Dicas para montar um quarto de bebê funcional

Olá mamães, como estão? No mês passado, estreou aqui no blog a coluna Decoração e Arquitetura, escrita pela arquiteta Michelle Mariotto, e sua primeira participação como colunista foi um sucesso. Diversas leitoras entraram em contato, agradecendo as dicas e dando sugestões para novos assuntos e a Michelle já anotou tudinho para trazer, aos poucos, as informações para vocês.

quarto de bebe funcional

Hoje, ela escolheu abordar um assunto muito importante (bom, pelo menos na minha opinião), que é planejamento de um quarto de bebê funcional. Ou seja, que além de lindo, fofo e encantador, também funcione para mãe e filho, que seja prático, agradável e inteligente.

Com vocês, as dicas da Michelle sobre esse assunto. Estão ótimas! Boa leitura!

Dicas de como montar um quarto de bebê funcional

Por Michelle Mariotto

Oi, momys! Fiquei muito contente com a repercussão do primeiro post da coluna. Muitas mamães escreveram dizendo que gostaram, que chegou em boa hora e que foi útil e proveitoso para suas próprias situações. Oba! Essa é a intenção.

Pois o post de hoje vem com dicas para montar um quarto que funcione e que atenda mamães e bebês. Porque nem só de fofura vivem mamãe e bebê recém-nascidos, não é mesmo? E é na hora dos perrengues que a gente descobre o que funciona ou não.

Primeira dica, óbvia, mas que muita gente passa por cima: se possível, contrate um profissional. De preferência, especializado no assunto. É um custo extra? Sim, mas que deve ser encarado como investimento. Muitas mamães querem se ocupar elas próprias dessa tarefa, o que é muito bacana. Mas ter um arquiteto ou decorador responsável pelo projeto não significa falta de envolvimento. Pelo contrário. A missão parece simples, mas um bom profissional tem olhos treinados e experiência de sobra para detectar e solucionar pequenos detalhes que podem causar problemas no dia-a-dia e para criar situações de extremo aproveitamento do espaço.

Isso posto, tendo ou não auxílio profissional, há muitos detalhes que devem ser observados com cautela. Lembrem-se de que cada ambiente é único. Fatores como insolação, ventilação, iluminação, entre outros, podem ser muito diferentes mesmo de um andar para o outro em quartos com plantas idênticas, de um único edifício.

Vamos começar pelas medidas dos móveis. De nada adianta ter um berço incrível, por exemplo, se ele é desproporcional ao tamanho do cômodo. E isso acontece demais. Tenha sempre em mente que quanto mais espaço livre houver no ambiente – o que, tecnicamente, chamamos de circulação – mais agradável e funcional ele será. Com os tamanhos dos cômodos de hoje em dia, isso é missão quase impossível, mas para tudo há um jeito. Minha sugestão é desenhar uma planta do ambiente em escala e sempre que estiver em dúvida sobre se determinado móvel será ou não compatível com o quarto, recortar um papelzinho com as medidas do mesmo e brincar com ele “dentro” da planta, observando quinas expostas, estrangulamento de áreas de passagem, abertura de portas e gavetas de armários, cômodas e bicamas.

Para o post de hoje, vou falar do que eu elegi o quarteto básico para quartos de bebês: berço, cômoda/trocador, poltrona e armário.

Normalmente, quando se descobre uma primeira gravidez, o quarto destinado ao bebê tem algum outro uso. Nessas situações, é muito comum que o ambiente já conte com um armário, geralmente embutido, que provavelmente não foi pensado para o uso ou para privilegiar o layout de um quarto de bebê.

Se essa é a sua situação, observe se existe a possibilidade de adaptar um dos nichos, principais como trocador – eliminando, assim, um móvel a mais que seria a cômoda e ganhando área livre no ambiente para outros usos – de acrescentar prateleiras reduzindo a altura excessiva de vãos para cabideiros (afinal, as roupas de bebês são minúsculas e não precisam da mesma altura livre que as roupas dos adultos) ou de adaptar uma cômoda – como eu fiz no quarto do meu pequeno – dentro do armário, numa área antes destinada a cabideiro inferior.

Se você é mamãe de primeira viagem e ainda não se deu conta disso, saiba que os objetos infantis são pequeninos, mas a quantidade é surpreendente e demanda espaço para armazenamento. Basta pensar no volume de um único pacote de fraldas – e que, normalmente, a gente precisa de um estoquezinho básico.

Abaixo, fotos que ilustram as soluções que eu mencionei:

armarios adaptados

O berço deve ser posicionado em local de fácil acesso para quem entra no quarto e, preferencialmente, estar longe de janelas, cortinas, tomadas e todo e qualquer objeto ou interferência que possa oferecer o menor risco à saúde, conforto, bem-estar e segurança do bebê.

Para a escolha do móvel, verifique se ele tem o selo de certificação do Inmetro. Desde o último mês de junho, o comércio só pode trabalhar com móveis que, obrigatoriamente, tenham essa certificação – que garante muitos itens de segurança para os pequenos. Observe a distância entre as grades laterais, que não deve medir mais de 6cm.

As próximas fotos tem layouts com berços que eu considero bem posicionados.

bercos bem posicionados

cômoda normalmente tem como principal função apoiar o trocador. Para essa finalidade, deve ter cerca de 90cm de altura. Pouco mais ou pouco menos, pode se ajustar melhor à altura dos pais, mas muito diferente disso é provável que te cause uma bela dor na lombar ou que você não consiga segurar e trocar adequadamente o baby. Largura e profundidade podem variar muito, mas o ideal é que tenha, no mínimo, 0,45 x 0,90m, que é uma área onde cabe bem um bebê enquanto ele usar fraldas. É muito importante pensar que você vai precisar de espaço para o kit higiene do bebê – que precisa estar à mão – e para algum suprimento de fraldas, pomada e algodão nas imediações para um momento de “emergência”.

O local ideal para a cômoda no layout também é, de preferência, longe de janelas e portas que possam gerar circulação de ar, pois a criança normalmente estará pouco ou nada vestida nas situações de troca e saída do banho.

Cômodas funcionais:

comodas funcionais

Finalmente, mas não menos importante, a poltrona de amamentação. Algumas amigas já me perguntaram se é realmente útil. Tem quem abra mão. No meu caso, não consegui adaptar uma apropriada ao layout do quarto e posso dizer que me fez muita falta (já falei disso no primeiro post, né?). Normalmente são móveis grandes, “trambolhos”, como muita gente as define. Tem que ser, pois precisam proporcionar muito conforto para a mamãe e o bebê nos momentos tão especias que são as mamadas. Portanto, se o espaço comportar, tenha. Existem algumas com medidas mais reduzidas, em que a gente fica bem encaixadinha, pensadas para pequenos ambientes. São boas alternativas.

No layout, elas podem e devem ficar próximas às janelas. É bastante agradável amamentar sob luz natural. Além desse contato ser saudável para a mãe e o bebê.

Quanto ao pufe que pode acompanhá-la ou não, minha opinião é a mesma. Faz falta. Se couber no quarto, se der para encaixar de alguma forma, use também.

Ah, um apoio lateral é imprescindível!

Alternativas para poltronas:

alternativas para poltronas

 Resumo da ópera:

  •  Se possível, contrate um profissional. Garanto, com conhecimento de causa, que faz toda a diferença;
  • Na ausência de um profissional, tenha sempre em mãos a planta do quarto e “brinque” com os móveis ali dentro até encontrar o melhor layout, com peças de medidas adequadas;
  • Armários pré-existentes: adapte um dos nichos como trocador, eliminando a necessidade da cômoda; reduza a altura livre dos cabideiros, ganhando prateleiras; e/ou, adapte uma cômoda internamente;
  • Berços: só compre se tiver o selo de certificação do Inmetro; observe se as barras laterais tem menos de 6cm de vão; posicione, preferencialmente, afastados de janelas, tomadas, etc;
  • Cômodas/Trocadores: a altura ideal aproximada é 90cm. As dimensões mínimas adequadas são 0,50 x 0,90m. Posicione, preferencialmente, longe de locais com circulação de correntes de ar.
  • Poltronas: costumo indicar as mais compactas, desde que sejam confortáveis. Podem ficar próximas às janelas. Se couber um pufe, use.

Fotos: Reprodução

Colunistas MdM- Michelle  -  decoracao 03.12

 

13 comentários

  1. Flávia

    Excelente! Adorei as dicas!!! Obrigada

  2. Michelle Mariotto

    Muito bom receber esse feedback, Flávia. Obrigada.

    Um beijo,
    Michelle

  3. Bárbara

    Shi, adorei este post!!! A Michelle deu várias dicas que, mesmo estando na terceira gestação, não sabia.
    Vou colocá-las em prática agora com o cantinho do Pedro :)
    Beijos,
    Bárbara
    http://babydicas.com.br

    1. Shirley Hilgert

      Ótimas as dicas dela, né? Ela está fazendo o quarto do Caê. Não vejo a hora de ficar prontinho. :-)

  4. Micheline

    Adorei todas as sugestões!! Sugiro um post especial para projetos de móveis embutidos, pois o que vejo em muitas revistas são quartos de bebê com móveis prontos.. Obrigada!

  5. Flavia Nunnes

    Adorei as dicas!!

    gostaria de ver também idéias de quarto compartilhado entre menina e menino (irmãos) pois ja tenho uma menina e estou grávida de um menino e quase não se tem idéias para esse tipo de quarto.

    obrigada

  6. Marina

    Muito obrigada pelas dicas!! Amei!!!!!!! bjosss

  7. Renata

    Ola..adorei as dicas, estava com duvidas…estou gravida de gemeos ,com guarda roupa embutido ja e quarto de 3.20×2.80…estou bem nervosa…sera que consigo montar certinho????
    Bjos

    1. Michelle Mariotto

      Oi, Renata,

      Difícil opinar sem conhecer o ambiente… Posição de portas e janelas podem ser muito determinantes no layout. O ideal seria estudar a planta e montar o layout bem pensado. Mas acredito que consegue, sim!

      Beijos,
      Michelle

  8. cintia

    DOREII AS DICAS!!!! VOU USAR NO QUARTO DO MEU BEBÊ :)

  9. Tatiana

    Ótima as informações.
    Valeu

  10. Fulvia

    Obrigada serei mãe de primeira viagem, com seu auxílio fico mais segura……

  11. Mariana

    Adorei o post! Excelentes dicas e, como quero fazer quarto montessoriano a ideia do trocador acoplado no armário vai cair feito uma luva!

Deixe seu comentário