Aprenda uma coisa sobre maternidade: nunca diga nunca!

dormirAprenda uma coisa sobre maternidade: nunca diga nunca! Acho que esse seria o principal conselho que eu daria para uma nova mãe, recém aterrizada nesse insano e intenso mundo que é a maternidade.

Por que eu estou dizendo isso? Porque, a cada dia, eu aprendo mais isso na prática.

Vou contar para vocês uma história. Certa vez, saí para tomar um café com outra blogueira de maternidade. Na época, não nos conhecíamos, não éramos amigas, só seguíamos o blog uma da outra e nos identificávamos muito. Papo pai, papo vem, nos seus desabafos sobre como criar um filho é mais difícil na prática que na teoria, essa outra blogueira me confessou: “Nos primeiros meses, eu saia todas as tardes de carro com a minha filha para ela dormir. Era a única forma de eu conseguir fazê-la pegar no sono. Sei que não é o ideal, sei que não é o indicado, mas eu simplesmente não aguentava mais. Nós duas precisávamos descansar”.

Na época, eu, que também tinha vivido todos os desafios possíveis e imagináveis no que diz respeito a sono, pensei: “Ah, mas aí acho que é um pouco demais. Não? Sair de carro com o filho para ele dormir? E se ele acostumar a dormir assim e depois só dormir desse jeito? Poxa, acho que eu não faria.”. (PS 1: ainda bem que eu só pense, não falei. PS 2: Nívea, se você estiver lendo esse post agora, me perdoe! kkkk!).

Bom, mas como bem diz a sabedoria popular, nada como um dia após o outro, nada como uns bons meses de experiência sendo mãe, nada como a “água batendo na bunda”…

Eis que, na semana passada, o Leo teve uma daquelas viroses mega, blaster, master trashes e virou do avesso. Ele estava acabado, cansado, com dor, com febre, com sono e simplesmente não havia cristo que o fizesse dormir. Eu havia tentado de tudo: colo, berço, cama, colo sentada, colo de pé, colo deitada, sofá da sala… enfim, tudo que vocês possam imaginar. E nada do meu pequeno descansar. E como vocês sabem, para uma criança melhorar, nada melhor que dormir e comer, coisas que ele não estava fazendo.

Que alternativa me restou? Tentar aquilo que eu tinha dito que nunca faria: sair dirigindo a esmo só para o Leo balançar dentro do carro e pegar no sono. E eu me dei por vencida. Eu me entreguei. Eu peguei  filho, a bolsa, a chave do carro e fui. Por bons cinco ou seis dias eu saia de casa, sob sol, chuva, trânsito, greve da CET, greve do metrô, manifestação e o escambau e ia andar de carro com o Leo, para ele simplesmente dormir, porque era isso que ele precisava. E era isso que eu precisava também (era a única forma de eu descansar no meio do meu dia corrido e insano).

Moral da história: nunca diga nunca. Como a maternidade é algo sobre o qual nós não temos total controle (na verdade, controlamos muito pouco), não dá para a gente achar que tudo tem que ser como a gente quer e espera. Tem horas que temos que ceder, que temos que nos adaptar às situações, que temos que dar o braço a torcer.

Fazer o Leo dormir no carro todo santo dia é o que eu quero? Claro que não! Mas era o que dava para fazer naquele momento. E foi o que deu para a minha amiga fazer por meses e meses.

A maternidade nos ensina a sermos mais flexíveis, a aceitarmos pequenos ajustes de rota, a “engolirmos” a dura realidade de que a vida não é como a gente quer, sonha e gostaria. E feliz das mães que aprendem alguma coisa com isso. Eu aprendi que ninguém morre por fazer algo que jurou jamais fazer e que nada é para sempre também. A filha da minha amiga dorme bonitinha no berço hoje em dia (apesar das tardes no carro) e o Leo também já está voltando a dormir no conforto do seu lar.

Menos culpa e mais auto compreensão nos momentos de “a gente faz o que dá”. É disso que a gente precisa.

Leia mais:

33 comentários

  1. Milene

    Simplesmente perfeito!!! Nada como ser mãe para aprendermos a avaliar melhor as situações antes de julga-las, melhor ainda se nem julgarmos. Assim corremos menos riscos de entrar em contradições.

    Ser mão é descobrir diariamente, que podemos e devemos ser melhores, mais acima de tudo, diferente do que acreditamos ser. Aprendemos a flexibilizar e isso nos trás experiencia para as demais áreas de nossas vidas!!!!

  2. Priscila

    Concordo!!! Acho q a gente se cobra demais… em querer ser a mãe perfeita em todos os momentos! Estou passando por algo parecido. Depois que eu voltei a trabalhar a pouco mais d um mês ela (8 meses) passou a acordar d madrugada… não com fome… mas acho que p ver se eu estou por lá. Enfim… ela acorda, tiro ela do berço e faço dormir novamente. Mas de uns dias p cá, quando tento colocar ela no berço novamente ela já chora, não quer. Resultado… levo ela p meu quarto, p minha cama… em menos d 5 min ela dorme! Quando não capoto ao lado, espero uns minutos e levo ela p quarto dela! Se não for assim, fico quase 1h na madrugada fazendo ela dormir novamente… e fico um bagaço p trabalhar no outro dia. Também nunca quis isso… não sou a favor de bebê na cama com os pais por diversos motivos… mas prefiro isso a deixar ela cair no chão enquanto a faço dormir… porque acredite, já cochilei c ela no colo, em pé, um dia desses!

  3. christiane

    SUPER OPORTUNO esse seu texto! Eu tbem tinha alguns pensamentos assim, ate que, a gente se ve numa posicao que nao da ne? Eu sempre disse que nao iria dar açucar a meu filho ate pelo menos, 1 ano. Hoje ele tem 11 meses e na semana passada, uma dessas viroses mega ultra blaster…….e nao queria comer, nao queria mamar, …..no desespero de tentar tudo, dei uma bolachinha maisena……e……pra minha supresa….comeu tudo! Ele precisava se alimentar para melhorar, pra poder tomar remedio e nao agredir o estomado. Dei mais uma, mais uma….acabou comendo 4 biscoitos! Depois, aceitou a mamadeira! Hoje ja esta melhor e pretendo nao fazer da bolacha maisena algo que faça parte da alimentacao dele, por enquanto…..mas naquele momento, funcionou, foi bom, e apesar da culpa momentanea, de toda filosia que temos, ir por agua abaixo, o importante, era que ele comesse. Faz parte #tamojunto rs

  4. Ana Luisa

    E eu que jurava de pé junto que nunca ia dar a chupeta?
    Aqui em casa o apelido da chupeta é “santinha”. Não dou durante o dia, mas pra dormir, se eu não quiser um drama de horas, é só dar a santinha que CATAPLOFT!!! Rsrs

  5. Caroline

    Estou com um sério problema na hora de dormir. Durante o dia minha filha só dorme no colo, e se coloco ela na cama, tenho que deitar junto, com meu braço sob seu pescoço. Ela não dorme sozinha no berço, ou na cama durante o dia. Já tentei shhhii, lullababy, e afins… Se alguém puder ajudar, ela fica irritada de sono, mas é dificil a sonequinha da tarde.À noite, ela dorme melhor… Sem falar que até quando ela não está com sono, ela só quer ficar no colo. Comprei até uma cadeirinha que mexe para ver se ela fica, mas não adiante, só se acalma no colo. Prometi não dar chupeta também, mas foi uma das melhores coisas aqui de casa, ela começa a ficar estressada, pego a “santinha” também. rsrs.

  6. Gisele

    Concordo plenamente com cada reflexão desse texto. Quando ainda não era mãe, eu tb sonhava com o mundo cor de rosa da maternidade: não daria chupeta (muito menos na maternidade!), não daria remédio para cólica, não daria papinhas/sucos artificiais (nem em caso de emergência). Pois nesse dois anos de vida do Murillo a vida tem me ensinado muita coisa, principalmente a mudar de opinião quando necessário. Aquilo que um dia defendemos com unhas e dentes num passado não muito distante, pode não nos servir hoje e vice-versa. E se pararmos pra pensar, essas mudanças só interessam a nós mesmas e no que estamos aprendendo nessa vida, certo?? Então não temos porque sentir vergonha…bola pra frente e que venham as novas mudanças e adaptações!!

  7. verônica

    Vc parece ler nossos corações

  8. Juliana

    Perfeito seu post (como sempre)!! Com uma semana de maternidade eu descobri isso, como disse coisas antes do meu BB nascer que hj não correspondem a minha realidade…como era fácil apontar as falhas das outras mães com seus filhos mal criados, cama compartilhada, etc etc. Fico feliz por ser uma pessoa capaz de trocar de opinião, de rever meus conceitos, de aprender com cada experiência…hoje tenho certeza que a coisa certa a se fazer é aquela que dá certo para a sua família, seja do jeito que for, pois uma certeza eu tenho: é sempre com muito amor e pensando no bem dos nossos filhotes!! Menos críticas e mais aceitação na maternidade. beijo

  9. Gisele

    Sempre fui contra pais dormirem com seus filhos,sempre dizia: – Quando tiver um filho ele vai dormir no berço.
    Pois é meu filhote nasceu um sonho de bebê lindo,mais já nos seus primeiros dias de vida ele não dormia só tentei tudo o que me ensinaram colocar travesseiros, colocar a fralda na mãozinha dele,colocar uma blusa minha em almofadas e por do lado dele ou por de bruxo enfim tudo o que vocês imaginarem ficava horas durante a madrugada tentando por ele no berço isso por meses,a única forma de ele dormir era agarradinho comigo,fui vencida pelo cansaço ele dorme comigo até hoje.Nunca diga nunca a maternidade é imprevisível.

  10. Nagela Cardoso

    Divulga o blog da sua amiga!!!

    1. Shirley Hilgert

      É o Mil Dicas de Mãe. Está no blogs indicados aqui do MdM. É excelente!!!!

  11. Daniela

    Bom… eu não imaginava quão difícil é a maternidade e quantas novidades eu teria pra enfrentar, noites e noites sem dormir, cólicas, não conseguir amamentar direito… enfim… no começo eu me cobrava bastante, ma fui aprendendo a ser mais maleável e perceber que regras não funcionam… entao hj, me adapto as situações e não me culpo por “não estar fazendo o ideal”. Pra mim o ideal é a harmonia entre pais e filhos, com quebra de algumas regras, senão a gente não vive…

  12. Eduarda

    Meu Deus como eu concordo!
    Como eu me encaixo!
    Minha filha hoje tem 2 anos e 4 meses e eu vivo “pagando a língua”.

  13. Fernanda

    Sensacional!!!!!!!!!!!!!!!!!
    As regras no papel sempre são aceitas, mas na vida real nem tudo é como planejamos… E quer saber: melhor assim, porque com aquilo que aparece fora do planejado (quase sempre) aprendemos a ser flexíveis e deixamos o radicalismo de lado e nos deixamos suscetíveis para aprendermos algo diferente daquilo que julgamos como correto… E no fim queremos todas a mesma coisa: o bem estar de nossos filhos amados! Parabéns pelo texto!!! Bjs

  14. Mayara

    Aqui foi com o famoso NAN. “Nunca vou dar fórmula pro meu filho, nem mamadeira e nem chupeta.”
    Só que com 5 dias e glicemia em zero, perdendo peso, a famosa mamadeira e fórmula entraram em ação pro meu filho não correr riscos maiores de ir para o hospital e ficar internado no soro. Hoje aos 4 meses ele sió mama no peito e nunca mais digo nunca. A chupeta nunca ofereci, dessa ficamos livres. Santo nan.

  15. Geisiane Freitas

    Semama passada me deparei com essa situação…Felipe dodói, sem dormir, irritado, cansado e por consequência mamãe e papai na loucura. Solução: colocar ele para dormir na cama com a gente…coisa que já havíamos decidido em comum acordo não fazer.
    Moral da história: NUNCA DIGA NUNCA”

  16. Cristiane

    A maternidade nos faz “pagar a língua” e minha cunhada diz que quem tem filho tem telhado de vidro, e nós sentimos isso na pele todos os dias….rs

  17. Debora

    “Menos culpa e mais auto compreensão nos momentos de “a gente faz o que dá”. É disso que a gente precisa” – essa frase final do seu texto era tudo que eu precisa hoje! obrigada por compartilhar uma vida real… amo seu blog! bjks

  18. Vanessa

    Adorei o post, como sempre excelente e realista!

  19. Nívea

    Oi, Shi.

    Estou morrendo de rir do lado de cá. E sim, eu perdoo, porque já achei que muitas mães eram loucas por fazer um tanto de coisas (inclusive colocar uma criança no carro para dormir!).

    Quanto mais o tempo passa, mais entendemos que não há o certo e o errado, apenas o que nosso coração nos manda fazer, não é mesmo?

    Grande bj!

    1. Shirley Hilgert

      E posso confessar? Essas horas dirigindo para o Leo dormir foram as melhores horas da minha semana. Eu simplesmente descansei, chorei, desabafei com a moça da rádio que estava sintonizada, respirei e até consegui pensar em coisas que não eram filho, família, blog, responsabilidades. Se o Leo dormiu, eu fiz quase uma terapia, sozinha mesmo. Pena que para seguir fazendo isso eu teria que ser sócia de algum posto de gasolina.

      1. Daniele

        Pra uma coisinha vou ter que dizer nunca: espero que meu filho nunca precise disso, porque eu não sei dirigir… Rs

  20. Luciana

    Uma vez li que a maternidade é um eterno cuspir para cima. Um dia você cospe, no outro leva na testa!

    Eu sempre achei um absurdo esse negócio de cama compartilhada. Cada um tem que ter seu quarto, seu espaço, seu momento, criança e casal. Pois é, adivinha quem dorme na minha cama? Além do meu marido, claro!

    http://osamoresdelulu.blogspot.com.br/2013/06/vergonhinha.html

  21. Flavia

    SHIRLEY, COMENTO POUCO MAS ESTOU SEMPRE POR DENTRO DO SEU BLOG.. DESDE A MINHA GRAVIDEZ! MEU RILHO TEM A HISTÓRIA BEM PARECIDA COM A DO SEU (APLV E REFLUXO OCULTO)!! ESSE SEU POST É PERFEITO! EU QUANDOCESTAVA GRAVIDA SEMPRE PENSAVA “MEU BEBÊ VAI DORMIR NO MEU QUARTO ATÉ 6 MESES, MAS NÃO NA MINHA CAMA,. NÃO VOU DAR CHUPETA, VAI MAMAR EXCLUSIVO ATÉ OS 6 MESES E QUANDO FOR DAR LEITE OU OUTROS LIQUIDOS SERÁ EM COP! NÃO VOU ISAR MAMADEIRA!”. RESUMO DA HISTÓRIA : Biel se recusava a mamar desde que nasceu (agora sei os motivos), com isso teve icterícia por baixa ingesta, desidratação e hipoglicemia e precisou ir para a uti neonatal.. Com tudo isso minha produção de leite caiu muito! Lá ele ficou alguns dias em soro pq não aceitava nem 5ml de leite.. Depois de um tempo foram gr

  22. Evelyn

    Muito bom o texto!! Tentar ser sempre melhor é o ideal, mas às vezes fazer o que dá é o melhor, a sanidade dos pais e a paz da casa são prioridades né?!

    Uma pergunta, colocar no bouncer/swing não adianta?!

    beijos

  23. Tatiana Lithien

    Amei seu blog. Tenho dois filhos e vivo constantemente com vários problemas e aflições como as suas, achando que era uma mãe incapaz, que era péssima. Obrigada por me mostrar que todas nós estamos numa batalha intensa.

    1. Macetes de Mãe

      Olá Tatiana!
      Que bom que gostou :)
      Fico muuito feliz em ter lhe ajudado, obrigada pelo carinho!
      Bjs

  24. sirley

    incrivelmente bom o texto e mega real, eu passo por isso todos os dias. E cada vez que me pego fazendo algo que jurei nao fazer, eu fico mega mal rs rs. ex nunca vou coloca galinha pintadinha pra ela assistir pois eu odeio ha ha ha ha ha …. hoje a galinha nao sai la de casa. o dia inteiro essa galinha cantando nao vai dormir na cama de jeito nenhum aham dificil é tirar da minha cama.
    É bem isso é o que dá pra fazer no momento e pronto.
    Eu amei seu blog.

  25. fran

    Olha que bom ter encontrado este site. .estava me sentindo a.pior mãe do mundo….

  26. Renata Alcantara

    Olha,eu tinha verdadeiro horror de chupeta,e não dei ao meu primeiro filho!!!e sempre dizia com orgulho: meu filho não chupou chupetA!!!!Porem a avó e a tia viciou ele em cheirar uma naninha p dormir!Hj ele tem 4 anos e tem um sério vício de chupar um paninho p dormir!!!Minha filhinha nasceu, e sofri muito no primeiro mês pq meus mamilos ficaram em carne viva,dai tive que abrir mão da minha antipatia pela chupeta e dar uma p ela!!!Dai algumas pessoas diziam: Você disse que nunca ia dar chupeta p seus filhos!!!E eu respondia: ou eu dava a chupeta ou ia acabar ficando sem os mamilos!!!!!Hj c 2 meses meu bb mama divinamente bem,porém não liga mais p a chupeta,ela descobriu que o DEDO é mais gostoso!!!!!kkkkkkkkkkkkk…..pois é,nunca diga NUNCA!!!!!

  27. Mariana Vianna Rossi

    Estou adorando os seus textos!! São muito realistas!!
    Ainda não cheguei na fase de precisar andar com minha bebê no carro pra ela dormir, mas se um dia precisar, vou fazer, e sem culpa nenhuma! O bem estar de nossos pequenos devem estar acima de qualquer regra…

    1. Macetes de Mãe

      Obrigada, Mariana!
      Fico super feliz com o elogio.
      Bjs

  28. Juliana

    Parabéns pelo texto perfeito, me identifiquei em cada linha, hehehe!!! Um beijo.

Deixe seu comentário