente, no meu caso o desmame foi aos três meses.
      Mas eu acredito que essa experiência não tão positiva quanto achei que seria servirá de aprendizado para o próximo filho.
      SUPER PARABÉNS POR ESTAR CONSEGUINDO FAZER A DIETA DA EXCLUSÃO E POR AMAMENTAR ATÉ AGORA! Orgulhosa de você!
      Abraços. Shi

  7. Karen Holzu

    Shirley compartilho de tudo que você falou, sofri muito e ainda hoje(depois de 7 meses) me pego pensando como seria se eu tivesse amamentado. Infelizmente não consegui meu filho nasceu com 37 semamas com baixo peso e a pediatra disse que em uma semana eu tinha que fazer ele engordar 1kg senão ele teria que voltar ao hospital para se alimentar por sonda, imagina meu desespero né! Fuipra casa e meu filho não pegou o peito de jeito nenhum e ainda eu tinha um agravante que meus bicos são invertidos. Enfim tente de tudo que era jeito e ele não pegou então até os 2meses tirei leite e dei na mamadeira pra ele, depois meu leite secou.
    Meu marido e minha mãe me deram muito apoio mas sofri pressão e escutei coisas horríveis de tudo que é lado, mas vou dizer que a pior coisa que vi alguém falar foi em um comentário dos seus posts(não me lembro qual agora) que uma mãe escreveu “Mãe que teve parto cesareo e não amamentou deveria ter tido um peixinho e não um bebê!” não preciso dizer que desabei naquele momento, não fiz parto normal pois tenho utero didelfo e uma arritimia cardiaca e com isso parto normal estava fora de cogitação.
    Até hoje esse comentário não sai da minha cabeça, só que agora eu não choro quando penso mas fico me perguntando por que essa mãe se achou no direito de dizer isso? só porque pra ela fui tudo perfeito? bem pra mim não foi tive uma gravidez de alto risco num utero didelfo deois de ter vencido uma endometriose, não tive o prazer de amamentar, mas cuido do meu bebê com todo amor do mundo, estimulo, brinco, o alimento muito bem e ele é feliz e saudável. Desculpa peo comentário enorme, mas acho que as mamães que se acham tão perfeitas a ponto de julgar as outras deveriam pensar muito bem antes de julgar e dizer qualquer comentário infeliz. Shirley obrigada pelo espaço.

    Bjs.

    1. By Shirley Hilgert

      Karen, amei seu comentário. Eu que agradeço você confiar tanto no blog para deixar aqui seu desabafo.
      Sinceramente, essa mamãe que fez esse comentário é totalmente sem noção, sem sensibilidade, sem coração. Ela sim, tem um cérebro de peixinho.
      Uma pena que exista e sempre existirá pessoas para apontar o dedo para outras. Só espero que essas pessoas não se esqueçam que um dia as julgadas podem ser elas.
      Beijos! Super obrigada pela colaboração.
      Shi

  8. Eu lírico

    Acho q é mto culpa da mídia mesmo,eles fantasiam muito as coisas. É a mesma cobrança que fazem com quem tem filho de cesariana. Nem todo mundo é igual, cada um tem sua história que pode conduzir as coisas para um outro rumo… Eu tive meu filho e ele ficou 34 dias na UTI neo-natal, só mamou aos 22 dias. Enquanto isso, mesmo tirando com a bomba, achei q fosse ficar sem leite pra ele, pois saía bem pouquinho, mas já estava sendo criticada por estar produzindo pouco leite, mesmo se considerando os fatores psicológicos q eu estava vivendo… E, mesmo depois que ele mamou e eu comecei a produzir, tb tem a grande dificuldade q é acertar a amamentação. Ninguém tem que criticar ninguém, não tem ninguém que queira mais o bem do filho do que a mãe! E o que faz a união é o amor, não é o tipo de alimentação dada ao bebê, né?

    1. By Shirley Hilgert

      Exatamente! O vínculo vem da dedicação e do amor e é isso que realmente importa.
      Obrigada por deixar seu comentário aqui.
      Abraços!
      Shi

  9. Anonymous

    Shirley, impressionante como tudo que você falou se encaixou perfeitamente no meu caso!
    Parabéns por todas as palavras.
    Uma coisa é certa: amamentar não é fácil e o governo deveria divulgar matérias sobre as dificuldades enfrentadas, ao invés de colocar artistas maravilhosas amamentando com a cara mais feliz do mundo!!

    1. By Shirley Hilgert

      Ahahahaha! Adorei o comentário das artistas maravilhosas amamentando com cara mais feliz do mundo. É bem por aí! kkkk!
      Beijos!
      Shi

  10. Anonymous

    Foi Deus que colocou essas palavras hj na minha frente,acabei de chegar do medico justamente pq estou passado por isso,estou com problemas para amamentar e a cobrança e muita,foi muito bom saber que outras mães já passaram por isso e conseguiram superar,estou aliviada agora…obrigada por compartilhar!!Deus abençoe vc.

    1. By Shirley Hilgert

      Que bom que meu post ajudou você. Fico muito, muito feliz.
      Se precisar de alguma coisa, alguma ajuda, estou à disposição.
      Beijos! Shi

  11. Michelle La Plata

    Nossa, fiquei muito emocionada com o seu depoimento e de todos os comentários aqui. Sou mãe de gêmeas e me preparei a gravidez inteira para amamentá-las, mas nada saiu como planejado. Ao nascerem de 37 semanas não queriam pegar o peito de maneira alguma, tive pouca produção de leite, meu bico era invertido e ainda por cima eram duas.. Aos trancos e barrancos consegui amamentá-las até os 2 meses, sempre complementando com leite artificial, isso porque no inicio dava o leite no copinho ou fazia translactação para evitar dar a mamadeira e assim elas evitarem de vez o peito, mas nada adiantou..e como sofri, chorava, senti tudo isso que você mencionou acima. Ouvi vários comentários maldosos e até hoje ouço dos médicos quando elas estão doentinhas, gripadas que é devido a não terem mamado no peito..isso ainda me machuca, mas aprendi a superar. Não sou menos mãe por não ter amamentado. Deus abençoe a todas nós mães guerreiras.

    1. By Shirley Hilgert

      Sim! Somos mães guerreiras. E jamais menos mães porque não conseguimos amamentar como gostaríamos.
      E certeza que um dia nossos filhos irão rir de todo esse sofrimento. :-)
      BEijos!
      Shi

  12. Muito bom! A campanha para aleitamento materno exclusivo até 6 meses é forte, mas contraditoriamente a isso as informações para apoiar problemas neste período são muito pouco divulgadas. Sempre que um desconhecido vem conversar comigo por causa da minha filha, me perguntam se ela está mamando no peito, e em seguida vem o comentário: “o meu mamou até x meses”. Bom é termos opiniões como a sua postadas na net para nos acalmar e ver que existem outros meios e as mesmas opiniões, e que não estamos sozinhas nessas angustias.Como você mesma disse, o importante é a saúde dos nossos pequenos.

    1. By Shirley Hilgert

      Carolina, comigo também acontecia exatamente isso. As pessoas olhavam para o meu filho e diziam: como ele é gordinho! Ele mama só peito? Quando eu dizia que não, vinha aquele “Ahhhh”, com cara de “bunda”. E aí, era como se a fofurice dele perdesse o valor, afinal, era fruto de leite artificial.
      Ah! Me poupe, né! Vá cuidar da própria vida! :-)
      Beijos! Obrigada por deixar o seu comentário aqui.
      Shi

  13. Amanda Corval

    Amei seu port. Passei pela mesma dificuldade com meu primeiro filho. Quase não tive leite e desde cedo ele tomou complemento. Fiquei muito frustrada e triste porque sempre quis muito amamentar. Chorava muito. Depois fui me acostumando com a ideia. Quando engravidei pela segunda vez só pensava se iria conseguir amamentar. Graças a Deus tive leite, minha filha ficou exclusivamente no peito até os seis meses e hoje está com nove meses e mama ainda. Então não devemos nos culpar tanto. De alguma forma nossos pequenos estão se alimentando e crescendo saudáveis e lindos!

    1. By Shirley Hilgert

      Eeeeee! Que legal saber que com sua segunda filha as coisas sairam como o planejado. Fico muito feliz!
      Beijos!
      Shi

  14. Carol Salles

    Só quem passou por isso sabe a dor profunda de desejar muito e não conseguir amamentar um filho. Eu já sabia que, muito provavelmente, teria dificuldades (o que já havia sido alertado por médicos), em razão da hipomastia, mamilos invertidos etc. Mas, mesmo assim, tentei. Tentei muito! Bico de silicone, bombas, muita dor…mas, em 5 dias, meu bebê, que nasceu com 3.740 kg, e que ficava duas horas se esforçando no meu peito, perdeu meio quilo, e o pediatra mandou complementar.
    A primeira mamadeira que tive que dar causou em mim a sensação de estar dando veneno a ele. Chorei muito, me sentindo impotente, incompetente. Mas aí comecei a ver que ele ganhou peso, e se tornou um bebê muito mais feliz!
    Consegui conjugar amamentação e fórmula por 1 mês e meio, mas, há 15 dias, ele passou a não pegar mais o bico de silicone e, mesmo tirando com a bomba, meu leite secou.
    Claro que isso me entristeceu demais, mas quer saber? O importante é ter a consciência tranquila de que estamos fazendo o que é melhor para nosso filho. Não o que os outros dizem ser o melhor, mas o que nosso coração e nosso instinto nos mandam fazer. Não vou permitir que comentários infelizes de pessoas que não conhecem a realidade da minha casa me façam sentir menos mãe.
    E daí que você tinha tanto leite que poderia suprir a necessidade de todas as criancinhas famintas do mundo? E daí que vc teve que tomar remédio para seu leite secar, pois seu peito jorrava mesmo quando seu filho já tinha 2 anos de idade? Bom pra vc! Mas ficar esfregando isso na cara de quem já precisa lidar com o pior dos censores – a própria consciência – já beira a crueldade.
    Shirley, obrigada por mais uma vez traduzir o que tantas de nós sentimos!

    1. By Shirley Hilgert

      Carol, eu tive essa mesma sensação quando dei as primeiras mamadeiras para o Léo: de que estava dando veneno para ele. Eu chegava a verbalizar isso e, claro, chorar muito depois.
      Mas, graças a Deus, agora o trauma passou.
      Fico feliz de poder ajudar algumas mães através dos meus textos. Para mim não tem realização maior que essa! (quer dizer, essa é a segunda maior, pois a primeira é ver o Léo crescendo e bem!)
      Beijos! Shi

  15. Soraya Pavan

    Perfeito o que disse. Mais ainda, essa pressão que você citou do governo nas campanhas, super apoio também, mas confesso que me senti um pouco desamparada por não amamentar e NINGUÉM nesse sentido dar apoio e conforto para as pessoas. Já vi muita gente criticando e dizendo que não existe mulher que não tem leite, etc…. Não amamentei pq fiz cirurgia de redução (faz 12 anos e nunca soube que afetava), tinha certeza que teria leite pra dar e doar, mas não foi o caso… Também sofri muito, mas sofri menos quando vi minha pequena ganhando peso… Obrigada pelo post. Adorei!

  16. Anonymous

    vc disse tudo!e Estou no meu segundo filho,ambos nasceram de parto normal,mas como sofri com a amamentacao…Preferia ter 10 partos do que passar por td isso novamente. E eu ainda pensava que no segundo filho seria mais facil! Por pouco nao desisti…continuo na luta,e posso dizer que por hoje eu amamentei,e vou seguindo, dia apos dia,sem fazer planos para o amanha.

    1. By Shirley Hilgert

      Eu lembro de um dia que eu, desesperada, chorava e dizia: eu trocava o meu parto normal pela possibilidade de amamentar o Léo. Claro que esse comentário era uma insanidade, que uma coisa não tinha nada a ver com a outra, mas foi horrível perceber que algo que eu tanto queria não seria possível.
      Enfim, foi duro, mas passou. E hoje faço questão de ajudar mamães que estejam passando por esse mesmo sofrimento.
      Beijos e obrigada por deixar seu comentário aqui.
      Shi

  17. Erica

    Super pertinente esse post. Existe mesmo essa ditadura da amamentação inclusive para as mães que conseguem amamentar e que escolhem complementar a mamada com fórmulas por motivos variados.

    Eu mesma. Zero problema para amamentar, mas faço uso de fórmula em algumas situações e vez e outra me deparo com comentários parecidos com os que vc menciona.

    A fórmula foi muito importante logo nas primeiras semanas, quando eu estava com os hormônios à flor da pele e cansada demais para acordar todas as vezes na madrugada. Tentei tirar leite na bombinha, mas era mais uma coisa que me deixava estressada e cansada. Foi aí que meu marido passou a me ajudar com a mamadeira de nan na madrugada. Dormir 6 horas direto foi um presente e tanto, que me trouxe o equilíbrio de volta. Eu ainda ficava recesosa por usar a fórmula, mas a pediatra falou algo muito certo: se eu não estiver bem, descansada e feliz, eu não vou ter disposição para cuidar bem da minha filha e dar a atenção que ela precisa.

    E a verdade é que a mamadeira me ajudou muito no processo inicial. Hoje, minha filha está com 4 meses, e até reduziu a ingestão de fórmula. Já não preciso mais da mamadeira da madrugada, mas vez e outra, quando preciso me ausentar e não consigo tirar leite suficiente na bomba, deixo uma medida para a mamadeira. Até porque, só de pensar que vão me ligar dizendo que o leite que deixei não deu e que minha filha grita de fome já me deixa ansiosa, amtes mesmo de sair de casa.

    Acho ótimo que se amamente, todo mundo sabe dos benefícios. E ainda mais num país em que o tratamento de água não é um primor, incentivar que a criança mame no peito já é garantia de que não pegue várias doenças. Mas fato que falta orientação para quem não consegue. Da forma que fazem, parece mesmo que você nào está sendo uma boa mãe (imagine isso!). E sem contar os casos em que a mãe pode amamentar, mas a criança tem algum intolerância. Vc será menos mãe por isso?

    Tenho certeza que não. O sorriso e os olhinhos brilhantes que esses pequenos nos lançam nos dão a única aprovação de que precisamos: mãe, vc é a melhor mãe do mundo!

    Shriley, parabéns pelo filhote e pelo blog. Ótimo trabalho! ;)

    1. By Shirley Hilgert

      Erica, suuuuuuper obrigada pelo seu comentário. Amei!
      Bom seria se todas as mães tivessem esse discernimento e fossem menos xiitas. O mundo seria beeem melhor.
      Beijos!

  18. Paola

    Já agradeci o seu post sobre a APLV, na época foi o meu porto seguro. Agora, agradeço novamente este post sobre amamentação.
    Hoje, posso dizer (depois de sentir intensamente a tal culpa materna sobre este assunto) que amamentei prazerosamente os meus dois filhos no tempo que foi possível.
    Minha primeira filha nasceu pré-matura e, mesmo com a preocupação da maternidade e da pediatra (por causa do seu baixo peso), consegui amamenta-la de LM exclusivamente durante seus primeiros dias de vida. Superado as dores iniciais e as noites mal dormidas, seguia firma na amamentação exclusiva. Mas aí veio mais um fator novo: o fim da licença maternidade e a minha longa jornada de trabalho (10 horas ausente de casa). Não digo que não tentei fazer a ordenha, mas não sei se foi à falta de pratica, mas levei um tempão para tirar poucos mls. Entrei, então, com a mamadeira, só Deus sabe a dor que foi vê-la chorando ao recusar a mamadeira até que aos 6 meses ela largou o peito.
    Com o Rafael, iria fazer diferente, como teria além do 4 meses mais 1 de férias, entraria com a introdução da papinha, para evitar a qualquer custo a mamadeira. E aí o seu quadro de alergia alimentar e novamente a difícil decisão que seria retirar o peito, já que não conseguiria controlar a minha dieta de exclusão comendo fora de casa. Sofri, chorei muito com os dois, porque não consegui amamenta-los de forma prolongada, assim como era a minha expectativa.
    Neste processo todo de amadurecimento e reconhecimento que com a maternidade nem sempre as expectativas são alcançadas, tenho a certeza de que amo, profundamente, meus filhos, que farei sempre o meu melhor e demonstro o meu afeto das mais variadas formas, abraços, Paola.

    1. By Shirley Hilgert

      Oi Paola, tudo bem? Que bom que você gostou desse post também. Fico feliz de ter ajudado em duas situações.
      Amei sua frase final! Linda.
      Beijos.
      Shi

  19. Anonymous

    Nossa obrigada por este post!! A MInha história foi bem parecida com a sua…. Desde que minha bebezinha tinha 20 dias tive que complementar a amamentação… Além de ter sido muito dificil dela pegar, meus bicos do seio quase cairam , sem exagero, de tão machucados que ficaram, nunca desisti, mas ter que dar a mamadeira foi o mais doído! Chorava dia e noite!! Não senti nem as dores da cesárea, te tão triste que fiquei por causa da amamentação! Hoje qdo penso no primeiro mês de vida da minha filha, só consigo lembrar desta dor que senti! Para que??? Hoje ela tem 4 meses , linda e saudável !!! A cobrança é muito grande, por todos , mas principalmente de nós mesmos!!!
    Mas isso tb é bem cultural, moro na Holanda , e aqui tem tb campanhas para amamentação, mas é bem pessoal, e muitas mães optam por não amamentar.
    Adoro seu blog!
    Michelle

    1. By Shirley Hilgert

      Michelle, é exatamente isso que você disse. A cobrança é muito grande, mas a maior delas ainda é a nossa. Por isso que é tão importante respeitarmos nossos limites e nos perdoarmos. Só assim conseguiremos superar o “trauma”.
      Beijos e obrigada pelo seu comentário.
      Shi

  20. Cecilia Gioia

    Estou de 37 semanas e devorando tudo que eu posso sobre amamentação. Conversei com várias amigas, e muitas tiveram dificuldades para amamentar e me deram dicas importantes. Sei que na prática pode ser tudo diferente, mas quero tentar ao máximo enquanto puder. Espero que dê certo.

    Aqui no Rio, onde moro, me disseram que o Instituto Fernandes Figueira tem um serviço de banco de leite e SOS amamentação que dá o maior apoio às mães que estão tentando amamentar. E o melhor é de graça. Uma amiga minha procurou eles e foi super bem orientada, além de ter conhecido a translactação, o que possibilitou que seu filho mamasse bem mais tempo e aumentou sua produção de leite. Tem também as Amigas do Peito. É sempre bom sabermos que tem gente disposta a nos dar o suporte que precisamos nesse momento que pode ser maravilhoso, mas pode ser muito difícil também…

    Torcendo pra que tudo dê certo pra mim e pras futuras mamães!!

    bjs

    1. By Shirley Hilgert

      Cecilia, vou ficar super na torcida para que tudo corra bem na sua amamentação. TEnho certeza de que as coisa já vão começar bem, pois você está se preparando para isso.
      Realmente, já ouvi falar muito bem do Instituto Fernandes Figueira. Bom se tivesse algo parecido aqui em São Paulo. Ou melhor, em todas as cidades desse país.
      Parabéns pela gravidez. Muita sorte e luz para você na chegada do(a) seu(sua) baby.
      Beijos. Shi

  21. Simone

    Adorei! não me identifiquei, mas amei cada palavrinha que vc escreveu. Acho muito nobre de sua parte e de tantas outras lutar, brigar e tentar vencer essa dificuldade e aceitar se não deu certo depois de tudo. Mas tentou! Digo que não me identifiquei muito pq consegui amamentar o meu filho, e posso te dizer que esse olhar de reprovação que vc descreveu nesse post é até o bebê completar 6 meses, pq com 6 meses e uma semana o olhar de reprovação muda para o q eu enfrento agora, com meu bebê com 1 ano e 7 meses, que ainda mama no peito: Vc vai dar de mamar até quando?” “Aff, vai se tratar, vc está mto dependente” e por aí vai. Sempre ouviremos críticas e reprovações, não importa quão dedicada e presente nós formos. Acho q temos que nos ater a ouvir nossa intuição de mãe acima de tudo. Não que acho q somos seres auto suficientes, devemos sim ouvir o q os outros dizem, mas só aproveitar aquilo que concordamos e descartar o resto. Sem culpa.

    1. By Shirley Hilgert

      Simone, você acaba de tocar no outro lado da questão. Justamente o oposto do que eu coloquei. As mamães que optam por amamentar até mais tarde também são criticadas. E muito. Ou seja, não tem jeito de acertar. Sempre tem alguma coisa errada aos olhos dos outros.
      O jeito é a gente relaxar, fazer nosso melhor, ficar em paz com nossas escolhas e ser feliz. :-)
      Beijos e super obrigada pelo seu depoimento.
      Shi

  22. Carol

    É bom ler algo assim e perceber que mais alguém sente e pensa como eu…
    Sabia que podia ser difícil, pois durante a gestação eu comprei livros, fiz curso de amamentação, preparei o mamilo (para a pele muito fininha) e quando meu bebê nasceu, tive as famosas fissuras, mas meu bebê pegou bem, tinha a “pega” certinha e gostava do peito… felicidade total!! Porém, ao terminar o efeitos dos remédios (fiz cesariana), começava a sentir fortes dores nas mamas (durante e após as mamadas)… As dores foram aumentando de forma que chegava a perder as forças no início das mamadas e não podia mais dormir após (com as mamas latejando)… estava exausta pelas dores insuportáveis, até que minha mãe e meu marido (não podendo mais me ver com tamanha dor), me levaram a minha obstetra, que disse “Seu filho está morrendo de fome! Há pouco leite ai…”… penso que foi o dia mais infeliz da minha vida! Chorei por três dias… não aceitava ser incapaz de alimentar meu bebezinho…
    Passei a dá-lo fórmula, mas insisti e mantive duas mamadas diárias (chamava as mamadinhas de “guloseimas do dia”). Meu bebê fará 6 meses na próxima semana, mamou exclusivamente no seio por 50 dias e na semana passada foi o último dia que consegui fazê-lo mamar (claro que chorei por isso também…).
    Felizmente tive apoio emocional de quem importa: meu marido foi maravilhoso, minha mãe, um anjo e minha obstetra me esclareceu que amamentar não é só decisão, e sim físico, é como um dom, há mulheres que tem e outras que não.
    Cheguei a consultar uma mastologista (sempre resisti bem às dores e sabia que aquelas eram realmente fortes). Ela pediu uma ecografia e não encontraram nenhuma anormalidade. Mas as médicas mesmo concordam que a amamentação ainda tem muitos “mistérios” a serem desvendados (ou não), como a diferença na produção de leite entre mulheres, a dor experimentada por algumas mulheres (a minha, pode ter sido causada pela fome do meu bebê e sua forte sucção).
    Sei que fiz o melhor que pude em todos os sentidos, mas a culpa e frustração ainda não desapareceram por completo. Concordo fortemente com a postura dos médicos e das campanhas pró-aleitamento exclusivo, porém existe um preconceito da sociedade para com uma mulher que quando cai derrotada, culpada, e sentindo-se frustrada e totalmente incapaz, ainda deve se deparar com a “inquisição” da sociedade que, possivelmente nada sabe sobre sua dor e o esforço empregado.
    Um grande abraço e parabéns pelo blog.
    E parabéns a todas as mamães guerreiras!!

    1. By Shirley Hilgert

      Carol, super obrigada por suas palavras. Realmente, só quem passa por essa dificuldade sabe a tristeza que é.
      Mas somos mães, e guerreiras, como você bem disse, e ninguém ama mais nossos filhos que nós mesmas. E é isso que importa.
      Beijos! Shi

  23. Carol Bassuma

    ADOREI O POST!!

    Realmente a amentatação não eh uma tarefa nada facil!! hj eu falo isso pra todo mundo q pergunta como esta sendo minha experiencia! E olhe q falo isso mas não tive problema algum!! nao rachou o peito, nao ficava duro, nao sangrou, etc etc! mas mesmo sem nada disso nao foi uma tarefa facil! o primeiro mes eh de muito adaptação do bebe (aprendendo a mamar) e vc aprendendo a ser nutriz!! rsrs Fiz curso de amamentação que me ajudou muito!! melhorou 100% a experiencia e eu pude ajudar a ensinar minha bebe a mamar!! Malu vai fazer 6 meses e ate hj amamento! Ela ja comecou a comer comidinhas e frutinhas por conta da APLV que descobri quando ela tinha 2 meses!! Sigo firme e forte na dieta de exclusao, o q tbm nao eh nada facil, mas so de ver nossos bebes felizes e saudaveis nos tornamos fortes!!!

    Incentivo a amamentação, mas existe muita coisa relacionada q com certeza prejudica muitas maes de amamentarem com sucesso, e não julgo quam nao consegue, acontece!

    Antes de parir eu imaginava q seria como todos os outros mamiferos! Era so tirar o peito e pronto! Infelizmente nao eh!

    Um medo q tenho eh q tenho visto por ai (nao eh o caso do post e dos comentarios acima) algumas maes simplesmente desistirem pra nao perderem noite ou pra nao ficarem “presas” em casa pra amamentar ou simplesmente pq o “peito cai”… isso tem crescido e realmente acredito q ira aumentar… infelizmente.

    1. By Shirley Hilgert

      Carol, tudo bem? Meu filho também tem APLV. Nossa, é um horror, né.
      Espero que esteja tudo bem com a sua filhota e que ela esteja aceitando bem as frutinhas e as papinhas. Beijos.
      Obrigada por suas palavras.
      Shi

  24. Carol Bassuma

    shi! esqueci de perguntar! o leo mama neocate?? Malu teve q tomar algumas vezes, qd tem crise da alergia por conta de algum derivado do leite q eu engeri muitas vezes sem saber :-( … como eh sua experiencia com ele (o neocate)?? beijos

    1. By Shirley Hilgert

      Oi Carol, ele toma Neocate sim. Desde que tinha 3 meses de idade. Ele aceitou super bem, de cara, nunca recusou. Mamou mal no início, porque tinha muito refluxo e esofagite, mas agora mama super bem. Neocate é uma benção para nossos filhos! Fiz dois posts falando sobre esse assunto (APLV e Neocate) aqui no Blog. Dê uma olhada (pesquise no campo de pesquisa que vc encontra).
      Bjs

  25. Anonymous

    Olha, eu amamentei minha filha até ela fazer 2 anos, e exclusivamente até os 6 meses. Tive muitos problemas, como qualquer uma tem. Nos primeiros 15 dias era uma dificuldade pra ela pegar o peito e na primeira vez então eu chorei porque não conseguia fazer ela mamar. Meu peito não só rachou, ele ficou em carne viva nos primeiros 2 meses. Eu dava de mamar a ela e mordia uma almofada para não gritar de dor. O primeiro mês eu quase não tinha leite, ela ficava 2 ou mais horas pendurada no meu peito, sem conseguir dormir porque não enchia a barriguinha. Depois tudo isso passou. No segundo mês, depois de muita insistência e da família falando para dar NAN para ela, eu persisti e me neguei, era uma questão de força de vontade. O leite veio que veio, chegava a molhar a camisa toda se eu não desse de mamar a ela de 2 em 2 horas. Mas ai vieram outros problemas. Eu não podia sair de casa por muito tempo, porque não conseguia tirar leite pra armazenar, ela mamava muito e secava o peito. Passei muitas noites sem conseguir dormir porque ela ficava fazendo o peito de chupeta e ainda por cima só dormia no peito, então ninguem conseguia colocar ela pra dormir que não fosse eu. Mas quer saber?? Eu não me arrependo nem um segundo. Os melhores momentos que eu tive com ela bebê foi dando de mamar. O jeitinho dela me olhar e de prazer que ela fazia quando mamava, não tem preço. A ligação que a gente criou não tem preço. E vocês me desculpem (tirando aquelas que realmente tiveram algum problema serio que não conseguiram amamentar), às vezes o que falta mesmo é a força de vontade. Porque bebê na primeira semana perde peso gente, é normal. No primeiro mês quase não se vê leite, e é verdade, quanto mais o bebê sugar mais leite vem depois. Então se ele quer ficar uma, duas horas no seu peito no primeiro mês, deixe, depois vem um monte de leite… Depois, tudo vale a pena, o que não adianta é se desesperar e achar que o bebê tá morrendo de fome… As vezes ele chora por outros motivos, não fome. Às vezes ele só quer o aconchego do peito como chupeta mesmo.

    1. By Shirley Hilgert

      Olá, tudo bem? Muita gente passa por dificuldades para amamentar, acho que a maioria das mulheres. Algumas vencem com mais facilidade, outras com menos, outras nem sequer vencem e algumas, realmente, não fazem muita força para vencer. Mas acho que todas as situações devem ser respeitadas. Hoje existe uma cobrança muito grande em cima da amamentação e as mulheres que tentaram de tudo e não conseguiram, ficam arrasadas. Acho que também tem que haver respeito e entendimento nesse tipo de situação. FAz parte da vida. Nem tudo é perfeito. Nem todo mundo vence o desafio.
      Abraços e obrigada por deixar seu depoimento aqui.
      Shi

  26. Tatiana Cali

    Ola Shirley, mais uma vez parabens pelo post. Hoje vou pedir licenca para talvez me alongar um pouquinho, mas acho q as informacoes sao importantes. Sou medica e sempre fui super a favor da amamentacao. Sou tambem uma agente multiplicadora da IUBAM (Iniciativa de Unidade Basica Amiga da Amamentacao). Antes do meu primeiro filho nascer, hoje com 5 anos e meio, eu era destas q era tao neurotica com amamentacao q nao conseguia admitir outra pratica. Quando o Lucas nasceu, pensei q jamais teria qualquer problema para amamentar, afinal eu tinha toda a teoria necessaria. Ledo engano! Em 24h meus mamilos estavam distruidos e eu desesperada. Olhavam pra mim certamente com o mesmo olhar q eu por diversas vezes olhei minhas pacientes. E’ pega errada! Mas nao era! Eu tinha um fator q nenhuma sabedoria iria resolver … Pele ULTRA, MEGA SENSIVEL!!! Muita dificuldade ate tudo se acertar e passei a me tornar uma “vaca leiteira”. Amamentei meu filho e sobrinho por 2 meses ate q do dia pra noite vei a “seca”. Passei a ter q dar complemento e antes dos 7 meses ele largou o peito. Meu olhar e minha forma de abordar as pacientes mudou e confesso, como errei tantas vezes! No treinamento eles nao explicam isso, ou eu nao absorvi, mas nas aulas seguintes q dei para formar novos agentes mudei meu discurso. E’ muito dificil amamentar … Se fosse facil nao precisaria tanta campanha!!! Resumindo a historia, com minha segunda filha, hoje com um ano e meio tudo foi diferente … Ate hoje ela mama no peito e consegui doar leite para o Banco de Leite Humano (BLH) ate ela fazer um ano. Bom, a orientacao q dou e’ relaxe, tente nao se estressar e se precisar, procure ajuda! Aqui no Rio o Instituto Fernandes Figueiras no Flamengo, atende gratuitamente mulheres com dificuldade de amamentar. ELES SAO MARAVILHOSOS !!! E para quem tem um pouco mais e quiser doar, o “sangue branco” salva vidas e eles buscam em casa. O nosso trabalho e’ so’ coletar. Fica a dica para quem tiver interesse. Obrigada pelo espaco. Parabens pelo Blog. Tatiana.

    1. By Shirley Hilgert

      Oi Tatiana, tudo bem? AMEI SEU DEPOIMENTO. Como sempre, você muito sensível, sensata e participativa. Você não gostaria de fazer um post falando sobre a dificuldade que enfrentou e sobre o trabalho que você realiza na IUBAM? Eu amaria compartilhar sua experiência e aprendizado aqui no blog. Acho que isso poderia ajudar MUITO outras mães e ser bastante útil para várias leitoras. Topa? Aguardo seu retorno. Beijos! Shi

    2. Tatiana Cali

      Nossa! Legal! Me pegou de surpresa! Eu topo, mas precisaria de um tempinho pra preparar o texto para passar pelo seu “crivo”. Estou passando por um momento particular meio delicado. Meu sobrinho foi transplantado e esta com umas complicacoes. O emocional esta meio capenga, mas assim q eu conseguir escrever algo te mando. Como eu faria para te enviar? Seria por este post mesmo ou ha um email? Obrigada pela confianca. Bjs, Tatiana.

    3. By Shirley Hilgert

      Nossa, Tatiana! Que notícia chata essa do seu sobrinho. Espero que ele esteja melhor. Vou ficar rezar pedindo por ele.
      Sobre o texto, sem pressa! É para quando você quiser e puder fazer.
      Depois de pronto, envie para o meu e-mail: shirley@macetesdemae.com
      Beijos!! Boa sorte com a questão do seu sobrinho!
      Shi

  27. Kátia Lederly

    Lendo tudo isso, passou um filme na minha cabeça. Nunca imaginei que me faltaria leite. Tenho seios fartos e isso parecia uma garantia. Mas não foi.
    Estava tratando de uma depressão severa há 3 anos. Tomava antidepressivos e ansiolíticos. Quando descobri a gravidez, juntamente com meu psiquiatra, fui reduzindo a medicação até parar completamente. Eu queria muito amamentar. Li muito durante a gravidez. Peguei todas as dicas com as minhas amigas. Mas na pratica a teoria é outra!!!
    Queria tentar um parto normal e consegui. Mas a amamentação… Ainda no hospital as enfermeiras me ajudaram muito. Mas ele não conseguia mamar. Insisti muito. E nada!!! Ele estava com fome. Me ligaram do berçário. A enfermeira disse que daria o complemento pra ele. Fiquei arrasada, mas se era pra ele tomar o complemento, eu mesma daria pra ele. Trouxeram ele para o quarto e, mesmo chorando muito, dei o leite artificial. Afinal, o bem estar e a saúde dele vinham em primeiro. Tentei tudo que me ensinavam para o leite descer. Fui pra casa. Nada do leite. Liguei para o pediatra indicado por uma amiga. Ele disse para continuar tentando e para não dar o complemento. Dar o peito sempre que ele quisesse. Nossa rotina estava uma loucura. Ele mamava de 10 em 10 minutos. Eu varava a madrugada. Lá pelas 6 horas os dois desmaiavam de cansaço. Eu tinha me preparado tanto e não estava dando certo. Tinha algo errado. Eu não conseguia acreditar que poderia ser assim com outras mães. Mudei o pediatra. Ele estava magrinho. Eu não podia continuar insistindo nisso. O médico foi bem direto: ele está morrendo de fome!!! Precisamos dar mamadeira pra ele. Mas antes da mamadeira vc vai dar 10 minutos do peito. Se vc conseguir dar uma gotinha do seu leite já vai ser muito bom pra ele!!
    Voltei pra casa me sentindo muito mal. Meu filho estava com fome todos aqueles dias e eu continuei esperando o bendito leite descer. Dei a mamadeira e pela primeira vez em um mês ele dormiu 3 horas seguidas. Parecia um sonho!!!
    Na próxima mamada eu decidi que ao invés de dar o peito eu faria a ordenha pra saber quanto leite eu tinha. Que decepção. Quase não saía leite. Em 10 minutos consegui uma colher. Inacreditável.
    Aos poucos, com a rotina, fui me acostumando com a situação. Mas fiquei inconformada. O mínimo que eu queria era poder alimentar o meu filho. Me senti muito impotente. Incompetente. Mas ele estava ganhando peso e dormindo!!! Era outra criança!!
    E, então, durante 2 meses e meio eu curti cada mamada. Eram 10 minutos. Os melhores 10 minutos!!! Precisei parar. Minha depressão voltou com força total. Eu precisava voltar com a medicação. Era uma escolha. Continuava dando peito a qualquer preço ou me tratava para estar emocionalmente melhor e consequentemente estar mais inteira para o meu filho. Ficamos só com a mamadeira. Os primeiros dias foram bem difíceis. Ele ficava procurando o peito. Parecia sentir o cheiro do leite. Entendi a situação. Fiz o melhor para nós dois. Parei de me culpar, mas não me conformei até hj. Meu ffilho vai fazer 4 anos no dia 13 de abril. É uma criança linda. Saudável e cheio de energia. Sempre foi acima do tamanho normal. É alto e forte. Ninguém acredita que ele só tem 3 anos. Parece ter pelo menos 5 anos.
    Com isso aprendi que por mais que a gente queira nem sempre pode ter tudo sobre controle. Acredito, de verdade, que a amamentação esconde ainda muitos mistérios. Mas nem por isso nossos filhos são menos amados ou nós somos menos mães. O duro é lidar com a expctativa e a frustração…

    1. By Shirley Hilgert

      Kátia, fiquei verdadeiramente emocionada com o seu depoimento. E tocada pela confiança que você teve contar sua história aqui. Muito obrigada!
      Infelizmente, nem sempre as coisas saem como a gente planejou e sonhou, e quando somos pessoas controladoras e perfeccionistas (100% meu caso), isso nos arrasa mais ainda.
      Eu também quis muito o parto normal, e consegui. Me senti vitoriosa, poderosa. Depois veio o desespero da amamentação e isso me jogou no chão.
      Mas nada como dar tempo ao tempo. Hoje já superei o trauma e gostaria de ajudar outras mães a também superá-lo. Coisa que tentei fazer através desse post.
      Mais uma vez, obrigada por suas palavras. Extremamente, tocantes.
      Abraços.
      Shi

  28. Anonymous

    Como é bom saber que não estou sozinha… meu filho nasceu faz 3 dias e meu leite não desceu então tive que começar a dar complemento para ele e me sentia a pior das mãe por isso… Graças a Deus tenho um marido bom que me ajuda mto e me fala que se eu não tiver leite não tem problema qntas crianças não foram alimentadas no peito e estão vivas e saudáveis né… a minha mãe não conseguiu me alimentar e estou aqui cheia de vida!! Obrigado por este post…

  29. Anonymous

    To na mesma, meu bebe tem 30 dias enão consigo amamentá-lo e isso é frustante…é horrível! E tudo o que você é o que sinto agora nessa fase de não poder amamentar, obrigada por dividir a mesma angustia, isso me ajudará a superar tamanha frustração!
    Lidia Cariacica-ES

  30. Gabriela

    Minha filha nasceu de cesarea. Linda e super saudavel. Na maternidade já pegou super bem o seio, tebdo inclusive sido a bebe que melhor conseguiu mamar no periodo em que estavamos no hospital. Chegando em casa as coisas iam muito bem ate que ela teve sapinho e eu fungo no seio. Meu seio rachou, sangrava muito a cada mamada e a dor era simplesmente insuportavel. Mesmo assim aguentei firme, pois QUERIA MUITO amamentar a minha filha.
    Passamos esse sufoco. A amantacao estava perfeita. Meu seio sarou e ela estava ganhando peso maravilhosamente bem.
    Até que um furacao passou pelas nossas vidas. Quando minha filha estava com 1 mês e meio descobri que havia pego hepatite c no parto.
    O baque foi terrivel! A desinformacao, inclusive doa medicos, quase me levou a loucura, por nao ter certeza dos riscos de amamentar e transmitir a doenca para minha filha.
    Aos prantos e desesperada pelo meio peito jorrar leite e ver minha filha chorando se fome, não tive dúvidas de comprar o leite artificial na farmacia e dar a ela em uma mamadeira.
    Nao sei se para minha sorte ou maior desespero, ela pegou super bem a mamadeira.
    Morria de dor nos seios, tinha leite ate demais, mas nao PODIA AMAMENTAR!
    Fui no melhor hepatologista que encontrei. Ele me garantiu que nao havia risco de transmissao da doenca pela amentacao. Apenas um pequeno risco se a mama tivesse alguma fissura ou sangramento. Voltei a amamentar, sabendo que em pouco tempo teria que parar definitivamente para iniciar meu tratamento. Mas enquanto o governo nao liberava a medicacao aproveitei cada mamada da minha filha.
    Pouco tempo depois meu seio rachou de novo e suspendi de vez a amantacao, pelo risco a saude sa minha filha! Tomei medicacao para o leitenparar de descer.
    Me fortaleci com o apoio do meu marido e da minha familiabe segui em frente!
    Mas muito aindanestava por vir….
    Comecei o tratamento, mesmo sabendo dos efeitos colaterais, o cansaço e o mal estar tomavam conta de mim.
    Sofria com os olhares reprovadores e as perguntas sobre pq nao amamentava minha filha. Nao queria expor minha doenca e meu sofrimento aos quatro ventos. E sofria ainda mais por nao poder cuidar da minha filha do jeito que goataria…
    Todo o meu esforco e as mimhas forcas eram dela e para ela. A maior parte das mamadeiras fui eu quem dei. Morria de ciumes d ver outra pessoa alimentando ela.
    Hoje ela completa 9 meses! Linda, saudavel e sem hepatite!
    Meu tratamento terminou e com ele todo o medo de que a minha filha nao subesse quem é a mae dela!
    Em todo esse processo desesperador acho que nao senti tanta culpa. Mas um medo absurdo de nao conseguir estabelecer um vinculo verdadeiro com minha bebe!
    Graças a deus esse medo a cada dia está passando. E mesmo exausta quando ela acorda 10 vezes numa noite e nem meu marido consegue acalmá-la, no fundo sintobuma felicidade imensa por saber que ela simplesmente só quer a mamãe!!!
    Obrigada por esse blog genuinamente sincero que me fez ter a coragem e o incentivo que a muito procurava para conseguir escrever sobre isso e resumir (fala serio… esse comentario ta gigante… kkkk) em palavras todos esses sentimentos….

  31. Fernanda

    Shirley, me identifiquei muito com o seu post. Sou enfermeira e mãe de primeira viagem. Durante a faculdade ministrava palestras sobre amamentação e achava o cumulo as mães que nao amamentavam, afinal, parece ser fácil né? É só colocar a boquinha no bebe ali, acertar a pega e pronto!!!
    Mas quando meu filho nasceu, não foi assim! Sofri muuuuito! Ele nasceu enorme a passado 10 dias do nascimento, era visivel que estava magro demais!!! Eu fiz de tudo para amamentar! Tomei remédio, espirrei remédio, comi canjica .. enfim!!
    A primeira pediatra que fui, me indicou leite artificial! Mudei de pediatra e sai do consultorio chorando …. frustrada!
    Mas nao teve jeito! Após quatro dias do Victor chorando sem parar, dei a mamadeira! Chorando! A culpa era muito grande!
    Hoje ele tem 4 meses mas a culpa ainda nao passou! Espero que um dia ela passe!

    1. Shirley Hilgert

      Fernanda, a culpa passa. Eu achei que teria que fazer terapia para passar a minha, mas quando Léo fez seis meses comecei a me sentir menos mal por dar mamaderia. E aos poucos a gente percebe que amamentar é o ideal, seria lindo se desse certo, mas se não deu (e não foi por falta de tentativa) é bola pra frente e voltar a ser feliz. Eu morria de medo do Léo não criar vínculo e posso garantir, mais ligado a mim, impossível.
      Eu acho que, às vezes, essas coisas acontecem para nos ensinar algumas outras coisas. Eu sempre fui de julgar as mães que não amamentavam, hoje entendo perfeitamente a situação delas. Bjs

    2. Silvia Lins

      Comentei ali embaixo, mas comento de novo. Mamei 10 dias. Não sou mãe, sou filha. Sou 100% saudável, mais saudável até que pelo menos 80% das pessoas na mesma idade que eu (23) pois muito além de amamentar, meus pais sempre pregaram a alimentação saudável em casa. Nunca saí do meu peso ideal.

      “Ai morro de medo de não estabelecer vínculo blablabla” BOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOBAS! Vocês carregaram essas crianças meeeses dentro de vocês, tudo que eles cresceram até a hora do parto veio do organismo de vocês!!!! Vocês acham mesmo que a amamentação ou a falta de vai afetar o quanto o bebê de vocês é ligado com vocês?

      O que realmente vai fazer diferença é o carinho e atenção que vocês dão, seja amamentando com peito seja com mamadeira seja com funil, uahuahauhuaha, não sejam bobas, se fosse assim o bebê não se apegava com o pai. O que faz diferença em se apegar mais ou menos à mãe, pai ou seja lá quem for é apenas a quantidade de carinho, atenção e tempo passado junto, como em qualquer outro relacionamento. Vão curtir seus bebês! Eles não vão gostar de ver vocês chorando :)

  32. Anonymous

    perfeitoooo…fiz mamoplastia e nao imaginava q um dia ia atrapalhar eu dar de mamar….eu consegui amamentar so 40 dias isso pq eu queria muito pq nao tinha leite nenhum saia uns pinguinhos só…quase q entrei em depressão e sou frustrada ate hoje por isso…pedro hoje tem 1 ano e 2 meses e ainda lembro com lagrimas o tanto que sofri!! Obrigada pelo relato!!!

  33. Danielle

    Mamães, no RJ há o IFF (Instituto Fernandes Figueira) que ajuda as mães com dificuldades de amamentação. É um Instituto muito sério e presta serviço gratuito.
    Uma dica que me deram também foi procurar uma enfermeira (logo na maternidade mesmo) para ir a sua casa e ajudar nos primeiros dias de amamentação. Muitas vezes a mãe não consegue amamentar pq o bebê não faz a “pega” correta, ocorrendo fissuras no peito da mãe e fazendo com que o aleitamento seja um momento muito difícil e doloroso. Pitacos de mãe, tia, etc nessas horas só vão atrapalhar em minha opinião. O ideal é procurar ajuda de um profissional.
    Bjs

  34. Silvia Lins

    Como ela disse, não se cobrem. Não falo como mãe (não sou), mas como filha ;) mamei 10 dias, isso mesmo, 10 DIAS, e hoje tenho 23 anos e sou muito mais resistente que muita gente à minha volta que mamou até 3, 4 anos (gripo muito menos, faço atividade física 5x por semana, estou no meu peso ideal — e nunca saí dele, blablabla). Minha mãe tentou e muito provavelmente pelo nervosismo e cobrança, não conseguiu. Não sou menos apegada com ela por isso.

    Relaaxem que vocês conseguem, e se não conseguirem, acredito por experiência própria que é muito mais importante cuidar da alimentação da criança ao longo do seu desenvolvimento, não deixando entrar refrigerantes e porcarias em casa (nunca entrou na minha) e levando lanche saudável para a escola, do que garantir 1 ou 2 anos amamentando e depois já estão comendo fast food.

  35. Aline Miranda

    Shirley… OBRIGADA! OBRIGADA! OBRIGADA! Suas palavras parecem relatar minha triste experiência com amamentação.
    Esse assunto é uma mancha negra na minha história cor de rosa de ser mãe!
    Minha linda Valentina também precisou de complemento e só mamou até dois meses.
    Só Deus sabe o quanto eu sofri por não amamenta-la. E chorei muito escondida e escancarado. Esta semana mesmo quando relatei minha história à uma cliente as lágrimas correram e até ela chorou comigo.
    Mas graças a Deus tenho consciência de que minha amada filha está saudável e isso que interessa.
    Você é excelente com as palavras! Parabéns!
    Abraços
    Aline
    Itajaí/SC.

  36. Katherine

    Pois éééé…eu nunca tive a menor dificuldade pra amementar,nunca doeu,ele pegou direitinho desde a primeira mamada,digo que tive muita sorte,pois era mae de primeira viagem!!! Mas essa história de ser “menos mãe” por não amamentar é mesma ladainha de quem diz que mulher que faz cesárea é “menos mae”de quem faz parto normal…..ahh por favor né,eu fiz cesárea,por escolha propria e não me sinto menos mãe em nenhum momento…meu filho já tem 4 anos e está firme e forte hahahaha
    Não se sintam assim….eu não mamei no peito,em muitos países as mulheres não amamentam e as crianças continuam crescendo!!! Não fiquem tristes =)

    1. Mae Consumista

      Essa história de cesárea e parto normal também é o ó!!! Não aguento mais ouvir essa história de mãe que fez cesárea não presta, é menos mãe, não cria vínculo. Para com isso gente!!! Legal a campanha de conscientização contra as cesáreas em massa, mas assim como vc Katherine eu também optei pela cesárea por puro pavor, confesso, eu morria de medo do parto normal, pavor, horror de sentir a dor. Pode chamar de egoísta, mas acho que passar dor para parir não faz de ninguém uma mãe melhor.

  37. Fernanda Maciel Palma

    Nossa, parecia que eu estava lendo minha estória! Até hoje me emociono! Minha princesa já está com 6 meses e isso ainda me incomoda muitoooo! Na gravidez qdo me perguntavam se eu iria amamentar, achava um absurdo e respondia claro! Até quando ela quiser!!! Mas infelizmente fui agraciada só por 3 meses e meio e com complementação!!! Ouvi muitos absurdos por não amamentar minha filha de gente que nem sequer sabia oq estava acontecendo e não imaginava oq fiz pra conseguir ter leite! Tenho certeza que grande parte da culpa do meu leite ter secado foi por causa da família do meu marido, principalmente da minha sogra que me fizeram passar muita raiva desde a gravidez! Ela perguntava tida vez que me via( moramos em cidades diferentes) se eu iria amamentar pq ela ela não conseguiu! A primeira coisa que ela perguntou pro meu marido quando a Manu nasceu, foi se eu estava amamentando… Fora outras maldades que me fizeram! E um dos fatores que prejudicam e muito a amamentação é o stress… Mas prometi pra mim mesmo, que na próxima gravidez não vou deixar isso me afetar!!! E já falei com meu marido isso tbm! Bom, desculpe meu desabafo, mas foi mto bom saber que não fui a única a ter passado por isso e melhor é que sobrevivemos e temos muitoooo AMOR pra dar pros nossos filhotes! Bjão!

  38. Anonymous

    Ótimo relato!!! Também passei por isso!!! Meu filho nasceu com hipoglicemia e logo deram a fórmula no hospital, no fim ele se acostumou com a mamadeira… Também no hospital me deram o bico de silicone porque disseram que o meu bico era invertido e depois vi que isso mais dificultou do que ajudou… E eu lutava para amamentar e o meu filho chorava, chorava, parecia que estava sendo torturado! Então ao invés de me apoiarem para amamentar a resposta era: dá logo a mamadeira… E o meu marido não entendia a frustração que era não poder amamentar, realmente parecia que eu era menos mãe… Nos primeiros meses toda vez que eu via uma mulher amamentando me dava vontade de chorar! Até contratei uma sessão com uma orientadora profissional (mas haja dinheiro para isso!). A minha solução foi bombear o leite por alguns meses, afinal era importante ele receber nem que fosse um pouco e depois completava com fórmula, mas depois meu leite secou… Graças a D’us esse trauma passou, e hoje penso que tentei, fiz o que pude, e sei que não foi por falta de vontade! No mais passei a pensar como uma coisa tão natural como amamentar pode ser tão complicado! E ninguém nasce sabendo, é um aprendizado tanto para a mãe como para o bebê (e pensar que antes mesmo sem ser mãe eu julgava quem não amamentava, acabei por morder a língua!!!). Espero conseguir amamentar o próximo, e com certeza sei que isso não deixa ninguém menos mãe e que amo muuuuuuuuito o meu garotinho lindo que hoje tem 1 ano e 1 mês! Muito obrigada novamente pelo relato! E boa sorte para nós quando tivermos o próximo!!!

  39. Camilinha

    Adorei o post. Foi o desabafo que estava entalado na minha garganta. Até hj não sei pq não consegui amamentar. Se foi por falta de bico, linguinha presa da minha filha, nervosismo, ansiedade, muitas opiniões, ou por simplesmente falta de experiência…mas uma coisa é verdade…não foi por falta de vontade! Logo no terceiro dia após o nascimento da minha filha por cesárea (algo que tb não queria) o meu leite desceu. Quando desceu foi aquela alegria…enfim tudo entraria nos eixos. Mas não foi bem assim. Também nunca imaginei que pudessem ocorrer tantos problemas…e que amamentar seria um ato natural…que para mim não foi. Não podia entender o que estava acontecendo, minha filha mamava, mas não dormia. A cada meia hora ela acordava dia e noite. Liguei para o pediatra pensando que poderia ser um problema neurológico, sei lá..e então as perguntas das pessoas será que vc tem leite mesmo?vc está sentindo o leite descer? Esvaziou o peito? Ela está engolindo? Não conseguia perceber nada disso…afinal nunca havia amamentado… Passei horrores chorava muito, fui em hospitais no banco de leite, vieram enfermeiras e até fonoaudióloga em casa ..tudo muito técnico.Tanto stress em apenas 8 dias do nascimento da minha princesa. Consegui uma consulta no pediatra e lá constatamos que minha pequena não tinha ganhado peso. E pelo fato do apoio a amamentação ele me pediu para tentar mais uma semana sem dar complemento. Até que um dia amanheci com o corpo pesado e com muita febre. Mastite…fiquei pior ainda…passei muito nervosismo com 40 graus de febre que não abaixava com remédio nenhum…e passando em claro pois minha filha não dormia. Novamente na consulta ela havia ganho apenas 100 gramas e sai de lá direto p o banco de leite de um hospital e devido a tato stress, falta de sono eu estava com muito pouco leite. Foi dai que começou a complementação e em seguida a alergia da minha pequena ao leite de vaca . Conclusão minha filha só pegou realmente meu peito pra valer com 4 meses…mas já era tarde…mas por não saber continuei dando pq me o pediatra me orientou a continuar dando primeiro o peito e depois a mamadeira, mas isso não funcionou muito bem…até hj com 8 meses ainda dou o peito…se tiver tenho uns 20 ml de leite por dia…mas ela gosta e se acalma com ele…então fui deixando. Também tinha vergonha de dar mamadeira em público…mas isso também passou…e hj não me sinto nada envergonhada.

  40. Camilinha

    Suas palavras demostraram bem meu ponto de vista. Mas passei por maus bocados. Esta história do ORGULHO de AMAMENTAR que colocaram na cabeça das mulheres me atormentava. Uma vez cheguei na casa da minha amiga e a prima dela tinha levado de presente uma camisetinha que parecia engraçadinha MOVIDO A 100% LEITE MATERNO. Fiquei bem chateda, não com elas, mas foi algo que mexeu comigo por não ter conseguido amamentar…entendo que deve-se incentivar a amamentação pois tem muitas mães que não querem amamentar por questões estéticas ou mesmo por ignorância…mas talvez este ORGULHO que querem enfiar nas cabeças das mulheres acabe prejudicando até o sucesso na amamentação. Algumas das mães que eu conheço tem completo HORROR a mamadeira e ás vezes nem para sair com o marido deixam dar a mamadeira com medo do bebê LARGAR o peito…e quando as vezes vão ao médico e que a criança não engordou o suficiente ficam em pânico com a possibilidade de não ter leite o suficiente e ter que parar de amamentar, ficam inseguras…quem relaxa assim…Esta pressão toda tb faz algumas de nós algumas vezes, nem que por um segundo nos sentir menos mães… Além do que algumas destas super orgulhosas também ás vezes nos olhar como se as vezes não fossemos mãe e com olhar de superioridade. Eu sempre compartilho esta história que passei com a intenção de ajudar a outras meninas a se prepararem para todas as possibilidades e até mesmo de colaborar para o sucesso da amamentação delas. Hoje superei…mas como disse, em alguns momentos me sinto um pouco incomodada pela forma como isso é abordado. Eu sei que sou MÃE de verdade independente de ter conseguido ou não amamentar…e que meu vínculo com minha filha não depende simplesmente da amamentação…mas sim pelo amor com o qual a recebemos e a amamos. Hoje eu sei que ela pode não ser MOVIDA A LEITE MATERNO mas ela é movida por algo muito maior do que isso ELA É MOVIDA A AMOR MATERNO incondicional!!!!!!!

    1. Camilinha

      Este comentário foi removido pelo autor.

    2. Camilinha

      Detalhe: Esta camisetinha foi dada para a prima da minha amiga pela prefeitura aqui da cidade onde moro para incentivar a amamentação.

  41. Mae Consumista

    A cobrança é tão grande que mesmo eu tendo amamentado até os seis meses e muitas e muitas vezes durante 2 hs seguidas (literalmente, sem exageros), às vezes me acho uma “menasmain” pensando que tinha que ter amamentado mais, durante mais tempo. A pressão é tão grande, mas ninguém explica o quanto é difícil, o quanto é chato às vezes, que o neném fica berrando às vezes durante a mamada, ninguém sabe dizer o que acontece e muito menos nós. Ninguém fala o quanto dói, o quanto esfola, o quanto é difícil colocar uma roupa junto com aquele sutiã horroroso, às vezes essa roupa é que vai fazer a mamãe se sentir mais mulher, mas dá tanto trabalho amamentar com roupas que não tenham botões que vc se sente um lixo ao invés de se sentir mulher… Que bom que tem outras mamães que tem consciência que não é tão fácil assim…

  42. Anonymous

    Graças a Deus pude amamentar meus dois filhos,o primeiro ate 1 ano e 6 meses e o segundo ate 1 ano e 4 meses, amei amamentar,e há uns 3/4 anos atras fiz uma ultrassom na mama e o medico me perguntou s eu tinha filhos e qto tempo amamentei,respondi e ele m perguntou s eu qria mais ,disse q nao pensava em mais n momento entao ele m disse s vc tiver outro nao vai amamentar,perguntei pq,ele m disse q as minhas gladulas mamarias diminuiram muito,fiquei bem chatiada.Mas s eu tiver outro pelo menos quero tentar amamentar e se Deus quiser vou conseguir,amo esse blog.Deinha

  43. Olha, até me emocionei lendo este post pois foi exatamente o q passei e senti. Eu tentei de tudo, até a sondinha eu comprei, era uma loucura, dava uma trabalheira para higienizar e além disso fiquei com a pele toda machucada pois o microporo q usava para prender a sondinha me dava alergia mas fiz com gosto pois eu queria q de qq forma q ele sugasse meu peito. Bem, nem preciso falar do fator emocional, imagina q no primeiro mes de vida do meu filho, passando noites em claro e com o bb grudado em mim o tempo todo, ouvir do pediatra “o seu filho não perdeu peso mas tb não engordou como devia, ele está passando fome”… comecei a chorar ali mesmo, entrei em depressão pois me achava a pior das mães mas tentei td q pude até os quase 5 meses, ufa.. meu filho já tem 3 anos e saudável graças à Deus e hj com certeza teria outra cabeça, mas na época eu não tinha idéia de como seria dificil, o meu filho fazia meu peito de chupeta ele dormia na mamada e era preguiçoso para sugar mas graças a Deus o leite artificial foi ótimo para ele. A cobrança realmente não nos ajuda e deveria ter mais orientações quanto as dificuldades q nós mulheres podemos encontrar. Obrigada pela oportunidade de poder desabafar e compartilhar.

  44. Livia

    Não consegui amamentar minha filha, não tive leite e o colostro (que foi a única coisa que tive) foi dado na mamadeira, queria tanto que ela mamasse no peito ou sequer pudesse mamar leite materno que passei pelo dolorido extrator de leite.
    Até hoje (minha filha está com 6 meses) não consigo ler nada sobre aleitamento materno (li o seu por um descuido, ainda bem), acho que deve ser incentivado sim, mas deve ser falado sobre a demora do leite aparecer em caso de cezárea, e das dificuldades e até a possibilidade de não conseguir produzir leite. Tudo que eu li sobre amamentação enquanto estava grávida era sobre a pega correta, a importância… fui para a maternidade achando que seria como uma vaca, a minha bezerrinha ia nascer e eu já iria colocar no peito e sentir a dor satisfatória de amamentar a minha cria.
    Chorei muito a princípio por não ter leite, e quando o “peito encheu” chorei por minha filha não consegui mamar, chorei pela dor da extração (apesar de não me importar), chorei por, 3 dias depois meu peito não doer mais por não produzir leite. Tentei de tudo, até meu marido “mamou” para ver se estimulava, mas nada adiantou.
    Uma semana depois de nascida quando levei minha pequena na pediatra ela falou o seguinte “Isso acontece com mais frequencia do que você pode imaginar, não se sinta mal por isso, você não é menos mãe e os leites complementares tem bastante vitamina e sua bebê não será menos saudável por isso, se você quiser insistir ótimo, melhor para sua bebê, mas não fique desse jeito, todos os dias entram mulheres em meu consultório que também não conseguiram amamentar”.
    Foi depois disso que meu choro diminuiu, mas até hoje sinto essa tristeza…
    E sobre os olhares de repreensão prefiro nem comentar…

  45. Laura Oliveira

    Muito bom o seu post!
    Meu bebê está com 3 meses e tambem estou parando porque já tentei de tudo mas meu filho não ganhava peso, e depois que a gente começa a dar complemento, o barco afunda!! E eu tive que dar desde o primeiro mês… Tentei sondinha, amamentar com ele dormindo… tudo!! Mas ele só quer saber da mamadeira…
    Nos sentimos culpadas e julgadas, e a verdade é que isso não vai fazer a menor diferença lá na frente… A gente sofre muito e só perde com isso, porque aproveita menos um momento mágico da vida do filho!
    Seria bom mesmo se eu soubesse antes o quanto isso é comum! Depois que aconteceu comigo, soube de várias amigas que passaram pelo mesmo… mas só depois!!!
    Parabéns pelo blog, me identifico total!
    Bjs

  46. Roberta

    Roberta, 10 agosto de 2013

    Não estou aguentando mais este sentimento de culpa, tenho uma linda filha de 4 meses e só consegui amamenta-la durante uns 29 dias mesmo assim com complemento, quando ela nasceu no hospital tivemos que dar leite para ela no copinho pois ela não pegava meu peito, chegamos em casa e meu leite só foi descer no 5° dia após o seu nascimento, fiz de tudo tomei remédio para aumentar a produção de leite fiz drenagem para retirar o excesso de leite, até que ela ficou chorando o dia inteiro pois meu leite não vinha, levei ela no hospital e o pediatra disse que ela estava com fome e me pediu para dar uma mamadeira para ela até meu leite descer, então eu fiz. quando meu leite desceu ela ficou mais de 4 horas no meu peito e só saia pouquinho e ela chorava, minha mãe e minha sogra insistiam que eu parasse de dar o peito pois a menina estava com fome, mas eu insistia em dar o peito e foi assim até que por fim a minha pequena chorava e balançava a cabeça de nervosa na frente do meu peito, hoje eu estou aqui com um grande sentimento de culpa que esta me consumindo a cada dia, não posso ver uma mulher amamentando que quando chego em casa choro e me sinto a pior das mulheres, eu não aguento isso mais, não tenho vontade de sai pois sei que terei que dar mamadeira para ela e não o peito, sinto muita vergonha e isso está cada dia pior, por favor

  47. Roberta

    Não estou aguentando mais este sentimento de culpa, tenho uma linda filha de 4 meses e só consegui amamenta-la durante uns 29 dias mesmo assim com complemento, quando ela nasceu no hospital tivemos que dar leite para ela no copinho pois ela não pegava meu peito, chegamos em casa e meu leite só foi descer no 5° dia após o seu nascimento, fiz de tudo tomei remédio para aumentar a produção de leite fiz drenagem para retirar o excesso de leite, até que ela ficou chorando o dia inteiro pois meu leite não vinha, levei ela no hospital e o pediatra disse que ela estava com fome e me pediu para dar uma mamadeira para ela até meu leite descer, então eu fiz. quando meu leite desceu ela ficou mais de 4 horas no meu peito e só saia pouquinho e ela chorava, minha mãe e minha sogra insistiam que eu parasse de dar o peito pois a menina estava com fome, mas eu insistia em dar o peito e foi assim até que por fim a minha pequena chorava e balançava a cabeça de nervosa na frente do meu peito, hoje eu estou aqui com um grande sentimento de culpa que esta me consumindo a cada dia, não posso ver uma mulher amamentando que quando chego em casa choro e me sinto a pior das mulheres, eu não aguento isso mais, não tenho vontade de sai pois sei que terei que dar mamadeira para ela e não o peito, sinto muita vergonha e isso está cada dia pior, por favor
    alguém me ajude.

    1. Shirley Hilgert

      Roberta, tudo bem? Imagino um pouco do que você está falando. Na verdade, muito! Eu quis muito amamentar e não consegui. Desde antes de dar meu peito tive que dar complemento. Depois que meu leite desceu, também segui dando complemento pois não tive leite suficiente. E para piorar, depois de algumas semanas, meu bebê passou a chorar desesperado quando mamava. Com o tempo, descobrimos que ele tem APLV (Alergia à Proteína do Leite de Vaca) e que isso causava refluxo oculto nele. E por conta do refluxo ele não conseguia mamar.
      Moral da história, com dois meses e meio optei por parar de dar o peito e dar só o leite especial que ele toma para APLV. Fiquei arrasada com tudo isso, cheguei a chorar vendo uma mãe amamentando em uma loja e também deixei de sair algumas vezes para não dar mamadeira em público. E quer saber? Hoje acho que eu me culpei demais na época. Por algo que eu não tinha a mínima culpa. Eu morria de medo que meu filho não criasse vínculo comigo por conta do pouco tempo com leite materno, mas não foi nada disso que aconteceu.
      Por outro lado, também desconfio que um pouco do sofrimento que tive pode ter sido uma espécie de depressão pós parto moderada. A depressão pós parto é vista como uma coisa monstruosa, mas não é nada disso. São sentimentos fortes, algumas vezes negativos, e muito mais comuns que a gente imagina. Sugiro você ler dois posts que escrevi. Um sobre as dificuldades que tive para amamentar e outro sobre depressão pós parto.
      Se você estiver se sentindo tão mal assim como você diz, talvez seja o caso de você conversar com seu GO e ver se ele indica algum médico para você conversar e checar se você pode estar com um pouco de depressão. E se estiver, não se desespere. Com muita facilidade você poderá fazer um tratamento eficaz e se sentir melhor em breve.
      Digo que hoje estou 100% curada do trauma de não ter amamentado. E digo mais: eu exagerei! Não precisava ter sofrido e me culpado tanto. A gente faz nossa parte e, se não dá certo, é bola para frente. Nossos filhos precisam de nós bem.
      Abaixo os links dos posts e a seguir o link para o grupo de discussão Macetes de Mãe. Entre lá que você verá o tanto de mães que não amamentaram e que não se culpam (ou não se culpam mais) por isso.
      Bjs e fique bem!

      http://www.macetesdemae.com/2013/03/depressao-pos-parto-sera-que-eu-tive.html

      http://www.macetesdemae.com/2013/08/amamentar-nem-sempre-e-facil.html

      http://www.facebook.com/groups/macetesdemae

  48. Roberta

    Obrigada pela ajuda, eu sei que isso vai passar mas tá muito difícil superar, hoje no final da Missa encontrei a mãe e uma amiga minha que ganhou nenê esta semana e ela não estava conseguindo amamentar seu bebê, quando eu perguntei para ela se minha amiga tinha conseguido ela disse que sim o leite dela desceu e até suspendeu o completo de aptamil no copinho, cheguei em casa em prantos de choro e dizendo por meu esposo que foi só comigo, no meu resguardo passei por muita provação e eu chorava muito eu queria tanto amamentar que acho que a ansiedade atrapalhou um pouco e as pessoas dizem que minha bebê estava passando fome, tá muito difícil não consigo para de chorar. Acho que sou a pior mãe do mundo pois deveria ter me esforçado mais.

    1. DELIANNE FERNANDES

      Roberta, sei bem o que se passa com você. Minha filha é prematura de 6 meses de gestação, pois minha placenta nao a alimentava mais, ficou internada na Utineonatal para terminar de se desenvolver, ficou exatos 1 mes e 15 dias, nesse tempo Mamadeira. Por ter sido uma gestação interrompida, não tive leite suficiente e ela se habituou à mamadeira. Quando veio para casa, tentei a todo custo o peito, mas ela fica nervosa e eu desesperada. Já tentei de tudo para nao dá a mamadeira a ela, até translactação com sonda, mas nada deu certo. Hoje ela fará 03 meses de vida, e ouço da pediatra que tenho que dá peito pq é importante, luto todos os dias mas sem sucesso, e ainda escuto do meu marido e familia (mãe, pai, etc) que não sou capaz de amamentá-la e que é melhor eu parar. Fico triste pq penso que poderia sim ser incapaz de alimenta-la desde o meu ventre. Mas antes de me culpar e chorar, agradeço a Deus por minha filha ter sobrevivido, pq é mais válido tê-la aqui no Leite Artificial de que não tê-la aqui comigo. Quero te dizer que na vida sofremos muito e muitas vezes nao encontramos respostas, achamos que Deus não esta conosco, pq acontece com nós? Mas pq não nós? entao se alegre por ter sua filhota com vc, não escute pessoas tentando te recriminar ou te menosprezar tirando sua autoestima e te culpando. Não se sinta culpada pq vc nao é culpada! Aconteceu! entao aproveite cada momento com sua filha, não se lamente por nao conseguir, pq vc com certeza é capaz de criar e alimentar sua bebe com o mais importante do que leite materno: O AMOR MATERNO! Pode ter certeza de que esse sim vale muito e firma qualquer vinculo! Me basta colocar minha filha nos meus braços e vê-la chupetando os meus seios e dormindo com toda satisfação! Beijos e fique com Deus

  49. Unknown

    Parece que partes deste testo foi pra mim. Passei pelo mesmo problema, minha filha Roberta completou 2 meses e esta indo muito bem com o leite artificial, creio que com 3 meses tbm vou tirar o leite materno. No começo tbm fiquei muito frustada, desde do primeiro dia de vida ela teve que ser alimentada por leite artificial e acredito que so encarei a realidade quando vi que meu marido me apoiou. Abraços.

  50. Mirian Lima

    Alguém sabe indicar um bico de chuquinha ou mamadeira neo natal para que não diminua o estímulo de sugar o peito? Eu sei que todos tem esse risco, mas tem algum com “menor” risco?

  51. Acompanho seu blog desde que engravidei, hoje meu filho vai completar um mês no próximo domingo, e apesar dos problemas com a amamentação, ele é uma benção, bonzinho, calmo….tenho sofrido muito por não conseguir amamentação exclusiva, provavelmente por conta de uma cirurgia de redução de mamas que fiz há mais de 14 anos. Meu filho suga perfeitamente, fica no peito horas se eu permitir, mas depois de uma hora mamando, ele berra de fome, e se dermos uma mamadeira, chega a tomar 120 ml de leite, mesmo depois de tanto tempo mamando no peito. Como é possível? Tenho tentado de tudo, spray nasal, remédio chamado equilid, chamei uma enfermeira especializada no assunto, contei com ajuda das enfermeiras do hospital (meu bebê ficou seis dias internados, sendo dois deles na UTI, por conta de ter nascido com 36 semanas), até apelei para simpatias, como pentear o peito, fiz promessas, tudo para meu leite aumentar, já que ele é tão bonzinho, tem uma pega excelente, estimula meu peito corretamente, por qual razão o leite não jorra?? como isso dói…cada mamadeira dada me machuca, me faz sentir menos mãe…..e assim como vc, eu disse para meu marido que até os seis meses não quero dar mamadeira em público…..é muito frustrante, poucas pessoas entendem…meu marido e minha família não me cobram, ao contrário, não entendem porque eu sofro tanto por dar mamadeira. E quando vejo uma mãe amamentando com tanto naturalidade, pensamentos horríveis me invadem, inveja, raiva, e fico me perguntando, pq não comigo?? Não sei até onde conseguirei levar a amamentação no peito….por enquanto, a cada mamada, dou de vinte a 30 minutos de peito, e depois mamadeira….mas a produção é baixa…não sustenta..enfim…seu post me ajudou muito, é importante saber que não somos as únicas, que amamentar é sim incrível e muito importante, mas muitas vezes, por diversas situaçoes, não é possível, que nem por isso somos menos mães…e que ninguém deveria nos olhar como se fôssemos um monstro, sem antes saber o que realmente passamos;….

    1. Shirley

      Marcela, você está passando por tudo que passei. Também tentei de tudo: enfermeira me ajudando, translactação (uso de sondinha, fiz um post sobre isso aqui), horas e horas insistindo, enfim… tudo. Mas não deu. Primeiro não tinha leite suficiente, depois tinha mas o Léo tinha tanto refluxo oculto que não conseguia mamar.
      Na época, fiquei arrasada, mas agora olho para trás e aceito tudo que aconteceu. Não tenho mais dores, não tenho mais traumas, não tenho culpa nenhuma. Sei que fiz tudo que estava ao meu alcance (assim como você está fazendo) e se não deu, paciência. Teremos sempre a certeza de que tentamos e que, nem sempre, as coisas saem como a gente gostaria. Bjs!

  52. Anonymous

    Olá, sou Sirlei…postei como anonima…para falar que eu não passei isso no inicio…mas estou super triste, porque agora com 7 meses ela não quer mais mamar, principalmente durante o dia…ela mama a noite( não muito)…eu confesso que estou resistente em dar o leite artificial, tenho insistindo no Leite Materno, acho que quem esta sofrendo mais sou eu..me sinto culpa, justamente em virtude toda essa “pressão”, mas também porque curto muito amamentar…e acho que eu estou sofrendo com aquela sensação de que a minha filha esta me deixando …..de uma coisa eu tenho certeza ninguém poderá me criticar fiz tudo,,aleitamento materno exclusivo até o 6º mês….mas parece que a qualquer momento alguém vai me apontar o dedo…

  53. Vanessa

    Me identifiquei muito com sua história, meu bebe esta com dois meses e meio e eu insisto em dar o peito, e após dou complemento e o pior de tudo ele quer mamar no peito mas tadinho não o sustenta e ele tem rejeitado a mamadeira e acaba ficando com fome, chora depois de 2 min no peito e chora na mamadeira também, já fui em diversos pediatras. Dizem que ele esta saudável e não tenho que me preocupar, para mim não é normal chorar até na mamadeira. Tenho muita vergonha de dar mamadeira em publico e não sou julgada pela minha família e meu marido me apoia. Estou um pouco depressiva por isso.

    1. Shirley Hilgert

      Vanessa, não se martirize. Eu me cobrei e culpei demais, não merecia. E você não merece. A gente tenta de tudo, faz o que pode, se não deu, ok. Bola para frente! Beijos e fique bem!

  54. natalia

    Eu lamento muito por todas as mães que não conseguiram…
    O melhor a fazer diante de qualquer dúvida, qualquer problema ou dor durante a amamentação, é procurar um Banco de Leite. Lá se recebe atendimento de primeira afim de manter a amamentação.

  55. natalia

    Ah, e completando… é irônico. Pra um bebê de colo, pequenino, os olhares reprovadores são se não está amamentando. Ficou maiorzinho o olhar reprovador é se mama! Vai entender…

  56. Livia Baumgartner

    Nossa Shirley, como era exatamente o que eu precisava ler nesse momento. Me identifiquei absurdamente com tudo, tudo, tudo. Não consegui ler todos os comentários, mas é mto bom saber q vc não é a única, e como q é mto triste para todas nós que não conseguimos.

    Bom, voltando… e as cobranças??? Pelo amor de Deus. Sou igual a vc ainda tenho vergonha de dar mamadeira em público. Achava q era culpa mas não, é vergonha mesmo. Olhares inquisidores acabam com qq um, ainda mais com mãe de primeira viagem. Esse olhar da sociedade de q mãe de mamadeira é preguiçosa e nunca nunca insistiu o suficiente. Quem é q pode me dizer além de mim, o qto eu deveria ter insistido? Limite é mto mto mto pessoal. Eu tentei 12 dias. Briguei feio com uma “amiga” q teve o desprazer de me dizer que “amamenta quem quer”. Como assim e eu não quis? Ah vai catar coquinho.

    Pela primeira vez eu me senti bem pela minha escolha. De ler experiências similares. De não ler julgamentos de mães xiitas mesmo q nos fazem sentir o pior ser do mundo e ainda tem a cara de pau de falar q “não, ninguém tá falando q vc é #menasmain” Imagina!

    Ah, só de lembrar…. o esgotamento mental, físico do começo tb atrapalha. Os hormônios atrapalham pq vc se sente um lixo… As cobranças atrapalham. As grandes expectativas do amamentar sublime atrapalham. Ter buscado ajuda e mesmo assim ter falhado é o mais frustrante. Recomendo mto ir ao Banco de Lactação mesmo q comigo eles não conseguiram fazer o William pegar pq as dicas foram ótimas. Me ensinaram coisas como ordenhar e massagear as mamas q no hospital onde tive meu bebê não ensinaram.

    Cheguei a comentar em outro post, e só esqueci de falar, não recomendo nunca, nunca aquele bico de silicone. Willy tentou mamar com ele mas como ele só pegava o bico e não a auréola, não saía leite! Juro q não sei como tem gente q consegue. Era claro pra mim a falta de estímulo! Pra mim não funcionou e não quero ver nunca mais nenhuma na minha frente rs

    Concluindo, como minha madrinha disse, o q o recém nascido precisa é de muito amor e carinho. Mais do que o leite. E meu meninão faz 3 meses hoje e tá aqui um tourão! Rindo, feliz, e contente (no momento dormindo rs)

    É mto bom saber q uma hora passa.
    E segundo filho serve pra isso, pra tentar de novo! rsrsr

    Um beijo e obrigada, obrigada, obrigada!

  57. Sarah

    Ontem escutei ‘é, vc não nasceu pra amamentar. Toda mãe passa por isso. A diferença é que elas não desistem”. Como é que faz com um ser humano que te diz isso? É meu sonho amamentar. Tive gêmeos e não amamentei. Fiquei triste pra caramba, mas normal, gêmeos é foda mesmo… Mas daí engravidei de outra e pus na minha cabeça que esta eu iria amamentar tranquilamente. Eu tenho todas as informações possíveis sobre amamentação, sobre pega correta… Sei tudo. E mesmo assim não deu certo. Meu leite demorou 4 dias pra descer e minha bebê morrendo de chorar, acabando com meus peitos. Fui ao banco de leite, fazemos fonoterapia e nada de dar certo. To aqui aos prantos, me sinto a pior pessoa do mundo. Como eu dou mamadeira pra um bebê de 20 dias??? Desta vez não tenho a desculpa de serem gêmeos. Se eu ao menos soubesse o motivo de não ter dado conta, da minha bebê não se satisfazer com o meu leite, ia ser bem mais fácil aceitar. Mas não consigo, me sinto péssima…

    1. Shirley Hilgert

      Sarah, está na cara que você quis, fez, tentou, deu seu melhor. Siga tantando oferecer, sempre, mas se necessário complemente. E o pediatra pode orientá-la melhor nisso. Ela pode ajudá-la. Mas não se martirize. Não se martirize mesmo! Eu também sofri muito quando tive que dar mamadeira para o Léo (com 4 dias de vida!), mas passou. Hoje vejo-o lindo e saudável e penso que tanto sofrimento foi em vão (não as tentativas, pois essas SEMPRE VALEM A PENA). Bjs e boa sorte!

  58. Carla Sivori

    Disse tudooooo! Hoje minha filha está com 3 meses e 3 dias, e mamou na mamadeira desde sempre…já chorei muito, e agora ela até fica alguns segundos no meu peito, mas logo se irrita, mas juro que ainda não desisti! Estou pedindo à Deus para que tudo mude.

  59. Raquel

    Adorei ler isso. Estou passando pela mesma situação e só quem vive isso sabe o quanto é ruim. Minha bebê está com dois meses e desde que ela nasceu tenho dificuldade em amamentar. Ela passou quase uma semana sem querer mamar no peito, eu estimulava com ocitocina, pegava aquela bombinha manual de tirar leita e sofriiiiiia pra conseguir encher uma chuquinha :T. A mamadeira ela pegou rapidamente, menos mal. Além de tudo ela nasceu muito pequena, com 2.240 mesmo não sendo prematura. Por isso eu ficava me martirizando, me perguntando pq ela mama tão pouco? ela não não vai ganhar peso assim… e única solução era dar o complemento. Os médicos eram unânimes em dizer: toda mulher tem leite suficiente, todo bebê deve apenas mamar…. e eu ficando cada vez mais preocupada, ainda com o agravante do meu marido dizendo que eu TENHO que amamentar por conta dos benefícios que todos nós sabemos… Enfim, com muito esforço, as coisas foram melhorando e ela começou a mamar um pouco melhor, mas mesmo assim na hora do desespero que ela começava a chorar, eu fazia uma mamadeira com complemento. Depois, precisei me ausentar por uma semana porque era minha formatura da faculdade, em outra cidade, levei minha bebê, mas a correria me impossibilitou de amamentar e ela ficou tomando praticamente só o complemento. Resultado: agora estou aqui sem saber o que faça, tomando plasyl, colocando a bebê no peito, mas o chororô é grande e só passa com mamadeira. Todos me olham desse jeito, com esse olhar de reprovação, pq vc não está amamentando? Só a gente que passa o dia é que não sabe o que fazer quando vê o bebê chorando sem pegar o peito. Meu peito já tá secando e tou vendo que vou ter que parar de amamentar… Estou super triste e sentindo que vou me culpar a vida inteira por isso. Mas não sei mais o que faço. Na minha cidade não vende essa sonda de amamentação… enfim, espero que tudo dê certo pra minha bebê, foi ótimo ler e saber que outras pessoas passam por isso, pois só convivo com gente que amamentou e acha o fim do mundo não amamentar… beijos

    1. Shirley Hilgert

      Raquel, vá na farmácia e pergunte se tem caninho para sonda, o menor deles (o mais fininho). Aí você usa esse caninho dentro de uma mamadeira qualquer (pode ser até copo). Essa dica quem me deu foi um pediatra amigo. Beijos e boa sorte, querida!

  60. vanessa

    Muito obrigada…nao tenho como descrever o alivio que senti com suas palavras….
    Meu Bebe tem 12 dias E tenho chorado dia E noite desde os primeiros Dias….so Eu sei o Quanto Eu Queria amamentar…

  61. Katherine

    Durante a minha gravidez, a parte de amamentação foi a última com a qual me preocupei,passava bucha nos seios pois o meu médico pedia,mas não pensava muito nisso,quando meu filho nasceu foi um treco automático ele mamar e olha que meu peito não aumentou nada na gestação,não saia leite nem nada….mas foi tranquilo,meu peito não rachou,não doeu nada e não tive nenhum problema,foi como se eu tivesse feito isso a minha vida toda….aí quando ele estava com 8 meses tive mastite nos dois seios e tive que parar de amamentar…=/

    Cada mãe é diferente,eu nunca coloquei nada na cabeça que “tem que ser assim e quero muito isso” por que sei que é muito dificil sair tudo do jeito que queremos e isso só nos deixa mal….por isso desencanei de tudo e o que fosse pra acontecer aconteceria =)

  62. Edna Lima Santos

    Estou vivenciando nesse momento exatamente a situação que voce passou, assim como outras mamaes que deixaram seus relatos. Deixo minha filha 1 hora no peito rachado, sangrando, ferrado e depois tenho que dar o complemento. Sinto que em breves dias minha filha de quase 3 meses irá largar definitivamente o peito, pois ja esta com dificuldades de fazer a pega e o que de fato a alimenta é o complemento. Me senti um pouco melhor e menos culpada por nao amamentar exclusivamente no peito. Obrigada a voce e todas as mamaes que dividiram as suas histórias e diferentes dificuldades.

  63. Fernanda

    Adorei o post…
    A parte que falou das campanhas é super verdade, falam muito da importância, mas esquecem de dizer como se faz. Tenho uma prima que não consegui amamentar por falta de orientação, eu não era mãe ainda e tb não sabia ajudar, a mãe dela tão pouco… A falta de ajuda, de correta orientação é um problema grande nessa fase, acredito que consegui amamentar por essa orientação tb.
    Já diz o ditado que querer não é poder… Infelizmente né!
    Deveria ter mais orientações em hospitais, em cursos de gestante, e nós consultórios médicos, tanto do ginecologista como no pediatra, orientação correta, clara e honesta.
    O fato de não conseguir é horrível, se sentir impotente, incapaz é a pior sensação do mundo, mas tb dar o peito machucado, sangrando, não é bom, aqui vale a ideia da saúde do bebê é o mais importante e sangue no leite não é e nunca será o ideal… Isso não tornam ninguém menos mãe, ter menos amor, outras coisas a tornam… Olhares e comentários sempre terão infelizmente!
    Tenho certeza que o Léo tb é saudável, feliz e amado do mesmo jeito, a carinha linda dele reflete isso!
    Bjs.

  64. Sara

    Adorei o post. Passei por isso com a minha primeira filha e não tive o menor suporte da equipe da maternidade. Me julgavam como se eu estivesse com preguiça de amamentar; o fato é que eu quase não tinha leite. Tive alta com minha filha berrando de fome e os dois seios sangrando! Com meu segundo filho, que está com 20 dias, foi a mesma coisa… Mas escolhi outro hospital! Tive todo o suporte dos pediatras e enfermagem para seguir tentando amamentar ou partir para a fórmula, sem julgamentos. Escolhi continuar tentando e partimos para a translactação. Ainda assim, meu leite não desceu e depois de quinze dias estamos só na fórmula mesmo. Dá uma dor no coração, mas desta vez não sinto culpa porque sei que tentamos tudo o que era possível. Nosso pediatra diz que é muito mais importante para o bebê uma mãe tranquila e sem culpa do que o leite materno. Quanto à imunidade, acho que um dos maiores medos das mães, a Raquel foi para a creche com seis meses e quase não adoeceu. É uma criança muito forte e saudável. Parabéns pelo blog!

  65. Cris

    Isso aí, fiquei muito frustrada de nao poder amamentar,so amamentei 2 meses e ele vai fazer 4, ainda ta recente e as cobranças me deixam chateada.

  66. Daniela

    Olha, me senti um pouco mais aliviada…desde que ganhei minha pequena, ainda no hospital tive uma enorme dificuldade de amamenta-lá hoje ela está com 11 dias de vida, e estou tendo que dar complemento por que meus seios doem muiiito, e ela também não pega muito bem, não coloca toda aréola na boca só quer o bico, o que faz machucar mais anda, pra ajudar ainda não tenho muito leite, disseram que pode ser por que fiz mamoplastia, mas não sei…!Enfim, é complicado esse sentimento de impotência e as pessoas ao teu redor muitas vezes não ajudam só sabem julgar achando que é uma barbada dar peito com dor e ainda não tendo quase nada de leite!#desabafo.
    Mas acredito que todas as mulheres que não puderem dar peito terão filhos fortes, tanto quanto aquelas que dão.

  67. Dai

    Oi. Sua história e bem parecida com a minha. Consegui amamentar so 15dias. Me esforcei bastante. O meu maior sonho era amamentar todas as minhas amigas conseguiram. E falavam que eu iria gostar. Pq e um momento magico com seu filho. Mas infelizmente nao consegui.
    Sou mae solteira, minha filha esta com 9 meses. E ja toma leite de caixinha.
    Mas sempre fui criticada pelas minhas primas, principalmente uma que teve bebe 4 dia depois que eu . E ela tinha mto leite, e deu ate recentemente. Entao imagina a comparação que fazem comigo.
    Mtas vezes ainda choro com isso.
    Mas tento suprir a falta de amamentação. Com mto amor. Pq minha filha e tudo pra mim.
    Tudo que posso faço pir ela.
    Obrigada meninas. Sempre tive vontade de falar. Sobre isso

  68. luísa

    Amamentei minha filha até um ano, mas vou te falar que sofri tanto nos 3 primeiros meses que até hoje não sei se tanto sofrimento valeu a pena.

    Minhas mamas sangraram muito… todos ficavam me falando que em 15 dias iria melhorar… depois mais 15, mais 15… o fato é que pensava “agora que já sofri tanto, não vou desistir para não perder todo o sacrifício”. Assim se passaram três meses de muita dor e nervosismo.

    Sinceramente, amamentei minha filha até um ano por que era mais cômodo (afinal, o leite prontinho estava sempre ali, sem embalagem para lavar) e porque já tinha sofrido mesmo então tinha que compensar…

    Mas hoje penso que o sacrifício inicial só serviu para me estressar ainda mais, me fazer sofrer ainda mais e me deprimir ainda mais. Será que EU não merecia mais comodidade? Será que para minha filha o fato de eu estar mais calma e descansada não teria sido bom?

    Depois você fica naquela dependência de horário, de não poder sair ou demorar a voltar porque senão o bebê chora com fome… quantas vezes já larguei as compras de mercado no meio pq me ligavam que a bb não parava de chorar… E também ficava restrita nas roupas que podia vestir.

    Até o fato cientificamente comprovado que amamentar emagrece não se confirmou comigo. Foi só parar de amamentar que em duas semanas um pneuzinho insistente nas costas havia sumido… E também acho que bb que mama mamadeira fica mais gordinho e acorda menos para mamar. Acho mesmo, me desculpem os especialistas…

    Sei que a paranoia da amamentação será repensada em um eventual segundo filho. Se passar por 1/5 do que passei novamente não terei dúvida em pegar as inúmeras mamadeirinhas tamanho P que ficaram no armário sem uso e vestir minhas blusas e vestidos fechados na frente.

  69. Luzia

    Meu filho está com 05 meses e eu estou nesse dilema, desisto ou não de amamentar, confesso que durante esses meses venho me desgastando muito com isso, para não dizer, neurótica. Ele é meu primeiro filho e eu não tive uma orientação na maternidade, pelo contrario fui instruida a dar mamadeira.
    Venho esses meses passando por situação tristes de ver meu filho chorando no peito, além do olhar das pessoas como se eu tivesse fazendo ele passar fome.
    Hoje passei o dia inteiro lutando com ele, quando foi a noite já não aguentando dei a mamadeira, ele tomou tudo com tanta rapidez.
    Sei que o melhor era esquecer essa paranoia e dar logo mamadeira, mas eu não sei o pq não consigo. Isso está fazendo tao mal para mim e para ele.
    Como me sentir mais traqnuila a respeito ? como não me cobrar, como não me sentir fracassada?…não sei não sei.
    Está difícil viu

  70. thais

    aiiii gente também estou sofrendo demais com essa situação, minha bebe largou o peito com 2 meses por causa que meu peito estava ferido demais chagava a sangrar eu não estava nem aguentando deixar ela colocar a boca,agora isso me doi muito ter que ficar dando (Aptamil Soja) pra ela, mais isso me deixa muito abalada tds os dias sinto vontade de chorar, mais tbm nunca tinha passado por isso, sou mãe de primeira viagem se eu já estivesse experiência teria deixado ela mamar no peito do jeito que estava, mais isso não vai diminuir nunca o meu amor de mãe o importante é ela ter saúde e ser saudável bjinhos,….

  71. Viviane

    Shirley, se não estou enganada, ess foi um dos posts com mais comentários, ne? E por que? Porque esse assunto é um dos que mais aflige as mamães…

    Muito se fala da maravilha da amamentação, mas quase nunca sobre a dificuldade que passamos…

    E veja quanta gente está na mesma situação!

    Eu não tive bico no peito e minha bebe era preguiçosa, então recebi apoio do GAM (grupo de aleitamento materno do hospital são Luiz), e só com a ajuda da Flávia, enfermeira obstetra que me ajudou demais lá, consegui amamentar por mais ou menos um mês, quase que exclusivamente no peito (só dava a mamadeira na ultima mamada da noite e na madrugada).

    Porém com o tempo minha bebe foi querendo só o peito esquerdo, mamava uns 5 min e já largava e logo em seguida queria mamar de novo.

    Então agora, com quase 3 meses, eu acabei desistindo… :(

    Sofri demais, mas graças a Deus recebi 100% de apoio do meu marido e da minha mãe, as pessoas que mais conviveram comigo e viram o quanto me dediquei e tentei amamentar…

    Mas realmente não é fácil, e recebi críticas até do meu pai e de outras pessoas muito próximas… :(

    Mas meu consolo foi que logo que decidi não dar mais o peito, minha lindinha começou a dormir a noite toda!!!

    Ela completa 3 meses semana que vem e cada dia está mais ligada a mim e sorridente…tenho certeza que ela não vai mudar comigo só porque não mama no peito!

    Obrigada pelo seu blog!!! Vc me ajuda muito!

    Grande beijo,

    Vivi

  72. Daieni

    Não amamentei nenhum um dia sequer. Simplesmente não tive leite. Usei bombinha, tomei remédios e nada. Meu bebê ficou cinco dias com fome, eu achava que ele estava mamando o colostro, mas chorava muito, então a solução foi o leite artificial.
    Pior que a possibilidade de não amamentar nunca me passou pela cabeça, comprei sutiãs de amamentação, pijamas que abrem na frente, enfim, frustração total.
    Hoje ele tem dois meses, é um bebê saudável e está ganhando bastante peso, já me conformei com a situação meu único medo, como de muitas que li nos comentários, é o vínculo mãe-bebê que se cria com a amamentação, sei que é bobagem da minha cabeça, mas é difícil não ter esse medo.
    Adorei o blog. BJ

    1. Shirley Hilgert

      Daieni, sim, tb passei por esse medo do vínculo, mas o Leo é super apegado a mim e eu a ele. Tudo certo por aqui! :-)

  73. Alemãe

    Adorei seu post é importante sim falar das dificuldades mas vamos aos pontos:
    Vinculo: ela vai existir no LM ou no LA, desde q o LA seja dado na maioria das vezes pela própria mãe e não cada vez por uma pessoa diferente. O que vejo é muita mãe optando pelo LA por comodismo.
    Ganho de peso: é loucura achar q uma criança miúda não é saudável e por isso além de LM dar LA. Crianças q só mamam LM serão na sua maioria mais miúdas, mas isso não quer dizer que estão passando fome.
    Descida do leite: Algumas mulheres como eu, saem do Centro cirúrgico já amamentando, outras como a minha irmã conseguem após 7 dias, mas consegue. Vários fatores interferem, psicológico, cansaço devido a visitas, dor no seio, pega do bb, alem de alguns fatores físicos.
    Em relação a divulgação, se a mídia só mostrando o lado bom, tem mãe q já leva mamadeira para a maternidade imagina se começarem a divulgar os problemas?? Vc amamentou 3 meses o que já foi ótimo pois vc ofereceu anticorpos e demais benefícios q o LM tem e q o LA por melhor q seja não tem…
    Não sou contra mamadeira, mas acho q só podemos desistir depois de 1 mês de tentativa e a melhor opção é procurar um banco de leite, para ter certeza de q esta fazendo correto.

  74. Yasmini

    Nossa..como todas essas coisas se encaixam nos meus sentimentos neste momento. Me sinto a pior mãe, ainda mais por ser enfermeira e trabalhar com recem nascidos e saber da importância da amamentação. Quando dizia para as mães no começo que amamentar doía, não fazia idéia de como dói quando os seios estão machucados. Tenho feito de tudo, possível e impossível mas nao esta dando certo. Me dei um prazo de testes mas ler este post e seus comentários me fez ver que
    Não sou a única. Obrigada

  75. Mariana

    Não amamentei a minha primeira filha por falta de informação, pois falta de estímulo e até hoje nunca me senti culpada até pq hoje ela é super saudável, nasceu de 8 meses e ficou quase um mês na neonatal, havia horário de visitas e muito pouco estímulo por parte da maternidade que nasceu.
    Berrava de fome e eu tinha mta dó dela, preferi dar a fórmula do que vê-la chorando.
    Graças a Deus nunca teve nada. Já com minha segunda filha hoje com
    3 meses descobri que é APLV com 1 mês de vida, ficou na sonda com LA e estímulo no peito em todo período que ficou internada, se eu falar que foi fácil não foi, foi duro ela dormia a maior parte do tempo e na maioria das vezes eu tinha que deixá-la toda pelada para que acordasse, tinha que acordá-la nas madrugadas e ela mal acordava e confesso que senti medo, medo de dar hipoglicemia, de ter que interná-la novamente, mas insisti muito meu peito doía eu chorava, mordia o travesseiro, me contorcia e chegava a me dar dor de cabeça de tanta dor( meu peito direito dói até hoje)tinha pouco leite, tomei várias medicamentos e o que me ajudou foi o plásil, porém tive que deixar de tomar pois faço exclusão de leite e derivados e conforme a gastropediatra todos os comprimidos tem traços de leite.
    Tenho médico duas ou três vezes por semana, além do leite e derivados faço exclusão de frutos do mar, amendoim, ovos, soja, carne de vaca e fazia de glúten mas a gastro acha que não tem necessidade, pra falar a verdade to qse ficando doida pq a minha alegria na vida é comer, sou magra mas tenho espírito de gordo(perdi mais de 5kg além do we ganhei na gestação)mas por ela vale a pena volto a trabalhar mês que vem e estou sofrendo demais, Tb não consigo tirar com bomba e terei que dar neocate pra ela pois o pregomin hidrolisado Tb deu reação nela.
    Ela continua fazendo coco com
    Sangue e muco e ainda suja a fralda qse 8 vezes por dia, apesar de todas as exclusões, troca de panelas e tudo.Conforme a gastro se não adiantar terei que dar a fórmula e eu nao queria, é horrível e ela gosta tanto do peito, infelizmente não pega a chupeta, e com isso só dorme me chupetando. Ainda sou nova nesse meio, e só uma mãe sabe quanto sofrimento isso leva a gente, não pela exclusão somente, mas de imaginar o sofrimento e as vontades que terão que passar, uma vez que a mais velha não é alérgica. Quanto aos julgamentos sobre o aleitamento acredito que as pessoas falam e se metem demais, por isso eu escolhi me fazer de morta quando alguém vem me dar um “palpite” que eu não pedi.
    Ainda tem preconceito até quanto a nossa exclusão como se fosse fácil.
    Tenho fé que ela vai passar por isso rápido e logo estará curada, mas não está sendo fácil, penso nisso o tempo todo, mas agradeço de não ser algo mais grave pois o tempo que passei na UTI neo natal vi quantas mães tem seus filhos com doenças graves e nem
    Sabe se os terão amanhã.

  76. Marcia

    Que bom ler o texto. Hoje meu filho está com 16 dias de vida e não consegui amamenta-lo um dia sequer. Fiz cesárea e o leite começou a aparecer com 3 dias. Nesse intervalo teve que usar fórmula. Mas, desde que nasceu meu bebê recusou o peito. Sim! Rejeitou o peito! Com muito sacrifício ele pegou o peito um dia, mas ficou em carne viva. Não consegui mais. Sou resistente a dor, mas se insistisse, eu perderia os mamilos, o médico disse. Parei por 3 dias, tirei na bombinha, mas agora só tenho uma ou duas gotas (isso mesmo) de leite em cada seio. Já tentei sonda também, mas hoje mesmo ficou a pele do meu mamilo na boca do meu filho. Só tenho chorado, me sentindo menos mãe, incompetente, impotente, um lixo, enfim. Morro de vergonha de oferecer a mamadeira em público. O meu leite sempre foi pouco e meu filho gritava de fome. Preferi sacia-lo com a fórmula a ve-lo em um pranto desesperado por causa de fome. Estou muito abalada. Vou continuar tentando, mas não sei se vou conseguir e preciso preparar meu psicológico para qualquer resultado que eu consiga (positivo ou negativo). Mas, está doendo muito, muito mais no coração.
    Infelizmente, não há apoio para esses momentos frustrantes. As campanhas só dizem o lado bom, mas nada se fala da realidade e da dificuldade que é amamentar.

  77. tiazinha

    Nossa. Muito bacana esse teu blog. Amei mto. M serviu d consolo e recomendei a uma amiga. Como sofri por n amamentar meu primeiro filho. Ouvi de tudo um pouco. K nao keria,k tinha AIDS,k isto k akilo. E depois???Se fosse por AIDS ou hepatite eu taria certissima por nao dar para proteger um ser tao indefeso. Digo. Hje m afastei de mta gente pk kem nao entend uma situação dessas,n merece estar por perto p dar comentários ruins e olhares reprovadores. Pk no fim d dia essa gente estara bem e a gente se remoendo. Ntao devemx fkar so kom kem nx valoriza

  78. Si

    Que bom ler isso, obrigada. Só quem passa sabe a dor e a angústia. Tentei muito, tomei medicamentos, tentei ordenhar com a bombinha, chorei, me desesperei e me culpei. Tento ainda superar, não é fácil. Mas ler relatos como esse mostra que não sou a única, ajuda a aliviar o coração.

  79. Luciana

    Oi, muito bom poder ler isso!!
    Ainda estou na fase de adaptaçáo, bicos com fissuras, muita dor qdo ela pega, tentando não desistir, mas mesmo assim acabei dando o complemento pq um dia meus seios empedraram de uma forma que não consegui amamentar e tive até que tomar antibiótico.
    Não quero desistir, mas está dificil viu…já vi todos os videos possiveis para ver o que estou fazendo de errado na hora da pega, mas não vejo nada de errado, mas continuo sentindo dor qdo vou amentar, fora que as fissuras não melhoram…
    Hoje vou a um banco de leite, minha ultima tentativa…

  80. LUANA OLIVEIRA MIRANDA

    Oi obrigada por compartilhar conosco, sua vida de mãe real, assim como a minha. Arthur vai completar 4 meses e desde a semana passada esta sendo um sacrificio ele nao quer pegar mais o peito ( desde que nasceu dei um complemento mas depois meu leite começou a descer muito mas mesmo assim parecia que não saciava a fome dele). Hoje ele não pegou nem um pouco chorou e so acalmou quando dei a mamadeira, até fiquei com vontade chorar, mas vou parar de se culpar e curtir meu filho, fiz o meu melhor e sei disso.
    Beijos e Obrigada por tudo

    1. Macetes de Mãe

      Olá Luana!
      Claro, fique tranquila, você é a melhor mãe para o Arthur :)
      Bjs

  81. Rafaelle

    Belas e sabias palavras… Meu maior sonho sempre foi ser mãe… Sonhava com o parto normal, amamentar e muitas outras coisas… Mas minha frustação começou cedo…. Foram 5 anos de tentativas, ate que o medico disse que não iria dar certo pois eu tinha problemas nas trompas… Consegui engravidar naturalmente, na primeira semana um risco de aborto… Depois foram 8 meses de uma gestação normal… Com 38 semanas, meu bb estava com bradicardia (batimentos cardiacos muito baixos 80bpm) meu sonho de parto normal já era, cesariana de emergencia… Na hora da amamentação, outra tristesa…meu leite não possuia caloria suficiente para alimentar meu filho… Quando eu tinha 18 anos ( hj tenho 33) fiz gastroplastia, a famosa reduçao de estomago, no meu caso, de intestino tbm, ou seja, a minha capacidade de absorver nutrientes e calorias havia diminuido… Eu tinha leite, mas era um leite ralo, sem a gordura necessaria, o Nicolas mamava, pegava certo, ficava sugando de 10 a 15 minutos cada mama, mas em torno de 20 minutos berrava de fome novamente… Resultado, quando fomos para casa em uma semana engordou só 30 gramas… nao teve alternativa, foi para o complemento, e acabou largando o peito em um mes… chorei muito, e ainda choro ao me lembrar que nao pude alimentar meu filho, maa nem por isso me sinto menos mãe, pois eu reconheço no meu bb todo o amor que existe entre nós, cada vez que ele se aninha em meus braços para se acalmar e dormir sinto todo o amor e toda paz que só quem é mãr pode entender… amor maior que esse nao exite…

    1. Macetes de Mãe

      Com certeza Rafaelle!
      Para seu filho você sempre vai ser a melhor mãe do mundo, é o amor mais lindo!!
      Bjs

  82. Patrícia

    Também me senti culpada durante anos. Tenho os seios com bico invertido e há 9 anos atrás não fui instruída a respeito da amamentação. Não pude amamentar e tive que ordenhar todo o leite para não empedrar e dar febre. Sofri muito tive que dar o leite Nestogeno e hj me sinto mais conformada pq sei que não estou sozinha. Bjão

  83. Helen

    olá mamães…

    como é bom msm ler td isso…
    amamentei por 3m e 10d, com 2 mastites…
    o que me tranquilizou foi quando o mastologista me disse: tem gente que tem problemas de estomago, coração, pulmão, etc, vc tem na mama… pode e deve PARAR, agora…

    hj João Rafael tem 4a9m… a coisa mais linda e saudavel da minha vida…

    sem culpas, se soubesse disso antes, ah como teria sido melhor

    obg pelo blog… amei
    bjao

    1. Débora

      Hoje me identifiquei muito com o post, passei por isso! Desde que planejei ser mãe, amamentar era um dos meus maiores desejos , e consegui ,mas não foi como tinha sonhado! Meu filho nasceu com 1840 kg , ficamos duas semanas no hospital até ele ganhar peso na incubadora, então o complemento artificial era necessário. E foi bem difícil! Não sabia como dividir as duas formas de alimentá-lo, se dava peito primeiro não sabia quanto dar de complemento, quando traziam o leite ele estava mamando e o leite acabava sendo desperdiçado, quando ele chorava e achávamos que era fome corríamos pra copa e parecia que aquele leite demorava uma eternidade! Tentamos tirar o complemento, porque eu tinha bastante leite, ele perdeu peso, entrava uma enfermeira e dizia: “dá peito”, entrava outra e dizia: “ah…mas o complemento tem suas vitaminas!” Todo mundo querendo ajudar, claro, mas eu estava quase louca!!! E foi assim no decorrer dos quase 10 meses de amamentação, aquela mamadeira sempre concorrendo comigo, eu tentando sempre que ele mamasse o máximo que desse, as madrugadas inteiras naquela luta de só dar a mamadeira quando fosse muito necessário, mas eu sabia quando era??? Com 4 meses, APLV, 5 meses sem comer NADA que tivesse leite ou derivados, que eu adoro! Já estava comendo pouco, com isso…só piorou! O “conseguir amamentar” para mim foi muito trabalhoso, já que a mamadeira estava sempre ali me fazendo concorrência! Mas como eu priorizava sempre pelo peito primeiro, e mantinha um ritmo bom em suas mamadas, tinha leite, mas não era aqueeeela coisa!! Quando comecei a trabalhar ficou difícil, a frequência das mamadas diminiu, o leite também e minha rival mamadeira me venceu! Esses 9 meses senti tudo isso que todas mães escreverem aqui, culpa, vergonha de carregar e dar a mamadeira, me sentir a tal quando amamentava em público, rejeição quando ele não quis mais, me cobrei muito, briguei muito com meu marido nas madrugadas quando meu filho chorava e ele dizia que era fome, que déssemos uma mamadeira, eu não queria, e era mesmo fome!! Eu consegui 10 meses e dando complemento, mas queria ter dado só peito até os 2 anos, talvez uma mãe que amamentou 2 anos se sinta culpada porque trabalha demais, a que não trabalha se sente culpada porque perde a paciência com filho por ficar todo tempo com ele…E por ai vai! Nos cobramos muito! Até hoje quando ele adoece eu penso que é porque ele não mama mais! Será que essa culpa de mãe tem fim??

  84. Valéria

    E não só sobre a amamentação, passei por isso em relação ao parto tbm. Tentei parto normal, mas tive uma serie de complicações e precisei de uma cesárea de emergência. Demorei muito para aceitar e talvez até agora depois de 3 meses ainda me culpe um pouco.

  85. aline

    Era td o q eu precisa ler nesse momento. Estou sofrendo mto, meu bebe está com 9 dias hj, e desde seu nascimento ele não pega meu peito e estou dando complemento, e tirando o q consigo pra dar junto.
    O pior é o comentário das pessoas te julgando, onde parece q é eu quem não quero, que é porque não insisto. Sendo q o meu sonho era poder amamentar ele nos meus seios.
    Já chorei mto, graças a Deus meu esposo está sempre do meu lado me apoiando e dizendo sábias palavras.
    Tenho mto receio de sair de casa e ter q dar a mamadeira, com medo e vergonha no q as pessoas vão pensar e falar.
    Me sinto tão culpada e tão triste.
    Mas vou superar isso, pois meu filho está mto bem. E eu tbm tenho q ficar.

  86. Carline

    Meu filho tem hoje 1 ano e 5 meses e ainda me culpo por não ter conseguido amamentar. Pude dar prá ele meu colostro durante 5 dias com complemento e quando o leite desceu, logo empedrou. Sofri, chorei, comprei coletor prá tentar estimular mas mal saia 30, 40 ml, até que parou de sair. A gente se sente menos mãe, se sente impotente em não poder dar alimento ao seu próprio filho… resultado: entrei em depressão pós parto. Hoje meu filho está saudável, lindo, mas ainda quando vejo outras mães amamentando me bate uma tristeza, uma inveja “branca” e o pensamento de que como eu gostaria de ter podido amamentar também. Mas nem sempre as coisas saem como imaginamos, o importante é ver que ele está bem e cheio de saúde….

  87. Daiane Borges

    Meninas,eu tenho três filhos, sempre sonhei em amamentar, mas como já no primeiro fiz cesarea,o que ninguém me avisou q demoraria p descer o leite por causa da anestesia, chorei o dia inteiro tentando amamentar, minha irmã disse q ia comprar leite por q o Pedro não parava de chorar,aquilo me dilacerou por dentro,mas insisti e finalmente consegui, o Mateus foi mais fácil, mas achando q seria igual e q já sabia tudo,o Rafael está com um mês de vida,o q foi mais fácil nos outros dessa vez foi terrível! tive rachaduras nos seios nos primeiros dias, amamentei chorando,graças a Deus melhorou e agora está tudo bem, mas nunca, jamais critiquei alguém por não poder ou não querer amamentar. ..É uma escolha,sempre pensando no bem do seu próprio filho,não podemos julgar..ninguém é perfeito, mas tentamos ser o melhor que podemos! ;)

  88. Monaliza

    Nossa tudo que você escreveu, era tudo que eu gostaria de falar e gritar aos cantos desse mundo!!! Não só em relação a amamentar seu filho ou não… Mas o quanto somos cobradas em tudo, como pode vivemos em uma sociedade que ninguém mais se respeita!!! O que é bom e prazeroso pra ti, talvez não seja pra mim, HELLOOOO… Planejamos ter um filho, geramos os nove meses, ouvimos dicas e críticas desde de o primeiro dia… O bebê nasce as dicas e críticas continuam, e acham qu estão te ajudando, mas ninguém pensa ela tem sentimentos… ela ama esse bebê mais do que a si mesma, ela tem sentimentos… Só sabem dizer o que deve ou não deve fazer… Mas na hora que tu tem teu filho nos braços, chorando de fome ou de cólica, ninguém aparece para então prestar aquela “ajuda”… Estou com meu bebe a completar 2 meses, amamentei direto no peito até os 20 dias, aos trancos e barrancos como tu escreveu, o leite cada dia muito pouco, no início ele se contentava com pouco, depois dos 20 dias comecei a completar com fórmula, e meu leite cada dia menos, os seios arrebentados, amamentava meu filho chorava de dor e de culpa, por querer muito amamentar… Mas Tb não consegui com 1 mês e uns dias parei de dar o peito… Penso comigo que tem que ser algo que dê prazer pra ti e para seu filho!!! Ainda me sinto culpada por não conseguir, mas a certeza que amo meu filho e ele me ama, independente de eu ter conseguido ou não é o que me conforta!!!

  89. Mariana

    Obrigada pelo texto e a todas que comentaram. Minha história é muito parecida com a de algumas pessoas aí de cima, tentei demais e só quem passa por isso sabe o quanto é frustrante não conseguir. Ainda não superei, mas penso que somos seres humanos, únicos e com nossas particularidades, qualidades e deficiências, e não produtos feitos em série como pregam as campanhas e as xiitas, que negam qualquer possibilidade de fracasso na amamentação, dizendo que foi “falta de tentar”. Reconfortante ler o post da Fernanda Gentil também, tão mal interpretado por quem não passou por isso. Mas bola pra frente. Nossos filhos crescerão saudáveis e felizes, depende muito mais do que faremos pra eles a vida toda do que apenas nesses primeiros meses. Um abraço solidário a todas… Não estamos sozinhas nessa e não temos que nos envergonhar por algo que está, depois de esgotadas as tentativas, fora do nosso alcance. Cada um tem o seu limite.

  90. Carla Marques

    Amamentar, para mim, foi a experiência mais surpreendente que tive. Nunca pensei que quisesse amamentar, sempre achei estranho. Era daquelas pessoas que achava esquisito uma mulher colocar o seio de fora e dar de mamar em qualquer lugar. Quando a minha filha nasceu, o meu pensamento mudou quase instantaneamente. Não só amamentei (com muito esforço no primeiro mês) como, quando ela deixou de querer mamar com 18 meses, fiquei muito triste. Dei de mamar em qualquer lado, sem qualquer problema. Foi uma das experiências mais bonitas que vivi. Quando tiver outro filho, espero amamentar ainda durante mais tempo. Deixo a minha história aqui: http://www.vinilepurpurina.com/2015/10/07/amamentar-e-uma-coisa-esquisita-ou-esta-conversa-e-sobre-mamas/

  91. Karla

    Olá Shrilei, td bem? Seu post de 2013 é tão atual pra mim pois passei pelas mesmas situações, minha bebê tem 4 meses e já há um mês que não consegui mais dar o peito, exatamente tudo o que Vc comentou eu passei e senti…
    Fiquei curiosa em saber como foi a amamentação do seu segundo filho Caê, se a primeira experiência te fez fazer alguma coisa diferente e os resultados…
    Obrigada, adoro seu blog!!! Bjos

    1. Shirley Hilgert

      Karla, Caê vai fazer 1 aninho dentro de alguns dias e ainda mama no peito. :-) Bjs

  92. Fabi Freire

    Nooooossa este texto é excelente! Minha maior frustração é essa e no meu caso foi total inexperiência da primeira filha, machucou, doía insuportavelmente, já sai da maternidade dando complemento e só sarou com 40 dias qdo não consegui mais amamentá-la no seio de jeito nenhum, ela trocou pela mamadeira… É triste mesmo!

  93. Daniela

    Li o post e vários comentários. Triste constatar que tantas mães sofrem por falta de informação prévia (quantas deram chupeta durante o processo?) e até mesmo por orientação inadequada de pediatras e familiares. Triste pq poderia ser diferente… Mas não sofram, o mais importante de tudo é o cuidado e o amor!

  94. Vivi

    Minha bebe parou de mamar no peito com 2 meses… fiquei internada 4 e desde então a produção diminuiu e tive q entrar com o complemento. Ela nunca mais quis o peito.

    Hoje com 4 meses, ainda fico triste e choro por saber que foi um desmame tão cedo… sei que vou superar, mas é uma culpa sem fim sobre meus ombros.

  95. Kelly

    Como esse texto e os comentários de outras mães me ajudou , minha filha tá com 1 mês e meio e mama peito e complemento mto mais LÁ do que LM . Fiz césarea o leite demorou p desce qdo desceu ela fazia a pega errada me machucou mto , a ponto dela vomitar sangue do machucado dos seios , fui várias vezes a maternidade diziam que tinha leite qdo resolvi ir ao banco de leite descobri que minha irmã filha tava passando fome e desidratada , tive que da complemento por sonda aguentei por 1 mês e parti p mamadeira . Me culpo por ela mama mamadeira e tenho vergonha de dar em público . Mais se não der ela fica com fome pois meu leite não sustenta sei que logo vai secar e vou sofrer demais

    1. Macetes de Mãe

      Não tem que ter vergonha de nada, Kelly! Foi o melhor para você e sua filha.
      Bjs

  96. Rosa

    Sou uma avó muito, muito preocupada.
    Minha netinha em 10 dias de vida perdeu 400 gramas.
    Minha nora tem muito leite, mas a bebê não consegue pegar no peito.
    Preocupada buscou banco de leite para doar, contratou enfermeira para lhe orientar e médica.
    Todos continuam insistindo que ela não deve dar mamadeira.
    A bebê está irreconhecível de tão magra, não parece a mesma.
    Que devo fazer, por favor, já que meu filho e ela não me ouvem ?

  97. Elisa

    Aconteceu comigo também e infelizmente a pessoa que deveria está ao meu lado (marido), queria de forma incompreensíva que eu desse de mamar sem ter muito leite. Hoje minha bebê tem quatro meses e mamou até ai sempre acompanhado de fórmula, realmente você está certa me sinto um lixo, incapaz de ter dado só leite materno a minha filha é um sentimento que não tem como impedir, tenho muito medo dela ficar doente pois uma pediatra me tratou muito mal ao saber que associado ao leite materno eu dava fórmula e ressaltou os danos que iam causar devido a minha prática (inserir leite artificial), e disse não entender o porquê dessas mães de primeira viagem não darem leite materno ao seu filho, a princípio deu vontade de esganar aquela desumana se fosse um homem até entenderia pois eles nunca passaram por isso mais uma mulher achei o cúmulo do ridículo. Hoje tento superar esse trauma tendo fé em Deus e a certeza de que minha filha não terá nada que aquela médica falou.

  98. Aline G.

    Ainda bem que encontrei esse texto…desde a maternidade a minha filha toma LA, tenho os mamilos invertidos e ela não pegou na hora…comprei bicos de silicone e assim só consegui amamentar exclusivamente por uma semana. Não tinha muito leite, ela chegou a passar três horas mamando e nada de ficar satisfeita, fora que meu peito ficou super machucado. Como perdeu peso, a pediatra me orientou a ficar direto na fórmula, pois disse que não ia dar certo amamentar. No começo senti um pouco de alívio por não precisar passar mais por aquele sofrimento, mas depois de quinze dias contratei uma consultora. Não consegui seguir o planejamento dela, seja por conta do cansaço físico ou do mental, mas em nada minha produção aumentou, concluí que devo ter algum bloqueio psicológico em relação à amamentação…talvez por ouvir desde a adolescência que não iria poder amamentar por conta dos mamilos, não sei…hoje eu sigo procurando conhecer pessoas cujos filhos são saudáveis, não obesos e que se alimentaram de fórmula… peço a Deus todo dia pra cuidar da saúde da minha filha, já que eu não pude fazer muito por isso…tento aliviar minha culpa pensando que quando for a época de introduzir alimentos sólidos tentarei oferecer os mais saudáveis possíveis. No mais é seguir em frente…

    Muito obrigada pelo texto!

  99. Rafaela

    Meu Deus, esse texto é tudo que precisava. Meu bb está com 30 dias e não tive leite, motivo: falta de informação, emocional abalado, após 15 dias meu seio parou totalmente de produzir o pouco de leite que tinha e meu bb não quis mais o peito, acostumado com a mamadeira. Fiquei arrasada, mais quando eu dou a mamadeira para o meu filho ele me olha com tanto amor como se estivesse mamando no peito, isso me consola e me faz sorrir. ótimo texto, parabéns!

    1. Macetes de Mãe

      Que bom, Rafaela!!!
      Obrigada pelo carinho <3
      Bjs

  100. Josi

    Perfeito todo o texto, obrigada por dividir com pessoas como eu, todo mundo joga quando vc fala que dá complemento, tudo isso aconteceu comigo, está acontecendo, José Pedro está com dois meses e uma semana.
    Quando ele nasceu ele mamava e dormia achava que estava tudo certo, SQN, por que ele não estava mamando suficiente.
    Ele perdeu 300 gramas, com isso não saímos do hospital com dois dias, e sim no terceiro dia saímos de lá.
    Lá meu peito estava machucado, mas não ligava dava o peito mesmo assim, segurando na cadeira, na mão do marido, fazia tudo com dor, mas isso não era nada, por que queria amamentar.
    A noite como a glicemia dele estava baixa, lá no hospital deram complemento para ele.
    Voltando para casa eu em desespero já comprei o complemento igual do hospital e dei para meu filho, e com na consulta em uma semana com o pediatra ele também não tinha ganho peso mas também graças a Deus não tinha perdido.
    Aí ele orientou a continuar com o complemento.
    Só que eu achava que ele sempre ia querer o peito, só que não mais com a mesma vontade e gosto.
    Ele até hoje pega o peito, mama quando está saindo bastante depois ele larga e começa a chorar
    Mas eu ainda tenho leite quando ele chora, por que eu aperto o peito de leve e sai leite. Mas ele não ele chora chora até vim a mamadeira.
    Ele pega o peito quando ele quer. Quando ele não quer nem adianta colocar o peito na boca dele, que ele chora desesperadamente, eu cheguei fazer esse processo com a Sonda para ficar só no peito, mas usei pouco esse processo. Por que precisava dele pegar o peito, em como nem sempre ele pega aí não dava certo.
    Quando saímos de casa eu fico até com medo de oferecer o peito por que ele vai chorar muito se na queda hora ele não quer, aí eu dou a mamadeira, e fico com a mesma vergonha que vc teve.
    Todos fala de dar peito em público, isso era o que eu mais queria, hoje vejo mulheres dando peito em público acho lindo, dar mamadeira, vc acha que todos estão te jugando.
    Ele pega o peito mais a noite quando acorda ele procura o peito aí eu com a maior felicidade dou, mas se ele se desperta aí ele chora e não quer mais.
    Eu não sei o que é isso.
    Eu tenho a impressão que bate a fome e ele não tem paciência de sugar o leite.
    Aí as pessoas me fala, oferece antes de dar fome.
    Aí eu fico isso e quem disse que ele pega? Muito mas muito difícil por que ele não está com fome.
    Cada mamada é diferente da outra.
    Por que não sabe se ele vai pegar o peito primeiro, se ele vai gritar e não vai pegar o peito.
    Se ele não pega eu corro e tiro o leite para dar para ele.

    Eu tenho dúvidas

    O leite que eu acabo de tirar e dou para ele, esse leite ainda tem os anticorpos?

    Eu posso colocar na mesma mamadeira os dois.
    Leite do peito mais o complemento.

    A única coisa que me preocupa são os anticorpos.
    Por que peso, tamanho tudo ele está desenvolvendo perfeitamente.
    Tá lindo de mais só orgulho.

  101. Andressa

    Obrigada pelo post… estou sofrendo bastante com a mesma situação… O que vc escreveu no início e exatamente o que sinto ” nunca pensei que não amamentaria” … Hoje meu bebê está com 2 meses e 1 semana… estamos com a amamentação e complemento… meus peitos ainda rachado e dolorido… Meu bebê nasceu antes da hora… Tem boa pega mas abre pouco a boca… então sempre acaba escorregando para os mamilos entre uma mamada e outra… conclusão… achei que cresecendo melhoraria… melhorou… Mas não totalmente… Hoje sofro pq voltarei a trabalhar daqui 5 dias… vou passar 6h longe dele… e nesse tempo entrará 2 mamadeira ( dou 3 mamadeira de complemento/dia) … e não vai ter o meu peito.. seI que meu leite vai diminuir… Não consigo ordenhar no trabalho… e em casa a ordenha sai.. 20…30 ml… enfim… vou insistir no aleitamento misto até onde conseguir… afinal… O pouco do meu peito é a “vacina” dele!!! Mas tenho o mesmo sentimento que vc… vergonha frustração… toda mamada dolorida penso em desistir… Aí tomo um analgésico… A dor melhora e resolvo tentar mais um dia… A família não ajuda… todas as irmãs amamentaram exclusivo até 6mese… e eu não… enfim… Não sei o caminho que vai tomar… Mas rezo pra dor melhorar e eu conseguir mater a amamentação mista até os 6 meses … Pelo menos…. Mas ver que não sou a única a passar por isso…. Me conforta.. . Por isso agradeço outra vez pelo seu relato!!!!

    1. Macetes de Mãe

      Olá, Andressa! Fico feliz que meu relato te ajudou <3
      E estou aqui torcendo pra dar tudo certo! Fique bem. Bjss

Deixe seu comentário