Uma reflexão sobre a cama compartilhada

Olá mamães, o texto de hoje é sobre um assunto polêmico – cama compartilhada – e quem escreve sobre ele é a Thaiz Carvalho, mãe de um casal e psicóloga clínica. Thaiz optou por fazer cama compartilhada com seus filhos e hoje faz uma reflexão sobre essa experiência. Confira!

Photo Credit: csm_web via Compfight cc

Photo Credit: csm_web via Compfight cc

Ai que delícia!

Por Thaiz Carvalho

Ontem à noite, na hora que fomos dormir, Miguel deitou no meio de nós dois, puxou a coberta ate o pescoço e disse:- “AI QUE DELICIA!!

Meu marido olhou sorrindo para mim e logo “lascou” um beijo no loiro que, com muita carinha de satisfação, estava ali. MUITA SATISFAÇÃO, para todos nós, pois, existe palavra melhor do que ouvir de um filho que está uma delícia estar ali com vocês em uma noite fria como aquela?

Este é um tema recorrente que as mães trazem ao consultório (sou psicóloga) e amigas me perguntam. Qual é a opinião do psicólogo em relação ao filho dormir no meio dos pais?

Vou tentar fazer uma mescla de teorias que tenho lido sobre o assunto, somando a minha experiência da maternidade e ver o que dá.

A minha intenção aqui não é defender NENHUMA opinião, ate porque não acho este o melhor caminho para nada, mas sim proporcionar uma reflexão sobre o tema para assim a própria família decidir como proceder com isso.

Se você pesquisar no Google o tema “cama compartilhada”, verá que a maioria dos especialistas salientam vários pontos que não são saudáveis nesse tipo de experiência e acho bacana expô-los aqui.

Alguns pediatras relatam que o bebê pode ser  “lesado”, no sentido fisico, caso o pai ou a mãe não percebam e, involuntariamente, o sufoquem. Isso é algo seríssimo, pois proteger nossos filhos é a nossa mais importante função na vida. Então, para evitar isso, comprei um mini berço da marca Snoogle, que  protege o bebe de nós mesmos. Esse “berço” era colocado entre nós, com o bebê dentro, até eles terem, mais ou menos, 4 meses. Assim, podíamos todos dormir juntos, sem medo.

Outro ponto colocado é que o sono do casal fica prejudicado. Isso e de fato MUITO real. Os bebês se mexem e, automaticamente, os pais ficam suscetíveis a acordar e piorar a qualidade do sono. Com meu filho de 2 anos, há episódios de joelhadas que, de fato, me fazem acordar. Quando isso ocorre com maior frequência, peço ao meu marido que o coloque na caminha dele, no quarto dele, e lá ele fica, sem problema algum. E também tem as situações em que ele coloca a mãozinha no meu rosto e também atrapalha, me faz acordar, mas logo me sinto a mãe mais amada do mundo com esse carinho e os cutucões ou o desconforto se tornam tão pequenos diante de tal gesto.

Para quem está amamentando , não tenho dúvidas de que ter o bebê no meio da cama colabora, pois não há o deslocamento de ir e vir para dar as mamadas. E esta também é uma justificativa que eu encontrei para “aliviar a culpa” de ter a minha filha dormindo em nossa cama (ela esta com 6 meses e ainda acorda para mamar). Também é importante salientar que ela SIM,  acorda por causa do meu cheiro e tumultua o nosso sono e o dela. Mas aí, na maioria das vezes, nós a colocamos em um bercinho, ao lado da nossa cama, e pronto, o problema do cheiro está resolvido e todos voltamos a dormir melhor.

Li também algumas vezes que os pais tendem a fazer isso para suprir a ausência do dia, por estarem ocupados e assim conseguirem ficar mais perto dos filhos à noite. E isso é errado? Acredito que possa sim haver esta compensação, afinal, o mundo de hoje requer que os pais trabalhem, e muito, para darem uma vida confortável aos filhos. E aí eu pergunto: algum problema em compensar a ausência do dia estando coladinho e dando muito carinho à noite? De poder “gozar” deste delicioso momento com seus filhos após um árduo dia de trabalho? Eu acredito que não.

E falando em gozo, esta aí o tema que acredito ser o mais importante em toda esta polêmica de deixar os filhos dormirem na cama dos pais. E as relações sexuais? E o namoro com o marido? E o dormir de conchinha? E os pés colados? E aí, como fazer se há bebês no meio? Enfatizo este como o principal ponto para se “reorganizar” nessa fase. Tirar o bebê da cama e namorar o marido não é uma possibilidade? Irem para outro ambiente e também namorarem criando novidades para a relação é inviável? É regra este bebê estar ali todos os dias e todos os momentos? Claro que nao! A sugestão é que o casal converse sobre isso e perceba que é possível sim também namorar e que a culpa não é dos bebês caso eles estejam distantes sexualmente. Logo, fica a dica para estreitar ainda mais com seu marido a possibilidade de conversarem sobre a intimidade que, diga se de passagem, é extremamente importante para o casamento.

Não posso deixar de citar também a questão da dependência, que acaba sendo um dos pontos mais levantados quando se fala em filhos dormindo com os pais. Um filho é sim dependente do pai e da mãe até ele conseguir se sustentar financeiramente e realmente ter “crescido”. Aliás, assunto este que possivelmente gerará polêmica, pois só não estamos dependente emocionalmente dos nossos pais a partir do momento que eles não estiverem mais por aqui. E olha que, mesmo assim, ainda dependemos das experiências emocionais que ficam na gente, através da relação materna e paterna.

O que quero trazer, em resumo, é que não enxergo peso nenhum em crianças dependerem dos pais. Isso é saudável. Depender de alguém pode nos dar segurança e menos ansiedade de querer crescer depressa e, depois, vai fazê-la ir “embora” segura, para viver em um outro espaço. Ou seja, ter de quem depender é algo necessário, ate porque a criança não nasce pronta para dar conta de nada sozinha. Depender é natural e ter alguém dependendo de nós também é um exercício da maternidade e da paternidade. A independência vem com o tempo e são as experiências emocionais vividas através da figura pela qual o bebê dependeu que vai ajudar a construir a sua auto estima e fará com que ele encare o mundo de forma menos dura (ou não?).

Bom, o que eu trouxe aqui é uma reflexão, não uma verdade absoluta, é a forma como tenho vivido este momento . Penso que acabei sendo tendenciosa a favor de eu e meu marido permitirmos que nossos filhos estejam no meio de nós por várias noites. Mas não vejo problema nenhum nisso, pois não sofremos nenhuma pressão para chegarmos nessa decisão e adoramos demais ficarmos assim, grudadinhos.

Tenho certeza que os meus bebês crescerão muito rapidamente (como tem ocorrido) e logo não vão mais querer estar no meio da gente (até porque logo não  não caberão mais mesmo). Enquanto isso, vamos curtindo esta vivência que, não tenho dúvidas, deixará boas lembranças na memória por muito tempo e que jamais voltará.

E para finalizar, quero deixar aqui uma frase da minha mãe, que sempre alivia qualquer “peso” que eu possa sentir com essa decisão: “Você conhece alguém que casa e continua dormindo no meio do pai e da mãe?”. Claro que essa é uma colocação bem exagerada, mas ela traduz a verdade. Essa experiência não será para sempre então é melhor aproveitá-la enquanto dá.

Espero ter colaborado de alguma forma com os pais que estão vivendo essa experiência e, de alguma forma, se culpando por isso.

Thaiz Carvalho, Psicóloga Clínica, mãe de um casal e esposa.

 

58 comentários

  1. Mariana

    Minha bebê tem 1 mês e dorme desde o primeiro dia na cama com a gente, nao me arrependo nem um pouco, acho uma delícia acordar de noite e me deparar com ela pertinho de mim. Eu até brinco que ela vai dormir com a gente até os 12 anos, mas pq eu vou sentir a falta dela, e não ela de mim!!!!

  2. Roberta

    Texto maravilhoso! Optamos por fazer cama compartilhada e é tão bom… Às vezes bate uma “culpa” mesmo, mas logo logo passa.

  3. Sandra

    Desculpe, mas discordo.
    Esse tipo de situação acaba literalmente com seu casamento e cria uma dependência absurda.

    Respeito sua opinião mas acho isso uma desculpa. Vc irá se arrepender lá na frente, pode apostar.

    Maioria das vezes (tenho certeza q não é seu caso) é desculpa de mãe preguiçosa que não agüenta mais levantar de madrugada..

    1. Ingrid

      Mãe preguiçosa?!?! Pelo amor heim!!! Cuidar de uma criança é cansativo sim!!! E muitas vezes é uma forma da mãe descansar um pouco mais com o bebê na mesma cama.
      Não gosto da cama compartilhada do no dia a dia pq não durmo bem quando a bebê está comigo, mas há noites que isso é inevitável como quando ela está doente.
      Não existe verdade absoluta e cada família se organiza do jeito que acha melhor.

    2. Denise

      Olha cada um tem um ponto de vista,mas falar q a mae ė preguiçosa??? Achei exagerado e desmedido o comentario..enfim,nao preciso desenhar a rotina de alguém que trabalha fora e que nāo tem empregada ou nem que a realidade fosse ao contrário,cada um escolhe o que acha melhor pra vc !!! Algumas mães tem que parar de julgar as outras,nao existe uma verdade universal pra se criar um filho,isso é muito triste!

    3. Fernanda

      Mãe preguiçosa? Você deve ser uma madame!!!

  4. Penélope

    Tenho três filhos com 6,4 e 2 anos e compartilho a minha cama com eles até hoje. Tenho certeza que daqui a pouco crescerão e eu sentirei falta. Me vi em várias situações no texto e concordo com todas elas. Não tenho nenhum tipo de arrependimento e ADORO essa farra!!!!

  5. Nara

    Eu sempre me questionei sobre o assunto. Minha filha de cico meses dorme comigo desde que nasceu. Eu sempre me perguntei qual é o animal fêmea mamífero que deixa seus filhotes de lado para ficar unica e exclusivamente com o macho?

    1. Fernanda

      Eu sei te respondo… Deve ser a dona Sandra!

  6. Jana

    Este assunto sempre me preocupa lq meu caso é mais atípico! Meu marido é piloto aqui na China e eu vim com meu bb com 4 meses de idade e fico muito sozinha com ele. Até 10 dias sem o pai! Dormimos juntos desde então, hoje com 1 ano e 9 meses ainda do mesmo jeito, até qdo o pai chega pq o pai chega tb morrendo de saudade e adora dormir sentindo o cheirinho dele. Temos cama com grade e tudo no meu quarto para o bb mas mesmo assim eu acho mais cômodo e gostoso dormir com ele :( será quando que isso vai passar???

  7. Kelly

    Amei a matéria. Compartilhei.

  8. Kathyanna

    Minha “bebê” tem 1 ano e 8 meses e nunca dormiu no quarto dela… sem em um bercinho móvel ao lado de nossa cama ou entre nós mesmo, a poucos meses acoplamos o berço dela a nossa cama e aí tornou se uma grande cama, todos juntos porém, cada um com seu espaço. Mas confesso que, muitas vezes depois de um dia duro no trabalho, eu a puxo para para o “meu” espaço só para ter a paz e cheirinho dela perto de mim! Aqui casa a experiência é maravilhosa!

  9. katiane

    Aqui em casa comprei uma cama de solteiro e coloquei ao lado da minha de casal, tenho um meninao de 3anos e um bebe de 2 meses, dormimos todos juntos!! Uma delicia!! Ajuda muito nas olhadas na madrugada e amamento sem precisar levantar e td mais. Adorei a materia ,apoio totalmente a cama compartilhada..como td compartilhado..

  10. Daniele

    Meu filho de 9 meses dorme comigo desde os 3 meses, claro que com todos os cuidados. Meu marido trabalha de madrugada e só dorme conosco nos fins de semana e posso dizer que amo ter o Fabrício ao meu lado, acordar e ver seu sorriso não tem preço! Claro que ele ainda acorda pra mamar…sei q é mais hábito do que necessidade…mas tem funcionado assim e vou manter enquanto estiver bom para nós ;-)

  11. carol

    Oi gurias! Adorei o post, mas gostaria de complementar.

    Os dados sobre acidentes com RN devido a cama compartilhada são bem preocupantes e um grande número de famílias não consegue se organizar para ter este berço que fica na cama. Acho legal pesquisar sobre isso e informar bem o público de como proceder com segurança nos primeiros meses.

    Um beijo,

  12. Juliana

    Adorei o texto, concordo com suas reflexões. Meu bebê de 6 meses dorme comigo e acho uma relação muito saudável para o bebê.

  13. Amanda

    Curti bastante a página e estou sempre aqui pegando dicas, mas dessa vez acho que há um equívoco no texto… O conceito de cama compartilhada é mais complexo que apenas dividir a cama com os filhos. O fato do filho dormir com os pais – principalmente se é um caso esporádico, é muito diferente de praticar cama compartilhada. Essa prática abrange uma série de regras, orientações e cuidados com a segurança por idade do bebê e da criança. E o assunto é tão mais específico e estudado, que tem uma série de literatura e artigos à respeito do tema disponíveis em livrarias, bibliotecas e internet. Talvez seja assunto demais para um post só é não tenha dado para abordar tudo. Achei interessante comentar, já que outras mamães podem querer saber mais à respeito. :) Beijocas e até a próxima!

  14. Débora

    Minha filha tem 4 anos e há poucos meses foi para sua própria cama. Desde bebê dormindo na nossa cama, muitos pontos positivos e alguns negativos. Mas foi muito bom e por vontade própria hoje ela dorme no quarto dela sozinha e as vezes vem pra nossa cama de madrugada. Não me arrependo, sinto falta inclusive, aquele cheirinho gostoso na minha cama.

  15. Gilsiane

    Adorei o artigo meu filho dorme com a gente desde os 2 meses e antes tinha. O beicinho no quarto e colocava ele as vezes , agora está com 2anos11 meses e continua dormindo trocamos o berço por uma cama de solteiro rsrsrs mas é tudo de bom não me arrependo nem um minuto de dormir com a gente. E como vc disse , vai chegar um dia que ele mesmo não vai querer mais ficar junto. Então é só aproveitar o agora.
    Beijos.

  16. Renata

    Amei o artigo! Gente, eu acho que é impossível dormir em cima de minha bb. Durmo com ela desde a primeira noite e esse medo eu nunca tive!!! Como assim, dormir em cima? só se eu tivesse drogada!! rsrsrs. Ela dorme ente eu e o pai desde sempre. tem 08 mese.s graças a isso, mama, e eu durmo, o que significa= bebê feliz e que chora nada a noite. pai que acorda revigorado pq bb não chorou. mãe que dorme o melhor que pode, e às vezes, muitooo bem, sim. E portanto= casal que namora, pq eu não consigo imaginar o que é libido sendo uma zumbi!!! rsrs

    Ah, e a primeira soneca da noite, pode transferir pra o carrinho na sala ou pro próprio quarto! E depois volta, com os pais felizes que só e os lençóis trocados rsrsrs.

    E a hora de acordar com dois olhinhos felizes te olhando e aquele cheirinho maravilhoso? ô delícia!

    1. Gabriela

      Concordo plenamente com você Renata. Tenho 3 filhos, e os dois últimos dividi cama. Minha segundinha dividiu cama comigo até começar a dormir a noite toda. Então foi pra caminha dela, e só de manhã. Minha terceira, de tanto falarem, resolvi deixar no berço. Porém nós moramos em outro estado, então não temos família nem amigos aqui. O Papai viaja, e eu ficava parecendo uma vaca desnutrida durante o dia, amamentando e dormindo em pé, sem pique nem ânimo. Até meu leite descia devagar. Quando trouxe ela pra cama tudo se resolveu. Durmo bem a noite e tenho disposição pra jornada do dia, cuidar da casa, trabalhar e todos os cuidados das três criancas. Resolveu minha vida, e com humor melhorado, o leite fluiu, e o sexo voltou a todo vapor. É até bom, pq descobrimos novos lugares, novas formas de nos amar. Quem disse que sexo tem que ser na cama e de noite??? Quebramos as regras e nos divertimos. Depois um bom banho, e cama descansar com o cheirinho mais gostoso do mundo. E acordar com minha bebê cima da minha barriga cantando não tem preço. Beijooo

  17. Juliana Morais

    Amei o artigo!! Muito bem escrito! Parabéns!! Me trouxe muita paz como mãe e segurança que terei um adulto independe e seguro emocionalmente!! Um abraço

  18. Bru mamae

    Infelizmente eu conheço sim uma pré adolescente de 11 anos que tem problemas pra dormir até hoje por causa de cama compartilhada, os pais estão separados há 4 anos, mas sempre tiveram esse “problema” a mãe fica com dó pq a filha tem medo de dormir sozinha e continua compartilhando a cama, o pai casou de novo e não aceita compartilhar a cama, mas é obrigado a compartilhar o mesmo quarto, pq afinal são só nos finais de semanas e férias que a filha fica com ele, então pra que criar mais problemas ne ?
    Não concordo com cama compartilhada, não fui criada assim e acho saudável cada um ter seu espaço e independência.
    É gostoso? É! Eu me lembro bem de como amava quando meu pai viajava e eu podia dormir na cama com minha mãe ou nos domingos que eu acordava cedo e corria pra cama dos meus país pra ficar grudadinha com eles, era eventual e eu sabia que ali era o espaço deles. Sou mãe tbm e pretendo ensinar minha filha da mesma forma que minha mãe me ensinou.

    1. Renata

      Bru, será que é a cama compartilhada a “culpada” por essa situação? Ou muitas vezes é só o sintoma, e não a causa, que essa menina está precisando de ajuda, de carinho, de conversa? Por fora, tudo parece muito preto no branco né.

      Conheço muitos casais com filhos um pouco maiores que fizeram cama compartilhada e nenhum passa por esse problema…

  19. Verônica

    Minha filha dorme desde a primeira noite em casa no seu quarto, no seu bercinho, Nunca quis fazer cama compartilhada, mas respeito quem assim escolheu. Preciso dormir bem a noite se não fico péssima no dia seguinte e não consigo dormir a vontade na cama com ela, tenho receio de virar em cima dela, fora os chutes e mãos.. rsrsrs Dividimos a cama somente nas sonecas diurnas!

  20. Mariana

    êAqui em casa nossa filha acorda muito cedo, por volta das 5 da manha. Entaoo tiramos do bercinho, brincamos um pouquinho e por volta das 6 ela quer dormir de novo. Esse ultimo soninho antes de o dia começar fazemos na nossa cama e é uma delícia. Acredito que pode ser um costume que perdure até quando ela acordar sozinha e vier para nosso quarto por conta própria. Já imagino a gostosa de pijama. Ela agora está com três meses. Como tudo na vida, acredito no bom senso… Ela dorme no berço dela, a noite temos nosso tempo de casal livre, pela manha o sono não é tao pesado que tenha o risco de danos físicos… E podemos os três curtir o momento. Beijos

  21. Andressa

    Minha filha tem 2 anos. Nunca dormiu no quarto dela. Até os 10 meses dormiu na cama conosco, depois coloquei seu berço no meu quarto colado na minha cama, fazia ela dormir na minha cama e depois a colocava no berço…de uns 6 meses pra cá ela aprendeu a deitar e pegar no sono sozinha no berço que ainda está colado na minha cama. Tudo no tempo dela….sem pressa. ..pressão e culpa….daqui a pouco ela cresce e quero que as lembranças sejam doces jamais amargas de arrependimento por ter deixado de dar conforto a ela por conta de teorias alheias….

  22. Viviane

    Respeito quem escolheu a cama compartilhada mas de modo algum concordo.
    O sono não é o mesmo, pelo menos para mim, com um bebê no meio , não tem como relaxar…

    Minha filha desde 1 mês e 24 dias foi para o bercinho dela…e a questão de ver aquele sorriso ao acordar no espaço dela é tudo!!!

  23. Elis Regina Vasco

    Respeito a decisão e opinião de cada um. Tambem sou psicologa e mãe. Pra mim o bebê em seu berço no quartinho que planejei com tanto amor e carinho tem funcionado desde o primeiro dia que voltamos da maternidade. Acho isso mais saudável para ele e para o meu casamento.

    Aliás, gostaria de sugerir Shirley alguma matéria que falasse mais sobre nosso lado mulher pós parto e sobre sexualidade do casal depois da chegada do bebê.
    Temos tantos papéis sociais: mãe, profissionais, esposa… Eh difícil conciliar tudo…
    Nao sei se aqui é o lugar certo pra deixar as dicas…

    E complemento dizendo que sou mega fã do seu trabalho. Leio tudo e sempre indico para outras mamães ou gestantes. Você é muito inteligente, tem bom gosto e faz um trabalho informativo, não é somente propagandas como outros blogs… pra mim eh o melhor! Párabens!

  24. Karen

    Meu filho dormiu comigo pelo menos até os 4 ou 5 anos. Tanta gente dizia que isso ia criar uma dependencia absurda, nunca liguei. Hoje ele tem 21 anos, estuda na Inglaterra e aprendeu a se virar. Mora com amigos, cozinha, lava roupa, limpa a casa e cuida das suas finanças sozinho. Nunca deixou a conta bancária entrar no vermelho e nāo depende de companhia prá fazer o que gosta. Antes de sair do Brasil, trabalhou por um ano. Era pontual e nunca faltou, fazia até horas extra. E o melhor é que nosso relacionamento é maravilhoso. Conversamos sobre tudo e nos divertimos muito juntos.
    A dependencia nāo vem de noites bem dormidas sentindo-se seguro e amado, mas pode vir da maneira como se é criado quando se está acordado!

    1. Denise

      Muito bom seu ponto de vista!!!!

    2. CRISTIANA

      Adorei sua colocação!!

  25. Sâmila

    Oi Shirley!
    Queria sugerir uma matéria: a opinião de vários pais que fizeram a cama compartilhada e que hoje tem os filhos já grandes e que dormem nos próprios quartos. O que eles pensam sobre a independência dos filhos e os pontos positivos e negativos que enxergaram depois dessa experiência, Adoro teu blog!! Bjos

    1. Macetes de Mãe

      Olá, Sâmila!
      Ótima sugestão :)
      Obrigada pelo carinho!
      Bjs

  26. Dawana

    Amei o post!! Cama compartilhada só dá certo pra quem realmente toma essa decisão com o marido. Fui criada em cama compartilhada e nunca vi consequências. Quando estava grávida, eu e meu marido falávamos que ela iria dormir no berço, ela nasceu e mantivemos a decisão, com 2 meses ele resolveu colocar ela no “nosso meinho”, eu não achei nada errado e deixei, pois cresci no meio dos meus pais, pq ela não poderia no nosso meio?! Hoje, com 2anos, ela ainda dorme conosco e vai dormir até quando quiser.
    Nossa relação sexual?? A melhor possível. Pq melhor que fazer quando se é “proibido”? Esperamos ela dormir e vamos pra outros cômodos da casa, ou pro chuveiro, às vezes a deixamos na casa da minha mãe, pra dar uma escapadinha, só pela adrenalina de sair e fazer o que não pode.
    Amo cama compartilhada, fui criticada pela família várias vezes, mas coloquei na minha cabeça que a decisão é minha, a cama é minha e ninguém sabe o que se passa em quatro paredes pra vim dizer pra mim o que é bom ou não pra minha filha. Pq pra mim, a melhor coisa do mundo é acordar e ver ela ao meu lado, abraçá-la e sentir o seu corpinho pertinho do meu, e nisso ela acordar, me dizer “bodia mãe” e me abraçar. Nada mais gostoso que isso, chega a ser gratificante.
    Não acho que é uma desculpa pra dizer que é “mãe preguiçosa”, pq não é, é um sentimento de apego, de afeto, pq AMAmentar não é apenas nutrir e sim uma transmissão de carinho, amor e afeto pra criança.
    Parabéns pelo post, sei que algumas pessoas irão criticar, mas cada um cria seu filho como pode e como quer, dizer que isso não é bom ou é, só nós que vivemos podemos dizer isso. Impor as pessoas

    1. Nayra

      Penso exatamente igual.

    2. Renata

      amei seu comentário! tbm fui muito criticada mas penso igual à você!

  27. Thata

    Olha, eu faço cama compartilhada as vezes também e gosto muito. Não é sempre, ele tem o quarto dele e quando prefiro o meu espaço mando ele de volta pro auqrto dele. Nunca tive problemas. Essa idéia de colocar um bercinho no meio pro início é ótima. Adorei!

  28. Amanda

    Bem, eu sou um fruto da cama compartilhada e, muito honestamente, acho que nao foi bom pra mim. Dormi com os meus pais ate os dez anos de idade simplesmente pq me julgava incapaz de adormecer e ficar sozinha. Isto me trouxe grandes problemas porque, la por volta dos 5-6 anos, eu ja tinha consciencia que deveria conseguir dormir sozinha e me culpava por nao conseguir. Em todas as tentativas de tentar ficar no quarto, eu ficava horas acordada e com a luz acesa rezando, fazendo de tudo pra ser a “mocinha” que eu deveria ser. Nao conseguir era um fracasso pra mim – embora meus pais sempre tenham sido carinhosos e me acolhido de volta em suas camas. Mas EU sabia que deveria estar no meu quarto. Conclusao: nunca compartilhei com meu filho, ele adormece comigo na cama, mas em seguida o colocamos no berco e sempre foi assim. Temos que ter cuidado pra que nossos filhos nao herdem de nos a nossa inseguranca ou necessidade.

  29. Nayra

    Minha bebê dormiu, muitas e muitas vezes recém-nascida em nossa cama. Usávamos a almofada de amamentação para delimitar o espaço dela. Era mais confortável e menos cansativo do que levantar todas as horas para dar de mamar. Hoje, com seis meses, ela dorme no bercinho, mas vira e mexe ‘vem’ pra nossa cama e fica, visivelmente, bem. Não temos problemas quanto a isso e sabemos exatamente que tudo tem a sua hora. Não nos atrapalha em nada e nossa vida íntima continua boa porque sabemos administrar tudo isso.

  30. Coloquei minha bebê pra dormir comigo com 04 meses, pois não aguentava mais levantar… Minha Alice acordava de 02 em 02 horas pra mamar ou até menos que isso, não dormia nada e esta foi a melhor solução! Ela já vai fazer 02 aninhos e continua na cama com a gente, não atrapalha nada, até porque a hora de dormir é pra dormir mesmo… Deitamos e desmaiamos! rs O namoro com o marido fica para outras horas, e quando a gente quer de verdade, arruma um jeito pra tudo e não arranja desculpas, né?!

  31. Mariza

    Sabemos que não é o correto, pois acada tirando a privacidade do casal, mas quem resiste a uma carrinha de anjo pedindo para dormir com você? Sei que é errado mas tenho uma filha de 3 anos e durmo com ela e o meu marido com o nosso outro filho de 7 anos. Perdemos um pouco sim de privacidade mas não toda e sempre arrumamos tempo de ficarmos juntinhos. E essa situação faz com que cada dia mais nos amamos e amamos nossos filhos

  32. Caroline Chiozzani

    Meu bebê tem 1 ano e 1 mês, e ainda dorme comigo e mama de madrugada. Sou julgada por isso pelo meu marido minha mãe e minha irmã, que dizem que ele tem que ir para o berço. Além de eu passar o dia to

  33. Dario

    Olá, onde você comprou o mini berço snoogle?
    Qual a referência?

    Aguardo retorno, obrigado.

  34. Karen

    Que texto maravilhoso! Estou certa de que vc não irá se arrepender da sua decisão. Crianças precisam de amor, colo, proximidade dos pais para amar tornarem adultos confiantes. Realmente não atrapalha em nada no casamento, isso é desculpa para mulher que não se garante e não tem criatividade. Filho não segura marido, mas Tbm não separa. Os filhos unem ainda mais o casal. Minha irmã e eu sempre dormimos com nossos pais e ele sai casado a 30 anos. Hoje eu tenho uma bebê de 1 ano e 9 meses que dorme comigo e meu marido, achamos delicioso dormir com nossa bonequinha.

    1. Bárbara

      Me desculpe mas dizer que é desculpa pra ” mulher que não se garante” foi forçar demais a barra. Muitas mulheres enfrentam problemas no casamento após o primeiro filho e não tem haver com se garantir ou não, mas com certeza qq situação que diminua a intimidade do casal piora a situação. Menos julgamento mãe, por favor! O mundo já está cheio disso

  35. Amanda

    sou mãe de uma menina de 5 anos…e do nascimento até ela completar quase um ano…levantava toda noite e amamentava e deixava ela dormir no berço dela…pois tinha medo de machuca-la e não ia me perdoar se acontecesse…sofri bastante…pois acordava de duas em duas hrs…mas passou…e depois de um ano…sempre permiti ela dormir comigo…pois ela ja estava grande e conseguia se defender…na parte física….mas não tem coisa melhor q dormir agarrada nela na parte psicológica…adoro aquele carinho…aquele amor…aquele momento so nosso…depois de um dia corrido de trabalho…nosso momento…porque esse tempo não volta…não poderei repetir…e o amor q eu der nessa fase será decisiva para toda personalidade…amor …e sempre amor…

  36. Loraine Montini

    Assunto que gera polêmica, não? Tanto eu quanto meu marido somos Psicólogos e não somos adeptos da cama compartilhada como rotina em nossa casa. Minha filha tem 1ano e 8 meses, dormiu em nosso quarto até os 2 meses e meio, mas não na nossa cama por questão de segurança . Ela se acostumou facilmente a dormir em seu quarto e acho isso muito saudável. Dependendo das fases do desenvolvimento dela, percebemos sua insegurança e dificuldades para dormir, então nesses dias ela até dorme em nossa cama, mas geralmente procuramos fazer com que ela se sinta segura para dormir no quarto dela. É um lugar que foi pensado e preparado com muito amor para ela e fazemos o possível para que ela se sinta bem ali.
    Cada casal deve decidir como agir, mas é importante pensar se dividir a cama com os filhos é uma necessidade para eles ou para os pais. As vezes projetamos na criança nossas inseguranças e isso pode vir a prejudicar o desenvolvimento delas. Realmente nossos filhos são dependentes de nós e é natural querer aproveitar cada momento, pois pensamos no quanto o tempo passa rapido. Mas nosso papel enquanto pais é também proporcionar condições para eles venham a adquirir independência ao longo do processo de desenvolvimento, crescendo pessoas seguras. Algumas mães se sentem “abandonando” os filhos por deixa-los em outro quarto, por sair para trabalhar, por deixar de amamentar, mas psicologicamente falando essas separações são importantes e necessárias.
    A vida do casal é outro ponto importante e que precisa ser pensada com cuidado.
    Realmente é muito gostoso sentir o carinho da minha pequena quando estamos juntas, então a alternativa que temos colocado em prática para equilibrar a nossa qualidade de sono, com a segurança que queremos passar para nossa filha em dormir em seu quarto e para aproveitar os momentos para ficar agarradinhos com ela na cama, aos finais de semana quando ela acorda a levamos para o meio da cama e lá dormimos mais um pouco juntos. Para nós tem dado certo assim!

  37. Leidiane

    Amo dormir com meus filhos!!

  38. Alice Nascimento

    Não gosto de cama compartilhada! Porem como meus filhos estao sem quarto,a opcao é eles dormirem com a gente.
    Primeiro: meu esposo dorme com meu filho de 3 anos na cama e eu com o de 1 e 4 meses no chao(claro,num colchao gostoso rsrs)
    Segundo : é PÉSSSSSSSSSSSSIMO!
    Meu filho mais novo é viciado em peito,eu durmo mal , meu esposo dorme mal!
    Sexo quando conseguimos planejar a noite rola…mais se fizer um barulho a mais baba tudo!
    Meus filhos sao independentes e espertos mais conto os dias pra eles voltarem para seus espaços!

  39. Sergio

    Meus queridos e minhas queridas, vejam o que tenho a dizer:

    Meu filho tem 5 anos, eu e minha esposa fazemos o seguinte:
    – Jogamos futebol com ele.
    – Ando de bicicleta com ele na cadeirinha.
    – Ando de caiaque em pleno mar com ele entre minhas pernas, devidamente equipado, nós dois é claro…minha esposa vai de Stand Up Paddle,
    – Brincamos de Lego,
    – Quebra cabeça,
    – Pega – esconde,
    – Apostamos corrida,
    – Faço trilha no meio da mata, antes com ele numa mochila específica, agora ele vai a pé,
    – Estou ensinando-o a pescar,
    – Ele já sabe ler e escrever,
    – Ele é faixa amarela de Karatê e as vezes a gente treina junto,
    -…e …finalmente entre muitas e muitas outras atividades ….nós dormimos todos juntos, todos os dias, no mesmo quarto, em duas camas enormes encostadas uma na outra….uhuuu….SIMPLES ASSIM !!!

  40. Cintia

    olá. sou mãe de um casal também, e os dois dormem com a gente. Eles começam a dormir cada um na sua caminha mas no meio da noite vão pra nossa cama. Eu AMO isso!! A única coisa que me incomoda é que o mais velho vai fazer 4 anos e ainda usa fralda pra dormir. Como fazer pra desfraldar se ele vai todos os dias pra nossa cama? Alguma dica?

  41. Mãe do Pedro

    Teve uma psicóloga que falou para mim o seguinte: Menino que dorme com a mãe tem maior chance de se ‘tornar’ homossexual, por não encontrar na fase adulta uma mulher que supere o sentimento que ele teve para com a mãe na infância… e vice-versa para o caso de o bebê ser menina!
    ABSURDO não???
    Afff

  42. Cris

    Não gosto da idéia, a menos que a criança esteja doente. Acho que a criança fica dependente demais e tira a intimidade dos pais. Já vi marmanjo usando chupeta, como já vi marmanjo dormindo com os pais. É patético. Mas respeito a opinião de todos.

  43. Sara

    Meu bebê de 2 anos dorme no berço dele desde que chegou da maternidade. Hoje ele adora dormir no cantinho dele, quando está com sono, pede pra ir pra lá. Como todas as mães, também tive ocasiões de deixá-lo na nossa cama, mas são situações excepcionais. Eu fui uma criança cujos pais eram como vocês, criaturas cheias de amor, que não suportavam estar separados nem um instante dos filhos. Dormi num quarto conjugado com o dos meus pais até minha pré-adolescência, quando comecei a compreender que os meus pais tinham uma intimidade deles é exigi ter um quarto independente. Posso vos dizer que é muito difícil para os filhos se separarem dos pais, o sentimento de culpa é muito grande, e consequentemente você fica com raiva deles por fazerem você se sentir mal. Essa necessidade de estar junto é dos pais, os filhos não têm essa necessidade. É uma atitude egoísta dos pais não permitirem aos filhos desenvolver sua própria independência e ter a sua própria intimidade. Esse handicap, seus filhos vão levar para toda a vida.

    1. Lívia

      Era esse lado que eu queria ver, de uma pessoa que teve isso quando criança, e quais as consequencias na sua vida. Pq vemos sempre a opinião dos pais sobre o assunto, e só. Obrigada.

  44. Livia

    Não faço cama compartilhada, meu bebê tá com 4 meses e dorme em um bercinho no nosso quarto. Provavelmente faria se fosse solteira ou meu marido não dormisse comigo por algum motivo. Mas acho que dormir com o baby entre nós limita a intimidade e a espontaneidade da relação. Além de que, como nossa cama não é muito grande, quando ele fica entre nós acabo acordando mais do que o necessário. Claro que não vejo problemas em dormir conosco uma vez ou outra, ou tirar o último cochilo da manhã na nossa cama…

    1. Ana

      Não sei o que é mais absurdo no coment da digníssima.. . Chamar as mães que fazem cama compartilhada de preguiçosas, a “praga” que ela rogou ao dizer que “vc vai se arrepender!”, a falta de empatia, de “simancol” ou a ignorância mesmo… só uma ignorante pra vir com todas essas pedras na mão.. aff

Deixe seu comentário