Baixa produção de leite e dicas que estimulam a sua produção

O assunto do post de hoje, aqui na coluna Amamentação, é a baixa produção de leite (real ou imaginária). Em seu texto, bastante rico, a consultora em aleitamento materno, Gabriela Giacheta, elucida dúvidas frequentes sobre esse tema e traz, ainda, dicas que prometem garantir uma maior produção.

Vale a pena ler, se informar, e estar preparada para esse momento tão delicado e importante que é a amamentação de um filho.

baixa producao de leite

Photo Credit: Mothering Touch via Compfight cc

Baixa produção de leite e dicas de alimentos que estimulam a sua produção

Por Gabriela Giachetta

Hoje, estou aqui para tratar de um assunto muito importante e que traz grande preocupação para as mães, principalmente as de recém-nascidos: a baixa produção de leite. Talvez o post fique um tanto longo – me perdoem – mas trata-se de um assunto extenso e que merece ser bem esclarecido e bem detalhado.

Espero que gostem da leitura e que ela seja útil.

Existe baixa produção de leite ou o meu leite pode ser fraco?

Bom, não existe leite fraco. O seu leite é exatamente o que seu bebê precisa e isso engloba desde o colostro até seu leite já maduro. Mas uma baixa produção de leite, também conhecida como insuficiência láctea materna (verdadeira ou falsa), pode acontecer sim. Acontece que na maioria dos casos é uma “falsa insuficiência” e não há praticamente nada de informações cientificamente embasadas sobre uma verdadeira insuficiência na produção láctea.

Essa falsa insuficiência pode ser ocasionada por fatores sociais, nutricionais, psicológicos, afetivos e ambientais que, em conjunto, contribuem para um desmame precoce.

O diagnóstico não é preciso. Atualmente, devemos levar em consideração o bebê quanto ao seu bem-estar, presença e cor da diurese (xixi), evacuações, comportamento, desenvolvimento e ganho de peso (não somente esse).

Mas, dito isso, ressalto que uma verdadeira ou falsa insuficiência láctea materna pode e deve ser evitada e, assim, relacionei abaixo fatores importantes para que você possa prevenir tal situação e, caso esteja passando por ela, dê a volta por cima e continue amamentando seu bebê.

  • mantenha a alimentação irrestrita do bebê (livre demanda);
  • observe se a pega está adequada;
  • não espere o bebê chorar para oferecer o peito (o bebê sinaliza a necessidade de mamar antes do choro), quando chora já esta em um nível maior de fome;
  • não estipule horários para as mamadas;
  • não pule a mamada noturna (a prolactina é produzida em maior quantidade no período noturno e garante uma adequada produção de leite durante o dia) e ofereça o peito livremente ao bebê durante a madrugada, sempre que este solicitar;
  • corte o uso  de drogas (anticoncepcionais orais com estrogênio, nicotina em excesso, entre outros) não são benéficos;
  • não introduza complementos (leites artificiais), com exceção de casos onde o bebê apresente uma real necessidade após avaliação de um pediatra confiável e que seja a favor do aleitamento materno (não pasmem, isso esta difícil);
  • não ofereça bicos artificiais (chupeta e/ou mamadeira) e, caso queira oferecer, evite nas primeiras semanas de vida;
  • descanse e alimente-se de maneira saudável, mantendo uma grande ingesta de líquidos (de 3 a 4 litros) e uma dieta equilibrada.

Mas, afinal de contas existem algo que se possa fazer para aumentar a produção de leite?

Bom, a mulher que pariu e vai alimentar uma vida através de seu leite, a qual chamamos de nutriz ou lactente, precisa saber que irá sentir muita sede durante as mamadas, pois é através desse ato que a puérpera irá passar por uma perda hídrica, principalmente nos primeiros dias após o parto. Dessa forma, recomendo que tenha sempre disponível durante a mamada água, chá ou suco. Oriento também para que deixe em cada cômodo da casa que irá amamentar garrafinhas com água.

Outro ponto importantíssimo é manter as seis refeições diárias (desjejum, lanche da manhã, almoço, lanche da tarde, jantar e ceia) e beber muita água nos intervalos delas. Existem casos especiais como, por exemplo, puérperas com pressão alterada onde a ingesta de líquidos vai ser controlado pelo médico (cardiologista, geralmente), mas esses casos são a exceção.

Hábitos como o fumo (diminui produção láctea), ingestão de café (a cafeína pode deixar bebê irritado e com dificuldade em dormir), consumo de álcool (leva ao baixo ganho de peso) e ingestão de certos medicamentos também devem ser amplamente evitados.

Alimentos como alho, brócolis, nabo, cebola, couve, por exemplo, devem ser consumidos sem excessos já que podem alterar o gosto e o odor do leite. Entretanto, caso a mulher tenha consumido durante a gestação, a aceitação do bebê tende a ser tranquila uma vez que já esta acostumado com esses sabores e odores que passam através da placenta.

Existem, ainda, alimentos chamados de “formadores de gases”e estes devem ser consumidos com atenção, observando-se a reação do bebê (se causam mais gases ou cólicas). Entre esses alimentos estão, principalmente, o feijão (quando não é deixado de molho antes de cozinhar), os refrigerantes, os alimentos que ao serem preparados “misturam” ar , como suflês e merengues. Importante: todo e qualquer alimento que a puérpera ingerir pode ou não interferir no bem-estar do bebê. O que devemos fazer é observar e excluir o alimento da dieta, caso necessário.

Não existe um alimento específico que aumente milagrosamente a produção de leite. O que existe é uma dieta balanceada, rica em alimentos que lhe ofereçam muita energia, pois o gasto calórico é grande durante a amamentação. Já vi puérpera viciada em leite, tomando litros por dia e o resultado era um bebê que estava recusando-se a mamar, sentia cólicas absurdas.

Oriento manter frutas secas próximo de onde amamenta, já que muitas vezes a fome não perdoa e você não consegue sair para buscar algo na cozinha, por exemplo.

E devo ressaltar que nossa cabeça é tudo e quando se trata de amamentação existem culturas fortíssimas como a canjica, por exemplo. Isso é uma demonstração de que se você acreditar, você pode. Não subestimo a canjica não, rsrsrs. Mas a cerveja preta discordo, pois é bebida alcoólica, lembre-se disso.

 

Se você apresentar uma “falsa insuficiência láctea materna” lembre-se sempre de:

  • aumentar sua ingesta hídrica;
  • descansar e alimentar-se bem;
  • deixar o bebê sugar o máximo que ele quiser (a sucção é o melhor estímulo para aumento da produção de leite, sendo assim, coloque seu bebê mais vezes para mamar e/ou estimule através de ordenha manual ou com bombinha de ordenha adequada no intervalo das mamadas);
  • consumir chás naturais com a função de auxiliar na melhora da produção láctea (funcho, hortelã, erva-doce, melissa);
  • não oferecer bicos artificiais;
  • experimentar tratamentos alternativos como acupuntura;
  • confiar em você mesma;
  • procurar apoio emocional;
  • lembrar-se, SEMPRE, que peito não é estoque, é fábrica, e que 80% da produção ocorre quando seu bebê está mamando.
  • falar com seu médico e questionar sobre medicações homeopáticas e alopáticas que podem ser utilizadas para estimular a produção de leite.
  • Colunistas MdM - amamentacao

15 comentários

  1. flávia

    O difícil é descansar. Qdo ele me deixa dormir meu peito enche logo. Mas se de madrugada mama a cada 2h chego de manhã sem leite…

  2. Élem

    Puxa… Hoje estou em um dia difícil. Meu bebê tem 4 meses e meio e meu orgulho de dizer que ele só mama tá indo pro ralo. Ele está com dificuldade paz dormir durante o dia (nem soneca) e hoje dei água e tentei dar leite artificial. Água ele achou ótimo e a mamadeira não rolou. Fiquei secretamente feliz mas imaginei que posso estar com pouco leite e ele com fome. :(

    1. Sâmia

      Élem, seu bebê pode estar passando por um pico de crescimento, um salto de desenvolvimento, eles ficam um pouco mais “difíceis”nesses dias, depois de uma semana mais ou menos as coisas tendem a voltar ao normal…seja persistente!

  3. Juliana

    passei pó isso quando Meu segundo nasceu. Tinha pouco leite e Ele estava perdendo peso. Fiquei assustada pois o primeiro mamou até os dois anos arm problemas. Fiquei desesperada, chorei muito mas não desisti e ainda continuo. Tive que dar formula Por 5 dias mas sempre oferecia o peito e no intervalo tirava com a bombinha pra estimular a produção. Meu Filho está com quatro meses e tb quase não tira sonecas, mas isso pq ele é muito ativo e saudavel. Amo amamentar e vejo os Frutos em meu filho mais Velho. Sou super a favor da livre demanda

  4. Eli

    Quando estava amamentando e o fiz ate meu bb ter 1 e 2 meses notava que meu leite aumentava sempre que comia lentilha ,comigo deu super certo para quem quiser tentar mau nao vai fazer alem do que a lentilha e rica em ferro e outras vitaminas que fazem super bem #ficadica

  5. Tatiana Cali

    Alfafa, alfafa, alfafa!
    Além de ser uma delicia, o broto de Alfafa é alimento vivo. Aumenta a saciedade e a produção do leite!
    Fica a dica!
    Bjs,
    Tati.

  6. Edmée Milcent

    Muito boas as dicas, mas gostaria de sugerir que vocês abordassem o assunto inverso, quando se tem excesso de leite. Pois isto também se torna um problema, tanto pro bebê que tem dificuldades de mamar devido a quantidade de leite que jorra em sua boquinha, quanto para a mãe que vive com as mamas cheias de leite. Eu estou passando por isso agora e achei poucos sites/blogs que abordem o assunto.

  7. Élem

    Obrigada, Sâmia. Tô tentando!
    Onde moro não tenho como testar a alfafa.
    Que coisa… quase um sonho ter o problema da Edmée.

  8. Glaucia

    Ótimas dicas. Estou gravida de gêmeas, é minha segunda gestação. Na primeira tive um menino e acreditava que tinha pouco leite. Hoje vejo que tudo não passou de insegurança. Agora com as duas vou amamentar exclusivamente.

  9. Gabi

    Estou passando por isso no momento. Minha filha mama e dorme no peito. Coloco ela no berço e em no máximo meia hora depois ela está chorando, querendo o peito. Sou super a favor da livre demanda, mas assim não está dando. Não tenho tempo para nada, não durmo, não descanso e meu leite não está mais descendo com a mesma frequência. Hoje dei fórmula pois ela estava chorando de fome e nada de leite, meu coração partiu :(
    Vou tentar essa técnica, espero que resolva pois quero muito que ela mame exclusivamente no peito.

  10. Camila Eduarda

    Lá pelos 4 meses de vida da Maria, quando achei que iria estabilizar a produção de leite, descobri um refluxo por hiperlactação, o que deixava minha filha extremamente irritada e mamando de hora em hora. Minha pediatra fez cara feia quando falei, fui em outro, também torceu o nariz. Como as medidas para tratar/evitar eram simples cuidados após as mamadas, decidi me virar sozinha. Como nossas vidas mudaram!
    Mamães, saibam que tanto a baixa produção como o leite em excesso podem trazer dificuldades para nossos pequenos. Acima de tudo, devemos confiar na nossa capacidade de amamentar e estar preparadas para todos os percalços que encontraremos nessa caminhada.
    Minha dica: açai, sempre foi meu aliado.
    Beijos

  11. Ivana

    Então, minha 2ª filha está com 2 meses, qd nasceu mamava somente 6 minutos em apenas 1 peito, se mamasse mais vomitava o excedente, assim no começo eu tinha bastante leite. Agora ela tem mamado normalmente e como está muito quente, dou o peito livremente e com isso às vezes sinto meu peito super/ mega murcho e parece que ela fica com fome. Uma amiga me deu a dica de tomar suco de caju e deu super certo, meus peitos estão bem cheios, pinga sem parar e chega até a doer. Pode ser coisa da minha cabeça, mas funcionou…. Não custa tentar.

  12. Ivana

    Vcs já tentaram suco de caju, comigo está dando super certo. Experimentem ….

  13. fernanda

    olá estou passando pelo mesmo que vc passou… meu filhote tem 2 meses hoje ainda mantenho a sondinha de medo dele largar o peito, tenho baixa produção já tentei de tudo,mais sou muito ansiosa acho que deve ser isto que atrapalha tanto….gostaria de saber qual mamadeira vc usou?

    1. Shirley Hilgert

      Usei Avent. bjs

Deixe seu comentário