Dicas para prevenir e tratar doenças respiratórias

Não é novidade para ninguém que as nossas cidades, principalmente as megalópoles, que possuem uma alta concentração de carros, estão se tornando cada vez mais poluídas. E essa piora significativa na qualidade do ar tem trazido consequências devastadoras para a saúde de adultos e, principalmente, de crianças.

Quanto mais poluída a cidade, principalmente em períodos mais secos, como esse que está iniciando agora na região sudeste, maior o índice de problemas respiratórios e problemas vinculados a alergias (irritação das mucosas, nariz e garganta).

O Leo mesmo tem asma e rinite e, em dias secos, quando a poluição parece tornar-se ainda mais concentrada (chegamos a ver um cinturão cinza no céu), costuma ficar bem ruinzinho. E aí, a situação é aquela que vocês conhecem bem: o nariz que não para de escorrer, aquela tosse seca que parece que não vai mais embora e a gente sofrendo junto, com o coração na mão, tendo que ver nossos pequenos tão incomodados.

Mas, é claro que há algumas coisas que podem ser feitas para evitar e amenizar esses problemas dos pequenos. Para um resultado a longo prazo, podemos adotar atitudes mais sustentáveis e menos poluentes desde já, como evitar sair de carro quando não é necessário, usar o transporte público sempre que possível, evitar o desperdício de embalagens e produtos (o seu processo de fabricação polui o ar), entre outros. Já no curto prazo, o ideal é a gente prevenir ou tratar o problema seguindo alguns cuidados básicos como:

  • Manter as crianças hidratadas oferecendo bastante água, sucos e frutas;
  • Manter a casa sempre limpa e umidificada nos períodos de tempo mais seco (o ideal é que a umidade relativa do ar não seja menor que 30%);
  • Evitar atividades ao ar livre, como passeios, piqueniques e a prática de esportes em dias mais secos e principalmente nos horários em que o sol está mais forte (o ar tende a ficar mais poluído nas horas mais quentes);
  • Realizar a lavagem nasal com soro fisiológico frequentemente

Mas, por que é importante realizar a lavagem nasal? Porque ela serve como medida preventiva e também como tratamento de problemas das vias aéreas superiores. Ao lavar o nariz com soro fisiológico se está fluidificando a mucosa nasal e, assim, auxiliando na remoção de micro-organismos e poluentes que costumam causar problemas respiratórios e alergias.

E é muito importante que essa lavagem torne-se hábito e integre a rotina de cuidado dos nossos filhos. Assim como escovamos os dentes, temos que lembrar de, ao longo do dia, também lavar seus narizinhos.

Eu lavo o nariz do Leo, no mínimo, três vezes ao dia (de manhã, quando ele acorda, assim que ele chega da escola e antes de dormir). Isso para evitar que a sua mucosa resseque demais nesse tempo seco, que o muco que ele produz fique parado nas suas vias aéreas e, também, para livrar a seu narizinho da poluição. Já quando ele está com algum resfriado ou com rinite, eu intensifico a limpeza, realizando a lavagem várias vezes ao dia (importante: os bebês e crianças menores não sabem assoar o nariz, então a lavagem com soro fisiológico é responsável por fazer a limpeza que nós adultos conseguimos fazer naturalmente).

Para fazer essa limpeza diária eu utilizo o Sorine SSC Jato contínuo, que é uma novidade da linha Sorine Infantil. A sua composição é cloreto de sódio 0,9%, ou seja, soro fisiológico puro, sem adição de conservantes, super seguro para bebês e crianças a partir de qualquer idade. Ah, é? Mas se não tem conservantes como é que o produto não estraga? Porque ele vem em uma embalagem cuja válvula de aplicação faz com que o líquido saia normalmente, mas evita que ele ou então o ar retornem para dentro.

SORINE SSC

Sorine (Cloreto de Sódio 0,9%) em apresentação jato contínuo.

 

Outra coisa bacana dessa apresentação com nova embalagem é que o jato de aplicação funciona 360 graus. Ou seja, você pode aplicar com a criança de pé ou sentada (aí com a cabeça arqueada para trás) ou, ainda, com ela deitada, o que, na minha opinião, é mais prático e também mais eficiente. Ah, e a embalagem também foi desenvolvida pensando na segurança das crianças. O seu bico aplicador é larguinho, evitando assim que a válvula adentre o narizinho dos pequenos e acabe machucando a sua mucosa.

Gente, eu gosto tanto dessa nova apresentação do Sorine, dessa embalagem de jato contínuo, que eu também adotei o produto. Eu, que tenho sinusite e rinite, sempre sofri nessa época do ano (outono sempre foi um inferno para mim) e desde que comecei a usar frequentemente o Sorine Jato Contínuo para lavar o meu nariz tenho percebido como a minha respiração melhorou e como tem sido mais fácil fazer a limpeza diária e desobstruir as vias aéreas superiores.

Sem sombra de dúvidas, é a apresentação mais prática e eficiente de soro fisiológico que já usamos aqui em casa (e olha que já testei todas: aplicação com seringa, conta gotas e válvula spray). E o bacana é que cada Sorine Jato Contínuo dura muito. Mesmo eu usando a toda hora, ele dura semanas. Vale super a pena o investimento. Em todos os sentidos.

evento sorine selecao

Fotos do evento #atitudes para respirar bem, promovido por #sorineoficial. Nele ouvimos uma discussão muito bacana sobre o tema sustentabilidade e o seu impacto na diminuição da poluição e, por consequência, na melhora da qualidade do ar. Neste encontro, também tivemos a oportunidade de conversar com médicos e receber preciosas dicas para prevenir e tratar doenças respiratórias tão comuns nessa época do ano.

Para saber mais sobre o produto Sorine Jato Contínuo, acesse a fanpage do produto. E acompanhe tudo que é publicado sobre ele nas redes sociais seguindo as hashtags #sorine #sorineoficial #atitutespararespirarbem.

publi-incentivo

4 comentários

  1. Winie

    Muito bom mesmo…principalmente no preço. Aonde moro esse é o mais barato em jato contínuo. Minha filha e alérgica e usa direto. No mínimo 3 vezes ao dia. Ele dura bastante mesmo.

  2. Mamãe Fabrina

    Parei de usar essas opções quando uma médica de plantão, excelente por sinal, indicou espirrar soro fisiológico com uma seringa de insulina (sem agulha, lógico!) nas narinas. 1 ml de cada lado, de uma só vez! No início, tive receio, mas funcionou e sempre q começa um resfriadinho, intensifico o uso. Minha filha nunca precisou de medicamentos nesses 10 meses!
    Não ê necessário conservar em geladeira porque o nariz já é um meio ‘contaminado’, q filtra o ar p/ os pulmões.
    Custo baixíssimo. Benefício altíssimo!

    1. Shirley Hilgert

      Fabrina, conversei com o Dr. Gustavo, que é médico pediatra, e ele passou a seguinte orientação: “Sim. Os frascos de soro fisiológico que serão utilizados em mais de uma ocasião devem ser conservados em geladeira. O soro fisiológico para lavagem nasal não precisa ser estéril, mas sua conservação em temperatura ambiente, particularmente por períodos prolongados, pode propiciar o crescimento de grandes concentrações de fungos e bactérias, nocivos a nossa saúde. As soluções salinas comercializadas com conservantes ou aquelas com válvulas protetoras não necessitam tal cuidado e podem ser conservadas em temperatura ambiente, assim como os flaconetes de soro fisiológico utilizados apenas uma única vez.”

  3. Juliana Gonçalves

    Nos mesmos moldes tem o Rinosoro Jet e o Maresis. Dá pra pesquisar e levar o de menor preço. Uso e ajudou muito à minha filha, que tem rinite, sinusite e asma.

Comentários fechado.