Nossa eterna luta para “consertar” aquilo que não podemos controlar

Uma coisa que me pira na maternidade também é uma das mais comuns e corriqueiras dessa experiência: a luta contra tudo aquilo que não podemos controlar. Sim, porque ser mãe é perder o controle. Perder o controle de um monte de coisas que antes era organizadas, previsíveis, padronizadas. Quando um filho nasce, ou melhor, até mesmo antes dele nascer, descobrimos que não temos mais o controle de tudo. Só que a gente descobre isso, mas não aprende isso.

Falo por mim, e por um monte de outras mães. Falo isso por todas as mães que sooooooofrem por aquele monte de coisas que está acontecendo com os filhos, sobre as quais elas não podem fazer muita coisa, mas seguem tentando fazer, resolver.

controle

Photo Credit: Neticola via Compfight cc

Quer alguns exemplos? Cae mama mal. Caê mama pouco. Por mais que eu faça, insista, tente, ofereça o peito, troque a fralda e ofereça de novo, dê uma andada e ofereça mais um pouquinho, ele insiste em não mamar. Ele mama pouquinho e assim é mamada após mamada. Mas isso me pira. Porque eu vejo o meu pequeno não ganhar peso como seria o ideal e acabo ficando preocupada, estressada, pirada, neurótica.

Outro exemplo? As doenças dos pequenos. Tem muito pouco que a gente possa fazer para realmente curar nossos pequenos quando eles pegam alguma doença, virose, alguma coisinha. Claro, tem as coisas que a gente pode fazer para melhorar, ajudar passar, mas curar de uma hora para outra, de um dia para o outro, isso a gente não consegue. Mas as gente segue querendo, segue tentando, segue sofrendo porque não os vê bem (sabe aquela coisa de querer tirar com a mão? É isso que no fundo a gente quer).

Seria tão mais fácil se nós, mães,conseguíssimos olhas as coisas que fogem ao nosso controle e simplesmente pensássemos: poxa, faço o que posso, mas se não dá, não dá. Paciência. Vou aguardar, em paz, esperar passar e melhorar e até lá vou curtindo o resto que tem de bom.

Mas quem disse que a gente consegue? Parece que a gente foca naquilo que está ruim, complicado, encebado e só tem isso em mente. Bom, pelo menos eu sou assim. Fico encafifada com as coisas que “não estão certas” e sofro por elas, me martirizo, fico buscando explicação, tentando entender e resolver.

Juro que estou me policiando, me controlando, pensando positivamente, tentando colocar as coisas sob uma nova perspectiva e tentando me controlar, mas nem sempre é fácil. Tenho uma tendência enorme ao controle e aí, quando vejo algo sair do controle, dá aquela piradinha básica.

E sei que muitas de vocês também são assim. Querem a rotina, a saúde, o bem estar, o dia a dia dos seus pequenos na mais perfeita paz, fluindo harmoniosamente, sem nada de errado, só que nem sempre é possível. Muitas vezes o pequeno chora de mais e a gente não sabe o que é, dorme de menos e a gente não entende o motivo, não se alimenta como deveria e a gente também não compreende e por aí vai.

Meu conselho, nessas horas, é o que estou tentando fazer por aqui: fazer o possível, tentar tudo que está ao meu alcance, e relaxar quanto ao que foge ao meu controle. Vou até onde dá, até onde posso fazer algo. Tento ser criativa, inventar alternativas, tentar essa ou aquela opção. Mas depois de um certo ponto, agora tento é relaxar. Entregar nas mãos de Deus, como se diz, e ter paciência para ver a coisa se resolver sozinha.

Vocês entenderam o que eu quis dizer? Nem sei se consegui ser clara o suficiente nesse texto, mas precisava desabafar um pouco sobre isso, para tentar me ajudar e, quem sabe, ajudar também outras mães, que estão também naquela fase um pouco doidinha, pensando que isso ou aquilo não está legal, devia estar diferente, poderia estar melhor (Cae está há um bom tempo mamando mal e também doentinho. Duas coisas que fazem muito mal à gente, né?).

Com vocês também é assim? Me contem. Estou curiosa para saber. E o que vocês fazem para se ajudar?

29 comentários

  1. Melissa

    Como mãe sofre. É bem por aí, mas fazemos o que é possível. Meu Erich ficou também gripadinho e era de cortar o coração as tossinhas q

  2. Tammy

    Olá! Aqui em casa sigo a mesma linha! Não sou do tipo que relaxa e deixa fluir. Mas tenho sorte porque a minha bebê é calma, mama bem e etc. Sou do tipo que fica encucada e perde noites de sono focando no problema que não tem solução… Minha solidariedade! Bjs e melhoras para Caê.

  3. Gabriela

    Seus posts me acalmam… Sinto que não estou nesse barco sozinha.. Estou na fase de tirar a chupeta… Está sendo um grande drama pera meu pequeno.. Ele tb está com bronquite.. Se alimentando mal… E eu grávida de seis meses!!! Enfim surtando… Mas sigo infinitamente tentando com todo meu amor de mãe!!??

  4. Camila

    Aiii entendi bem cada palavra. Assim que o Felipe nasceu eu pirei com a amamentação e com as cobranças de todos, ele mamava muito mal e berrava de fome, perdeu todos os kgs que podia e ai entrou no LA. Me senti a pior mãe do mundo..mas depois de um tempo, relaxei. Graças a Deus, hoje com quase 6 meses eu ainda não sei o que é a agonia de ve-lo doentinho, mas estou aqui na super agonia, neura, tristeza de ter que voltar a trabalhar e deixar ele no berçário… Só tenho mais uma semana com meu príncipe e estou naquele mix de sensações de querer trabalhar mas ao mesmo tempo querer ficar em casa!! Quem disse que seria fácil!!

  5. Letícia

    Nossa, esse post caiu como uma luva. Estou passando exatamente por isso: não ter controle das coisas e querendo tudo em seu lugar.
    Não está nada fácil aqui… minha segunda filha faz 2 meses essa semana e é completamente diferente da minha primeira, de 7 anos, quando bebê. Ela fica o dia TODO no peito e no meu colo, não dorme e assim vão os dias… só dorme se esta no meu colo ou na cama comigo, não consigo fazer mais nada, nem dar atenção para a maior.
    Como estou sofrendo por não conseguir relaxar, até tento, mas como é difícil…
    (Quase fiz um post maior que o seu ? – desabafar é preciso)

  6. Tassia

    Nossa, esse texto veio exatamente no momento que estou passando. Estou gravida de 39 semanas e 5 dias, prestes a parir, aí minha filha e eu ficamos resfriadas, eu ainda contorno, mas e minha filha q está com febre, tosse, vômito, não quer comer?? E se o BB resolve nascer? Terei que deixar ela doente em casa para ficar no hospital, além de ser a primeira vez que ficaremos longe tanto tempo uma da outra, deixá-la doente me destrói o coração. Além da preocupação com o filhote que está por vir que terá contato com a irmã doentinha. E o q eu posso fazer?? Rezar pra que tudo se ajeite por aqui, pedindo que até o nascimento do Davizinho, a irmã esteja 100%. Obrigada pelo texto.

  7. Luiza

    Nossa meu baby nem saiu da minha barriga e ja tenho alguns pensamentos assim: será que ele esta bem, sera que ficar deitada desse lado e ruim nao é, se que esta crescendo direitinho. E na verdade meu marido me lembra que não tem muita coisa que possa fazer, só dormir bem, me alimentar e bem e esperar por cada ultrassom pra ter certeza que esta tudo bem! rsrsrs muito dificil não poder fazer muita coisa…

  8. Gabriela

    Ser mãe e padecer no paraíso como diz o velho ditado! De fato não e fácil querer controlar tudo e todos… Crianças, casa, marido, trabalho, nosso pensamentos… também sofro muito com isso! E confesso que na maioria das vezes não sei como lidar com as frustrações que essas situações trazem. Muitas vezes acho que sou um ET maluco, lelé da cuca, pirado, gardenal total, que decidiu encarar a mais árdua das missões ! Rsrsrsrs! Mas sabem de uma coisa, tirando o que ta ruim, fica bom! Tenho tentado pensar positivo, que a a tosse alérgica da minha pequena vai passar com o tratamento dado pelo pediatra, que aquele maxucadinho na perninhas dela vai deixar a lembrança de quão peralta ela é, que as noites mal dormidas serão lembradas com saudade pelo simples fato de saber que foi por ela e para o bem estar dela, que a casa decorada por ela foi a mais linda das casas que já morei, que minha escolha de amamenta-lá até os dois anos (por mais críticas que eu receba), foi a melhor e mais importante da minha vida, que as doenças que aparecem nela servem também para lhe trazer mais resistência e que toda essa bagunça que se tornou minha vida foi a mais organizada e perfeita escolha que já fiz! E assim a vida segue… Com altos e baixos mas com a certeza de que fiz o meu melhor, que me doei além do que posso!!!

  9. Carolina Lopez

    Meu Lipe de 5 meses não dorme bem!
    Fico triste e tento de todas as formas ajudá-lo…. faço o q posso…
    sonecas curtas e noites agitadas… enfim, logo passa! Tenho fé.

  10. Erika

    Me sinto assim.. frustrada muitas vezes… pq a maioria das coisas fogem ao nosso controle.. eu sou virginiana. Perfeccionista.. pensa no meu sofrimento diário… levo tudo pra terapia… isso tá me ajudando um pouco… vivo insatisfeita. Tensa. Preocupada. Estressada. E sempre é por algo que está acontecendo com o João. E algo que não posso resolver.. que não posso definir… é muito complicado esse negócio de ser mãe.. as vezes me pergunto se todas são assim.. acho q não.. pq sempre vejo algumas por aí tão cuca fresca, tão relaxadas.. mas sei que não ia conseguir ser assim…
    Enfim.. peço a Deus.. força, coragem… pq têm dias q estou bem maluca!! Rss☺☺

  11. Ludmila

    SUPER me identifico…….piro principalmente com SONO E ALIMENTAÇÃO…confesso que com o soninho dela desesncanei total…..sofri mto mas agora tudo bem….tem dias que ainda fico preocupada e nervosa….como assim nao quer dormir?? mas tbm penso tudo bem uma hora dorme……..e alimentação ainda to na neura comia super bem ate um ano depois ficou mais seletiva logico diminui a quantidadade(logico pq diminuem o cresimento) mas essa semana passada nao quis comida so na sexta dai sabado ja nao quis comer mas dai jantou super….e ontem comeu melhor….mas tbm to começando a desesncanar tbm….ja vi que nao adianta forçar e nem sofrer,,,,,,mas isso tudo e vdd…

  12. Isabella

    Sei exatamente como e isso!!! Passo por uma situação parecida, a minha pequena não ganha peso como deveria, apesar de mamar muito! Ela mama no peito e por conta do baixo peso inserimos fórmulas, que nao engordaram a pequena. Agora comecei a IA um pouco antes da hora pq voltei a trabalhar e o peso dela não e la essas coisas. Ja perdi noites de sono tentando entender o que eu tava fazendo de errado ou se ela e doentinha e eu tava sendo displicente. Fizemos exames pra descartar anemia e infecção, tirei leite da dieta pra ver se era aplv, fiz de tudo!!! E ela não tem nada de errado! Os exames estão ótimos, ela mama muito e tem aceitado muito bem as papinhas. So não engorda… Ta cada dia mais longe do gráfico… Mas, fazer mais o que? Tentar relaxar, rezar e ir trabalhar pra ver se a cabeça se ocupa com outras coisas e a piraçao passa! Pq tudo passa nessa nossa vida de mãe! ?

  13. Monica

    Perfeito! Me sinto exatamente assim. Agora estamos passando por uma bronquiolite e como está difícil! Que impotência. Ver seu filho com febre, tosse, sangue no narizinho e poder fazer tão pouco! Fico bem triste e me questionando se estou fazendo as coisas certas!

  14. Tatiana

    Me identifico demais com seu post. Como nós sofremos né?! E só nós para entendermos o que é esse turbilhão de sentimentos, às vezes meu marido olha para minha cara assustado, e pergunta o que foi? Ah se eu conseguisse expressar em palavras todas as dúvidas, angústias, medos, inseguranças, alegrias …
    Se dorme pouco achamos um problema, se dorme muito também, se come pouco nos preocupamos mas se come muito também. Hj o cocô está mais mole, mais verde …. Enfim vivemos dia a dia querendo o melhor para nossos pequenos.
    Eu resolvi relaxar um pouco também, senão deixamos passar os melhores momentos e logo estarão grandinhos.
    Beijo e continuamos na luta?

  15. Daiane

    Perfeito!! Ontem pensava exatamente isso, pq um dia, o sono, a mamads não é igual ao outro?! O que eu faço de errado?! E me martirizo nas buscas por essas respostas….
    Obrigado por nós mostrar que não estamos sozinhas..

  16. Juliana

    Amo seguir você, mostra o lado verdadeiro das coisas, nada de fingir que tudo é lindo e maravilhoso e que os filhos são exatamente como queremos. É bom saber que todas as nossas loucuras são comuns nesse mundo caótico que é a maternidade. Parabéns pelo trabalho, sigo desde que minha filha nasceu e já me ajudou muito em muitas dúvidas

  17. Jacqueline

    Shi, primeiro, um grande abraço, pq sei que a gente sofre mesmo e se sente desamparada… Meu Caê tbm mamava pouco e estava sempre na curva mais baixa de ganho de peso… Mas fomos levando assim até os 6 meses, quando começou a I.A. Depois dessa fase, foi ganhando mais peso e hoje tá super bem. Meu sofrimento agora é com as acordadas de madrugada, que até hoje, com 11 meses, acontecem de 3 a 4 vezes por noite… do what you can and hope for the best…

  18. Lucileni

    Tambem sou perfeccionista e controladora, e sofro demais por não conseguir ter o controle da situação. Sono, alimentação, peso, viroses, rinite… medo de coisas simples… vontade de se antecipar e conseguir evitar tudo… sofro até por antecipação. Voltei pra terapia pq minhas neuras ja estavam me atrapalhando a viver. Seus post são muito uteis, me ajudam a não se sentir tão maluca e tão sozinha.

  19. Fernanda

    Perfeito!Ontem mesmo eu estava com lágrimas nos olhos quando o marido me perguntou o que eu tinha….era tanta coisa que eu pensei q só as lágrimas podiam expressar,mas não é aue eu estava errada!Vc conseguiu dizer exatamente como me sinto!Sei que não posso fazer muito mas sofro!Obrigada por me dizer que não sofro só!

  20. Patricia

    Olha, eu penso nssa história do controle todos os dias, porque todo dia ele foge de mim. Das coisas mais simples ás mais complexas. Eu fico chateada em não conseguir cumprir alguns horários pq simplesmente aparece uma birra no meio do caminho, quando faço uma comida com todo carinho e ela rejeita, quando olanejo um fim de semana de lazer e aparece uma febre…. E por aí vai. Nessas horas eu tenho vontade de chorar, bate uma raiva e eu me culpo muito porque sei racionalmente que no fundo essa falta de controle é a normalidade e tento sair de cena um pouco, me distrair com algo, um banho, uma música, uma boneca pra ver se meu humo muda. Pq tem dias que nada disso resolve mas daí os dias passam e vem dias melhores até todo o controle se perde mais uma vez. Não tem jeito.

  21. Talita Pouzas

    Eu sofro também! E como!
    Beatriz é uma linda princesa de um ano e meio que insiste em não comer bem e eu uma mãe controladora em fase de cura para esse mal que insiste em não entregar os pontos. Já fiquei mais de 3 horas sentada em frente a ela com um prato de comida entre nós para convencê la em comer tudo o que eu tinha servido. Não é fácil, mas não tenho conseguido ser de outra maneira.

  22. Tatiana Cali

    Nossa, como te entendo !!!
    A gente pensa que depois de ter passado perrengue com o primeiro que vamos tirar o segundo de letra, mas aí vem Papai do Céu e nos testa de novo! E quando a gente começa a dar conta de tudo, parece que tudo vira de cabeça pra baixo e temos que tentar reestruturar tudinho de novo! Até entendermos que nem sempre vamos dar conta… Mas isso não quer dizer deixar pra lá! Mas fazer 100% do que pode ser feito e aceitar o que não está ao nosso alcance…
    Mas nunca, jamais, perder a fé! Seja ela qual for, nestas horas se não tivermos a fé bem estruturada, não damos conta mesmo!
    Creia que é uma fase. Ok! Um pouco demoradinha, mas uma fase. E com perseverança e fé, tudo entrará nos trilhos e resolverá! Creia!?
    Receba meu carinho aqui de longe!
    Beijinhos,
    Tati.?

  23. Vanessa Sayao

    Minha maior frustração e que me dói de mais é fato da Eduarda comer super bem com todos e na escola, e comigo, eu suar literalmente pra conseguir fazer ela comer 5 colheres bem cheias de arroz e feijão. Na avó, até giló, abobrinha e quiabo ela come, comigo se ver um caroço de milho na comida acaba com a refeição inteira.
    E sofro e me cobro muito por isso. Penso, será que minha comida é tão ruim assim?

  24. Fernanda

    Meus Deus!! Por aqui eu também estou pirando, meu filhote numa fase de muita birra, necessidade de chamar atenção devido ao nascimento de dois bebês na família, mal comportamento na escolinha, e pra piorar, machucados um atrás do outro ( bateu a cabeça na quina da parede, na semana seguinte engoliu uma moedinha, estou ficando íntima das enfermeiras), enfim, uma maré muito ruim. Mas ai me valho dos palpites que às vezes vem pra nos acalmar: é só uma fase e vai passar. Estamos juntas nesse barco, me solidarizo com todas vocês e faço muitas orações pra todas as mães, porque Deus não confia essa missão a qualquer uma. Ele sabe da nossa força, do nosso empenho para fazermos sempre o que for melhor para os nossos filhos e nos dará sempre o amor, a inspiração e a força necessária para lidarmos com todos os momentos difíceis pelos quais nossas crianças passarão. Que seja leve e que seja breve. É o que eu desejo. É o que eu digo a mim mesma quando a coisa começa a ficar muito feia por aqui. Coloquemos Deus sempre acima e na frente de todas as coisas. Com ele no comando tudo dará certo mães, afinal de contas, ser mãe é ou não é a melhor escolha que já fizemos na vida??? Quem não se sente esfuziante de alegria com aquele sorriso ou com aquelas novidades que eles aprendem todos os dias pra tornar nossa vida cheia de histórias engraçadas pra contar???Bjos, muito amor e luz pra todas!!!!

  25. Carol

    Realmente é assim… A gente aprende na marra! Seu post mostra uma imensa ansiedade, o q é comum nessa fase q estamos passando. ️️Tb tenho 2, sendo um bb de 3 meses e outro de 2 anos. Não é fácil! O q está me ajudando muito são os florais de Bach. Posso te ajudar, sou formada e depois que os conheci melhorei demais! Terei maior prazer em te dar um help, claro se quiser! Costumo usar para ajudar as pessoas e tem funcionado bem!

  26. Vida de Comadre

    Aqui passamos a mesma coisa, é um exercício diário aceitar aquilo que não podemos mudar. E aceitar sem sofrer, o que é mais difícil ainda. Mas uma coisa é certa, a medida que eles crescem as coisas ficam mais fáceis. Ufa!
    Beijos

  27. Suzana Grangeiro

    Apesar de ser mãe de primeira viagem, acho que sou bem tranquila quanto ao que não posso mudar, a única coisa que me preocupa e literalmente me tira o sono é que meu bebê dorme muito mal. Ele come super bem, nunca ficou doente, é tranquilo, tenho pessoas de confiança que ficam com ele enquanto trabalho, mas ele não dorme… Vivo exausta e ansiosa esperando o dia que ele vai dormir uma noite inteira.

  28. Nadine

    Acho que podemos levar isso para todas as áreas na nossa vida.
    Tento muito usar aquela frase conhecida “o que não pode ser remediado, remediado está.”
    Sempre que tenho algum problema, faço um levantamento de todas as ações possíveis para solucionar e as uso. Se não tem o que fazer, não tem o que fazer hehehe.. Penso que somente a preocupação não vai fazer o problema se resolver sozinho, entende? Independente de eu estar preocupada ou não, o problema está ali.. Já bati carro 2x no mesmo dia porque estava preocupada com o serviço, engordei 15kg em um ano por stress.. então aprendi que se eu não souber lidar com a preocupação, além de não resolver os problemas que tenho, vou criar outros.
    Faço o que dá pra fazer. O que não dá entrego pra Deus. Acho que a Fé de que tudo vai dar certo e que tudo passa ajudam muito.
    Claro que sou gestante ainda, talvez quando for mãe fique mais difícil de administrar hehe.

  29. Verena Derbli Rigoni

    Tão bom ler este post hoje … mesmo sendo do ano passado, mas as crises maternas são sempre atuais! Rs. Estou numa fase assim: a bebê no peito e este dando trabalho (dor, machucado. ..); estou insistindo eqto posso, mas não sei até Qdo vou aguentar e não conseguir resolver o problema num passe de mágica me angústia. A mas velha com uns probleminhas de saúde que estão me deixando tão triste … queria poder tirar com a mão , como vc disse. Mas, a gente vai levando … aos trancos e barrancos, tentando amenizar o sofrimento e aquietar o coração. Bom poder “ouvir” o mesmo de outras mães, pq mtas vezes não somos compreendidas pelos que não estão neste barco doido da maternidade!

Deixe seu comentário