Fase da angústia da separação – um marco na vida do bebê

O Léo sempre foi bem apegadinho a mim. Também, desde que ele nasceu não fiquei longe dele por mais de algumas poucas horas. Só que de uns tempos para cá o negócio está inacreditável. Muuuuiiiiiito mais intenso que o normal.
Eu dou um passo para ficar longe dele, ele chora. Se ele está no meu colo e alguém vem tirá-lo, ele se agarra nas minhas roupas. Se ele está com alguém e me vê, se joga nos meus braços. Essa “carência” do meu pequeno começou há aproximadamente um mês e pouco e parece ter se intensificado há alguns dias, mais ou menos quando eu o coloquei na escolinha no período da tarde. Também, não é de se estranhar, afinal, antes ele passava o dia todo grudado em  mim (só nos separávamos na hora de dormir) e agora ele fica longe  por cinco horas seguidas, cinco dias por semana.

Andei pensando bastante sobre isso e tentando entender, mas essa semana, lendo algumas coisas na internet, matei a charada: o Léo está passando pela fase da angústica da separação, ou crise dos oito meses, normal em bebês com a idade dele.

Nesta fase o bebê começa a perceber que é um ser separado da mãe e essa descoberta lhe traz angústia e pânico. Ela costuma ter início entre o sexto e o oitavo mês de vida do bebê (mas em alguns casos pode iniciar no nono mês) e pode se estender de semanas a meses. Nessa fase, o bebê costuma solicitar mais a atenção da mãe e chorar mais que o usual. Ainda, pode ter o seu sono bastante alterado, transformando a rotina da casa de forma significativa (adivinha se isso não está acontecendo aqui em casa!).

É importante nesse período entender o que se passa com o bebê, e não simplesmente taxá-lo de chatinho, grudento ou manhoso. Como a mãe respresenta o seu mundo, a sua segurança, quando ela se afasta a dor da angústia pode se tornar insuportável.

Uma forma de ajudar o bebê a superar essa fase é introduzir na sua rotina brincadeiras de “achou”, nas quais a mãe se esconde atrás de um pano ou almofada e depois reaparece. Com essa brincadeira, o bebê começa a enteder melhor o conceito de permanência e a aceitar que a mãe não irá desaparecer para sempre só porque se ausentou por alguns minutos ou até por horas (eu comecei a fazer isso com o Léo quando ele tinha uns seis meses).

Outra alternativa para acalmar a angústia é introduzir um objeto de transição, alguma coisa que o bebê se apegue e que o “auxilie” nos momentos de separação. Pode ser um paninho, um brinquedo, uma chupeta ou qualquer coisa que ele goste de ficar próximo e que o acalme.

Já à noite, quando o bebê acordar chorando, o melhor que se tem a fazer é a própria mãe ir atendê-lo. Ele normalmente acorda e chora porque sente a falta da mãe (ela o deixou lá no berço e agora cadê?) e se outra pessoa aparecer para acalmá-lo ele poderá ficar mais agitado ainda (PS: isso aconteceu aqui em casa há alguns dias. Saimos para ir ao cinema e deixamos o Léo com a minha mãe. Quando estávamos voltando para casa ela ligou dizendo que ele estava chorando há quase uma hora e não tinha nada que ela fizesse para acalmá-lo. Imaginem como ficou o meu coração nesse momento. Foi só eu adentrar o apartamento, ele me ver, para o choro, que estava desesperado, cessar na hora).

Nessa fase, também é bastante importante a presença paterna para que se inicie a construção do triângulo familiar. Quanto mais o pai participar da rotina do bebê, melhor para a criação do vínculo e da proximidade entre os dois.

Agora, pensando bem, percebo que coloquei o Léo na escolinha justamente quando ele estava passando pela fase da angústia da separação e talvez isso tenha intensificado os “sintomas” desse período difícil. Sei que fizemos a adaptação dele na escolinha de forma serena e tranquila, eu fiquei lá por dias até deixá-lo 100% ao cuidado das professoras, mas esse distanciamento de mim, mesmo que por algumas horas, deve estar fazendo com que o tempo que ele está comigo ele fique ainda mais carente da minha presença: quer que eu dê colo, brinque, abrace. Enfim, coisas que naturalmente eu amo fazer, mas que agora ele está demandando mais que o normal dele. Ah, sem contar a noite, que também ficou bem mais agitada.

De qualquer forma, quando eu chego na escolinha ele logo se joga no colo da professora e toda vez que vou pegá-lo ele está todo felizinhos brincando. Isso demonstra que o tempo passado lá, apesar de estar separado de mim, está sendo agradável para ele. A única questão é que no resto do tempo ele está mais “carentinho” e precisando da minha atenção. Claro que eu tenho respeitado isso e feito de tudo que posso para que meu pequeno sinta-se seguro e muito amado.

Pelo que andei lendo, essa fase não é, de forma alguma, um retrocesso no desenvolvimento da criança. Muito pelo contrário, ela é importante para ele estabelecer o seu próprio eu e a sua independência. Algumas crianças passam por ela com mais tranquilidade, outras com menos, mas o importante é passar e superar as dificuldades. E os pais, é claro, entenderem direitinho do que se trata para não tratarem esse momento tão importante com descaso ou até com irritação.

Gente, não sou uma grande entendedora do assunto. Só sei mesmo o que eu andei lendo em sites e blogs e o que estou vivenciando na prática. Por isso, acho importante quem se interessar pelo tema pesquisar mais informações em outras fontes e abaixo, sugiro algumas que eu li e que achei interessantes e confiáveis.

Ainda, como já comentei acima, essa fase é conhecida como fase da angústia da separação ou crise dos oito meses, entretanto, ela pode se apresentar no sexto, sétimo ou até nono mês de vida da criança. Como cada criança é única, não existe um padrão, um modelo único em que todas as crianças se encaixem. O importante é ficar ciente de que essa fase existe, seu bebê pode estar passando por ela (mais cedo ou mais tarde) e o que você pode fazer para ajudá-lo nesse momento.

Leia mais em:

Blog:

Site:
Livro:
TheScience of Parenting, capítulo O Choro e as Separações.
Autora: Margot Sunderland

32 comentários

  1. Ana

    Este comentário foi removido pelo autor.

  2. Ana

    Meu bebê está com 9 meses e há duas semanas começou ir para a escolinha e estamos em crise… O choro aumentou, as noites estão super agitadas e eu estou mais cansada que o normal… Ele ainda não se adaptou a nova rotina e estou torcendo para que isso aconteça logo… Sei que vai passar, é só uma fase… Obrigada pelo post! Até mais!

    1. Sim, Ana! Temos que ter esperanças de que com o tempo as coisas voltam ao normal. O Léo também estava mais agitadinho à noite, mas agora já melhorou bastante. Ele tem acordado 11 e pouco para mamar e depois às 6h da manha. E ainda dá mais uma dormidinha depois disso.
      Tudo na vida deles é adaptação e quase todas as mudanças interferem diretamente no sono. E aí a gente sofre junto. Mas não tem muito jeito, é ter paciência e esperar melhorar.
      Boa sorte aí. Bjs

  3. Oii!
    Por aqui estamos passando por essa fase já faz algumas semanas. começou no final de semana do Carnaval, quando a Nina completou 7 meses e agora que está atenuando, umas 3 semans depois.
    foi barra, viu. ela passou a ter sonoa gitado, chorar mais, querer mais meu colo, minha presença.
    Na escola não senti nada de diferente, masi foi em casa, mesmo…
    É uma das crises que eles passa até um ano de idade. Tem que ter muuuita paciência e esperar assar, dar muito carinho, chamego e cafuné pra eles… isso ajuda!
    beijos e boa sorte! Vvai passar!

    1. Exatamente! Na escolinha o Léo também está ótimo, só em casa que está mais carentinho. Mas, graças a Deus, as noites já melhoraram por aqui. :-)
      Beijos!!! Adoro seus comentários! Continue sempre participando.
      Shi

  4. Samaya Amaral

    A minha filha está com 2 anos e meio e começou na escolinha a 1 mês, fica um período de 4 horas, nos primeiros dias ela chorou, agora não chora mais, porém está um verdadeiro grude comigo não posso sair de perto, chora quando vou preparar o jantar, chora quando vou tomar banho… as vezes ela me acompanha mas as vezes está muito cansada e quer ficar no quarto mas quer que eu fique junto.

    1. Samaya, nossos pequenos são muito apegados a nós. Quando passam algumas horas longe, acabam ficando mais carentes e demandando mais atenção quando estão com a gente. O jeito é ter paciência e dar muito carinho. E, no caso da sua filha, conversar também deve ajudar, pois com dois anos e meio ela já tem entendimento de algumas coisas. Beijos e boa sorte aí.
      Shi

  5. Maythe Vasconcelos

    Estou passando por essa crise aqui em casa ha quase dois meses, não preciso dizer que estou super exausta. Meu bebe até os 5 meses e meio dormia a noite inteira, mamava as 10h e so acordava as 5h para mamar novamente e voltava a dormir até as 8h. Nesta idade inseri alimentação solida (apenas fruta) e as noite mal dormidas começaram aos poucos. Como estavam nascendo os primeiros dentinhos achei que fosse por isso o sono mais agitado. Ele acordava de hora em hora, eu colocava chupeta e ele voltava a dormir. Aos seis meses coloquei-o na escolinha, era o que faltava para minha vida virar um verdadeiro caos. Talvez fosse o inicio dessa crise, que foi acentuadissima pelo fato de ter colocado ele na escola. Fizemos adaptação por 15 dias e cada vez Vicente piorava mais. Acordava de 20 em 20 minutos a noite toda, era so eu colocar a mão nele que ele parava. Somado a isso começaram os resfriados, febre e diarréia, ate eu descobrir, aos sete meses, que meu pequeno tem APLV.
    Ate hoje ele está sensibilizado por causa da ida para escolinha e por causa dessa crise, ele precisa estar sempre me enxergando, dia e noite. No auge da minha exaustão acabei levando ele para minha cama, sei que fiz errado, mas eu não aguentava mais passar as noites inteiras de pé na beira do berço dele. Tenho fé que minha vida voltara ao normal e Vicente voltara dormir bem a noite, porque sei que essa crise passa, aos poucos eles esquecera o que viveu na escolinha e ele ficara melhor porque ja mudamos tudo aqui em casa por causa da alergia dele. Ele ainda mama LM, por isso faço a dieta de exclusão de leite e esta tomando Neocate tb, aos poucos vou desmama-lo, mas agora sei que ele precisa de toda minha atenção, e ele tera, vou respeita-lo e tudo ficara bem!!!

    1. By Shirley Hilgert

      Você está certíssima. Tudo a seu tempo. Meu pequeno também tem APLV e no momento está passando por um resfriado fortíssimo que quase virou pneumonia. Mas vamos que vamos, né! Sem deixar a peteca cair.
      Beijos!

  6. Rosana

    Meu filho está com 8 meses e estamos sofrendo muito com essa fase… Quanto tempo demora pra passar??? As noites estão bem difíceis, ele está dormindo comigo porque meu marido está viajando já tem 15 dias, e no berço ele acorda o tempo todo chorando desesperadamente… :(

    1. Shirley Hilgert

      Isso varia mto de bebê para bebê. Mas acho que, no meu caso, levou em torno de um mês. Abraços

  7. Gabriela

    Shirley, como sempre seus artigos vêm na hora certa em que preciso (olha a pretensão, rsrs). Parece que vc escreve diretamente pra mim. Meu bebê faz oito meses dia 17 e anda muito agitado, querendo a minha presença o tempo todo. Até a minha irmã e mãe ele andou estranhando… e eu achando que era por causa do dentinho, embora no fundo eu não acreditasse que fosse isso!!! Obrigada mais uma vez!!!

    1. Shirley

      Jura? E olha que nossos filhotes não tem a mesma idade (esse meu post é antigo, o Léo tem quase um ano e quatro meses). :-) Bjs

  8. Karina Santos

    Meu bebe tem 8 meses e meio e percebi que ele as vezes nao ir com o pai a vó,escolhe o colo que quer ficar. Tambem percebi que se outra pessoa da banho nele (minha prima por exemplo-ele eh muito apegado a ela) ele chora e piora qdo apareço ou ele ouve minha voz. As pessoas dizem que por causa do dentinho, mas eu nao acho. Acredito que seja esta fase mesmo.
    Obrigada por compartilhar!!!
    Amoooooooooooo seus pots, a forma que escreve e saiba que odeio qdo outros criticam seus textos.
    Por favor nao pare de escrever, voce nasceu pra isso!! bjos

    1. Shirley

      Ah, que lindo seu depoimento. Amei! Até li para o meu marido. :-) Beijos! Ganhei meu dia. :-)

  9. Helen

    Primeiramente, Parabens pelo seu blog, muito legal e fala nossa lingua!!Voce parece uma adivinha.. estava procurando tudo sobre bebe de 8 meses, o meu tb é Leo e tem 8 meses..aqui esta tudo muito dificil, ele nao aceita papinha, de nada.. ja tentei de tudo que imaginar e de todos os jeitos possíveis, pegou a pouco tempo mamadeira, mas muito pouco e as vezes.. :/ ele esta muito agitado, e eu super chateada por ele nao comer, pois faço tudo com todo amor e carinho, nao sei o que faço mais..ja li varias coisas e ja conversei com vários pediatras, mas tudo que eles falam ja fiz e nada, nao quero por na creche por enquanto.. acho que essa separaçao iria ser muito ruim tanto pra mim quanto para ele.. me indica algo?

    1. Shirley

      Helen, tudo bem? Menina, garanto que o seu não é o primeiro desabafo que eu escuto sobre dificuldades para comer. Infelizmente, não tenho muito como ajudar, pois o Léo nunca deu muito trabalho para comer. O que eu tenho de conhecimento sobre isso e as dicas que poderia dar já compartilhei aqui, em alguns posts que estão na categoria Alimentação/Amamentação. Dá uma olhadinha lá. Bjs!

  10. Sisa

    Oi, vc acredita que esta fase possa prolongar muito…minha filha hoje tem 11 meses, desde que nasceu ela sempre ficou só comigo..o pai saia as 06:30 para trabalhar e voltava as 18:00 e muitas vezes a neném estava dormindo…com isso ela não se “apegou” com ele…só comigo…sempre sai com ela para lugares públicos..hoje ela sofre muito com a separação no momento em que deixo ela na escolinha, com o decorrer das horas ela vai ficando bem sabe… e quando volta ela só quer o meu colo, quando outra pessoa chega perto ela se esconde, choraminga e não quer ir…muitas vezes eu digo pega assim mesmo, e distrai ela que ela fica..as vezes da certo outras não…confesso que eu estou um pouco preocupada com isso sabe..será que eu errei em algum momento?

    1. Shirley Hilgert

      Sirlei, não acredito que você tenha errado em nada. Cada criança é de um jeito. Alguns são mais carentes e apegados e outros menos. Meu filho mesmo não fica sozinho. Nunca. Em nenhum ambiente casa. É uma característica dele. Ele sempre precisa de alguém por perto. Com o tempo, isso melhora. bjs

  11. Raquel

    Olá! Meu pequeno está nessa fase também, e estou em busca de informações. Na realidade ele até fica muito bem longe de mim, desde que esteja com uma das avós ou com o papai. Agora que chegou o momento de ir para a escolinha, a coisa está mais que complicada, pois ele só aceita permanecer lá acompanhado de um de nós. Ao sairmos ocorre choro intenso que só finda com nossa presença (pai, mãe, vovós). Já estamos na 2ª semana de adaptação escolar e nada muda: é todo o dia 1 hora inteirinha de choro na escola. Tentei abrir o site “Maternar Consciente – A separação e a crise dos oito meses” mas não consegui, parece precisar de autorização. Alguma forma de que eu tenha acesso ao artigo?
    Se tens mais algum artigo para leitura, aceito sugestões!
    Obrigada!

  12. CAROL

    shirley
    e em relacao a viajar e deixar a filha….eu estou com uma viagem programada de 8 dias para agosto e ja choro todo dia….
    A manu tem 1 aninho…
    eh normal sentirmos tanto medo? culpa??

    1. Shirley Hilgert

      Carol, acho que é normal sim. Você não é a primeira pessoa que sente isso. Mas o ideal é tentar “se acalmar” antes de sair em viagem, para não transformar as suas férias em férias frustradas. :-) Bjs

  13. Camila

    Nossa estou passando

  14. Stephane

    Gente! Meu filho tem pouco mais de 3 meses mas não consigo ir na esquina que ele abre um berreiro desesperador! Não fica nem com o pai. Chora horas seguidas e só acalma quando chego em casa. Muito cedo pra isso. Ele também, mesmo em casa, não fica muito tempo no colo de outra pessoa. Desconhecido pra ele então, não pode nem olhar. Não sei o que fazer.

  15. Paola

    Estou passando por essa fase. Meu bebê está com 8 meses e há mais ou menos duas semanas tem acordado umas 5 vezes por noite chorando muito (isso não acontecia nem quando era recém nascido). Noite passada, por exemplo, nem o meu colo nem o do pai conseguiu acalmar o pequeno, o choro era muito intenso. E no cansaço e desespero de não saber o que fazer, acabei dando o peito umas duas vezes. Só assim consegui que ele acalmasse. Isso não é mais indicado, né? Será que ele pode criar um costume de mamar a noite? Ou isso realmente é uma fase e não preciso me preocupar? Sei que tu disse não ser especialista, mas estou meio assustada.
    Durante o dia ele fica com minha mãe e tbm está chorando mais que o normal.

    Um beijo e parabéns pelo blog. Sempre leio.

    1. Shirley Hilgert

      Paola, acho que tudo são fases. Se o peito acalma, por que não dá-lo. Eu daria. bjs

    2. Bárbara

      Oi Paola! Estou passando por isso! Situação idêntica! Seu post é de 1 ano atrás, e após esse 1 ano. Essa fase demorou a passar? Como foi?
      Abraços

  16. cristiane

    Me sinto mais tranquila agora.. estranhei as manhas de minha bebe que já vai para os 08 meses..mas não é fácil, pois o bebe quer colo e atenção 24 hs…cansa e é ruim o chororo que fazem . Aguardaremos então que essa fase passe .

  17. Andresa

    Boa tarde! Já tinha lido esse post quando a minha pequena entrou nessa fase, mas ela já está com 11 meses e não melhorou.
    Ela fica com outras pessoas, interage com outras crianças, mas dentro de casa ela pouco brinca e fica o tempo todo atras de mim, se a deixo na sala e vou para a cozinha ela abre a boca e não para de chorar enquanto não a pego no colo ou me sento para brincar…
    Eu não sei mais o que fazer e o meu esposo fica muito bravo, pois ele fala que a culpa é minha, que mimo ela demais, só que eu fico em casa o dia todo com ela e não aguento ouvir ela chorar muito, parece que não estou sendo boa mãe…

  18. Raquel

    Olá Shirley tudo bem? Também estou nessa fase e estou tentando adaptar meu filho de 12 meses há uns 15 dias no berçário mas ele não fica com nuvem. Chora muito e só quer ficar comigo. Confesso que estou exausta por causa desse grude mas entendo agora q é uma fase. Pensei até em ver outro berçário para ver se também não é o local. Que escolinha seu filho está? Abraços.

  19. rossana

    Muito interessante,a minha história é idêntica a sua.

  20. Bárbara

    Oi mamães! Alguém ja superou essa fase?
    Como foi? Durou quanto tempo?
    Estou passando por isso. Manú dormia bem, a noite toda. É com 8 meses, também começou a acordar várias vezes.
    Ela tem 9 meses atualmente, e não houve melhoras.
    Confesso que fico preocupada!
    Beijos!

Deixe seu comentário