O uso de chupeta e suas consequências

Mamães, hoje temos uma colaboradora muito querida e especial escrevendo para o blog. Além de amiga de longa data, a Graziela é uma odontopediatra exemplar, daquela que amam a sua profissão e que as crianças tem verdadeira adoração. No post de hoje, ela irá falar um pouco sobre o uso da chupeta e a relação que esse hábito pode ter com o aleitamento natural e artificial e com o desenvolvimento do bebê.

Informações claras e muito úteis. Vale a pena a leitura.

O uso da chupeta e suas consequências

Por Graziela Botton

uso de chupeta

Photo Credit: Andrew Stawarz via Compfight cc

Hoje vou escrever sobre uso da chupeta, um assunto que costuma gerar insegurança e dúvidas nas mamães. Para conduzir o tema, abordarei alguns aspectos como a relação da sucção com o aleitamento natural e artificial, com o desenvolvimento do bebê e quando ela pode se tornar um hábito indesejado.

A sucção é um reflexo quando o bebê nasce, fundamental para sua alimentação e sobrevivência, que está presente desde a 18ª semana de vida intrauterina. Também está relacionada ao desenvolvimento psicológico, pois através dela o bebê descarrega tensão e energia, sendo uma fonte de prazer e segurança.

A sucção está relacionada à satisfação das suas necessidades, nutricional e emocional. O aleitamento materno através da livre demanda é importante pois, ao sugar no peito para se alimentar, o bebê também desenvolve seu sentimento de bem estar. No aleitamento natural, a criança demora mais para fazer a “ordenha”, satisfazendo a necessidade psicológica antes da nutricional, enquanto com a mamadeira o processo é mais rápido, ainda mais se o furo for aumentado, então o bebê estará alimentado, mas sem “satisfação emocional”. A sucção como hábito tem uma relação direta com sucção por tempo insuficiente, pois em situações que o bebê está alimentado, mas mantém-se inquieto, é comum oferecer-lhe a chupeta.Vários estudos que avaliaram a relação do aleitamento natural ou artificial com o hábito de sucção não nutritiva, confirmaram o hábito nas crianças que mamam por menos tempo no seio materno.

Não está errado o uso da chupeta para acalmar o bebê em situações que o notamos inseguro, com sono ou tristeza, até mesmo agitado após mamar. O hábito se instalará como resultado da repetição do ato, sendo muito frequente ou por tempo prolongado, tornando-se automático e inconsciente. É importante lembrar que “chupeta não é rolha”. Primeiro devemos tentar compreender o que o bebê está querendo transmitir quando chora e atender essa necessidade, distrair a criança ou acalmá-la, evitando oferecer a chupeta por qualquer inquietação. Para prevenir a instalação do hábito, e assim minimizar os efeitos indesejáveis, é importante “saber usar” a chupeta, oferecê-la com cautela, quando perceber necessidade, e ao notar a criança mais tranquila removê-la suavemente, com delicadeza e distração.

Para não desenvolver um apego da criança à chupeta, o que reforçaria o hábito, o acesso deve ser dificultado, não a associando a paninhos, nem a mantendo amarrada à criança, além de ter apenas uma e não várias à disposição.

Ao optar pelo uso da chupeta, é importante saber que tanto a ortodôntica como a comum (redonda) podem trazer alterações aos arcos dentais e à musculatura bucofacial da criança, a diferença entre elas está na gravidade dos danos causados. Sendo a ortodôntica, menos maléfica.

Sucção não nutritiva, ou como hábito, não se refere só à chupeta, mas também ao dedo. Então surge uma dúvida frequente: “devo oferece a chupeta para evitar o hábito de sugar o dedo?” NÃO! Não faz sentido introduzir um hábito prejudicial para evitar outro. Mas quando percebemos que a criança já faz sucção do dedo, devemos sim, tentar trocar, com delicadeza, o dedo pela chupeta. Pois nota-se maior dificuldade no momento de remoção do hábito de sucção do dedo. Estudos apontam menor percentagem de crianças que sugam o dedo, quando comparadas à chupeta, mas no caso do dedo, persistem por mais tempo com o hábito.

Espero ter ajudado vocês! Num próximo momento, escreverei sobre os efeitos prejudiciais da sucção não nutritiva (chupeta/dedo) por tempo prolongado e darei dicas para ajudar na remoção quando o hábito já está instalado.

 

Graziela Botton é Cirurgiã Dentista (CRO-RS 13931), Mestre em Ciências Odontológicas/Ênfase em Odontopediatria-UFSM e Doutoranda em Ciências Odontológicas/Ênfase em Odontopediatria-UFSM.

10 comentários

  1. Palma

    Muito bom o artigo! Minha filha de 1 ano e 8 meses chupa o dedo. Mal posso esperar pelas dicas de como remover esta hábito…obrigada pelas informações.

  2. Rachel

    Gostaria muito de saber da Graziela a opinião dela sobre até qual idade da criança a chupeta pode ser usada. Obrigada!

    1. Graziela Botton

      Oi Rachel
      Se a criança foi bem estimulada com aleitamento natural em livre demanda, dá para INICIAR a remoção aos 6 ou 7 meses de idade, pois nesta fase está iniciando o potencial para a mastigação com a erupção dos primeiros dentinhos. Em torno dos 18 meses, com a maturação contínua do sistema mastigatório, já não haverá necessidade da chupeta, sendo uma segunda chance para a remoção. Mas se não houver sucesso, os 4 anos á a idade limite, pois se houver alguma alteração dentária pode ocorrer “autocorreção” até a troca dos dentinhos anteriores, por volta dos 7 anos. Claro que não é só a chupeta que causa alteração dentária, então se houver respiração bucal, deglutição com interposição lingual ou até fatores heeditários associados, essa “autocorreção” pode não acontecer… No próximo post, falarei especificamente disso. Espero ter ajudado.

    2. Graziela Botton

      Oi Rachel
      Se a criança foi bem estimulada com aleitamento natural em livre demanda, dá para INICIAR a remoção aos 6 ou 7 meses de idade, pois nesta fase está iniciando o potencial para a mastigação com a erupção dos primeiros dentinhos. Em torno dos 18 meses, com a maturação contínua do sistema mastigatório, já não haverá necessidade da chupeta, sendo uma segunda chance para a remoção. Mas se não houver sucesso, os 4 anos á a idade limite, pois se houver alguma alteração dentária pode ocorrer “autocorreção” até a troca dos dentinhos anteriores, por volta dos 7 anos. Claro que não é só a chupeta que causa alteração dentária, então se houver respiração bucal, deglutição com interposição lingual ou até fatores hereditários associados, essa “autocorreção” pode não acontecer… No próximo post, falarei especificamente disso. Espero ter ajudado.

  3. Alessandra Garcia

    Ansiosa pelo post sobre remoção do dedo… minha filha já tem quase 2 anos.. e chupa dedo (na época tentei trocar pela chupeta.. mas sem resultado) porém só tem o habito para dormir…converso muito com ela.. mas não para!! Já diminui… mas não deixa o dedo…

    1. Renata

      Otima matéria! Minha filha tem quase 2meses e com menos de 1 mes ela ja levava a maozinha a boca e sugava… estou ficando preocupada pois ela esta comecando a descobrir o dedão. Como faço para não deixar instalar o habito? É possivel com um bebê tão pequeno?

  4. Claudia Maria

    Adorei a matéria! O desapego à chupeta está muito difícil lá em casa…Minha filha tem 3 anos e ainda não consegui tirar….Ela só usa pra dormir, mas mesmo assim está difícil….Quando saímos, ela dorme sem, mas em casa, quando tentamos tirar é uma irritação só! Agora é só aguardar as dicas para colocá-las em prática!! ;-)

  5. Patricia

    Ansiosa para o próximo post! muito bom.
    Meu bebe ta com 13 meses e faz uso ocasional da chupeta, quando está com os avós.
    Tenho medo dele ficar dependente.

  6. Luana

    Também fico ansiosa para o próxmo post! Minha filha tem 2 anos e chupa 2 dedos (indicador e medio), na epoca em que começou tentei muito a chupeta, mas nao consegui a troca. Ja diminuiu muito, normalmente só na hora de dormir e logo “cai” o dedo da boca, mas me preocupa muito como tirar o habito.

  7. Eliz

    Aguardando próximo post tb….Bb de 1 ano e 2 meses e chupa o dedo. Mas tb ainda amamento.

Deixe seu comentário