Mãe de primeiro filho

Certa vez, antes do Leo ir para a escolinha, eu fui visitar algumas do meu bairro para avaliá-las antes de fazer a escolha. Lembro que numa delas, onde fui muito bem recebida e conversei por horas com a coordenadora, ela me questionou: “é seu primeiro filho?”

Na hora, eu respondi “é”, e pensei “mas que diferença faz isso? Por que essa pergunta agora?”.

Mas segundos depois me caiu a ficha, me toquei porque ela estava fazendo a pergunta. Ou melhor, me toquei o que eu estava fazendo que havia levado-a a confirmar suas suposições fazendo essa pergunta.

Photo Credit: dogwatcher via Compfight cc

Photo Credit: dogwatcher via Compfight cc

Na entrevista que eu fiz com a coordenadora da escola eu fui super, hiper, ultra, master, blaster metódica. Questionei tudo tim tim por tim tim. Queria saber dos mínimos detalhes, de todos os cuidados que a escola tinha com as crianças e falei bastante sobre o meu filho, explicando direitinho como é que eu o tratava em casa e como esperava que ele fosse tratado lá (um tanto quanto exagerada, devo confessar).

É claro que tanto zelo, tanto cuidado, tanto mimimi da minha parte só poderia traduzir uma coisa: era meu primeiro filho. Não que a gente não tenha zelo e cuidado com os demais, muito menos tenha menos amor, mas é que a gente relaxa mais com o segundo ou terceiro (quarto, quinto então… afff!). E a gente relaxa mais até com o primeiro, conforme ele vai crescendo.

A bem da verdade é que, no nosso início de maternidade do primeiro filho a gente fica histérica, neurótica, pirada da batatinha. Queremos cuidar e proteger nossos pequenos de tudo, esquecendo que muitas das coisas que a gente evita a todo custo são, na verdade, bem normais e muito pouco representam perigo para as crianças.

Há poucos meses, meu sogro comentou rindo: “Shirley, quem te viu, quem te vê. Quando o Leo nasceu você era neurótica, hoje tem horas que até eu me surpreendo com as coisas que você faz” (referindo-se ao meu conceito de vitamina S, de “sujeira”, que vira e mexe eu digo ser super saudável para o Leo).

E aqui não estou criticando ou julgando as mães que cuidam com extremo zelo dos seus filhos, até porque eu fui e sigo sendo muito zelosa com o Leo e sei que até terei uma crise de neurose quando o Caê chegar. Só estou querendo dizer que vocês, recém mães de primeiro filho, podem ficar tranquilas que um dia vocês vão sim relaxar, vão levar as coisas mais na boa, menos a ferro e fogo e vão curtir mais a maternidade do que se preocupar com ela.

Claro que, como eu disse, o cuidado e o zelo sempre estarão presentes, mas de uma forma mais amena, mais natural e leve. Com menos histeria se o brinquedo que vai para a boca ou se a colher caiu no chão, com mais desejo que seus filhos sejam pegos, carregados e beijados e com muito menos vontade de surtar por qualquer coisinha que saiu errado.

Eu nem tive o segundo filho ainda para dizer que no segundo a gente relaxa bem mais. Mas só pelo que estou vivendo na gestação, comparando-a com a gestação do Leo, já dá para sentir isso. E até mesmo com o próprio primeiro filho a gente também dá uma boa relaxada, pois sabe que eles não quebram no primeiro tombo nem desmancham a primeira dor de barriga. E tudo isso é natural e faz parte da vida.

10 comentários

  1. Karine

    Shirley acho engraçado que lá em casa quem ficou neurótico com tudo que envolve o Hugo foi meu marido. Lendo sua publicação vi retratadas as atitudes dele, ri muito. Sempre fui mais tranquila e relaxada…e ainda pedia pro meu marido relaxar…kkkk Hj ele está mais tranquilo!

    1. Aninha L. L. C. Kiyohara

      Karine, fique tranqüila q aki em casa é igual. Meu esposo é anos luz mais preocupado q eu. Conversamos muito sobre isso, sempre peço pra ele relaxar e curtir mais o momento.

  2. Bianca

    É bem assim! Tbm senti isso ainda grávida do segundo e está sendo tuudoooo muito mais tranquilo, mais leve. Heitor me permitiu viver a maternidade de forma mais segura e serena. Eu desejo tudo de melhor pra você nessa nova fase. Desejo que realize com Caê tudo que não conseguiu com Léo. Eu consegui dormir até às 8h (Pedro acordava às 6h em ponto rss… e ainda acorda às 7h no máximo), consegui amamentar exclusivamente até os 5 meses (Pedro saiu da maternidade com a mamadeira), minha bolsa rompeu, senti contrações, entrei em trabalho de parto. Que máximo!!! Na primeira vez tive insuficiência placentária e fiz uma cesária de emergência, meu bb ficou 9 dias na UTI. Imagina o cuidado que tive com esse, bb!? rsrs. Nossa … como a segunda experiência me fez bem! Eu digo que Pedro foi minha REALIZAÇÃO e Heitor minha SATISFAÇÃO. Eu queria 3 filhos, hoje me sinto realizada e satisfeita com meus dois príncipes e minhas duas experiências.

    1. Macetes de Mãe

      Obrigada pelo carinho, Bianca!
      Bjss

  3. Maristela Franciosi Rodrigues

    Nossa eu só fiquei neurótica com 2 coisas: não queria visitas nos primeiros dias da minha filha por causa da imunidade baixa dela e sempre tem aqueles que querem beijar os recem nascidos… e també surtava quando alguem pegqva ela no colo e saía de perto de mim sem me avisar! Mas com o resto eu fui bem tranquila, meu marido eh mais encanado, rs

  4. Isis Strack

    Puxa! Comigo foi o contrário! Teve coisas que com a primeira não me importei, mas fui me importar com a segunda!!! Por exemplo, a primeira eu deixava toda visita pegar sem neuras, e com a segunda eu ficava reparando se a pessoa ia passar o álcool nas mãos, que ficava ali quase que piscando na sala… com a primeira eu saia de casa bastante, com a segunda preferi esperar começarem as vacinas… e por aí vai! Acho que me senti muito relaxada com a primeira e depois tentei me consertar com a segunda, rs.

  5. Tatiana Monteiro

    Shi, é bemmm isso! Com o tempo a gente vai relaxando… e hj a “vitamina S” tb entra aqui em casa… kkkkkkkkkk

    Bjs!!

  6. Ludmila

    Aii como é engraçado ne…eu sempre fui mais tranquila mas isso de beijar o bb recem nascido pegar n maozinha……é de doer o coração da mae…ihh levar pra longe de mim nunca deixei eu ia atras quando eu dava no colo…..o que nao gosto é criança querendo pegar mas tenho 74 sobrinhos mais 1 do meu marido entao tive que deixar mas acho mto chato isso……as fotos nao ficam legais e bom depois de maiorzinho…… temcoisa que nao da pra arredar o pe ja outras…..é mais suce mas como sou suce entao acho que quando tiver o segundo vai ser igual

  7. Tiemy Rocha

    Parabéns, pelo site estava aqui acordada de madrugada tentando fazer meu Leozinho arrotar que sempre muito demorado por curiosidade e necessidade fiz uma pesquisa na internet na melhor posição para fazer o bebe arrotar e entrei no macete de mãe, peguei e fiz na mesmo minuto um arroto de gente grande, por fiz questão de deixar esse comentário de agradecimento. Adorei vou frequentar bastante a site, ja vi que tem muito assunto bacana e como sou mãe de primeira viagem toda dica é muito bem vinda.

  8. Bárbara

    Estou na fase de pesquisar escolinhas e, por consequência, desesperada por medo de não confiar em nenhuma nem ninguém… Sempre leio os posts, me ajudam muito em diversos assuntos, também sou mãe de primeira viagem.

Deixe seu comentário