7 Dicas de sobrevivência para os primeiros dias pós maternidade

Todo mundo diz que os primeiros 30 dias de um bebê em casa costumam ser bem difíceis. Nós, mães, ainda estamos acostumando com o novo serzinho, dormimos muito pouco ou quase nada e vivemos uma rotina estafante 24 horas por dia, sete dias por semana. Tudo isso a gente ouve por aí, de amigas e familiares, mas é somente quando a experiência bate à porta que sentimos a verdadeira intensidade dela. E aí, minha gente, é de pirar!
Para completar, muitas de nós ainda tem o tal do Baby Blues, que eu já abordei um pouco em outro post, e aí a coisa fica mais complicada ainda.
Bom, já tendo vivido tudo isso na prática, incluindo o Baby Blues, aprendi que algumas coisinhas podem nos ajudar bastante a passar essa fase mais delicada e sensível e nos dar forças para seguir adiante, por mais que a gente pareça um zumbi ambulante.
Abaixo algumas dicas bem simples, básicas e até óbvias, mas que parece que a gente tem que ouvir de alguém para conseguir colocar em prática. Espero que sejam úteis para vocês também.
1. Aceite ajuda. Item importantíssimo! Logo que o bebê chega, nós queremos dar uma de super mães e fazer tudo sozinhas. Não queremos ajuda de irmã, mãe, amiga e muito menos sogra. Só que essa ajuda é valiosíssima e vai fazer muita diferença no seu dia. Assim que chegamos em casa, fomos dar o primeiro banho no Léo acreditando que estávamos preparadíssimos para isso, afinal, já tínhamos dado um banho nele na maternidade e correu tudo bem. Deus do céu! Foi um caos! Não conseguíamos deixar a água na temperatura ideal, não sabíamos como segurar o bebê, esquecemos os itens do banho no quarto e por aí foi. E e o Léo aos berros, é claro! No dia seguinte, não tive dúvidas, liguei para a minha sogra e pedi se ela podia vir aqui dar o banho no Léo. Ela veio, nesse dia e nos próximos dois ou três. Foi ótimo, porque no final do dia, quando já estávamos exaustos, tínhamos com quem contar para nos ajudar nessa tarefa tão delicada quando não se tem experiência. Ah, e a ajuda que recebi no início foi muito além disso. Minha mãe, que mora no RS, mudou-se para a minha casa e aqui ficou por um mês. Ela me ajudou cuidando do Léo e cuidando de mim. Me fazendo companhia, cuidando do que eu comia e tudo mais que eu precisei (menos o banho do Léo, que ela também não sentia segurança para dar). Enfim, ajuda é sempre bem vinda. Se alguém estiver disposto de a fazer isso de coração, aceite! Será muito bom para você ter uns segundinhos para respirar.
2. Descanse sempre que puder. Sempre ouvi aquela máxima: quando o bebê dormir, durma você também. Mas quem disse que eu conseguia? O Léo dormia e eu ficava do lado, grudada, sentindo que não conseguia me afastar dele nem por um segundo. Maior bobagem que eu fiz! Quando ele dormia eu devia mais era tê-lo colocado no seu bercinho e ter vindo para o meu quarto tirar uma boa de uma soneca (ainda mais que a minha mãe estava aqui, cuidando da casa para mim). Agora, para o próximo baby eu já sei. Na hora de descansar, ele vai para o quartinho dele e eu para o meu. Nada de ruim ou de errado vai acontecer por nossos pequenos ficarem algumas horinhas sozinhos (com alguém em casa, é claro!) e nós acordaremos bem mais disposta para seguir o turno. Com certeza!
3. Converse sobre o que você está sentindo e suas dificuldades. Isso me ajudou muito. Várias vezes liguei para algumas amigas para conversar, desabafar, tirar dúvidas e chorar. Eu ficava horas no telefone e toda vez que uma amiga dizia “Shirley, é assim mesmo, nos primeiros 30 dias eu chorei diariamente e me senti péssima em vários momentos” eu me sentia um pouco melhor, pois percebia que não era a única e não estava sozinha. Converse com alguém em quem você confia, que já teve filhos e que tenha sensibilidade suficiente para apoiá-la e não criticá-la (porque, vamos ser sinceras, nem todo mundo tem desconfiômetro nesse mundo). Afirmo que isso será de um valor imenso e que irá ajudá-la nos momentos mais difíceis.
4. Participe de grupos de discussão. Quando o Léo era muito pequenino, com dias de vida, eu entrei em um grupo de discussão no Facebook. Na verdade, entrei em dois. Em um que abordava assuntos da maternidade em geral e em outro que dava apoio a mães que estavam tendo dificuldade na amamentação. O primeiro, o de troca de experiências sobre o dia a dia de ser mãe, foi ótimo. Lá eu encontrava pessoas para conversar, via que outras viviam os mesmos dilemas que eu, não me sentia tão sozinha e isolada do mundo, dentre várias outras coisas. Já o sobre amamentação, que deveria ter um efeito positivo sobre mim, teve justamente o efeito inverso. Como muitas participantes eram super radicais, eu acabei me sentindo culpada em vez de apoiada na minha dificuldade de amamentar e aí optei por abandonar o grupo. Ou seja, aqui a dica é: procure um grupo de discussão no qual você se sinta bem, o qual traga apoio e respostas às suas dúvidas e não o contrário. Tem uma infinidade de grupos na internet e, com certeza, em um deles você irá se sentir bem.
5. Dê-se de presente alguns minutos do seu dia. Eu me dava, todo santo dia, desde o dia que chegamos em casa, 15 minutos de paz, descanso e relaxamento. Era a hora do meu banho. No fim do dia, depois de alimentar, banhar e colocar o Léo para dormir, eu fugia do mundo tomando um bom, longo e quente banho. Gente do céu! Era incrível o poder que esse banho tinha sobre mim. Eu sentia que boa parte das minhas forças eram recuperadas depois desses poucos minutos em silêncio e fazendo algo que me dava prazer. Consegui fazer isso muito bem enquanto minha mãe esteve aqui e, depois, levava a babá eletrônica para o banheiro para não correr o risco do Léo acordar e eu não ouvir (meu marido chegava tarde do trabalho e ficávamos só eu e o Léo). Bom, aqui, o que importa é você tirar alguns minutos para fazer algo que VOCÊ goste, que te de prazer e ajude a relaxar. Se for tomar uma xícara de chá, tirar um cochilo, ver um pouco te TV, faça isso. O importante é você sentir que deu alguns minutos para você e fazendo algo que te faz bem. Digo e repito: tem um efeito incrível!
6. Saia para caminhar. Sim, saia para caminhar. Pegue sol, veja pessoas, faça alguma coisa na rua, nem que seja ir ao banco ou à farmácia. Como fez muito frio assim que o Léo nasceu, eu só me senti segura para levá-lo para a rua quando ele já estava com um mês. Mas aí, todo santo dia eu saia para uma caminhada diária com ele, por alguns minutos. No início, não saia do prédio, depois, não saia da quadra mas, como o tempo, fui sentindo segurança para andar pelas ruas próximas. E era uma delícia. Alguns poucos minutos respirando um pouco de ar (mesmo o poluído de São Paulo), vendo a luz do sol e sentindo o calor na pele já me dava energia para continuar na labuta. Também, super indico! Até hoje, todo dia, tento sair e dar uma voltinha com o Léo pela rua. Eu e ele amamos! É uma delícia e, quando ele crescer, tenho certeza que sentirei muita falta de momentos como esse.
 
7. Alimente-se bem e tome muito líquido, de preferência água. Uma bela noite, quando ainda estávamos na fase mais difícil da maternidade, os primeiros dias, eu comecei a me sentir mal. Era uma queimação no corpo, uma sensação estranha, algo que eu não conseguia nem explicar. Fiquei intrigada com aquilo e comecei a pensar o que poderia ser. Num dado momento, percebi que tinha corrido tanto durante o dia que não tinha tomado água. Na verdade, aquele mal estar era desidratação. A gente pensa e cuida tanto do bebê que esquecemos totalmente de cuidar da gente. Aqui, a dica é aquela mesma do avião: antes de salvar quem está ao seu lado, você tem que salvar a você mesmo, se não, nenhum dos dois sobrevive. Pesado? Forte? Sim! Mas super verdade isso. Se a gente não se alimentar direito e não tomar líquido, ainda mais quando se está amamentando, o negócio degringola. E feio! Coma alimentos saudáveis, faça refeições equilibradas, tente comer a cada três horas (sei que isso é difícil! eu sei!) e tome muito, muito, muito líquido. Você tem que estar bem fisicamente para alimentar seu filho e dar conta de cuidar de um bebê, coisa que exige muito empenho e dedicação.Bom, agora, você, amiga leitora gestante, imprima isso e cole na porta da geladeira. Porque depois, o bebê irá chegar, você irá correr feito participante de maratona e não vai mais nem lembrar das dicas desse post. :-)

22 comentários

  1. hahahaha… tudo que eu não fiz!
    Mas acho que na próxima já sei e vou fazer…
    Ótimo texto!
    bjos!

  2. Katherine

    Hhehehe comigo foi tranquilo,minha mae também se mudou pra minha casa no primeiro mês e depois minha avó apareceu por mais uma semana…eu dormia o máximo que eu conseguia hahaha mas colocava o Sam pra dormir na cama comigo durante o dia…na questao alimentação foi meio bagunça…comi de tudo que é coisa….e tinha leite que nem uma vaca leiteira uhauahuahuahau posso dizer que o começo pra mim foi bem tranquilo!! Mas as dicas são ótimas!!!!!

  3. ótimas dicas.. eu como mamãe de primeira viagem “vou tentar’ lembrar heheh

  4. Suzana

    adorei as dicas, irão me ajudar muito quando vier meu bebê. Ja salvei aqui

  5. Anonymous

    Eu tb adorei! será muito util quando a Laura nascer daqui a pouquissimas semanas…bjos Flávia

  6. Ana Patrícia

    Todas as dicas são maravilhosas.. menos a parte da sogra… afffff ninguem merece aquela pessoa achando que sabe mais do que vc e que vc não dá conta das coisas… aqui é bem assim…

    1. Valéria

      Aqui tbm é desse jeeito..
      ‘ Vou tentar “dar conta do recado” soziinha !

    2. Aparecida Fernandes

      Verdade, minha sogra mudou para minha casa e ficou 2 meses, me ajudou muito, mas o que eu tive de ajuda, tive também de estresse, chegou um momento que ela se sentia dona da minha casa e mãe do meu filho. Agora ela já está indo para casa dela e eu consigo ter uma rotina com meu filho.

  7. Tatiana Cali

    Muito bom mesmo, é assim que deveria ser com todas …rs. Pena que nem sempre acontece bem assim, né ?! Em relação ao grupo de amamentação, é impressionante como muitas pessoas que trabalham com isso, ou simplesmente aquelas mais radicais ao invés de ajudar acabam afastando e atrapalhando tudo … Parecem não compreender as dificuldades … Fazer o que, né ?! Fez certíssimo de sair de lá !!! Bjs, Tati.

  8. Super mamãe

    Concordo com a maioria dos conselhos, exceto aceitar ajuda de quem estiver disposto a ajudar! Não é por nada não, mas as vezes a pessoa tem a maior vontade de ajudar mas não está capacitada para isso, ai acaba atrapalhando. Nesse caso me vem logo aquele ditada na mente “Muito ajuda quem não atrapalha”! rsrs, sou mãe de duas pré- adolescentes e agora de um baby de 9 meses, tive muita ajuda da minha mãe quando elas nasceram, mas ela faleceu a 9 anos, hj em dia apesar da minha sogra ser um amor de pessoa, pena que não leva jeito, ela mesma reconhece, eu me viro nos 30 aqui para dar conta de tudo. Sorte que as meninas me ajudam bastante!!! Tenho tido até um tempinho, meio que corrido para me dedicar ao meu site! :) (http://supermamaesebebes.blogspot.com.br/)

  9. Anonymous

    Boas dicas. Amei! Quando minha Marina nascer já saberei mais certo,o que fazer rs..

  10. Vanessa Sayão

    Segui todas suas dicas Shi embora não tenha tido sucesso em todas. A dica da ajuda não deu certo pra mim. As pessoas na qual iriam me ajudar não aceitavam a minha opinião, a rotina que eu queria seguir, e me criticavam o tempo todo, ai resolvi despensar, infelizmente quem me ajudaria muito seria minha mãe mas ela nos deixou quando eu estava grávida de dois meses. Mas uma coisa deixo aqui por experiência própria: Nós sobrevivemos depois desses longos 30 dias :D

  11. Anonymous

    Adorei as dicas, são simples e de grande valia. Entre todas só não entrei em grupos de discussão e não saí para caminhar porque achava minha pequena muito novinha para dar voltinhas (ela está com 2 semanas), mas acho que já vou começar a dar umas saidinhas na rua com ela, tenho certeza que vai ser muito bom.

  12. Anonymous

    gostei das dicas! mas acredito que cada mulher é diferente da outra! cada uma sente de um jeito diferente as situações! uma são muito medrosas outras tem pessoas legais pra ajudar outras não.uma tem diarista outras não te condições.Não é indicado congelar comida!compre comida prontinha e quentinha em restaurantes bem conceituados q é bem melhor! assim vc pode se alimentar bem com alimentos variados! uma boa dicas é:ficar tranquila, mesmo q vc faça tudo q precise, prepare tudo para o bebe antes dele chegar,porque ttranquilidade ninguém compra e assim vc fará tudo mais facilmente!!! sim peça ajuda de preferencia para alguém de confiança para familiares. não é um bico de 7 cabeças !!! um bebe é uma benção de deus!!!!!!e se vc precisar comprar alguma coisa necesari de ultima hora peça para seu marido ou amigo próximo!!!!!! bjs

  13. Anonymous

    O primeiro folho é muito complicado a gente quer ser super mãe, e o mais legal é que quase todas as mulheres que passam pela maternidade sofrem das mesmas angústias, umas mais outras menos, mas sofrem rsrs. Eu passei por tudo isso, e se não bastasse toda a loucura eu resolvi engravidar novamente!! Meu pequeno hj esta com 1 ano e minha filhota nasce daqui dois meses, ou seja, quando meu bb tiver 1 ano e 2 meses! Estou entrando em parafuso, tenho pesadelos horríveis de que não vou conseguir dar conta do recado. Mas mesmo com todos esses medos estou feliz por essa benção que Deus me concebeu, de ser mãe de um casal.
    Adoro seu blog nele consigo sanar algumas dúvidas e percebo que eu não sou louca sozinha rsrsrsr, que todas as minhas neuras fazem parte desse maravilhoso universo que é ser mãe. Obrigada Shirley e parabéns.

  14. Camila

    TALVEZ EU SEJA EXCEÇÃO OU MINORIA, MAS A VERDADE É QUE PENSAR NUMA TERCEIRA PESSOA EM CASSA FULL TIME PARA ME AJUDAR NA VERDADE ATÉ ATRAPALHA! ( INCLUSVE MINHA MÃE).
    NA VERDADE FAZ PARTE DO MEU TEMPERAMENTO SER BEM RESERVADA COM O MEU DIA A DIA E JÁ SABENDO DISSO DEIXEI A CASA O MAIS ORGANIZADA POSSÍVEL ANTES DO MEU PRIMEIRO FILHO CHEGAR, PENSEI EM DETALHES COMO AGENDAR CONTAS PARA VENCER E DEIXAR A DESPENSA ABASTECIDA. MEU MARIDO PROGRAMOU AS FÉRIAS DELE PARA O MÊS DO NASCIMENTO E FIZEMOS CURSO DE GESTANTE QUE FOI UMA MARAVILHA. CONCLUSÃO, MEUS PRIMEIROS DIAS COM O MEU FILHO FORAM MARAVILHOSOS, EU REALMENTE O CURTIA E MUITO E DEI BANHO NO BABY SOZINHA E MEU MARIDO TBM!!!!… DEVO ACRESCENTAR APENAS QUE TENHO EMPREGADA FIXA QUE VEM TODOS OS DIAS, ENTÃO COM OS AFAZERES DOMÉSTICOS EU NÃO ME PREOCUPAVA, MAS CONFESSO QUE QUANDO MEU FILHO ESTAVA COM 3 MESES ELA TIROU FÉRIAS DE 30 DIAS E COMO PEDI PARA ELA DEIXAR PORÇÕES DE FEIJÃO E CARNE TEMPERADOS E CONGELADOS O DIA A DIA FOI BEM RAZOÁVEL TBM.

    ENFIM, ESCREVI ISSO TUDO POIS NEM SEMPRE ACEITAR AJUDA É TÃO BOM ASSIM, JÁ QUE PODE TIRAR AQUELA PRIVACIDADE SUA E DE SEU MARIDO E INIBIR UM POUCO AQUELES MOMENTOS MARAVILHOSOS DE FICAREM GRUDADINHOS NA CRIA EM CIMA DA CAMA!

  15. Mariana

    Boa Tarde, nossa como suas palavras me confortam. Sinto tanto medo desse momento, e agora sei que posso me sentir “frágil” se precisar!
    Pq de verdade, tudo q vc disse as pessoas tmb falam, mas de uma forma…que vc pensa: SENHOR, SERÁ QUE SER MÃE É MESMO TÃO RUIM ASSIM?!?!?
    Mas uma vez, obrigada pelas palavras!!!
    Minha princesa só chega em Março, mas vou guardar suas palavras em meu coração para quando chegar!!!
    Obrigada, Bjus

  16. ELIETE

    tudo isso é muito verdadeiro, quem conseguir, siga todas essas dicas…bjoooo

  17. Marcela

    Olá meninas, eu tive como se fosse um ataque de pânico quando meu bebê nasceu , e olha que foi planejado! Eu estava me adaptando a ser mãe mais o que me apavorava era o fato de falarem que eu não podia sair de casa por 2 meses por causa das vacinas do bebê kkkkkkk
    E ainda vem aquelas pessoas infeliz que falam ” nossavc não viu nada ainda” , resumindo : meu bebê tem 8 meses e eh ótimo não da nenhum trabalho . mulherada ter filho não eh um bicho de 7 cabeças não sofra por antecipação igual eu fiz! Cada bebê eh diferente e vc vai se adaptar ao seu! No começo tem que descansar para se recuperar e comer bem sempre eh importante.
    Filho eh a melhor coisa do mundo !!!!!

  18. Rosilda

    Adoro o que vc escreve. Tem me ajudado muito. Esse post caiu como uma luva pra mim. Sou mãe de primeira viagem, meu bebê está com 28 dias e apenas nesses dias vivi tudo que vc escreveu. Mas eu dei banho desde o primeiro dia em casa, curei o umbigo e estou noites sem dormir. Chorei horrores para amamentar…sinto dor até hoje…
    É muito bom saber que não estamos sozinhas…
    Ah, minha mãe está comigo desde a maternidade, me ajudando na casa, na organização e colocando ele para arrotar e dormir, assim posso tomar banho, almoçar e dormir…. Duas horas é luxo!!!
    Mas feliz, muito feliz!!!!

  19. Vanessa

    Olá, meninas…. Gostei das dicas, mas confesso que fiquei bem feliz com os comentários de algumas de vcs, dizendo que nem todo bebê é igual e que nem sempre tudo é uma loucura… Fiquei mais aliviada, rsrsrs. Daqui a algumas semanas nasce nosso pequeno e, por mais que haja planejamento, não dá pra prever como as coisas vão acontecer realmente… O segredo é enxergar os filhos como bênçãos e confiar na força que vem do Alto…. Afinal, foi Deus que nos deu essa linda missão…

  20. Anne Cristina Marques

    Shirley seus post foram minha ajuda diária quando minha bebê nasceu ( hoje está com 2 anos e 9 meses), claro tive minha mãe no meu lado constantemente e um esposo incrível me ajudando….mais nas minhas horas vagas eu sempre buscava e ainda busco coisas na internet sobre bebês e as suas são bem reais, o dia a dia bem esclarecido!!! Que Deus abençõe vc e sua família, seus filhos e continue assim ajudando a mulherada!! Bju😚👏

Deixe seu comentário