Repórter trabalha com o filho no colo – o que isso nos diz

Ontem, navegando pela internet, me deparei com uma notícia que me fez parar o que estava fazendo para lê-la. A manchete dizia: Repórter egípcia trabalha com o filho no colo. Na hora, quis saber do que se tratava.

O que aconteceu foi que a repórter do canal de TV privado On TV, Lamia Hamdin, foi fotografada com o filho nos braços enquanto gravava entrevistas com nas ruas do Cairo. Segundo ela, isso só ocorreu porque seu filho estava doente, ela teve que pegá-lo na creche e, naquele dia, ainda precisou trabalhar mais do que o normal.

reporter trabalha com o filho no colo

Imagem: http://www.bbc.co.uk/

 

De cara, essa notícia mexeu comigo, pois deixou claro o sacrifício que essa mãe teve que fazer para não deixar a peteca cair, cumprindo as obrigações do seu trabalho e, ao mesmo tempo, cuidando do seu filho. Coisa que se parece bastante com o que um sem número de mães vive quase todo santo dia.

Só que enquanto eu me sentia tocada pelo que acabara de ler, me deparei com os comentários que algumas pessoas fizeram criticando o ato da Lamia, falando da sua falta de profissionalismo e pedindo, inclusive, a sua demissão.

Nessa hora, só pensei: para o mundo que eu quero descer.

Essa mãe teve que se desdobrar para atender o filho que precisava dela e não deixar seu trabalho na mão. Para mim, isso foi uma prova de extremo profissionalismo, e não o contrário. Ela poderia, simplesmente, ter deixado o trabalho de lado para atender seu filho. Ou então, ter deixado o filho que precisava dela para cumprir com as suas obrigações profissionais. Ou seja, ela poderia simplesmente ter falhado com um deles, mas não o fez.

Para mim. Ela fez milagre. Ela se dividiu e deu conta das duas coisas e isso mostra o quão guerreira é essa mulher e o quanto ela se parece com muitas de nós, que fazemos milagres parecidos quase todo santo dia.

Para mim, a imagem dessa mãe com o filho no colo enquanto cumpre com suas obrigações profissionais foi quase reveladora. Ela escancara as dificuldades que nós, mulheres, experimentamos depois que adentramos a maternidade. Ela deixa claro que nós não temos, muitas vezes, o direito de escolha e a nós cabe a obrigação de dar conta de tudo e, ainda por cima, sofrer com as ferrenhas críticas que nos são feitas.

Mesmo que a grande maioria de nós não chegue a levar o filho nos braços para o trabalho quando ele precisa da gente, leva na mente e no coração, sofrendo por ter que deixá-lo ao cuidado de outra pessoa. Ou então, sofre por deixar o trabalho em segundo plano, sem ter certeza se no dia seguinte, quando retornar, o cargo ainda estará lá, a disposição dela.

Para mim, fica muito claro porque essa notícia, aparentemente banal, tornou-se manchete em diversos jornais do mundo: porque na Lamia há um pouco de cada uma de nós. Há um pouco do nosso sofrimento, dor, dúvida, temor, cobrança, entrega e dedicação. Porque ali, naquela imagem, fica claro que não há ninguém por nós. Que quando a coisa aperta, somos nós que temos que abrir mão e até colocar as carreiras em risco pois dificilmente o homem, o pai, vai assumir uma responsabilidade que é tida como sendo intrínseca à mulher.

Cada vez mais eu tenho certeza que não é fácil ser mãe. Não é fácil ser mãe e profissional. Não é fácil equilibrar os pratos.  E isso foi escancarado hoje, nessa imagem da Lamia Hamdin

Notícia divulgada no site da BBC Brasil.

 

17 comentários

  1. Libna

    Super entendo essa mãe! Semana passada meu filho teve uma crise alérgica horrível e precisei trabalhar de casa com ele no colo, controlando febre, respondendo emails. Loucura total! Apesar de trabalhar em minha própria empresa, o que é vantagem para pessoas desinformadas que pensam que a vida é mais fácil, sempre que ele fica doente e não pode ir a creche passo por isso. Só quem é mãe, entende!

  2. Andressa

    Nossa, super entendo….. Acho que esta mãe está de parabéns!!!!!

  3. Izabela

    Eu super me identifico, pois meu filho tem problemas respiratórios (bebê chiador) e é alérgico e não tenho com quem deixá-lo, já trabalhei muitas vezes nesse 1 ano com ele nos braços, e agora a médica pediu pra afastá-lo por 30 dias da escolinha, abri mão do meu trabalho e por sorte consegui fechar com meu chefe pra prestar serviços à empresa em home office, não está sendo nada fácil, mas estou conseguindo cuidar do meu pequeno, sem deixar de lado minha profissão… Só quem passa pela situação entende!

  4. Danielly

    Nossa me vejo nessa mãe…guerreira!

  5. Edjane Oliveira

    Lembrei daquele relato que você fez aqui outro dia da mãe na escola do Leo que tentava deixar o filho doente, mesmo a escola não aceitando. É uma barra conciliar todas essas nossas múltiplas atribuições de mãe/profissional/mulher.

    1. Karine

      Esses dias me lembrei desse relato tb. Meu filho estava doente e eu nao tinha com quem deixar, levei ele pra escola, temendo que fosse acontecer comigo o que aconteceu com aquela mãe. Ele estava com crise alergica, não passaria para outras crianças, mas mesmo assim temi.

  6. Clarissa

    Adorei a reflexão sobre a notícia, Shirley! Essa imagem representa a maternidade atualmente! Somos que nem bombril, 1001 utilidades, hehehene!

  7. Jaqueline

    Texto perfeito!

  8. Nagela Cardoso

    Estou me ACABANDO de chorar com o seu texto. Por estar com o filho doente em casa e sem a certeza de quando eu voltar, terei o meu trabalho de volta. Fazia tempo que eu não aparecia por aqui! Cheguei e me deparei com um textos deste!!

    Shirley, as vezes acho que vc é uma enviada de Deus sabia?

    Obrigada pelo texto e eu vou continuar tentando equilibrar os pratos!!

    Um super beijo

  9. Sabrina

    Post maravilhoso, atitude maravilhosa… Você conseguiu transformar em palavras o sentimento de todas as mães que sofrem diariamente por terem de se dividir entre trabalho e filhos… Parabéns pelo belíssimo texto e parabéns à Lamia pela coragem e profissionalismo.

  10. Márcia

    mães sempre mães…o filho em primeiro lugar….se desdobram pra dar conta de tudo …e ainda sofrem cm comentários maldosos….

  11. Priscila

    Guerreira mesmo! Um exemplo.

  12. Alessandra

    Shi, amei seus comentários, super concordo com vc!!!

  13. Débora

    Há um pouco de Lamia em mim, e certamente há um pouco de mim nela. #elamerepresenta

  14. Flávia

    Minha filha trabalha todas as manhas comigo no escritorio. A tarde vai para a aula. Acho que tenho sorte por isso, pois posso cuidar eu mesma dela nesse periodo, acompanhar seu desenvolvimento. Mas tambem é pesado, tem dias que estou muito cansada…

  15. Karen

    Emocionante…essa mulher realmente é uma guerreira, como todas nós! Seu texto foi lindamente escrito, mostrando a realidade de nós, mães, que estamos sempre, como ela, tentando dar conta de tudo. Parabéns pela sensibilidade em suas palavras

  16. Denise

    Sei como é, trabalho, moro com o pai da minha filha e sou mãe de primeira viagem e todo mundo me crítica pelo simples fato de trabalhar, imagina se eu a levasse comigo nas aulas (sou professora de matemática)! Tenho 22 anos e agem como se eu tivesse 15 e fosse uma pessoa estúpida e incapaz de lidar com minhas responsabilidades, mas adivinha? A pediatra só me elogia pela saúde e desenvolvimento da minha filha, minha casa está limpa, geladeira cheia, meus bichos cuidados e meu trabalho vai de vento em pompa! As pessoas julgam as que têm mais coragem que elas! Aquelas que arriscam um pouco mais e que testam os seus limites são recebidas por comentários e ofensas denegrindo todo o esforço e dedicação feito, não sei se é por recalque, por querer justificar seu comodismo, só sei que eu não me arrependo de escolher pela vida que vivo e vou dar sempre esse exemplo de coragem e determinação para minha filha!

Deixe seu comentário