Nem todas as crianças são iguais. Entenda isso.

Há alguns dias, eu postei na fanpage do macetes de Mãe o seguinte comentário:

Antes de ter filhos, eu ia no shopping, via uma criança dando piti, e pensava: “Aff! Ninguém merece”. E ainda fazia cara de antipática. Hoje em dia, só o que penso é: “Tamojunto, amiga!!!”. Nada como o aprendizado de TER filhos.

Menos de 12h depois, esse post já tinha mais de 7.500 curtidas e mais de 100 comentários. Mas nem todos eles eram de mães que entendiam a situação.

Muitas, criticaram o que eu escrevi, dizendo que criança que faz pirraça é resultado de falta de pulso, falta de controle, fala de pais que sabem colocar limites.

Oi, onde é que está escrito que todas as crianças são iguais e que, se o resultado for diferente, a responsabilidade é dos pais?

Não querendo me justificar, até porque não devo nenhuma explicação para ninguém, mas até como forma de defender as mães que foram, indiretamente chamadas de bananas por terem filhos que, de vez em quando (ou sempre) dão show em público, eu vou tentar explicar uma coisinha.

Crianças são diferentes. Crianças vivem experiências diferentes. Famílias vivem experiências diferentes. Pais são diferentes. E tudo isso e mais um pouco interfere na forma que uma criança e um adulto vão agir em determinada situação.

Se fosse fácil assim, e se a realidade fosse “ah! comigo deu tudo certo, meu filho é um anjo, e se o seu não é é porque você não é uma boa mãe ou não soube criá-lo” então eu deveria supor que simplesmente porque eu tive parto normal e para mim foi fácil parir toda a mãe também deveria ter seu filho de parto normal porque é fácil. Ou eu deveria supor, só porque o meu filho come bem, que todas as crianças comem bem e que aquelas que não fazem isso é porque os pais não sabem dar comida, não tem paciência, não tem rotina em suas casas e por aí afora. Ou então, uma outra mãe também deveria supor que amamentar é facílimo e ninguém deveria ter dificuldades com isso só porque ela não teve.

Acho perigosíssimo a gente julgar os outros por nós mesmos ou por aquilo que a gente vive. Eu sou uma mãe super carinhosa, bem maleável, mas também sou rígida. Quando digo não é não, sei falar firme e impor limites. Mas eu tenho um filho de personalidade forte, personalidade igualzinha à minha, e assim, nem sempre, ele aceita de boa aquilo que eu pretendo que ele faça o que leva a situações complicadas como as que eu costumo presenciar em shopping centers, festas, parques, clubes, praças e onde mais se vê pais com crianças.

E aqui também não quero dizer que só porque o meu filho é assim, não aceita na boa ser contrariado, todas as crianças também são e as mães que falaram ter filhos comportados estão mentindo. Acredito sim que há crianças super boazinhas, comportadas, que é só ouvir um não que ele é aceito sem questionar. Mas não acho que isso seja só mérito de criação, de limites muito bem impostos, de papeis bem estabelecidos. Eu, como mãe, vejo isso como uma mistura de personalidade e criação, como algo que não depende única e exclusivamente dos pais (ou essas crianças seriam meros robôs).

Enfim, para finalizar, um alerta para as mães que acham que crianças “mais difíceis” são culpa de pais mais bananas: cuidado, não fale alto demais, não fale cedo demais, não cuspa para cima. Talvez, um dia, seu filho não será o santinho que é hoje e aí você vai entender exatamente o que eu quis dizer com essa história toda.

PS: juro que isso não é praga minha para ninguém. É que acho perigosíssima essa história de apontar o dedo na cara do outro.

53 comentários

  1. Vanusa

    Perfeito! Parabéns Shirley!

  2. Helena

    Concordo com o texto !!!!
    Tenho dois filhos: um de 4 anos e outra de 2 anos.
    Eles são completamente diferentes !!!
    O mais velho sempre foi mais calminho, obediente, compreensível ….
    A menina de 2 aninhos tem uma personalidade e gênio fortes !!!
    Ela já nasceu assim !!! Qualquer coisa q a desagrade, pronto !!!
    Já passei com ela pela cena clássica de birra de se jogar no chão !!! O menino nunca fez isso !!! Chorava lógico, mas nunca me fez passar por cenas assim !!!
    Como foi dito no texto: nunca cuspa para cima e nunca julgue as pessoas !!! As crianças são diferentes, cada uma tem suas características !!!

  3. giana

    E estes filhos exemplares e bonzinhos que aceitam todos os “nãos” de boa… me preocupam, sinceramente… crianças sem opinião, sem personalidade! O interessante de se criar e educar um filho é justamente este aprendizado, de mediar o que os pais desejam com o que a criança espera e quer, e ir criando estes laços que ficarão para a vida toda!

  4. Juliana

    Também concordo!
    Tenho 02 meninos um de 7 anos e outro de 1 ano e 4 meses.
    O mais velho sempre foi muito falante porem mais tranquilo, porem
    o mais novo é genioso, bravo e quer tudo do jeito dele.
    Não podemos apontar o dedo nunca…

  5. Bruna

    Super concordo com vc! Minha filha é muito pequena e ainda não faz birra, mas já mudei a ideia de q toda coisa que a criança faz é culpa dos pais. As crianças são mesmo diferentes e imprevisíveis e nem sempre os melhores esforços garantem um bom resultado…rs…elas estão aprendendo, e nós como mães também, então normal isso. Aproveitando, queria te dar uma indicação de post, eu acompanho muito o blog e ainda não vi. Algumas vezes vc falou que seu marido trabalhava fora e voltava pra sp nos fins de semana. Eu passei em um concurso em Brasília e me mudei com a minha pequena para a capital e meu maridp ficou em SP. Tem dois meses isso e por enquanto estou com ajuda, mas a partir da semana que vem seremos só nós duas e estou com um mega medo de não dar conta. Nossa, vida com filhos é difíocil hein. Parabéns pelo blog e pelos dois pimpolhos, boa sorte! Beijos, Bruna

  6. Adriana

    Concordo com o texto!!!
    Minha filha tem 1 ano e 7 meses e já tem a personalidade forte. Ela é calma, porém teimosa e muito mais brava que muito filho de amiga que conheço…
    Isso não quer dizer que eu eduque menos ela, é apenas que ela já demonstra a personalidade dela.
    Acho que cada um deve respeitar o outro sem julgar.
    Pq como todo mundo fala, não existe receita para ser mãe; E o que é perfeito para um pode não ser para outro…

  7. Renata

    OLÁ! concordo com o que disse e acrescento que também vai variar, além do que disse, dependendo de como a criança está emocionalmente naquele momento. Se está triste, carente, com fome, sono… tudo isso pode deixa-la mais propensa a fazer escândalos, chorar, gritar, desobedecer… enfim, temos que levar em conta os pais, a relação com a criança, o temperamento da criança e como ela se sente naquele momento!

    bjos

  8. Kami

    Meu filho é um amor e super comportado, mas volta e meia ele da uns pitis sim, e eu nem reclamo, porque eu acho q se nós adultos tem dias em q ficamos insuportáveis, pq ele não tem esse direito, as vezes as coisas não saem como eles querem e o jeito deles mostrarem isso não é por meio de uma conversa racional… então as pessoas tem q aprender a ser mais leves, não julgar tanto…

  9. Priscila Guirão Lara

    Adorei o texto e concordo com tudo que foi colocado.
    Tenho um filho de 10 meses e agora que está começando a engatinhar e querer aandar estou vendo o quanto é difícil impor limites, o quanto é difícil dizer não e ser compreendida por ele. Também
    passei a olhar com outros olhos as mães de crianças que fazem birra. É muito difícil esse papel de mãe, que nos tornamos sem treinamento prévio ou com qualquer instrução. O medo de errar é enorme, pois reflete inteiramente no futuro que meu filho terá. Vivo um conflito interno terrível, sempre me perguntando se estou no rumo certo ou não.

  10. Flavia

    Obrigada.. Uffa… As vezes penso que so o meu eh assim, pq as maes dizem tanto que seus filhos nao fazem isso ou aquilo.
    Ate penso que a culpa eh minha, mas imponho limites, dito regras, mas a personalidade eh muito dificil.
    Otimo texto.

  11. Ana Fortes

    Ótimo post! Muito verdadeiro, até porque, todos temos telhado de vidro…

  12. Helena

    Giana, discordo de você, meu filho, com 6 anos, até hoje não fez birra, entretanto ele tem personalidade e opinião. Creio que uma coisa não está ligada à outra. Quanto ao texto, concordo com ela, pois como mencionei acima, até hoje ele não fez birra, o que não quer dizer, que ele não possa vir a fazer.

  13. Flavia Botelho

    Shirley, assim como vc eu tb já fiz cara feia para criança fazendo birra, e paguei caro, pq por mais que eu seja rígida com meu filho, ele tb tem uma personalidade forte e agora com ciúmes do irmão que vai chegar tem aprontado bastante.
    Deus abençoe essas mulheres que hoje julgam, que amanhã o mesmo não aconteça com elas.
    Beijo!

  14. Livia

    Acho que esse já é o melhor post de 2015

    1. Shirley Hilgert

      Adorei!!!! Obrigada! :-)

  15. Elenice

    Perfeito! #tamojunto

  16. Leticia

    Concordo plenamente com o texto acima. Antes de ser mãe e presenciava cenas de birra, achava que era falta de pulso dos pais e hoje pago muito caro por isso. Minha filha tem 2 anos e 5 meses e é super geniosa, simplesmente não aceita ser contrariada e dai já viu, é sempre um espetáculo por mais que a gente converse e explique e até de uns tapas, viu. Não é nada fácil educar uma criança.

  17. Fernanda Medina

    Que texto é esse??? Adorei! Concodo totalmente! Tenho um filho de dois anos e sete meses que está em uma fase difícil. Sim, não é sempre que ele quer fazer as refeições numa boa, não é sempre que topa tomar banho numa boa e nem sempre encara os nãos numa boa… Tem dias que tudo é uma escândalo… E o desfralde aqui, vai bem lento… Enfim, por muitas vezes me questiono onde estou errando, pq tem dias que é bem desgastante…. E parece que a grama do vizinho é sempre mais verde…Mas cada família tem suas peculiaridades, suas facilidades e dificuldades. O duro é aguentar os outros…. Criar filhos qdo vc não os tem é mole… Parabéns pelo texto e com é bom ler coisas que vemos que não estamos sozinha, traz um conforto… Bjs

  18. Denise

    Perfeito!!!! Compartilhei seu texto pq é exatamente assim q aconteceu comigo, tb fui criticada por alguém q não tem filhos,mas tolerei afinal antes de ter filhos tb não entederia!!!

  19. Viviane

    Amei! Também fazia cara feia quando via criança fazendo birra… Tomei!
    Minha filha de 1 ano e 4 meses é bem geniosa e, quando contrariada, sabe ser bem desagradável. Mas também tem seus momentos de pura magia. E assim vamos educando, ensinando, aceitando… Afinal, somos mães.

  20. Aline

    Como minha mãe sempre disse: “Criar filho dos outros é fácil”, difícil é criar os meus lá em casa. Acho que não há uma pessoa viva que perambule por essa terra que nunca viu o filho do vizinho batendo os pés e não pensou “Mas também a mãe/pai deixa fazer o que quer”. Pessoal é questão de tempo e vai acontecer na sua casa. A não ser que você não tenha filhos. Tamo junto!

  21. Fernanda

    Não poderia concordar mais com seu texto, tenho 2 filhos de 3 anos, gêmeos identicos que são totalmente diferentes um do outro. Um é de uma personalidade forte e cheio de opinião, já o outro é bem mais tranqüilo e compreensivo. E antes de te los também tinha muitas opiniões sobre o certo em relação a criação de uma criança hoje dou até risada dos minhas certezas anteriores.

  22. Val

    Acredite se quiser, mas meu segundo bebê teve seu primeiro ataque de birra aos cinco meses!!!! Do tipo de gritar com o rostinho vermelho e jogar a cabecinha para trás simplesmente porque era hora de dormir e ele não queria ficar no berço. Depois disso vieram algumas outras rs. Hoje ele tem um ano e meio e é um doce, está aprendendo a lidar com as frustrações mesmo assim, de vez em quando ele ainda se joga no chão. Em casa eu ignoro, saio e o deixo lá, ele se levanta e vem até mim pedindo cólo com a carinha mais fofa do mundo!

  23. Viviane

    Perfeito Shirley!
    Minha filha está cim 3 anos e 4 meses. É gênio duro, decidida, e não chega a fazer birra, mas tem opinião muito forte!
    Como falaram acima, me preocupa as crianças “vaso de planta”; que não tem opinião, que onde forem colocadas ali ficam com cara de paisagem.
    Já ouvi de pessoas próximas a família: nossa como sua filha é agitada! Um dia me pegaram meio de TPM, não aguentei e disse: ela é uma criança saudável, adora descobrir e explorar as coisas! Se ela fosse uma estátua igual ao seu filho, estaria ali junto com ele chorando, por que apenas passaram ao lado dele!

    Afff, pronto falei!

    Shirley sou sua fã!!!!!

  24. Poliana

    Ótimo post… Muitooo verdadeiro

  25. Fabiana

    Perfeito! Passei só para engrossar a lista das que concordam e entendem sobre o que está falando. Sou sua fã e “tamo junto”! Beijos, Fabiana

    1. Macetes de Mãe

      Obrigada pelo carinho Fabiana!
      Bjs

  26. Michelle

    Shi, sou obrigada a discordar!! O fato de haver diferença de personalidade entre as pessoas não justifica a falta de respeito de ninguém, crianca ou adulto! As crianças testam os limites todos os dias e aquelas que passam longe sabem que o limite delas é longo! A falta de educação vem de quem educa e se justificar dizendo que “cada um é cada um” não me faz a cabeça! Cada um é mais ou menos difícil, sim; mas confundir falta de educação com “personalidade forte” é pra quem já jogou a toalha! :(

    1. Gisele

      Quantos filhos vc tem?

  27. Marcia

    O pior dedo de todos é aquele que nós mães apontamos para nós mesmas achando que a culpa é nossa e que só os nossos filhos passam por essa fase. Tamo junto! Bjs

    1. Macetes de Mãe

      Verdade Marcia!
      Bjs

  28. Mariana

    Só não entendo esses comentários xingando o comportamento de crianças quietas… Não pode reclamar das geniosas, mas pode chamar as introspectivas de estátuas e choronas?

    Isso lembra aquele cartaz famoso de um prostesto “Bombing for Peace is like fucking gor viginity”… Reclama do comportamento dos outros e faz a mesma coisa..

  29. Gisele

    Tenho 2 filhas! Uma de 6 e uma de 1a6m. Mesmo DNA, mesma educação! São totalmente diferentes! A mais velha é super tranquila, a caçula é um furacão!
    Obrigada Shirley por tornar pública a minha opinião!
    Aos que não concordam só tenho uma coisa a dizer: Depois que vc tiver filhos, a gente volta a conversar!

  30. Rafaela

    Tenho uma irmã mais velha e apesar de termos tido as mesmas mordomias e os mesmos limites impostos sempre fui terrível e ela sempre pacata… a criação foi a mesma, mesmo pai e mesma mãe, mesma casa, mesma escola… Acho que as crianças são seres humanos como adultos e nascem diferentes umas das outras… claro q com o decorrer do tempo a personalidade vai se formando e cabe aos pais mostrarem o caminho do certo…. mas pelo amor de Deus… quanta babaquice nos comentários de certas “melhores mães do mundo?” que li no seu post. Mães de filhos perfeitos que não precisam gastar seu tempo com filhos “temperamentais” deviam se ocupar com outransmissão coisa ao invés de ficarem julgando um simples comentário de uma mãe! Estamos juntas amiga ;)

    1. Macetes de Mãe

      Obrigada por compartilhar seu comentário conosco Rafaela :)
      Estamos juntas!!
      Bjs

  31. Leila

    Eh a velha frase: “os que não tem filhos, se acham os melhores pais”.

  32. Carol

    Não eh?? Parir um filho de 4.360kg e 54cm de PN e amamentar ate 1 ano e 10 meses foi fácil, perto de educar um filho de personalidade forte, q resiste às orientações dadas… Adorei, Shirley! #tmj

  33. Ludmila

    olá…nossa crianças filhos sobrinhos como é difícil educar…..SIM é a coisa mais complicada….eu acho……bom tenho 4 sobrinhos e já vejo pra frente…e tenho uma FILHA BEATRIZ de 1 aninho sim ela se joga pra tras faz tempo mas eu digo nao e nao fico explicando demais ela nao entende e pego e distraio acho que tem a época de explicações……..e vejo meus sobrihos dando trabalho antes de chagar na adolescencia….eu acho que é essa geração de mta informação…vejo as crinças ja estressadas me parece……tudo ja vem pronto ….seilá …EU ACHO isso…nao tem como fazer diferente é a geração deles mas isso estressa as crianças e acho que por isso gera essa ansiedade de nao entender mtas vezes o nao…está tudo tao pronto tao fácil……..bom e imagina crescer com tanta informação e tudo rapido demais nem da tempo de assimilar tudo…e calma mamaes eles serão ADOLESCENTES dai o bicho vai pegar pra gente….

  34. Samanta Flor

    Muito bom poder compartilhar do mesmo sentimento com tantas mães. Cheguei ao ponto de pensar em buscar ajuda psicológica para poder entender as birras e agressividade do meu filho de 2 anos e 4 meses. Eu e o meu marido tentamos adotar o método da conversa e em casos extremos o cantinho do pensamento. Mas, certas situações nos deixam sem paciência e acabamos partindo para os tapinhas nas mãos e bumbum. Sentimos que as agressões causa muito stress no meu pequeno e que não ajuda em nada. Nunca pensei que fosse ser tão difícil educar. Confesso que sempre olhei com maus olhos para crianças birrentas e “mimadas”. Hoje, passando por isso, vejo que tem situações que fogem do nosso controle. O que nos consola é saber que é só uma fase e que vai passar.
    Muito obrigada pelas dicas. Adorei o texto.

  35. Soraia

    Eu era dessas pessoas que achava tudo muito simples. Abaixo explico o resultado:
    “Eu tinha 6 teorias sobre educação de filhos e nenhum filho. Hoje tenho 6 filhos e nenhuma teoria”. Brincadeirinha, tenho só duas, mas entenderam, não é?

  36. Roberta

    Pensava diferente e até criticava quando via essas cenas nas ruas, mas após ler já enxergo de outra forma.
    Muito bom!

  37. Luciana Nascimento

    Mais um texto excelente, daqueles que explica bem aquilo que é chato de ser entendido por tantas pessoas que não tem uma criança em casa. Tudo muda e tudo aquilo que vc achava, já foi esquecido e superado por uma nova técnica que talvez vc julgasse nunca usar antes…
    Não sou mãe, mas já estou craque no assunto. Madrinha de 3, sendo um deles meu sobrinho. Ou seja vc vira mãe junto, pois mora junto e as vezes fica mais tempo com a criança do que a mãe.
    E no meu caso a experiência veio em nível hard kkkkkk estamos em fase de diagnóstico, atraso na fala, atraso no desenvolvimento e possível autismo. Graças a Deus a esperança de desenvolver e ter uma vida normal sao grandes, se vc ver ele por aí apenas torcerá o nariz e dirá que ele é birrento/ mimado/mal criado e tudo mais.
    Como julgar é fácil, como achar é fácil, como torcer o nariz pro berro alheio é fácil. A birra no caso dele é intensa, o não é um caos pois ele ser contrariado é algo mais maluco dentro dele do que pra qualquer outra criança de 3 anos. Ele é mimado? Óbvio! Me diga uma criança que não é e não manda na casa. Como disse, tudo muda…
    To na fé que o diagnóstico saia, e seja ele qual for, vou sempre fazer questão de explicar a situação e defender cada direito que ele tem por cada nariz torto que eu encontrar. Por isso, se alguém leu esse meu pequeno desabafo, saibam que cada criança é uma caixinha de surpresa e o que é birra pra vc, é simplesmente um jeito daquela criança num mundo todo particular gritar que não ta bem! Um abraço dessa Dinda babona HAHAHAH

  38. Angela

    Shirley, parabéns! Disse tudo e bonito!!
    Tenho o Gabriel de 2 anos, genioso, faz birra, se joga no chão, passo um cortado com ele, kkkk. Leio muito, me instruo e nada resolve. É dele e pronto. Vai crescer, entender melhor tudo a sua volta e vai passar. O desfralde foi trágico e sem sucesso, pois não aceita e não aceita fazer nada no banheiro. Desisti um tempo. Mês q vem tento de novo e assim vamos levando. Super bj

  39. Germana

    Concordo com vc , Mariana!! Também não entendi esses comentários xingando o comportamento de crianças quietas… Ser uma criança tranquila não significa não ter personalidade!

  40. Fabiana

    Perfeito! Disse tudo.

  41. Andreza

    Mulher!! Deixa eu assinar isso com você!!!!! kkkkk falei disso estes dias…é o meu desabafo! Muito bom!

  42. Paula S. Santos

    O fato de todos sermos INDIviduos já diz tudo, né!?

  43. Julia

    São os famosos respeito e empatia que parecem estar em baixa… Julgar sem saber todo o contexto é fácil; duro é quando acontece com você e você se percebe “pagando a língua”.

  44. Fabiana

    Tamo junto! Rs

  45. Marcinha

    Muito bom o texto!!! Simplesmente adorei! Tenho um filho de 4 anos e estou passando um sufoco que não estou sabendo lidar com a situação e perdendo o controle. Ele, em momento de raiva (quando não fazemos ou damos o que ele quer) fica descontrolado e me agride. Faz cara de raiva, sacode os braços e vem para me bater. No primeiro momento, tento conversar e acalmá-lo, mas ele não ouve e vai piorando com as agressões. Aí já me descontrolo também, bato, coloco de castigo e até pimenta quando me responde e balança o ombro como sinal de “dane-se”. Isso não é normal!!! Marquei até médico para tentar me direcionar. Ele me vence pelo cansaço, pois chega a ficar mais de 1h nessas birras. Já pensei que pode ser convívio com algum coleguinha da escola, etc. Mas já percebi que acontece quase sempre quando está com sono. Fora isso ele é carinhoso e bom. Brinca com as crianças sem brigas. Socorro, gente! Se alguém tiver passando por isso e quiser compartilhar, trocar ideias estou a disposição. Meu email: marcinhajs@hotmail.com

  46. Raquel Moreira

    Nem sei se alguém irá ler o que escrevi agora por ser uma publicação de 2015. Mas mães de plantão, não sei mais o que fazer, minha filha tem 1 ano e 4 meses e desde q ela nasceu é brava, geniosa, da chiliques, bate ma gente, morde, se joga no chão, puxa o cabelo nosso, tudo isso pq tiramos ela de onde ela não deve ir ou por a mão. Como é difícil lidar com ess situação pq não sei ao certo se ela de fato entende, mas eu as vezes dou risada numa situação de raiva por exatamente ter perdido o controle de não saber o q fazer, tiro ela dezenas de vezes de onde ela não pode ir, mas ela insiste até o fim, tenho q ficar 100% distraindo ela, gente q raiva ter q escrever essa palavra pq pra mim atrai coisa ruim, mas me sinto lesada, casada, exausta, tempo de respirar? q nada, qd ela dorme vou fazer as coisas da casa e qd vou comer, PA ela acorda. Dicas e sugestões eu aceito.

  47. M.Anita viegas

    Ē preciso ler,refletir,para entender que todas as crianças não são iguais. . Tenho pena das crianças,pois não são entendidas,sofrem punições, humilhações . Há um desamparo com as crianças em qualquer ” extrato ” social. Não há nenhum interesse,mesmo por parte de mães, ou educadoras incluindo,babás,,cuidadoras de criança em festas ou outros eventos sócias em que profissionais estão sendo,pagas para cuidarem de crianças. ( festas infantis,shoops,parques,outros eventos) todos …….aparentemente educadores sociais!!! Sem nenhuma habilidade,competência,carinho e atenção que toda criança requer independente de SUA CLASSE SOCIAL. Sou Pedagoga,.Professora. Trabalhe e criei creches na administração pública,Fui,proprietária de Escola infantil. Tenho trabalhos publicados! Mas….. Sou APOSENTADA….. Tenho 76 anos!!! Mas, tenho garra, energia,estou viva….! Maria Anita Viegas

  48. Ana Paula

    Tenho um.do meio de 3 anos que tem crises terríveis de birra, a princípio achávamos que era isso, mas evoluiu de tal maneira as trocas repentinas de humor que não nos deixavam mais sair de casa, e olha que temos uma mais velha de 10 anos e um.pequeno de 1 ano. Tivemos que passar ele no psiquiatra e hoje ele faz tratamento, transtorno bipolar, portanto não julgue a mãe e a criança que faz birra, o problema pode ser mais grave do que aparenta, hoje, depois de 3 anos estamos tendo vida e estamos conseguindo curtir nosso filhote

Deixe seu comentário