Hora de voltar a cuidar da gente

mãe relaxandoQuando um bebê nasce, a dedicação é completa. No início, eles precisam 100% de nós. Mal e mal temos tempo para comer, tomar um banho quente, fazer uma refeição decente. Mas depois dessa correria insana dos primeiros dias, quando é que nós, mães, voltamos a pensar em nós, a nos cuidar, a fazer coisas simples e básicas, necessárias e que nos dão prazer?

Isso depende muito. Varia de mulher para mulher e de situação para situação, pois nem todas as crianças dão trabalho na mesma intensidade. Algumas mães, uma semana depois que o filhote nasceu, já estão fazendo as unhas e dando um trato mínimo no visual (eu só consegui quando o Leo tinha dois meses e porque eu tinha o casamento de uma amiga para ir), já outras, como eu podem levar quase dois anos para retomar um pouco da antiga vida (e falo um pouco, porque retomá-la na sua totalidade, depois da chegada de um filho, é bem difícil. A vida é outra.).

Antes do Leo nascer, eu lia de quatro a cinco livros por mês (e só gostava de livros enormes), caminhava ou corria pelo menos cinco dias por semana, me alimentava muito bem e sempre achava tempo sair com meu marido, para encontrar minhas amigas, ir ao cinema, passear ou fazer um monte de outras coisas que sempre amei. Mas aí ele chegou e tudo virou de pernas para o ar.

Até o Leo ter três meses, eu mal e mal comia. Ele passava o dia chorando e eu correndo atrás do rabo para dar conta daquela rotina quase insana que vocês bem conhecem. Do terceiro ao sexto mês as coisas melhoraram, pois começamos a tratar a sua APLV, mas mesmo assim minha vida ainda era um caos (Leo ainda dava muito trabalho para mamar e isso atrapalhava toda a rotina). Após o sexto mês ele estava melhorzinho, mas aí começou o desafio da introdução de sólidos e a cada novo alimento era uma nova reação. Com nove meses as coisas pareciam estar entrando nos eixos, com ele indo para a escolinha e eu tendo algumas horas de tempo livre, mas aí tivemos que tirá-lo da escola (crise na sua APLV) e nos adaptar à uma rotina com babá (sim, eu me dei por vencida e me convenci que precisava de ajuda). Tudo isso sem contar que, até um aninho, o Leo acordava toda santa noite. Sendo que em algumas noites chegava a acordar seis, sete, oito vezes. Isso mesmo! Oito vezes!

Por fim, quando meu pequeno fez um aninho, as coisas começaram mesmo a entrar nos eixos. Ele começou a dormir a noite toda (de uma hora para a outra, como que por milagre), já estava adaptado à babá e eu passei a ter um pouco de tempo “livre”.

Quer dizer, eu achei que teria. Essa é a verdade. Assim que eu consegui cortar um pouco do cordão umbilical que me ligava ao Leo e ter um pouco de tempo para mim, eu me entreguei de corpo e alma ao Macetes de Mãe. Enquanto não estava com o Leo (mesmo tendo babá, eu ficava muitas horas do dia com ele), eu estava pesquisando e escrevendo para o blog, buscando inspirações para a fanpage, respondendo emails e comentários das leitoras e por aí afora.

Saí de uma entrega total para me dividir em duas entregas de 50 / 50. Metade do tempo eu era dedicada ao Leo. A outra metade ao Macetes de Mãe. E, ainda, aos finais de semana,  havia todos os cuidados com o marido que, coitado, também acabava ficando em terceiro plano (meu marido trabalha de segunda a quinta em outra cidade, então, só nos vemos no final de semana mesmo). Mas e eu, onde entrava EU nessa história? A verdade é que não entrava. Eu me abandonei.

Eu não lia mais (só livros relativos à maternidade), não praticava exercícios físicos, não me alimentava como deveria. Eu tinha engordado, tinha deixado de cuidar da minha aparência (estava com uma queda absurda de cabelo e com a pele péssima) e vivia de mau humor. Essa é a verdade. Era assim que eu estava.

Por quase dois anos, fiquei desse jeito. Não estava em segundo, terceiro ou quarto planos na minha própria vida. Estava no décimo, eu acho. Até que um dia, há pouco tempo (um mês atrás, mais ou menos), resolvi dar um basta.

Passei um ano da minha vida 100% entregue ao Leo. Depois mais um ano me dividindo entre o Leo e o blog. E agora estava pronta para iniciar um terceiro ano onde essas duas coisas iriam se equilibrar com uma terceira: EU MESMA.

Há quase um mês iniciei o processo de mudança. Comecei a cuidar da minha alimentação (e já perdi 2kg), voltei a correr, voltei a ler (livros que não são de maternidade), estou me dando o direito de ter mais tempo livre, recobrei a minha vaidade (me arrumo mais para sair, ou até para ficar em casa, comprei algumas coisas que namorava há tempos e outros mimos…) e tenho buscado fazer mais coisas que gosto e que estavam abandonadas: sair sozinha com o marido, encontrar mais frequentemente amigas queridas, ir ao cinema ou simplesmente esticar as pernas e respirar.

Hoje olho para trás, analiso essa experiência forte e intensa que é a maternidade e chego a uma conclusão muito clara: a maternidade é uma entrega extrema, total e absoluta. Pelo menos para boa parte de nós. E se não tomarmos cuidado com esse sentimento tão colossal e que, muitas vezes se basta por si próprio (amamos em demasia nos doar a quem amamos) corremos o risco de sermos afogadas ou anuladas pela vida de mãe.

Eu sempre fui independente, sempre fui ativa, sempre gostei de me cuidar (sem ser exagerada) e de me agradar. E onde foi parar essa eu por quase dois anos? Ela ficou escondida, ofuscada por uma Shirley mãe que se bastava, porque essa entrega completa também é prazerosa.

Mas chegou uma hora que a Shirley de antes da maternidade começou a clamar por ar, a pedir para voltar à tona e à cena e eu, com muito prazer, estou trazendo-a de volta.

Tenho certeza que a Shirley de antes não estará aqui complementamente nunca mais, isso porque ela não existe mais da forma que era. Ela cresceu, amadureceu e deixou algumas características para trás. Mas a sua essência continua a mesma e agora, quase dois anos depois, está pronta para voltar a viver de novo.

O que quero dizer com toda essa história e com esse texto enorme é o seguinte: uma hora você vai sentir vontade, necessidade, de cuidar de você mesma de novo. Se antes de você sentir isso alguém lhe falar isso, você irá se sentir mortalmente ferida (imagine alguém dizendo: “Amiga, está na hora de você voltar a se cuidar!”. Pra matar, né!), mas na hora que você perceber essa necessidade de verdade, vai mover montanhas para fazer as coisas acontecerem.

Em breve, trarei novos posts sobre o assunto. Sobre esse momento de retomarmos um pouco a nossa eu de antes, sobre a necessidade de voltarmos a cuidar de nós. Vou trazer dicas e compartilhar a minha experiência dessa nova fase e espero que tanto esse quanto os demais posts que virão as ajudem a voltar a olhar um pouco para dentro de vocês.

Nós merecemos e nossos filhos e companheiros também merecem ter mães completas.

 Veja outros posts que já escrevi com assuntos similares:

 

38 comentários

  1. mariella

    Olá! adoro seus posts ,me identifico muito com vc. Minha filha irá fazer 7 meses e ainda não consegui a voltar nem 50% da minha vida “normal”, mas sei que isto vai acontecendo gradativamente.Ela tem uma rotina boa,mas dorme super cedo,ontem pela segunda vez consegui sair com ela à noite rsrs. Parabéns pelo seu blog

  2. Danbielle

    Olá, Shirley!
    É exatamente assim. Amo me dedicar à minha filha de 8 meses, mas a volta ao trabalho há um mês atrás, mesmo que com o coração em frangalhos, me ajudou um pouco a voltar com o lado “mais mulher” (quero dizer com mais vaidade), pois sou forçada a ter que me arrumar para sair de casa. Até então, não podia usar nem um pouquinho de perfume (uma das coisas que sempre gostei) ou um batonzinho sequer porque ficava o dia todo com a bebê. Salto alto, então, nem pensar! Sinto muitas saudades dela enquanto estou no trabalho, mas em compensação, as noite após o trabalho e os finais de semana são de entrega total: fico por conta dela, sem me preocupar com vaidades e o lado mãezona toma conta de novo. É uma delícia!

  3. Leticia

    Também passei por essas fases quando tive o primeiro filho, você descreveu muitíssimo bem!
    Uma colega de trabalho certa vez me falou: Leticia, vc tem que voltar a se cuidar, dar um trato no cabelo, etc… Para mim foi um misto de sentimentos, mas na verdade surtiu um bom efeito. Cuidei de me arrumar, marquei horário na nutricionista e logo perdi os quilos extra. Exatamente quando voltei quase ao normal, (pois como vc bem disse , aquela “Leticia” de antes nunca mais vai voltar a ser), engravidei do segundo e a experiência do segundo foi bem diferente, sofri menos e me deixei menos de lado, hoje o caçula está com 11 meses e eu me equilibro em meio as tarefas de uma mulher moderna mas tento não me esquecer de mim…
    Amo seus textos! ;)

  4. Marina

    Ah que alívio! Pensei que fosse a única a me sentir assim…rs… Como meu bebê é prematuro, enchi de cuidados, fora que ainda tem todas as tarefas da casa… Ufa! Ontem dei um basta! Mesmo estando na introdução de sólidos, o bebê que chore um pouquinho, mas eu preciso me alimentar melhor, beber água, mereço um bom banho, dormir um pouco mais cedo, e quem sabe conseguir começar a caminhar e ler um pouquinho. Vamos ver o que eu vou conseguir né!

  5. Denise

    Nossa! esse texto é muito verdadeiro! Realmente a entrega é total, e não conseguimos mais cuidar de nós mesmas, mas isso é necessário sim, mesmo que seja aos poucos, devagarzinho. Pois antes de sermos mãe somos mulheres, e não podemos esquecer disso.

  6. Shana Foletto

    Olá Shirley! Acho incrível como você capta todas as nossas aflições, anseios e dúvidas para abordá-las em seu Blog. Quando um assunto ronda meus pensamentos, ou você já o escreveu, ou dias depois está publicando. Essa sintonia me da ler seus textos diariamente há um ano.
    Corro o tempo todo, mas sempre que dá uma brecha, olho as novidades do site.
    Meu bebê está com 9 meses. Amo estar com ele, mas sinto falta de mim… Algumas coisas já retomei, outras já defini que não retomo e algumas, só estão aguardando o seu tempo certo, assim como aconteceu com você.
    Parabéns pelo belo trabalho! Beijos!

  7. Daniele

    Como vc descreve tão bem o que pensamos e sentimos. Amooooo seus textos. Meu bebê já está com 9 meses e ainda estou tentando me adaptar. Ainda não consegui olhar pra mim mas estou tentando.

    1. Shirley Hilgert

      Obrigada pelas palavras!!!! :-)

  8. Priscilla Aitelli

    Toda a mulher deve ter reservado um momento pra si, sei sei, as vezes é impossivel e nos colocamos lá no final da fila não é?! Mas nunca é tarde para retornarmos a ser umas das primeiras da fila!!!
    Ótimo post, como sempre Shirley!!!
    Bj Bj
    Pri Aitelli
    Mamy Antenada

  9. Fernanda

    Adoro tudo que escreve, parece que é para mim, estou na mega dedicação total, introduzindo sólidos (6 meses) Sara, a filhota, acorda 6, 8 x tb! Ufa…que bom que vai passar…bjs

  10. Larissa

    Nossa foi exatamente o que senti hoje! Vi uma moça bem arruda na rua e me perguntei quando vou começar a me cuidar novamente?? Já está na hora de dar um up na mamãe aqui, a meses não compro nada pra mim só para o baby… Mas se tudo der certo essa fase está com os dias contados, aqui também chegou a hora da mudança! Bjos…

  11. Débora

    Obrigada por descrever exatamente o que sinto, e o que sinto às vezes é que parece que as coisas só acontecem comigo.Aí, leio seus posts e fico aliviada,não sou a única.Estou passando por isso, meu bebe tem três meses e só tenho tempo pra ele.Além das cólicas, ainda por cima ele está numa fase(acho que é fase), ele só quer ficar comigo, e no colo.Me falam que é manha dele, que tenho que ser mais firme e tal. O que você acha?

  12. Mariana

    Eu me identifico muito com seus posts, o inicio da maternidade ate os dias de hj ainda não são fáceis para mim, o meu bebe ainda acorda a noite e já em 1 ano e 2 meses, eu trabalho e chegamos juntos em casa a partir do momento que chegamos ele exige 100% de atenção só consigo tomar banho após ele dormir… enfim tenho uma pergunta que não quer calar … Você tem vontade e/ou planeja ter outro filho?

  13. Nagela Cardoso

    Shi, nem preciso falar do texto, preciso?! Pra variar, maravilhoso!
    Olhe, tenho sofrido tanto com isso, o Gustavo já está com 1 ano 6 meses e cadê aquela Nagela com cabelos impecáveis e compridos que o namorado(agora marido) adorava?
    Onde está aquela Nagela que tinha um bom guarda roupa? Shi, onde é que está o tempo! É dele que eu preciso. Não tenho roupa, não tenho sapato, vou sair olho o meu guarda roupas e tenho vontade de chorar, sempre a mesma coisa!
    Ajude-nos a nos reencontrarmos com nós mesmas. Quero minha barriguinha sequinha de volta, quero as roupas que eu não tenho tempo nem disposição de comprar, quero sentar no sofá sem nada para fazer!
    Isso tudo é mais complicado ainda, quando não temos ninguém para deixar o nosso príncipe. Sou muito cobrada pela minha família, tias e primas, rs….elas vivem falando, que roupa é essa, pelo amor de Deus, passa um batom ao menos! O Pior é que vontade eu tenho de me arrumar, mas falta a disposição.

    Inclusive, já pensei até em abrir uma empresa, que cuide de crianças em academias, salões de beleza, pois muitas vezes, não temos com quem deixar os nossos filhos!!

    1. Shirley Hilgert

      Menina, se você abrir essa empresa vai bombar!!!!!!!! kkkkk! E eu sei bem o que é esse negócio de falta de tempo e de disposição. Não pense que você está sozinha nessa. Mas o bom é que, com o tempo, as coisas entram nos eixos. Principalmente se você puder contar com um apoio: vó, babá, escolinha para deixar o filho algumas horinhas. bjs

  14. Viviane

    Muitas e muitas vezes saí de casa descabelada e toda doida, parecia que tinha saído de um arrastão, pois nem tempo de olhar no espelho eu tinha, meus cabelos ainda caem aos montes – não sei como não apareceu falhas ainda – mas estou aos poucos rompendo o cordão com meu bebê, principalmente por eu estar ainda amamentando – ele tem 1 ano e 9 meses – e ainda não tive coragem de mudar radicalmente meu visual de “mãe doida”……..rsrsr. Mas como você disse, é algo que sentimos necessidade em determinado momento, e se alguém nos alerta sobre isso não gostamos….
    Adoro seus textos e acompanho seu blog, você escreve super bem e muitas de nós, nos identificamos com seus textos.
    Beijos

    1. Shirley Hilgert

      Viviane, obrigada pelas palavras. Menina, sei bem o que é sair de casa parecendo um bicho. kkkk! Faz bem pouquinho tempo que tenho me cuidado mais. :-)
      bjs

  15. Cassia Martins

    Adorei seu artigo,me identifiquei completamente porém ainda não cheguei na parte “estou me cuidando” pois como estou fora do mercado de trabalho e só o maridão assumindo todas as contas, ficou super pesado. Há meses não faço as unhas, dou meu jeitinho em casa mesmo, roupas? a última que comprei foi quando estava grávida. Após o nascimento do meu segundo filho me dedico total e exclusivamente dele e da casa e mesmo assim não dou conta de tudo sozinha. Meu bebê vai fazer 1 aninho em abril e espero que boas novas apareçam, aí sim vou começar a cuidar mais de mim, pq além de ter engordado e estar com a auto estima baixa, ficar sem grana não ajuda em nada né?

    1. Shirley Hilgert

      Cassia, sei como é. Antes de eu ter o meu dinheirinho no final do mês também era mais difícil de cuidar de mim. Mas tem coisas que a gente pode fazer sem gastar muito. Por exemplo: se você gosta de ler ou ver um filme, isso não custa quase nada. Se gosta de caminhar, também é de graça. Tem cuidados que são ótimos para nós e que não custam um centavo. É só achar um tempinho. Bjs

  16. Nívea

    Oi, Shi.

    Ai, como eu precisava ler esse seu post! Eu queria estar nesse ponto em que você chegou, de equilíbrio entre filho, blog e si mesma! Mas ainda está tudo bagunçado por aqui… Ainda durmo pouco (muito pouco) e trabalho mais do que gostaria (embora goste muito do que faço). Acho que estou naquela fase de acreditar que trabalhando só mais um pouquinho por dia o negócio deslancha; o problema é que a gente paga um preço por isso: o de estar cansada (quase) sempre.

    Um dia ainda chego lá! Por hoje, acho que vou dormir mais cedo e me cuidar, nem que seja um pouquinho.

    Grande bj

    1. Shirley Hilgert

      Nívea, sabe o que tem funcionado? Assim que o dia começa, cuido primeiro de mim. Quer dizer, primeiro arrumo o Léo e o levo para a escola, mas, assim que chego em casa, eu dou a minha corrida diária, tomo café da manhã com calma, faço a unha, faço drenagem (nunca tinha feito na vida. Agora resolvi me dar esse presente) e só depois disso vou cuidar do resto (blog e pendências da casa). Porque na hora que entro na loucura, aí não paro mais para “olhar” para mim. Agora, por exemplo, são 23:30 e estou trabalhando. Ou seja, se deixasse para dar a minha corridinha à tarde, é claro que não faria.
      No final de semana, também desliguei. Não trabalho. Só cuido do Insta que é diversão total. Fora isso, é diversão ou relax (inclusive, deixo o Léo com o Otávio para poder me exercitar todos os dias).
      Então, a minha dica é: cuide de si assim que começar o dia. Se deixar para depois, pode ter certeza que você irá se boicotar.
      Bjs e boa sorte por aí!!! Você está numa rotina completamente nova e, por isso, ainda não deve ter conseguido organizar tudo direitinho. Mas logo chega lá. Bjs

  17. vanessa

    obrigada por adivinhar nossos pensamentos!!! Deus te ilumine sempre..nem imaginas o que o que o bálsamo das tuas palavras trazem em momentos tão difíceis..obrigada!!!

  18. Alessandra

    Shi, vc sempre perfeita!! Obrigada… me sinto assim ainda, a hora da mudança está´próxima, pq eu comecei a me incomodar com muitas coisas tb… me sinto como a nossa amiga Nagela Cardoso!

  19. Bianca Siquieroli

    Voltei a trabalhar quando minha filha estava com 4 meses de idade, não por precisar financeiramente mais psicologicamente. Após o nascimento da Pietra tive uma depressão pós parto que nunca me senti tão péssima, péssima por mim e principalmente pela minha filha, não conseguia fazer nada, só chorar! A volta ao trabalho me ajudou bastante, me sinto “eu” de novo, claro que de uma forma diferente e mais cansada, kkk. Mais recompensadora. Minha filha está hoje com quase sete meses, fica na escolinha(adora, desenvolveu muito após a ida) trabalho o dia todo, faço academia e cuido da casa pois não tenho ajudante, achei que nunca conseguiria voltar a “ativa” mais como minha mãe mesmo diz: TUDO PASSA!!! E hoje venho aqui dizer que conseguimos fazer muitas coisas que jamais imaginamos e de salto alto,rsrsrs.
    Há e tem mais estou com uma cirurgia marcada, daqui 2 meses vou colocar silicone nos seios para aumentar um pouco a alto estima. Força mamães nós conseguimos, cada uma tem seu tempo, mais tudo passará e melhorará. Beijoos

  20. Marília

    Olá Shirley, como sempre seus textos são ótimos e refletem tudo aquilo que sentimos!
    Meus gêmeos tem 1 ano e dois meses e ao me olhar no espelho não me reconheço…
    Falta disposição para cuidar de mim…depois de ler seu texto decidi me esforçar mais para cuidar mais de mim!!
    Beijos, Marília

  21. cassia dos santos

    ADORO SEU BLOG, ME IDENTIFICO MUITO, TENHO UM BABY DE 1 E MEIO FELIPE, MINHA VIDA, MEU TUDO, UM AMOR QUE CHEGA A SUFOCAR, MAS AGORA ELE GRAÇAS A DEUS ESTA EM UMA FASE MAIS CALMA, DORME MELHOR, ESTOU CONSEGUINDO DESCANSAR UM POUCO E QUERENDO RETOMAR OS CUIDADOS COMIGO. PRINCIPALMENTE COM MEU CASAMENTO, MEU MARIDO COITADO, TOTAL ABANDONADO POR MIM, NÃO TINHA PIQUE NENHUM EM SAIR FAZER UM PASSEIO, NAMORAR ENTÃO KKKKK MAS COMO EM UM PASSE DE MÁGICA AS COISAS VÃO TOMANDO NOVOS RUMOS E EU ESTOU ENTRANDO EM OUTRA NA MATERNIDADE, AGORA AQUELA MÃE NEURÓTICA ESTÁ ME DEIXANDO, JÁ CONSIGO DEIXAR O FELIPE DORMIR NO SEU QUARTO …. ENTÃO É ISSO PASSEI PRA DESABAFAR E DIZER QUE ESTOU IN LOVE COM TEU BLOG!!!

  22. Cristiane Sodre

    Adorei o post, não estou na mesma situação pq meu bb (Miguel) parece ser mais tranquilo q o Léo..
    Qdo ele fez 4 meses voltei p o Pilates, confesso q na marra, numa briga interna comigo, o estúdio é perto de casa, então o amamento, vou e em 2hs no máximo, já estou em casa. Pronta p o mamá… (Amamentação exclusiva).
    Então eu vou… Mas quase um peso na consciência, como se deixá-lo fosse pecado. Tenho uma secretaria em casa q cuida muito bem do Miguel, mas sou eu q fico amarrada a ele… As vezes vou ao salão c minha irma, coisa de uma hora e meia – ela diz q os primeiros 50 minutos fico bem… Antes de dar uma hora eu faço uma cara de quem deixou um leão dentro de casa. Coisasdemae…

  23. Camila Gonçalves

    puxa, mais uma vez encontro aqui as palavras que precisava ouvir. Estou vivendo exatamente esse momento, 1 ano após o nascimento do meu filho, estou em busca do meu eu, de me reorganizar c/ minhas coisas pessoais sabe…e tá difícil viu rsrsrs…a minha dificuldade tem sido: por onde começar? vou ficar aqui ansiosa aguardando os novos posts sobre o assunto. Muito obrigadaaa, bjsss!!!

  24. Pamela Greco

    Lindo depoimento, super cativante! É ótimo reencontrar o espaço do EU antes do MÃE e sempre digo que esse passo é fundamental. Achei muito bonito você falar sobre um “amor que se basta”, definiu muito bem. Mas também tem a identidade, a mulher, que precisam ser cuidadas sem dúvida! Depoimento inspirador, sem dúvida!

  25. Fernanda

    Só vc pra fazer eu me sentir um pouco melhor… até q minha rotina está entrando nos eixos…voltei a estudar, sair, cuidar de mim. Mas falta de sono acaba comigo. Carol tb acorda várias vezes a noite. Estava hj aki,triste, pensando o que eu fazia de errado,se seria sempre assim. Ai vem vc e fala do Leo…
    Não eh fácil ser mãe.
    Juro q tento, mas não tenho a mínima paciência e vontade de ver minhas amigas que não são mães. Fico estressada ao extremo. Acho que pq elas fazem comenta um pouco absurdos… mas fazer oq? Elas não sabem como eh ainda. Isso eu espero que mude um dia!

  26. Andréa Fróes

    Nossa, me Vi no seu relato. Minha filha está com 1 ano e 10 meses e ainda não consegui me reencontrar. E isso está mexendo muito com meu psicológico e afetando meu casamento. Depois de me tornar mãe sai do meu emprego e me doei por completo a minha princesa. Mas em algum momento dessa fase me perdi de mim mesma e ainda não consegui voltar. Estou ainda abalada e perdida . Adorei seu texto. Bjs

  27. Simone

    Shirley, sempre que posso leio os seus posts, e também acho muito legal a maneira como você aborda os inúmeros temas relacionados à maternidade. Tenho um bebê de 04 meses e gostaria muito que você me indicasse alguns livros que você já leu sobre maternidade, educação dos filhos, etc…Você poderia me indicar alguns?? Aguardo o sua resposta!!
    Obrigada,

    Simone.

    1. Shirley Hilgert

      Simone, alguns livros que eu li durante a gravidez estão no blog. Veja na categoria OUTROS > LIVROS. Depois que o Léo nasceu comecei a ler Crianças francesas não fazem manha e Criando meninos, mas não terminei nenhum dos dois ainda. kkkk! Bjs

  28. Náyl

    Desde que a minha bb nasceu, sinto falta de ser eu mesma,mas é difícil.Não tenho quem me ajude com ela e com a casa, pois o marido trabalha em 2 empregos e na minha família todos trabalham fora e não tem tempo de me ajudar também.O meu cabelo vivia escovado, agora está uma juba.Minhas unhas que eram impecáveis, vivem horríveis.Além do mais,emagreci demais, pareço um saco de ossos ambulante.No entanto, agora que ela está com quase 9 meses, as coisas começaram a melhorar.Ela já dorme melhor a noite e durante o dia, aí tenho um tempinho para cuidar da casa, do marido e de mim.

  29. Anne Caroline
  30. Julianna

    Acho que é assim mesmo que acontece… Meu filhote está com um ano e um mês e nessa semana que me deu vontade de sair arrumada para ir no shopping. Acho que aos poucos as coisas irão voltar aos eixos. Ainda fico muito cansada porque amamento e ele acorda de madrugada (está diminuindo a frequência, mas acorda). Não tenho feito muito tratamento de beleza, nem compras para mim, pois parei de trabalhar durante um ano e estou voltando agora a atender no consultòrio. Sou funcionária pública tb, estou de licença ainda, mas o salário público só dá conta das despesas básicas, principalmente agora que coloquei ele na creche para poder voltar ao trabalho. Procuro fazer unhas e sombrancelhas pelo menos uma vez por mês. E agora me permito fazer coisas sozinha no horário que ele está na creche (por enquanto, só no período da manhã) e me sinto bem melhor e mais livre. Acho que com o tempo aprendemos a equilibrar a maternidade com a individualidade. E as duas coisas são bem prazerozas, cada uma com suas particularidades!

  31. Renata

    Pois é… Estou numa fase terrível!.. Minha Sofia está com 2 anos e 7 meses e desde que ela nasceu não tenho mais prazer em cuidar de mim. Não consigo dar seguimento em nenhum exercício. Começo e logo paro. Não consigo fazer dieta. Estou acima do peso como nunca estive. Sinto vontade louca de comer besteiras….Primeiramente estou sempre muito cansada, com muito sono e por isso não tenho forças para seguir com os exercícios. Trabalho fora e saio de casa às 08:00 e muitas vezes chego às 20:00. Vejo minha filha de manhã só um pouquinho e a noite As vezes a encontro acordada. O momento que tenho livre quero só ficar com ela. Meu marido ontem me disse ” Amor vc tem que fazer alguma coisa. Já viu o tamanho da sua barriga? E realmente está de assustar! Tentei fazer exercício acordando às 05:30, mas durmo tão tarde que não tenho forças para acordar. Tenho que voltar a me amar….. Pq não consigo?

  32. Danieli Martins Soares

    Ate chorei. ..obrigada precisa va disso hj

Deixe seu comentário