Época da inocência x Fase pé no chão

O título desse post já pipoca, há meses, na minha cabeça. Vira e mexe me pego pensando nele e prometendo vir aqui para sentar a bunda na cadeira e escrever sobre essa história antes que a inspiração passe.

Bom, “época da inocência” foi um termo que eu cunhei depois que o Leo nasceu e que diz respeito à minha primeira gestação, ao período em que eu sonhava com a maternidade mas o Leo ainda não tinha chegado. Como o próprio título diz, era uma fase em que eu era, vamos dizer assim, inocente. Não tinha uma real experiência sobre o que era ser mãe e aí me dedicava a coisas que nem eram tão importantes, me preocupava com outras que não faziam muito sentido e, acima de tudo, sonhava que tudo seria de um jeito para depois descobrir que, na verdade, aconteceriam de uma forma completamente diferente.

Diferencas entre a primeira e a segunda

Photo Credit: AP Photographie  via Compfight cc

Na época da inocência, eu não trabalhava. Estava cumprindo aviso prévio quando me descobri grávida e aí optei por não voltar ao mercado de trabalho naquele momento (afinal, quem iria contratar uma gestante?) e me dedicar a cuidar de tudo que envolvesse a chegada do Leo. Assim, eu planejei e executei tudo nos mínimos detalhes. Fiz a lista do enxoval com a ajuda de amigas, pesquisei tudo na internet antes de comprar, fui fazer o enxoval fora, organizei o chá de bebê, fiz a decoração do chá de bebê, fiz até alguns doces do chá de bebê. Na primeira gestação, também planejei como seria a decoração do quarto e executei várias coisinhas que enfeitaram o quartinho do Leo (quadros, almofadas, detalhes da cortina, etc…) e também cuidei pessoalmente das coisas que servi e das lembrancinhas que dei na maternidade. Tudo combinando, tudo lindo, harmonioso e cheio de carinho e atenção.

Nessa época, eu perdia horas e horas de sono preocupada se os doces do chá de bebê iriam mesmo agradar, se o quadrinho da porta do banheiro combinaria com o porta trecos que estava pendurado do outro lado quarto e se a décima quinta lembrancinha escolhida seria mesmo a ideal para eu entregar para as visitas da maternidade.

Nessa época, eu também tinha tempo para caminhadas diárias, para levantar as pernas algumas horas durante o dia, cuidar da minha alimentação nos mínimos detalhes e tentar ter oito horas de sono diárias (eu tentava, nunca conseguia porque ficava ansiosa pensando em tudo e perdia o sono).

Posso dizer que essa foi uma fase edílica, quase que de sonho, que toda gestante deveria ter o prazer de experimentar, pois a gente consegue realmente experimentar a gestação e vive-la na sua plenitude. Eu fui muito, muito, muito feliz nesse tempo, pois tinha tempo para tudo, e nem sonhava ainda com os perrengues que estavam por vir.

Mas aí o Leo nasceu, eu descobri, de verdade, o que é a maternidade, engravidei de novo, e chegou a vez de gestar o Caê.

Nesse ponto, sai a “época da inocência” de cena (na verdade, ela já tinha saído há muito tempo) e entra em cartaz a fase “pé no chão”.

Nessa gestação, não tenho tempo para nada. Eu cuido do Leo quando ele não está na escola, administro a casa (ok, também fazia isso antes) e trabalho feito uma doida insana aqui nesse blog (que na outra gestação só foi criado quando eu estava de 8 meses). Nessa gestação, o chá de bebê é assunto tão importante que ainda nem decidi se irei fazê-lo mesmo ou não e a decoração do quarto começou a ser pensada somente há poucas semanas.

Quando alguém se espanta por eu ainda não estar cuidando dessas coisas, eu só digo que o mais importante a gente já tem, que é o teto sobre a cabeça e os móveis para guardar as coisas e colocar o Caê para dormir e que a decoração em si é bacana sim, com certeza, mas a gente também vive sem.

Além do mais, em vez de surtar fazendo a lista mais completa do mundo para depois viajar para o exterior para comprar tudo lindo, bonitinho e moderninho, dessa vez eu vou aproveitar tudo que dá e que era do Leo e aceitar todas as doações que as minhas amigas puderem fazer. Reciclagem e sustentabilidade viraram as palavras de ordem por aqui.

Acho que o que muda do primeiro para o segundo filho não é que não temos mais preocupações, mas simplesmente que elas mudam de foco. Se na gestação do Leo eu me preocupava com o chá de bebê, a decoração do quarto, as peças do enxoval combinando, dessa vez eu me preocupo muito mais com a organização da minha rotina para dar conta de dois filhos, com a necessidade de atenção para o mais novo sem abandonar o mais velho, os cuidados com o meu descanso no meio disso tudo e, principalmente, em manter as coisas sob perspectiva para garantir a sanidade e a sobrevivência da família.

Não quero aqui, de forma alguma, dizer que mãe que se preocupa com os detalhes divertidos e gostosos da chegada de um bebê é fútil ou desocupada. Eu mesma vivi isso plenamente, me realizei curtindo tudo isso e até comentei acima que toda grávida deveria ter o direito de viver essa fase plenamente, pois é muito gostosa. Só quero dizer que quando uma criança chega já existindo na vida da gente a experiência de um primeiro filho, tudo muda de figura, e passamos a ter muito mais os pés no chão e a nos preocuparmos com aquilo que importa de verdade.

Hoje, sei que o meu sono é precioso e não o perco preocupada com lembrancinha de maternidade (até porque estou tão morta que não há lugar para insônia). Hoje, eu sei que tanto faz a se calça combina com o body ou não, o que vai importar mesmo é eu conseguir amamentar, o Caê ter cólicas amenas (nem sonho com ele não as tendo), o Leo não sofrer muito de ciúmes e eu conseguir dar conta de tudo sem pirar na batatinha e sofrer de exaustão. O resto, é simplesmente o resto.

33 comentários

  1. Laila Baquião

    Você falou tudo que sinto. Exatamente assim. Ainda não tenho outro bebe, mais já pensamos. Penso que será assim comigo também. Adorei o post!

    1. Macetes de Mãe

      Que bom que gostou Laila!
      Obrigada pelo carinho :)
      Bjs

  2. Regiane

    Nossa…me vi neste texto….eu sou jornalista, mas desde que minha filha, que hoje está com dois anos e três meses nasceu eu optei por cuidar dela….também fiz tudo, tudo na primeira gestação….amanhã completo 28 semanas da segunda gestação da minha Melissa e o quarto, decorado lindo da Manu, ficará para a irmã….ela por sua vez, dormirá na bicama do berço…e o chá de bebê realmente nem está ainda nos meus planos…como vc disse, o mais importante é o teto sobre nossas cabeças e também todo o bem estar do bebê que está para chegar…parabéns!! Beijos.

    1. Macetes de Mãe

      Que bacana saber disso Regiane!
      Com certeza é o mais importante :)
      Bjs para você, Melissa e Manu

  3. maira

    Me sinto da mesma forma, tenho uma bebe de 1 ano e três meses e estou de 7 semanas, a maior apreensão é a de que será que vou dar conta do ciúmes da Helena, só digo uma coisa amor não se divide se compartilha!

  4. Alessandra Garcia

    Também estou achando a segunda gestação mais leve… e tranquila!!! Estou de 31 semanas e tenho uma pequena de 2 anos e 2 meses…

  5. Tatiana Gonzaga

    Me identifiquei muito com esse seu post, Shirley! Tenho um meninão de 5 aninhos (Pedro) e estou gestando o João (34 semanas)… Tudo que era primordial e urgente na primeira gravidez, agora tem importância zero! rs. As prioridades são outras, as pesquisas que faço (sobre amamentação, refluxo, cólicas, etc) são completamente diferentes das anteriores (decoração quartinho, lembrancinha, carrinho). Acho até graça! rs.

    Sinto diferença também no quanto me dedicava “à barriga” na 1ª gestação. Chegava do trabalho e deitava no sofá pra cantar, conversar e passar óleo calmamente naquela barriga. Meu filho estava ali! Que emoção! Agora??? Mal tenho tempo pro óleo!! HAHAHAHAHA. Passo todo dia dentro do banheiro mesmo, rapidinho pra dar tempo de fazer tooodas as outras coisas que preciso fazer! Já me senti culpada por isso, mas entendi que agora é outra fase, tenho outras coisas importantes aqui pra fazer, né?

    E o mais importante pra mim, nessa gestação, foi aproveitar ao máximo o meu primogênito! Sempre fomos muito grudados, mas agora tem sido diferente. Estou mais PRESENTE, sabe? Como sei que logo terei que dividir a atenção, sinto necessidade de enchê-lo desse amor único! Estamos mais cúmplices, parceiros, brincando mais e nos divertindo MUITO. Mas todosantodia o aviso: “logo o João vai chegar e precisará da nossa ajuda pra tudo. Vou precisar contar com vc!” ;)

    E “vamo que vamo”, né? Boa sorte em tudo por aí, Shirley! Que nossos segundinhos nos encham de alegria como os primeiros!

    1. Shirley Hilgert

      Tatiana, e exatamente isso! kkkk! Cadê que agora a gente canta e conversa com a barriga?! kkk!

  6. Ana Paula

    Lindo post, perfeito ! tenho um bb de 2 anos e já penso exatamente assim qdo penso na segunda gestação!!!!! Parabéns ….

    1. Macetes de Mãe

      Obrigada pelo carinho Ana!
      Bjss

  7. Aline

    Nossa, fiquei exausta só em imaginar sua rotina…rs.
    Mas arruma um tempinho e decora logo o quartinho do Caê, queremos ver…rs

  8. Monique

    Genteeee planejo um baby para o ano que vem, segundo semestre… E acompanho blogs de mamães para me inspirar e ter dicas… Mas confesso q as vezes fico com medo, me desespero e até repenso minha idéia quando leio sobre todos os dramas sofridos… E tudo pelo visto piora com o segundinho… Tô tensa…

  9. Raphael

    Tem um papai lendo o blog… Pode??
    Hehehe
    Eu e minha esposa estamos passando por isso agora…
    Mas, obviamente, por ser o homem, o ogro, eu sempre disse pra não nos preocupar demais com coisas desnecessárias…
    Nossa maior preocupação é como lidar com a Laura, nossa filha mais velha (1ano e meio)…
    Parabéns pelo blog…
    Realmente bem interessante!!

    1. Macetes de Mãe

      Claro que pode Rafael!
      É muito bacana saber que vocês também estão lendo o blog :)
      Obrigada pelo carinho. Bjs

  10. Ju

    90% das roupas do Noah são heranças do irmão. Assim como sapatos, cama, lençóis, etc etc etc. Juro Q somos bem mais leves e felizes assim!

  11. Chris Canic

    Olá!
    Tb estamos à espera do segundinho, meu mais velho tem 1ano e meio… E às vezes até me preocupo com nosso sossego em relação às coisas práticas, como o quarto, roupinhas….rs….
    Agora vamos ter uma menina, mas embora o primeiro seja menino, usaremos o quarto dele pra pequena, já que fizemos bem unissex… E faremos comi já vi vc postando, o maior terá um quarto novo, com caminha e mais voltado pra idade dele…
    Já fui muito tranquila na primeira gestação tbm… Mas realmente a segunda tem um sabor totalmente diferente! As coisas não sao mais novidades, mas a gente sabe as alegrias que estão por vir!
    Boa sorte pra todas nós!
    Bjs!

    1. Macetes de Mãe

      Olá Chris!
      Que bacana :)
      É verdade!! Boa sorte para nós!!
      Bjss

  12. Cibele

    Shirley, desde a gestação do meu filho conheci seu blog e sempre passo por aqui… seus textos ajudam muito porque, como diz o velho ditado, “na prática a teoria é outra” e sempre achei que a troca de experiências é a melhor aliada de todas nós, mamães de 1ª, 2ª 3ª… viagens (pois como dizia minha avó, filhos são como os dedos das mãos: saem todos do mesmo lugar mas nenhum é igual ao outro). Pois bem… eu e meu marido temos planejado nosso 2º filho e esse texto foi muito importante para esse estágio “preparatório”. Obrigada por compartilhar suas experiências… na verdade, lendo esse texto percebi que, quando entramos na fase do “pé no chão” é que estamos realente preparadas para ter outro filho… Beijos!

  13. Rejane Hoppe

    Shirley!!!
    Adoro seus posts sobre a segunda gestação…estou planejando o segundo baby pro ano que vem e fico super animada com os seus textos e suas dicas ;-) acho que vou me sentir desse jeitinho, rsrs…
    Beijo grande!!
    Rejane

    1. Macetes de Mãe

      Olá Rejane!
      Que bom que está gostando, fico super feliz!!
      Bjss

  14. Luísa

    Nossa, você traduziu em palavras exatamente o que penso: que a minha primeira gravidez foi um momento delicioso, de sonhos e muita curtição. Um momento que sei que jamais terei outro igual.

    Falo muito isso com uma amiga que está grávida: para ela aproveitar muito essa fase, porque é deliciosa, mas passa… ai vem o choque de realidade quando nasce o bebê, e nossa vida muda para sempre.

    Fico triste de pensar que uma segunda gravidez não será tão doce como a primeira, mas também penso que o “choque de realidade” de cuidar de um novo bebê não me abalará mais tanto. E, embora surjam outras dificuldades, já não sou mais tão inocente, tão ‘amadora’ no assunto.

    Sonhar com o primeiro filho é uma delícia sim. E acredito que o momento deve ser vivido plenamente. Afinal a vida é para ser vivida dia a dia, não é mesmo?!

    Beijos,

  15. Luciana

    Oi, Shirley.

    Depois que a minha filha nasceu, sempre que via uma grávida na rua, pensava em como ela era inocente, como não podia nem imaginar a diferença entre o mundo da barriga e o mundo do bebê (http://osamoresdelulu.blogspot.com/2012/08/as-gravidas.html). Até que, um dia, vi uma grávida com outra filhinha. Nesse dia, pensei em como essa mulher também, embora experiente, não sabe o que está por vir. Hoje, grávida do meu segundo, confesso que me assusta um pouco saber como serão as coisas, mas me assusta ainda mais o que eu não sei. Acho, sim, que, depois do primeiro filho, somos muitos mais pé no chão. Mas imagina só as surpresas que ainda estão por vir.

    Boa sorte para nós!
    Beijos.

  16. Fabrina Dutra

    Eu ainda sou mãe de primeira viagem e na próxima gestação já decidi que não vou querer saber o sexo. Justamente pra me desapegar dessas coisas que de certa forma são fúteis comparadas com o que realmente importa. Ótimo post

  17. Vanessa

    Oi, passei por td isso bem recentemente. Tenho um filho de um ano e nove meses e outro de 2 meses. A gente encara tudo c mais praticidade mesmo na segunda gestação. Após o nascimento também, mesmo porque o mais velho exige muita atenção. Espero que CAE seja tao bonzinho quanto o meu mais novo. E depois já deixe ai reservado um.post sobre o sentimento de culpa de deixar o mais novob” largado”…mae sofre RS….

  18. Vanessa

    Oi, passei por isso recentemente. Tenho 2 meninos. Um de 1 ano e 9 meses e outro de 2 meses. Eu quis assim pertinho mesmo, os 2 foram planejados. Na segunda gestação somos mais práticas mesmo e depois que nasce isso continua.
    O mais velho exige muita atenção. Espero que o CAE seja tao bonzinho quanto o meu mais novo. Ai VC já deixa planejado um.post sobre a culpa de deixar o mais novo ” largado” rs rs . e outro com dicas de como não ficar piradinha. É cansativo mas claro q vale a pena. Bj

  19. Camila Simonian

    Pura verdade…tenh uma menina de 3 e dia 1 de Dezembro nasce nosso menininho….tanta coisa e deixei tudo pra esta ultima semana…e deu tdo certo :)

  20. Luciane Coltro

    Como é bom saber que não estou sozinha nesta experiência de segundo filho… vc descreveu perfeitamente como me sinto e como tb estou lidando com a chegada da nossa princesinha Antônia (40 dias) e com o maninho Enzo (3 anos e 10 meses)
    obrigada por nos ajudar a não nos sentirmos tão culpsdas…
    bjs

  21. Edna

    Muito legal descrever a o que sentimos na segunda gravidez, as pessoas nos cobram e falam que não ligamos para o segundo filho, e porque aprendemos que o TEMPO é mais importante, tenho um filho de 6 anos e agora minha princesa de 8 meses, as prioridades mudam para melhor.

  22. Fernanda Lesiw

    Texto perfeito ! E o sentimento de culpa diminui pois achei q estava atrasada com as coisas do bb q esta a caminho. Qndo se tem um filho e vem o segundo as prioridades mudam… e realmente me vi neste texto !

  23. Glaucia

    Muito bom ler este seu post. Estou na mesma situação, confesso q não fui tão detalhista na primeira com lembrancinhas, me achei até meio desleixada, mas tb confesso q me senti assim pq tod mundo pira nisso, mas de verdade realmente isso não importa muito. Agora na segunda estou em trandno 5o mês e o bebê nem tem roupa direito ainda. Tenho a sensação de q temos já tudo e q é só ele chegar. Agora vou começar a comprar o enxoval pq como a primeira é menina é o segundo é menino ele não vai herdar muitas roupas…fora isso eu sempre comprei tudo meio unissex e ele herdará quase tudo, carrinho, berço, cadeirinha…até o quarto, q é lindo, mas não é rosa, eu consigo compartilhar se quiser.
    Realmente o q mais importa é a amamentação, a rotina, a atenção para ambos, as noites de sono q necessitamos….todo o resto depois se encaixa e com carinho e um pouco de criatividade fica tudo lindo!
    Acho sim q toda mãe deve poder viver plenamente todo o sonho de planejar tudo para um filho chegar, mas sempre fiquei muito mais focada em me preparar, nem acho q no meu caso foi a “fase da inocência” acho q eu já tinha 34 anos do nasceu a minha primeira e já tinha visto muita amiga ser mãe e sabia mais ou menos como era. Foquei no meu bem estar, em praticar yoga, em me preparar pro parto….mas sim, sem outro filho ainda sobrava tempo para planejar a chegada do primogênito, agora eu não consigo comer tão bem, ainda não voltei a me exercitar….e a nova rotina é o q mais me preocupa, mas uma coisa eu tb não perco, noites de sono a toa, a não ser se a pequena acordar…rs…

    1. Macetes de Mãe

      Olá, Glaucia!
      Que bom que gostou :) Como mães, sabemos que tudo se ajeita né?!
      Pode mandar fotos do quarto para o e-mail: contato@macetesdemae.com
      Bjs

  24. Daniele Belotto

    Meu Deus Shirley, me identidiquei plenamente com esse texto!!! Estou de 33 semanas da segunda gestação, minha pequena tem 1 ano e meio e as prioridades mudaram completamente mesmo, o quartinho não tem nem previsão de ficar pronto, mas sem estresse desde q ele mame no peito, não tenha cólicas e durma bem… Kkkk

  25. Leilane

    O texto representa muito esse atual momento da minha vida!!!

Deixe seu comentário