Humor – E tem gente que ainda acha que mãe não faz nada

Dias atrás, fui fazer o exame médico para renovar a minha carteira de habilitação. Quando lá cheguei, o médico que me atendeu, um senhorzinho muito distinto, perguntou: “Ocupação?”. Eu respondi: “Mãe”. Aí ele solta a pérola: “Ah, então você não trabalha”.
Juro que, nesse exato momento, minha vontade era puxar uma cadeira, pedir um copo d`água e começar o desabafo. Esse que vou fazer abaixo para vocês.
Eu iria dizer, mais ou menos, o seguinte para o camarada:
Meu senhor, o senhor realmente acha que porque eu sou mãe eu não trabalho? Pois tô aqui para lhe informar que eu trabalho muito, mas muito, mas muito mais do que a vossa senhoria, que por ser médico deve fazer plantão e tal, mas duvido que faça plantão de 24h, dia após dia, de segunda a segunda e sem folga no feriado.
Sim, meu senhor, porque essa é a minha realidade. E de uma penca de mãe que está por aí e que, por sinal, ainda deve ter uma vida mais complicada que a minha. Porque eu estou aqui para renovar a minha habilitação, mas sei de milhares, milhares não, milhões de mães que além de se virarem nos 30 cuidando dos filhos ainda fazem isso andando de busão. Vida dura essa! Já passei por isso, sei bem como é, só que na época não tinha filhos.
O senhor deveria colocar a mão na consciência, arrancar aí dessa sua memória que já não deve estar mais muito boa, mas enfim… pelo menos existe, a lembrança da sua querida mãezinha (nessa hora, eu já estava era querendo xingar a mãe do homem), aquela que, com certeza, trabalhou feito bicho para o senhor se formado médico e hoje estar aí, me olhando de cima pra baixo, com esse ar de altivez, e dizendo que eu não trabalho.
Quer ver o quanto eu trabalho? Vou contar uma historinha para o senhor…
O meu dia não começa cedo. Isso porque o anterior nunca acabou. A impressão que tenho é de que, desde que o meu pequeno nasceu, eu vivo um ciclo que não tem mais dia, noite, madrugada, almoço, jantar,… é uma coisa única, toda junta, embolada. Quer dizer, agora ele tem 10 meses e já melhorou um pouco, mas lá nos primórdios, nos famosos três primeiros meses, era bem assim que acontecia.
Mas enfim, vamos dizer que o meu dia começou. Exatamente quando o meu bebezuco acordou. Claro que cedíssimo, seis e meia da matina. E claro que ele acorda varado de fome. Ou seja, salto da cama feito um foguete recém lançado pela Nasa, sem colocar os chinelos (quanto mais escovar os dentes), e corro para seu quarto para dar a mamadeira. Assim que chego, aquele pranto desesperado cessa (pelo menos isso!). Passamos ali alguns minutos de paz. Ele mamando, eu dando umas pescadas (daquelas que a cabeça vai caindo e a baba escorrendo) e tudo correndo bem.
Só que, quando estou entrando no embalo do sono, percebo que paz da mamadeira acabou. Ele já está se contorcendo, tentando pular do meu colo, arrancando o botão do meu pijama e puxando alguma coisa super perigosa que sempre está por perto. Me desvencilho desse projetinho de Taz (aquele demoninho da Tasmânia dos desenhos de TV) e arrisco colocá-lo de volta no berço, para brincar um pouco, enquanto lavo a cara, faço minhas necessidades básicas e tomo um café. Ops, café não que não tenho empregada para prepará-lo e, mesmo se tivesse, a essa hora ela ainda não teria chegado. Tomar um leite frio mesmo. Tá ótimo!
Mas é óbvio, Ó B V I O, que ele não topa ficar lá sozinho, abandonado, solto naquele lugar gelado, úmido, assustador. Sim, porque ele só pode pensar isso do berço tamanho e escândalo que dá quando o coloco lá.
Nesse exato momento, pego o pequeno, corro para a sala, coloco-o no chão, ligo a Galinha Pintadinha (Deus proteja eternamente seus criadores!) e rezo para os créditos passarem rápido e as galinhas aparecerem de uma vez, lépidas e saltitantes. Quando ele engrena na cantoria das penosas, fujo para o banheiro e lá me refugio por uns bons e longos três minutos. Isso mesmo! Só três minutos de relax no banheiro da minha casa, porque nos 30min que dura o tal do DVD da Galinha eu tenho que lavar as mamaderias que ele tomou na madrugada, preparar o meu café da manhã e do marido, decidir e separar o que será feito para o almoço, iniciar os preparativos para a produção das papinhas e mais uma lista de coisas infinitas que brotam não sei de onde todo santo dia.
Ufa! Cumpri tudo que precisava nessa meia hora de tranquilidade (Oi? Tranquilidade? Para quem?). Quando o DVD termina, corro para brincar com o pequeno, porque claro, uma boa mãe faz a sua parte: brinca, conversa, canta, passeia, mostra livros e conta histórias. E também tira da boca o chinelo sujo, da mão o controle remoto babado e da cabeça o resto do macarrão da noite anterior. Tudo realizado com maestria e rapidez ímpar nos míseros 15 segundos que levei para abrir a cortina e deixar entrar um pouco de sol na sala.
Bom, brinquei, brinquei, brinquei, implorei para ele ficar quietinho enquanto eu ia resolver alguma coisa na cozinha, no mínimo umas 10 vezes, sem sucesso é claro, e aí chega a hora do lanche e da soneca.
Lá vou eu cortar e espremer laranjas enquanto tiro todo o conteúdo do armário da cozinha para o pequeno se entreter no chão e não chorar, gritar, espernear, arranhar os azulejos e sei eu o que mais fazer (lembrando que depois tenho que colocar tudo de volta dentro do armário). Terminado isso, dou a mamadeira de suco, troco a fralda e… ufa… hora de dormir. Ufa!!!!???? Que nada! Começa o momento treinamento de ginástica olímpica modalidade solo preparação para as Olimpíadas de 2016. Sim, porque é só eu colocar a figura no berço que ele rola, senta, faz espacato, gira, se pendura, se atira, e repete isso dezenas e dezenas de vezes, incessantemente, por mais o menos uns 40 minutos, até que cai,  morto de cansado. No meio da apresentação eu o pego no colo, no mínimo umas três vezes para ver se ele dorme mais rápido, mas não tem jeito de surtir efeito. Essas tentativas só pioram as coisas, porque aí sim que ele quer festa, chamego, brincadeira, conversa, dancinha, e por aí vai.
Mas então ele dorme. Olhando desse jeito, todo aconchegadinho, encostando o narizinho na sua fraldinha pegajosa e nojenta que não dá para lavar se não ele estranha o cheiro (catinga, vamos ser sinceras), parece até inofensivo. Ali ele fica por, vamos dizer, mais ou menos meia hora. Porque é claro que desgraça pouca é bobagem e o vizinho de cima resolveu fazer uma reforma que está durando tanto quanto a vida do Niemeyer! A furadeira entra em cena, a marreta também, e é pá pum para o pequeno acordar. Gritando, claro! Porque ele queria ter dormido muito, mas muito mais, e nao deixaram.
E o jeito qual é? Tirá-lo do berço e carregá-lo de um lado para o outro dentro da casa enquanto resolvo tudo que preciso resolver. Vou para o quarto guardar a roupa? Levo junto, coloco no chão, dou um brinquedo, dou outro, arranco da mão, arranco da boca, imploro para ele nao puxar a colcha e nem lamber o sapato e assim segue, até o outro cômodo, onde, com certeza, levarei três vezes mais tempo para resolver qualquer coisa do que levaria se a figurinha não estivesse por perto.
Nesse momento, tenho a impressão de que já são umas 17h, que já está passando Malhação na Globo (isso ainda existe?) e que só eu sigo tropeçando nas próprias pernas. Que nada, são só 11h da manhã e ainda tenho que descobrir uma forma de entreter a ferinha até o meio dia, depois fazer malabarismo, promessa e macumba para ele comer a papinha, encontrar uma nova forma criativa de fazê-lo não chorar na troca de fraldas e, por fim, vesti-lo para ir para a escolinha.
Ah! A escolinha! Na parte da tarde eu estarei livre, porque ele estará lá. Ahahahahaah! Que piada! Livre? Mãe nunca mais é/será livre. Carta de alforria não existe. Depois que deixo o pequeno na escola, tenho cinco, cinco míseras horas para encontrar a cura da AIDS, descobrir onde foi enterrado o corpo de Elisa Samúdio e multiplicar de cabeça 3.567 por 4.954. Bom, pelo menos é assim que me sinto tamanha a carga de tarefas a cumprir.  Nesse pequeno espaço de 300 minutos eu preciso: almoçar (porque ainda estou só com aquele copo de leite, sim aquele lá do início, na barriga), dar um tapa na casa, ir ao mercado, retornar todas as ligações não atendidas, preparar a papinha do dia seguinte, pagar as contas atrasadas, brigar com o vizinho por conta da reforma, resolver as dezenas de coisas que o maridão deixou sob minha responsabilidade (afinal, eu tenho a tarde “livre”) e por aí vai.
Bom, nem preciso entrar no detalhamento da noite. Esse fica para uma próxima conversa. Só com esse relato, meu estimado senhor, acho que já dá para a vossa senhoria perceber que ser mãe não significa não trabalhar, mas trabalhar em tempo integral, numa correria danada, suando sangue e, ainda por cima, ser vista como folgada.
Agora, se senhor me der licença, eu preciso ir. Pois eu tenho muito, mas muito mais o que fazer!
 

Leia outros textos similares:

65 comentários

  1. Renata Cristina

    E ainda diria mais… kkkk! Este relato traduz dias tranquilos, em que a criança não está doente. Senão nem a hora do sono estaria relatado. Óóótimo post me sinto melhor quando leio coisas assim, não me sinto única. E ainda tenho dois filhos, um casal! Ufa! kkkk! Um abraço!

  2. Ludmila Félix

    Chorei de rir! Muito bom!

  3. Adorei, é exatamente assim..rsrs

  4. Sandrine Teuber

    Kkkk… ja vi que soh muda de endereco, meeesmo… Meu marido sempre vem com a conversinha “vc vai fazer o que hj a tarde???”, sempre com ar de “eu acho que ela nao tem nada pra fazer, vou aproveitar e pedir pra ela fazer essa lisitinha de tarefas chatas que eu nao to a fim de fazer”… kkkkk…

  5. Josie

    Ai como queria que algumas pessoas lessem isso!!! Muito bom e descreve basicamente meu dia, tirando que o meu ainda não vai pra escolinha…
    Fica engraçado qdo lemos, mas tem dia que me dá um desespero…rsrsrs
    Mas, parabéns pelo texto e pelo blog em si, é muito bom encontrar pessoas que entendem o que a gente passa!
    E, o que será que tem naquele DVD da Galinha Pintadinha??? Já tentei outras coisas, como Baby Einstein, que dizem que estimula mais o bb, mas qdo começa a popó, como ele diz, tudo fica calminho, calminho… rsrsrs

  6. Personal Bebê

    kakakka Muito bom Shirley! Vc disse tudo!
    Beijo
    Débora
    @personalbebe

  7. Juliana Tezelli

    Você ainda consegue uns 3 minutinhos no banheiro sozinha? kkkk a minha pequena parece que adivinha; coloco o DVD ou seja lá o que for para entretê-la e corro para o banheiro na esperança de ter esses minutinhos mas acredite, logo vem ela com seus passinhos desajeitados aparecendo na porta do banheiro como se estivesse dizendo: “achooouuuu”… rs,rs
    Ótimo seu texto!!! Adorei!!!

    1. By Shirley Hilgert

      Ahhahaha! Gargalhei quando li a parte do “achou”. Até imaginei a cabecinha dela, viradinha para o lado e dando um sorrisinho. kkk!
      Fico feliz que goste dos meus textos. :-)
      Bjs

  8. Tatiana Cali

    Nossa !!! E tem gente que realmente acha que nao se faz nada, ne?! Existe um texto, nao sei quem escreveu que tambem e’ fantastico. Uma mae, dona de casa preenchendo um formulario em que perguntam sobre “formacao” e ” ocupacao”. Se eu achar te envio. Tao fantastico quanto o seu. Um verdadeiro desabafo na primeira pessoa do plural … Rs. Bjs, Tatiana.

  9. nenecrescendo.com

    Adorei!

    É mais ou menos isso mesmo!
    Voltei a trabalhar recentemente, mas a correria esta ainda maior, pois ainda não encontrei nenhuma diarista para dar uma ajuda e o marido sempre reclama que esta mais casando pois tem aula da pós as terças e quintas!!
    Por sorte meu pequeno AINDA não engatinha, então deixo ele no cantinho que montamos pra ele na sala e ele fica ali brincando, mas sempre quer que alguém fique por perto, então acabo fazendo as coisas por etapas…

  10. Amei! É exatamente isso!
    Beijos!

  11. ARIANE ABAD

    Muito bom, só muda o endereço, tenho 3, um de 12,um de 3 e uma princesinha de 5 meses, as vezes até ir no banheiro é impossível!!!! Kkkk

    Beijos

  12. Mariana Couto

    Ai ai rindo e identificando várias amigas além de ter a certeza que serei muito assim depois que minha lindona nascer rs. E o melhor é geralmente sempre é um homem que acha que não fazemos nada, Sandrine falou td maridos acham q tarefas chatas pra eles são hiper prazerosas para nós ai que ódio. Tenho fé que conseguirei viver nessa loucura com a minha filhota me requisitando as 24 horas do dia.

    Bjs

  13. Gisa

    Perfeito, a única coisa diferente entre a sua narrativa e meu dia a dia é o fato de o Murillo ficar período integral na escola, mas aos finais de semana os capítulos da novela são sempre os mesmos e o retorno da escolinha ainda rende bons momentos, rs!!

  14. Neima

    M-O-R-R-I de rir!! Tenho pena da mãe dos filhos deste “senhor”… Trabalho de casa não acaba nunca, que dirá trabalho com filhos!

  15. Line Sena

    Adorei!!!
    Que humor mais trágico, neh?! O negócio é rir pra não chorar…
    Bjocas!

    1. By Shirley Hilgert

      Oi Line, tudo bem? Relatar o lado tragicômico da vida é a minha especialidade. Claro que dou umas boas exageradas, mas muita coisa é experiência pessoal MESMO! KKKK!
      Bjs

  16. Zaira

    Amei o texto!!
    Bjos

  17. Pamela Ghilardi

    muiito bom o texto, ri demais e pior que realmente é assim!

  18. Anonymous

    ameiiii kkkkkkkkkkkkkkkkkk

  19. Anonymous

    Seus posts são muito bons!! Adoro ler!!! Hehehe é tudo muito real!

  20. Anonymous

    é igualzinho comigo”!!!!!!! e eu me sinto uma atrapalhada e ainda culpada por não conseguir fazer tudo de forma organizada. amei, ri muito kkkkkkkk !!!

  21. Anonymous

    Gente, é assim mesmo!!!! Um zilhão de coisas pra fazer durante o dia. Agora que o meu pequeno está com 1 ano e 5 meses, andando, tudo melhorou. Até eu desencanei um pouco, pois não estou mais tão neurótica. Às vezes largo tudo (a casa, é claro)e penso em mim…

  22. Dri

    Texto ótimo…
    Meu Tomás fez 2 meses… deu medo do que ainda está por vir.
    Se bem que… minha vida já tá assim, mas sem as 5 horas da escolinha e com ELE NO COLO pois ainda não fica sentado e nem sonha que existe a Pintadinha…
    Eu já tinha uma filha de 20 anos quando o Tomás nasceu e olhaaaaa a gente ESQUECE COMPLETAMENTE de como é! Quando a Bia nasceu eu morava do lado da casa dos meus avós, a duas quadras da minha mãe e da minha tia, tinha empregada fixa e uma prima de 13 anos que não saia de casa me ajudando com o bebê… Eu achava que a Thaís só fazia companhia, mas hoje, com um bebê de 2 meses, sem empregada e morando longe de todo mundo percebo o quanto a minha priminha me ajudava… Penso nela SEMPRE que estou aqui sozinha na sala com ele mamando no seio e o paninho de boca dele lá no quarto (que saudades de dizer: Thaís pega o paninho dele de boca p/ mim?) e dai você levanta com ele pendurado no seio vai até o quarto pega o paninho e volta, quando senta lembra de outra coisa e por ai vai. Eu lavo, passo, cozinho, faço faxina etc… nem que eu quisesse teria tempo de descansar e quando o marido chega e digo que estou cansada ele responde: “amor porque você não aproveita quando ele dorme e descansa um pouco?” sem energia para explicar p/ ele, esses dias deixei ele cuidando do bebê por duas horas e quando voltei: “já entendi amor… tenho pena de você, assim que der vamos contratar uma faxineira!” Imagino que se ele ficasse com o Tomás 24hrs sozinho o que ele me ofertaria…
    rs!

    PS: Antes que pergunte como estou aqui lendo seu blog, eu respondo: ENQUANTO ELE TÁ AQUI PENDURADO NO MEU SEIO EU ESCREVO COM UMA MÃO SÓ ESSE COMENTÁRIO!

    1. Shirley Hilgert

      Dri, tudo bem? O texto é para rir, não para causar pavor. kkkk!
      Vi seu comentário no outro post. Que legal que o Tomás chegou tão grandão, apesar de mais cedo. Sucesso e tudo de bom para vocês. Beijos querida. E obrigada por compartilhar a experiência aqui.
      Shi

  23. Jhenny Carvalho

    E ainda tem quem diga, que mãe não faz nada, SÓ cuida do bebê.
    Como se cuidar do bebê, fosse tarefa fácil.

  24. Anonymous

    isso e pura vdd sem contar que o marido arruma inúmeras coisas que ele inventa para vc fazer pra ´ocupar´ o tempo d gente…. sem esquecer do banho, cuidar do cachorro e a bagunca que fazem quando já andam, não ficam parados e nada arrumado no lugar…. gostei muito me indentifiquei…

  25. Meu marido e meu filho mais velho chegaram para o almoço e eu estava com o Pedro, de 27 dias, no colo enquanto separava roupas pra passar. Meu marido perguntou se eu havia almoçado.
    “Não, eu só tomei café às 11:00 horas!”
    “Então você dormiu até às 11:00?”

    Eu gostaria de saber qual a melhor resposta.
    (Eu gostaria mesmo é de trocar minha ‘rotina’ com a dele por um dia.)

    1. Suelen

      Hahahahahahahaha, dormir até 11h, acho que nunca mais. Eles realmente não sabem o que acontece.

      Trabalho apenas aos sábados e neste dia meu marido fica com minha filha (que já tem 7 meses), eu chego em casa e ele tá com cara de louco, com a casa virada de pernas para o ar, sem comer… morro de rir.

  26. Anonymous

    amei o seu texto! aliás, amo todos!! sou mãe de primeira viagem com uma bebezinha de 2 meses e estou ficando maluquinha com tantos afazeres, não tenho empregada e ainda trabalho em casa, quer dizer, estou tentando retomar o trabalho, no meio de toda essa nova rotina … é um consolo ver que não sou só eu que fico louca, isso pq ela tem só 2 meses, fico imaginando daqui para a frente … o que vale é o sorriso dela e ver ela crescendo forte e saudável! isso paga qualquer trabalho! parabéns pelos seus textos e continue aí firme e forte encorajando mães como eu! bjos

  27. Élly Simas

    Contou minha vida! rsrrs tirando a parte de que a minha pequena ainda não vai pra escolinha,pois está com 09 meses! É exatamente assim e ainda encontramos pessoas que dizem que mãe não trabalha! É brincadeira! rs

  28. Paula Carvalho

    Sou separada do pai da minha filha que tem oito meses.Ele me chamou de OCIOSA…
    Não trabalho e arrumar uma escolinha está sendo um desafio… e mesmo assimcuidando 24horas tive que ouvir isso…
    Adorei !

  29. Fernanda Medeiros

    Quando o Gui nasceu meu marido falou que eu ficaria 7 meses de folga até o dia q eu deixei ele cuidando do Gui por 3 horas sem nenhuma ajuda minha. Só peguei quando ele estava berrando de fome. Aí meu marido falou q esgota cuidar de um bebê. Óbvio q não perdi a oportunidade e disse: “Ué vc não disse q eu estou 7 meses de folga? No próximo final de semana vc fica com ele e só me da pra mamar”. Ele me pediu desculpas. Me achei o máximo!!! Kkkkk

  30. LUCIANA M VICCO

    Melhor stand up comedy para mulheres clarooooooo. Pois esse entendimento só é válido para o Qi Mãe…chorei de rir.muito bom

  31. Naiane

    AH não…. Essa sou euuuu! Meidentifiquei muuuuuitoooo, adoreiii!!! Hehehhehehehehehh

  32. Thaise Hobold

    Meu último relato fez um monte de gente rir pq eu falei que a minha filha era auto suficiente… pois ontem tive que dar respostas atravessadas .. pro sogro dessa vez.. Disse que eu não conseguia fazer muitas coisas pq a Olívia tomava o meu tempo… Ele veio com um super discurso.. ahhh tadinha ela nem atrapalha, eu mesmo CRIEI 5 FILHOS!!! Dai fui obrigada a falar.. o senhor bancou a crianção de 5 filhos.. criar mesmo quem criou foi a sua falecida esposa. Ahh Fui obrigada! Ninguém merece!!!

  33. Aproveite….porque se vc um dia decidir que o pequeno merece um irmão…a “folga” vai se multiplicar de um jeito inacreditável…somando ao caos diario atividades coisas como lição de casa, levar no futebol, e o almoço vai ter que sair decente e na hora certa (nada de comer um pouco da papinha…kkkk)…e o pior continuam achando que temos a tarde de folga…a vantagem é que depois do segundo fiquei bem mais esperta e não levo desaforo para casa. Na verdade coitado de quem ameaçar dizer que não faço nada…

  34. TELMA'

    Exatamente!!! to rindo ainda, e a parte q ele fica doente e chora de madrugada ai o maridão vai pegar no colo, mas o bebe chora mais ainda pq qer a mamãe,kkk

  35. carolina

    Me vi nesse texto também… Com algumas diferenças, claro. Trabalho período integral, tenho gêmeas de um ano e um maiorzinho. Aí tenho babá apenas e tão somente no horário que estou no trabalho. Eu chego e ela sai, aí limpo casa, lavo roupa, cuido das crianças, não dormimos de madrugada, e fim de semana é para acabar com a gente de vez… Não sei o que é descanso ou lazer. E ainda tenho q correr ao meio dia para buscar o maior para levar no colégio, correr para levar no judô depois da aula, aí corro em casa, libero a babá e pego as meninas, busco o marido no trabalho (quando ele não tá viajando…), corro e pego de volta o maior no judô, aula de robótica, etc, e aí corro para casa para fazer o serviço que me espera… Detalhe: moro a mais de 2 mil km de qualquer pessoa da família. Em caso de emergências, tenho que me socorrer com as vizinhas do prédio. Tô escrevendo isso aqui no trabalho, com uma baita vontade de chorar. Mas sei que com o tempo tudo melhora.

  36. karine Mello

    Me vi 100% nesse texto. Meu Arthur está com 1 ano e 1 mês e as “horas de folga” continuam raras.

  37. Maira

    Adorei! É assim mesmo e no meu caso em dobro! Tenho gêmeos de 16 meses!!!

  38. HELENA

    AINDA TEM UNS QUE DIZEM VC NAO TRABALHA,,AIAI E EU QUE TENHO QUE AJUDAR MINHA SOGRA ,QUE É ENFERMA E NAO ANDA, E AS VEZES ,QUANDO FICO NERVOSA NINGUÉM ENTERDI QUE A CARGA TÁ PESADA…SOFRI MUITO ,AGORA USO ESTRATEGIA PARA VENCER…MINHA PRIORIDADE MEU FILHO E DEPOIS O ALMOÇO ,O RESTO DE EU FAÇO…

  39. Suelen

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk, morri de rir (em seis etapas, porque nunca dá para ler um texto de uma única vez)

  40. Roberta

    Vocês acham que é difícil; tente ser mãe de gêmeas, que nasceram com esofagite, cuidar de tudo sozinha, e ter que voltar a trabalhar aos 4 meses, e sem empregada.

  41. Nathalia

    Que feio! Existem maes que fazem tudo isso, ainda trabalham fora e nao reclamam…Este desabafo esta muito feii…Tudo o que foi descrito nao e mais do que uma OBRIGAÇAO de maes e pais lucidos em sa consciencia!!!
    Pensemmm antes de teeremmm os seus filhos!!!!

  42. Carolina

    Fantástico!!! Parabéns!!! Vou compartilhar no facebook… Mas você está bem, porque no meu caso, além de tudo isso trabalho fora!!! Kkk…

  43. elba

    Hehe nossa desse jeito e o meu ainda esta comigo o dia todo tem 5 meses….meu marido sempre joga umas indiretas do tipo q fico atoa o dia todo aff …queria ve eles fazerem o q agnt faz …nto bom o texto

  44. Catiuscia Maruiama Brazeiro de Moura

    olá!!!amei o desabafo!!!só quem é mãe sabe o que passamos!!!bjus

  45. MONIQUE

    è tudo isso e mais um pouco, ainda mais qd se tem dois filhos com idades distintas! Ufa!

  46. Juliana

    Sua vida é uma maravilha!! Eu trabalho fora e tenho 4 crianças em casa! Um de 10 anos, gêmeos de 4 anos e uma menininha de quase 7 meses que já se arrasta pela casa, quase engatinhando que ainda não vai pra creche! Eu não tenho nem nunca tive babá, empregada ou sequer faxineira! Meu marido não trabalha , está desempregado há 10 anos e só estuda, portanto, a responsabilidade do sustento da família é toda minha! Ele ajuda muito quando está em casa, mas imagine a rotina de uma mulher de 38 anos, médica, com 4 filhos em idades muito discordantes e com necessidades e rotinas totalmente diferentes! Eu faço mágica! E ainda temos uma totó velhinha que pinga xixi pela casa hahaha. Sou quase um espírito evoluído, pq deito as 2h, levanto as 5:30, trabalho de 8 as 18h, passo o dia sem fazer xixi e praticamente vivo de água, suco verde e luz, pq nem almoçar eu consigo! Aqui cada um se vira como pode, o mais velho sai sozinho pra tudo, esquenta sua comida, fica em casa sozinho e as vezes ainda busca pra mim os gêmeos na escola. Estes já acordam e se servem de suco e biscoitos que deixo na geladeira e depois já entram no banho, se lavam e se trocam para a escola. Sabem ligar e desligar o dvd e assistem os filminhos sem pedir, vão ao banheiro e se limpam, chegam da escola e já fazem os deveres. E minha baby mama sozinha, segurando a própria mamadeira. Ela tb dorme sozinha, não precisa ser ninada. O próximo passo é ensiná-la a usar o controle remoto pra ligar sozinha a galinha pintadinha hahaha! Ah, e nem pense em dizer que no fds é mais tranquilo não, não, não!! Pq a rotina é a mesma, mas com todos em casa! Eu rezo pra chegar segunda feira e odeio fortemente os feriados! Quer ver como vc é feliz?? Vem passar um dia aqui em casa!

  47. Ani Maia

    Meu marido tbm acha que não faço nada…..trabalho fora o dia todo e quando chego em casa tenho que fazer tudo…e só vou dormir a hora que minha filha vai dormir e as vezes ainda vou fazer mais alguma coisa depois que ela dorme…enquanto ele come, toma banho deita e dorme e se eu reclamo, falo p/ ele olhar ela um pouco p/ eu fazer algo ele diz que ta cansado pois o serviço dele é pesado e que eu não conso, pois fico sentada o dia todo no serviço na frente do computador….agora pergunto…eu não me canso??? e ainda chego em casa e tenho que fazer milhares de coisas…é sacanagem né…e esses 3 minutos que vc tem p/ ir ao banheiro…kkkkkkk …pela manha eu tenho que levar ela comigo e enquanto faço minhas necessidades ela fica sentadinha no meu colo…e assim vai…kkkkkkkk..vida de mãe….

  48. Juliana

    Kkkkkkk Adorei o texto!!! Acho que é tudo igual, e e ainda tenho 2 filhos, uma de 7 e outro de 2!!!!

  49. Sandra

    Amei!! É mais ou menos assim mesmo, acredito que só as mamães entende, pois maridos, amigos, família acha que não fazemos nada, como diz meu marido fica so no facebook, aff meu deu vontade da um murro quando ele disse isso.

  50. Silvia Mariele

    Eu estou aqui lendo seu texto no computador com minha filha de dois anos no meu colo mexendo no meu celular…só assim para conseguir olhar o face e ler alguma coisa.
    Olha Shirley, mesmo minha princesa já tendo dois anos e três meses, eu ainda me sinto nessa vida louca. Agradeço por trabalhar apenas seis ou sete horas por dia, penso que podia ser pior e ter que trabalhar oito, nove…
    E sempre escuto aquelas frases tipo “Você só trabalha seis horas….como não tem tempo para estudar, para a academia….”
    Mas faz parte, sempre vai ter alguém para criticar, para debochar….
    O negócio é reclamar mentalmente, como você fez com o médico, e tocar a vida….sei que um dia vou ficar com saudades de catar milho para digitar com uma mão e segurar ela com a outra…

  51. Juliana

    Para aqueles que acham que vida de mãe é agitada, te digo: Sua vida é uma maravilha!! A minha é 4 x pior! Eu trabalho fora e tenho 4 crianças em casa! Um de 10 anos, gêmeos de 4 anos e uma menininha de quase 7 meses que já se arrasta pela casa, quase engatinhando e que ainda não vai pra creche! Eu não tenho nem nunca tive babá, empregada ou sequer faxineira! Meu marido não trabalha , está desempregado há 10 anos e só estuda, portanto, a responsabilidade do sustento da família é toda minha! Ele ajuda muito quando está em casa, mas imagine a rotina de uma mulher de 38 anos, médica, com 4 filhos em idades muito discordantes e com necessidades e rotinas totalmente diferentes! Eu faço mágica! E ainda temos uma totó velhinha que pinga xixi pela casa hahaha. Sou quase um espírito evoluído, pq deito as 2h, levanto as 5:30, trabalho de 8 as 18h, passo o dia sem fazer xixi e praticamente vivo de água, suco verde e luz, pq nem almoçar eu consigo! Aqui cada um se vira como pode, o mais velho sai sozinho pra tudo, esquenta sua comida, fica em casa sozinho e as vezes ainda busca pra mim os gêmeos na escola. Estes já acordam e se servem de suco e biscoitos que deixo na geladeira e depois já entram no banho, se lavam e se trocam para a escola. Sabem ligar e desligar o dvd e assistem os filminhos sem pedir, vão ao banheiro e se limpam, chegam da escola e já fazem os deveres. E minha baby mama sozinha, segurando a própria mamadeira. Ela tb dorme sozinha, não precisa ser ninada. O próximo passo é ensiná-la a usar o controle remoto pra ligar sozinha a galinha pintadinha hahaha! Ah, e nem pense em dizer que no fds é mais tranquilo não, não, não!! Pq a rotina é a mesma, mas com todos em casa! Eu rezo pra chegar segunda feira e odeio fortemente os feriados! Quer ver como vc é feliz?? Vem passar um dia aqui em casa!

  52. Bárbara Galiano Da Silva

    Adorei seu post e adoro seu blog! Eu sou essa q vc descreveu ai,e ainda cuido da minha mãe cadeirante,q precisa de ajuda pra tudo,e não tenho ninguém p ficar com o meu pequeno,de 3 anos tenho q carregar junto dai já viu! Todo santo final de semana cuido da minha mãezinha! Um bjão p vc!!

  53. marilia

    nossa muito bom mesmo adorei, e que sirva de exemplo para os maridos que pensam que nao fazemos nada alem de brincar com o filho

  54. Mariana

    Nossa!!!É tão bom ler textos assim e aliviar um pouco a culpa desse sentimento tão conflitante de mãe!Eu larguei o emprego pra poder cuidar da minha filha e hj vejo claramente a diferença entre ser mãe e ter um filho e acho um absurdo e prefiro não discutir com idiotas que dizem que mães não trabalham!Nunca trabalhei tanto na vida!Meu dia começa as 6 da manhã e fico com ela brincando, contando histórias, passeando e td mais até ao o meio dia, em que chega nessa hora do dia eu já estou exausta, não só fisicamente, mas também e, mtas vezes principalmente, psicologicamente!Sem contar que a cada dia tenho as mesmas opções de brinquedos e td mais e tenho que ser criativa para estimulá-la da melhor maneira possível! Aí de tarde ela vai pra escolinha e dai a correria comeca pra faxinar,lavar roupa, ir ao mercado nessas 4 horas de “folga”!Busco ela w dou banho, janta e brinco de novo ate as 21hs que é qdo ela vai pra cama! E é aí que finalmente tiro um tempo pra mim e acabo dormindo tarde e o ciclo de exaustão se repete no dia seguinte….Só quem é mãe entende td esse processo e esse dilema de sacrifício pelo bem mais precioso que temos!!!

  55. Andrea

    Shirley!!! Socorro!!! Aqui é igualzinho!!! Mas eu tenho GÊMEOS de 8 meses e ainda trabalho fora! Não tenho empregada e os finais de semana tenho pavor!!! rs
    Super me identifiquei!!! O que sempre me pergunto é: Quando isso vai melhorar??? :-(
    De resto…são dois Galeguinhos Lindos! Serelepes e os AMORES da minha vida!
    Se eu que tiver que passar isso mil vezes…vou passar! O AMOR é maior que o cansaço, as noites (todas) em claro! e o esgotamento físico e mental!

  56. JULIANA

    Adorei! Pensei que fosse a única na TERRA.

  57. Mamãe Doriana

    Amiga,…. Quando entrar em colapso! “Pense em mim, chore por mim…” Tenho 3!!!
    Sei que não resolve, mas talvez conforte! Beijos
    http://www.facebook.com/mamae.doriana
    Instagram: @mamae.doriana

  58. Caroline

    Olá Shirley, eu adoro site, acho o máximo tudo que vc escreve. Estou grávida de 33 semanas e escuto muitas mães me dizerem que a maternidade é perfeita. Eu fico pensando: se nada nessa vida é perfeito pq a maternidade seria? Tenho uma amiga muito próxima que sempre me coloca a par de tudo que a maternidade nos trás (ela me conta a parte boa, mas ela me “dá a letra” sobre a parte ruim, afinal nem tudo são flores). Planejei muito a gravidez, esperei o tempo certo dentro da nossa condição como casal e de nosso momento de vida. Sei que vem muita coisa diferente pela frente, por isso gosto de ler o que vc escreve, pq desmistifica muito essa perfeição. Pelo menos quando a Luize nascer eu não vou tomar um susto achando que é só comigo que certas coisas acontecem. Um bjãoooo

    1. Macetes de Mãe

      Olá, Caroline!
      Que bom, muito obrigada pelo carinho!
      Fico muito feliz em poder ajudar <3 Saúde e muitas alegrias pra você e para a Luize que logo estará chegando.
      Bjss

  59. Dani Pivatelli

    Obrigada! Tentei várias vezes escreve esse post antes do primeiro aniversário do meu filho e não consegui parar para…
    Era essa a minha vontade cada vez q alguém perguntava se eu não trabalhava. E mesmo quando se tem alguém p cuidar da casa, a rotina c a criança é essa mesma aí.
    Mas qd não tem some-se lavar, passar, cozinhar, lavar a louça, passar pano…
    Mãe não faz quase nada ???

  60. Aline Firme

    kkkk me diverti kkkk…..e exatamente assim a rotina.

Deixe seu comentário