A arte de educar nos dias de hoje

familia com filhosO texto de hoje foi escrito pela psicóloga Fernanda Magliaccio e nele ela fala sobre a arte de educar nos dias de hoje e ressalta a importância da presença (de corpo e alma) dos pais na criação dos filhos (mesmo daqueles que trabalham fora). Boa leitura!

A Arte de educar nos dias de hoje!

Por Fernanda Magliaccio

Antigamente, a dinâmica familiar era um pouco diferente do que vivenciamos hoje. A mãe era a pessoa que tinha a função de cuidar da casa e dos filhos e o pai era o chefe da família, o provedor, a autoridade maior perante os filhos.

Hoje, com a independência da mulher, com seu crescimento profissional e com a necessidade do auxílio no orçamento doméstico, o seu papel teve muitas mudanças. Ela ajuda o homem a sustentar a casa e ainda é responsável pelas atividades domésticas, além de cuidar e educar os filhos. Fica aqui uma pergunta: como é possível trabalhar fora, cuidar da casa, do marido, educar os filhos e ainda arrumar tempo para si mesma?

Para mim, como mulher, mãe e profissional (sou psicóloga), com essa sobrecarga, é praticamente impossível essa conciliação ser feita com perfeição.

Há quem pense que as mulheres que abandonam suas vidas profissionais conseguem se sentir mais realizadas por estarem exercendo o papel de mãe em tempo integral e há também as que pensam que as mães que continuam no mercado de trabalho se sentem mais felizes e realizadas, pois, ao mesmo tempo que são mães, ainda são profissionais que tem seu valor no mercado de trabalho.

As duas possibilidades trazem insegurança e o medo de não fazer um bom trabalho na maternidade. A mãe que trabalha fora tem suas obrigações com horários em que estará ausente fisicamente e a mãe que fica em casa com o filho também tem suas obrigações, sendo que muitas vezes suas ausências são internas, ou seja, a mãe está fisicamente com a criança, mas ao mesmo tempo está com a cabeça em outro lugar, focando em outra coisa.

O mais importante na criação dos filhos é dedicar um tempo no seu dia para ficar com os filhos de corpo e mente. Rir, brincar e dedicar-se a eles. Pode parecer chato ou até mesmo duvidar que podem se divertir com as brincadeiras com os filhos, mas acredite, é possível!

Os filhos precisam da presença dos pais para agregar seus valores, sentir sua proteção e aceitar os seus limites. É muito comum os pais sentirem-se culpados por essa ausência e para amenizar essa culpa, os compensa de forma errônea, cedendo a seus pedidos e fazendo suas vontades, transformando-os em “pequenos tiranos”.

Os pais devem tomar muito cuidado em não deixar a tarefa de educar e colocar limites para a escola. São os pais que, com muito amor, carinho e paciência, precisam exercer esse papel. Por mais bem estruturada que seja a instituição de ensino, ela possui um propósito diferente para a criança, sendo este inicialmente o de socialização e alfabetização.

Claro que sabemos que educar não é fácil, não há uma receita de bolo para que possamos educar nossos filhos, porém com muito amor e dedicação nosso trabalho tem tudo para dar certo.

foto fernandaFernanda Migliaccio Nascimento Abrantes é psicóloga (CRP 98891) e mãe de Luza, de 1 ano e 8 meses.

5 comentários

  1. Flavia Franco

    Oi Fernanda! Esse dilema assombra todas as mães….minha bb tem 2 meses e já me vejo nesse conflito. Entendo que o segredo, como tudo na vida, é o equilíbrio! Estou lendo o livro “Crianças francesas não fazem manha” e a diferença cultural é visível. Pq sempre queremos dificultar as decisões? Pq sempre temos que nos martirizar? Vamos relaxar e aprender, a cada dia, o delicioso ofício de ser mãe!

  2. Cristiane Scartazzini

    Vivenciei muito dessa culpa do retorno ao trabalho com meu primeiro filho, chorava muito após deixá-lo na escolinha,sensação de que o estava abandonando diariamente. Agora com o segundo, tive bastante ansiedade pré-retorno ao trabalho, mas tudo correu de forma muito mais natural e tranquila. A nossa segurança faz toda diferença para eles também.

  3. Alexsandra

    Ser mãe não é tão simples como eu pensava antes de ser, rs… é muita dedicação, é trabalho, é educar, etc… é muito compensador, pois não tenho palavras para explicar o amor que sentimos por um filho, mas a vida muda muito, o tempo fica curto, 24hs do dia deveriam ser 30… e ainda acho que não daria tempo para fazer tanta coisa que nós mamães precisamos fazer, mas é muito bom… bjs, seu Blog é muito legal… parabéns.

  4. Roberta

    Agora eu entendo porque minha mãe vivia cansada – hehehe, coitada! Sempre muito dedicada, trabalhando em casa, fora e sendo uma mãe maravilhosa! Que Deus me ajude a ser assim também com a minha filha!

  5. Wagner Ricardo

    As crianças realmente precisam do estimulo dos pais, até por que funciona como um catalisador para a criança se esforçar, também deve se conhecer limites, e essa é a parte dificil por que se agir de forma errada pode prejudicar, ser pai é um trabalho dificil.

Deixe seu comentário