Os 25 maiores desafios da maternidade

desafios da maternidadeSabe aquela frase super-hiper-ultra-blaster-master clichê e piegas: “Ser mãe é padecer no paraíso”? Pois é, ela é a mais pura verdade. Ela é piegas, ela é clichê, ela é batida, mas ela é VERDADEIRA. A gente padece, a gente sofre, a gente se descabela dia e noite porque ser mãe é algo muito, muito, muito importante. Só por isso.

E por ser importante, não dá para a gente fazer de qualquer jeito. Não dá para simplesmente dizer, numa terça-feira à tarde, “Hoje eu vou esquecer que sou mãe. Só um pouquinho. Vou esquecer que meu filho está resfriado e vou sair para fazer a unha sem uma pontinha de preocupação ou peso na consciência”. Isso não existe. O filhote chegou, as coisas mudam. E mesmo as mães mais desencanadas, mais tranquilas, mais pacíficas da face da terra irão se ver em apuros, pensando: “Eita coisa difícil que é ser mãe”.

Para mim, ser mãe é a tarefa mais difícil que eu já executei em toda a minha vida. E olha que não fui mãe tão jovem (ou seja, já tinha uma boa bagagem existencial quando o Léo chegou) e também não fui daquelas que vivi uma vida sem desafios. Eu mudei de cidade (cinco vezes), mudei de país (duas vezes), fui morar sozinha aos 16 anos (para fazer faculdade), cursei duas faculdades ao mesmo tempo (enquanto fazia estágio nos minutos de folga), resolvi arriscar a vida sem lenço, sem documento, sem casa e sem trabalho na maior cidade do país (deixando pra trás um emprego estável) e mais um tanto de outros desafios. Mas nada, nada, nada, nada se compara a experiência de ser mãe.

Bom, divagando sobre essa questão (algo que eu já venho fazendo há quase dois anos, diariamente) eu cheguei à conclusão que as pessoas se enganam um pouco quando pensam na parte difícil da maternidade. A grande maioria (de quem não é pai e mãe ainda) tende a pensar que o maior desafio está em não ter mais uma noite inteira de sono ou não ter a liberdade de sair quando bem entender, mas não é bem por aí. Claro que esses coisas são difíceis (bem difíceis) mas, na minha opinião, tem outras muito, muito, muito mais desafiadoras.

Com vocês, a minha lista das 25 coisas mais difíceis da maternidade (e sintam-se à vontade para incluir as suas nos comentários abaixo),

  1. Ter que lidar com o desconhecido diariamente
  2. Não ter resposta para a maioria das dúvidas
  3. Não saber exatamente quando algo difícil, desgastante ou dolorido vai acabar
  4. Nunca ter certeza se o que está fazendo é o certo
  5. Nunca ter certeza se está dando de mais ou de menos (atenção, tempo, liberdade, etc…)
  6. Não saber se está sendo rígida demais, impondo limites demais, ou se está na verdade fazendo o contrário (isso está entre as coisas que acho mais difíceis)
  7. Ter que fazer coisas que nos cortam o coração porque elas simplesmente TEM que ser feitas
  8. Não saber se quer que o tempo pare ou voe
  9. Se culpar por trabalhar demais e ter pouco tempo para os filhos
  10. Se culpar por largar o trabalho e sentir falta dele
  11. Não saber o que aquele choro desesperado quer dizer
  12. Nem sempre poder acabar com a dor do filho
  13. Ter que aceitar que o filho irá sofre e que isso faz parte da vida (e que é até positivo, veja só!)
  14. Nem sempre poder dar o que eles querem
  15. Vê-los sofrer as primeiras decepções e desilusões da vida
  16. Ter que dizer não. Muuuuuuuito não.
  17. Ter que achar alternativas criativas para o não (como dizer não sem dizer não para que, quem sabe, por ventura, esse não seja obedecido).
  18. Ter que ser forte quando a vontade é desabar
  19. Mudar, drasticamente, a própria vida e aceitar que terá que deixar de lado coisas que sempre amou.
  20. Ter que dar o braço a torcer (muitas vezes)
  21. Ter que fazer coisas que nem nos seus mais remotos sonhos um dia imaginou (e se tem!)
  22. Sentir as dores do mundo com ainda mais intensidade (parece que a dor de toda mãe é também um pouco nossa. E aqui eu vou lembrar para sempre da tragédia de Santa Maria)
  23. Passar a temer o futuro como nunca
  24. Ter que aguentar pessoas que acham (na verdade, tem certeza) que sabem criar os nossos filhos melhor que a gente
  25. E, acima de tudo, ter que conviver com a famosa e eterna culpa, que não importa o que a gente faça, jamais irá nos abandonar (vai virar e vai mexer, ela vai bater na nossa porta).

Ah, e se eu pudesse incluir os itens 26 e 27 aí sim eu diria:

26. Não ter mais noites inteiras de sono / 27. Não ter mais a liberdade de ir e vir quando bem entender. :-)

 Leia outros posts similares a esse:

 

23 comentários

  1. Elorene

    Shi, excelente! Adoro esses macetes e todos os textos de seu blog! Beijo pra você e seu Léo!

  2. Janaina

    Bom dia Shirley!
    Acho que o texto fala exatamente dos desafios mais difíceis, eu colocaria só mais um. a responsabilidade de educar um filhos com valores pra que se torne um adulto melhor pro mundo que esta ai. Adoro acompanhar o blog, tem me ajudado muito, é um alivio enorme saber que mais mães passam pelo mesmo que nós! é Mãe sofre muito, mas é Feliz demais tb!!! bjos

  3. Verônica

    Concordo em tudo, pra mim o lance da culpa e o pior… Já já volto a trabalhar, e lidar com isso está sendo muiiittooooooooo difícil!!!

  4. Tatiana Monteiro

    Eu diria que a parte de ter que ser forte quando por dentro estamos desabadas, não poder livrar os filhos de todas as dores e aguentar os outros achando que podem criar seu filho melhor que vc estão dentre p
    os piores desafios da maternidade…

  5. Anélita Almeida

    Exatamente o que sinto! As vezes penso meu Deus minha vida virou de cabeça pra baixo desde que meu filho nasceu e olha que eu tenho uma maridão do meu lado que me apoia em tudo, um paizão! Minha sogra e minha irmã sempre me apoiam ficando com meu filho quando eu preciso sair, não trabalho fora! Mas mesmo assim a barra é difícil, mas ao mesmo tempo não vivo sem meu pequeno ele é o grande amor da minha vida… Tem horas que me da uma baita inveja de quem não tem filho… Eu penso aí meu Deus que saudade de quando eu tinha toda a liberdade do mundo! Mas tem hora que penso: meu Deus eu não trocaria minha vida de mãe por nada nesse mundo! Eu acho que ser mãe é muito isso, uma hora vc se descabela e ta meio depre na outra curti cada segundo e não trocaria o abraço e o sorriso do pimpolho por nada! O que me ajuda é pensar que eu vou vencer! Mesmo com todos os desafios, sei que meu filho vai crescer e ser tornar um homem de bem e vou olhar ora trás e ver que valeu a pena…

  6. Cissa Belli

    Nossa! Também sinto tudo isso…

  7. Alessandra Dias

    Nem sei o que incluir… Só sei que vc nasceu para isso!!! Nos ajudar!!!! Ler o que vc escreve é sempre um conforto para as mamães!!! Obrigada e parabéns mais uma vez pelo excelente trabalho!

  8. Eliete

    Adoro ler esse blog….tudo que eu penso e sinto esta escrito aqui….acho que agora entendo aquele velho bordão:” Mãe é tudo igual, só muda de endereço….kkkkk” Bjo

  9. Ana

    Esperar por aquela famosa”ajuda” e nem sempre ela vem a acontecer e você acaba se “descabelando” por tentar fazer o melhor e não conseguir e ouvir do seu companheiro: o que fez está “aceitável”, mesmo você dando o melhor!!!….

  10. cecilia

    As 24hs é pouco!
    Fazer tudo e mais um pouco pra resolver tudo, não receber um elogio e se não faz reclamam (a familia toda)…(Pq deixam tolhas molhadas, roupas espalhadas, cozinha um desastre depois de comer..etc Pois tenho 4 machos! Imagina! )
    E ter ainda aguentar um marido carente depois de tudo…rs
    Pra mim acrescentaria essas..rs

  11. Renata

    Parabéns pelo texto, me sinto exatamente como você relatou. O meu Heitor também me faz sentir assim…

    Eu acho muito complicado ter que ficar longe deles…
    Meu bebe vai para creche semana que vem e já estou sofrendo. rsss

  12. Yamara

    Amiga … vc traduz perfeitamente o q vivemos , parabéns!

  13. Priscila Nisidozi

    Realmente vc sabe o q todas nos passamos Shirley!!! Eu tb acrescentaria o item educar, pois essa e uma das partes mais dificeis mesmo!
    Esse post me fez lembrar q existe uma outra frase tb q e cliche e super batida, mas q tb e muito verdadeira: “maes sao todas iguais, so mudam de endereco”. Rss…

  14. Felícia

    Olá Shirley,

    Acompanho seu blog desde a gravidez, descobri por acaso, quando procurava dicas sobre enxoval nos EUA, e não parei mais!
    Sou leitura assídua de blogs de maternidade desde a gravidez, mas, sem dúvida nenhuma, o seu é o melhor que eu já vi.
    Gosto do modo como você escreve. O diferencial do seu blog é que não é um diário de bordo da sua família, pelo contrário, você se preocupa em ensinar o que você aprende, e isso é muito legal!
    Confio extremamente no que você indica, quase de maneira “bitolada”, hahahahahaha. Comprei o tapetinho que você indicou, o preparador de papinha, minha lista do enxoval foi a que você recomendou, etc!
    Fico muito feliz de poder contar com os seus textos e dicas.
    Meus parabéns!!!
    Obs: Minha filha também tem APLV, também por isso me identifiquei tanto com o conteúdo do blog!

    1. Shirley Hilgert

      Felícia, obrigada pelas palavras! Adorei! Mesmo! E como está a APLV da sua filha? Melhorou? Bjs

  15. Ana Paula

    Olá Shirley

    Primeiro gostaria de agradecer a você por se colocar na condição de mâe, como nós mulheres normais que enfrentamos diariamente essa aventura, você relata a sua verdade sem frescura não coloca como se tudo fosse um conto de fadas, sabemos muito bem que ser mãe e maravilhoso, entendo também que tem dias de estamos no limite, muitas das vezes por que em nossa cabeça esta o questionamento de perguntas como as feitas em sua lista, que foi muito bem colocada, grande beijo

  16. Roberta

    Como eu estou 24hs em casa pois larguei o emprego (sou farmacêutica), o que mais me abala no momento é a perda da liberdade de ir e vir. O pior é que toda a violência que ronda a gente me faz ter medo até de levar a minha guria de 6 meses no mercadinho da esquina! Antes, eu caminhava 15 minutos todo o domingo até minha paróquia, levando meu violão (!!!) debaixo do braço, sem me abalar. Caminhei até fechar o sétimo mês – era um trajeto que eu estava hiper acostumada a fazer. Hoje, não me animo nem em subir a rua para pegar ônibus com ela por medo. Isso é que é complicado pra mim.

  17. Tata

    Olha, eu to aqui pesquisando sobre maternidade e decidindo se é a hora ou não. To achando que nunca vai ser a hora pra mim depois de ler isso hahaha

  18. Carol

    A num 24 é a melhor de todas!!!!! Acontece muuuuito comigo…. E eu odeeeeio!!!!!! Tenho muuuita gnt que se mete na criação do meu filho, principalmente a família do meu marido ;((

  19. karen slompo

    Prá variar, ótimo texto!
    Hoje especificamente a culpa está me matando…
    Primeiro dia da volta ao trabalho e minha bebê no berçário.
    Mooorro de culpa!
    Mas lendo seu texto, me lembrei do que uma amigae disse quando soube que eu estava grávida:
    “O bom de ser mãe é que você nunca mais estará sozinha. O ruim é que você nunca mais estará sozinha!”
    Beijos!!

  20. Barbara

    Amei!!! Como não ter medo do futuro!!!

  21. Cristiane

    Perfeito! Parabéns pelo seu trabalho, leio todas as postagens, sempre ótimas!

  22. Ana

    Concordo com todas. Para mim o que é difícil é lembrar de todos os apetrechos dos meninos pra viajar, pra mochila, pra natação. E ler todos os rótulos e pesquisar tudo o que eles estão comendo na maior neurose, e os manter longe das balas, guloseimas, biscoitos, sorvetes e refrigerantes!!!! “Manhêêêê quero isso, quero aquilo”.Vá pro Banho, coma, faça tarefa, vá fazer KUmon. ” não posso, estou ocupado. Estou com dor de dente, dor de cabeça, dor de dedo, dor de cílio.

Deixe seu comentário