Saudade de ser eu

Toda vez que eu tenho um filho, depois de um tempo, entro nessa vibe de sentir falta de mim. Com o Leo foi assim, e com o Caê não está sendo diferente.

E o que eu quero dizer com sentir falta de mim? Quero dizer sentir falta de ser eu mesma, e não só a mãe das crianças. De fazer coisas para mim, me preocupar comigo, me entregar aos meus próprios prazeres, e não só me dedicar, entregar, e fazer pelo outro.

Eu sou uma pessoa que não consigo fazer nada mais ou menos, pela metade, de qualquer jeito. Quando faço algo, me entrego de corpo e alma, 100%, ao extremo. E aí, acabo deixando todo o resto de lado. E nesse resto entra eu mesma.

maos 1

Photo Credit: rullerusk via Compfight cc

Com o Leo, lembro de ter me dedicado de corpo e alma sem tempo de respirar e olhar para os lados até ele ter um aninho de idade. Foi um período intenso, quase simbiótico, em que eu vivia para ele. Depois disso, passe a respirar um pouco e a me reencontrar.

Agora, com Cae, eu jurava que seria mais branda essa relação. Como ele é segundo filho, achei que eu conseguiria ser mais relaxada, menos encanada, menos exigente, e que sobraria sim um tempo para mim, para o marido, para a casa e para todas as outras coisas.

Mas que ledo engano. Aqui estou eu entregue, dedicada, mergulhada plena e absoluta de novo no cuidado de uma criança. Ops, uma não, duas! O que torna as coisas ainda mais complicadas.

Sim, se cuidar de um exige tempo e dedicação, cuidar de dois então, exige muito mais. E assim, eu vou me doando, entregando, indo sempre um pouco mais além e me perdendo de mim mesma. Bom, pelo menos é essa a sensação que me dá.

Com dedicação 24h por dia a outros serzinhos, a gente passa a não se enxergar mais. Acabamos sendo só um breve reflexo no espelho e quando vemos, cadê nós mesmas? Quem a gente era mesmo?

Ando sentindo tanta falta de me voltar um pouco a mim que esses dias chegue a sonhar que tinha ido viajar sozinha, sem filhos, livre leve e solta, e quando cheguei ao destino, me desesperei, pois o Caê ainda mama no peito e como ele iria se alimentar?

Bom, esse sonho abriu meus olhos para a necessidade que ando tendo de um tempo só para mim, sem ter crianças em mente, seja cuidando efetivamente delas ou escrevendo sobre elas, aqui no blog. E assim, resolvi começar, aos poucos, colocar as coisas em ordem.

Aos poucos, estou buscando horários para fazer coisas para mim, por mais simples que sejam, e para me reencontrar, pelo menos um pouco. Esses dias saí para almoçar sozinha com amigas, e foi uma delícia, coisa que tenho que fazer mais. Também decidi que uma vez por semana vou tirar uma horinha para fazer as unhas e na sequência vou tomar um café e comer meu doce favorito na doceria que tem na frente do salão. Só eu comigo mesma. Também decidi que vou dar um jeito de ter umas horinhas para sair só com o marido, deixando as crianças aos cuidados de alguém enquanto a gente pega um cineminha ou janta em um resturante legal.

Acredito sim que há mães que dosam melhor as coisas e não se entregam nessa intensidade aos filhos, mas eu não sou dessas. Comigo não tem meio termo e isso, muitas vezes, não é legal e acaba desiquilibrando as coisas.

Mas agora, ciente de que preciso começar a voltar a olhar para mim e para a relação a dois, resolvi que vou, aos poucos, cuidar da vida além filhos sem claro, deixar de estar sempre presente para eles.

E vocês? Também tem essa entrega extrema aos filhos que acaba levando vocês a se perderem de vocês mesmas? Isso também acontece com vocês? Ou só eu sou a louca aqui? (risos!).

47 comentários

  1. Kamila

    Tudo o que eu precisava ler hoje…Que não estou sozinha nessa…to sentindo muito isso e me sentindo muito culpada por isso. ..beijos

    1. Kelly

      Fez o comentário que eu pensei em fazer… =(

  2. Glaucia

    Qdo meu filho nasce, fiquei 6 meses sem me depilar, 9 sem ir na manicure e 1 ano sem cortar o cabelo.
    Neste exato momento, estou sentada no vaso sanitário, no banheiro e meu filho está tentando abrir a porta.
    Parece engraçado, né?
    Mas é assim quase todos os dias.

  3. Vivi

    Muito me identifiquei…. Minha filha já está com 4 anos e ainda não consegui voltar p academia, pois só em pensar, me culpo Pq estarei longe dela por mais tempo, além do que já fico enquanto estou no trabalho…. Preciso “me achar”!

  4. Fabiana

    Achei que estava sozinha nessa! Me identifiquei em todos os pingos e vírgulas desse texto! Confortante ler seu texto! Intensa demais tb, sigo tentando me encontrar!

  5. Natalia

    Me identifico muito com seu post. Estou a procura de organizar minha vida e me encontrar nesse turbilhão de coisas que estão acontecendo. Vc (e nem eu) somos loucas sozinhas! Ufaaaa rsrsrsrsrs

  6. Pri

    Era exatamente isso que penso e não consigo expressar, tenho dois filhos Tbm Davi (4anos)e Maitê (2anos), mas daí vc pode dizer: mas seus filhos já são grandinhos, sim eles são! Porém, pra mim exige a mesma atenção e dedicação, dessa vez preocupações diferente, entra a parte da educação, e ensinar o que é certo, ou errado, exige Tempo com as tarefas, eles já têm desejo próprio, querem Beincadeiras diferentes e muita atenção, enfim, para mim estarei sempre me doando por inteiro seja a fase que for dos meus filhos até mesmo porque sou uma mãe mega apaixonada, mas assim eu vou me perdendo de mim
    Mesmo! Mas preciso me posicionar assim
    Como vc! Amei o seu texto!!! ☺️?

  7. Alessandra

    Por que somos assim? Acho que eu sou muito assim porque resolvi ter meu primeiro filho numa fase mais adulta. Porque decidi que se quero que ele siga um tipo de vida que acho bacana, só eu poderei conduzi-lo. Porque não consigo imaginar outrem fazendo as minhas obrigações de mãe: alimentar, educar, dar amor, afeto. Porque é o estilo de vida que planejei, que conduzirei meu filho é que ninguém mais saberá o que é melhor para ele. Sofro ? Muito. Abro mão das minhas coisas? Sempre. E também percebi que preciso de mim de novo. De um momento só eu e eu. De fazer outras coisas. Isso é vida. E saúde. Amei seu post.

  8. Patricia

    Também sou assim Shi!
    Vejo mães que vão pra academia, cabelereiro. Como?
    Não consigo!

  9. Renata César

    Sou como vocês também: entrega total! Mas a boa notícia é que essa fase, embora seja absolutamente intensa, e por isso mesmo muito desgastante, é passageira!Meu caçula está prestes a fazer 2 aninhos, e só semana passada consegui sair sozinha com meu marido! E é uma delícia quando a gente sente que as coisas finalmente estão ficando mais tranquilas: é libertador!!!

  10. Priscila

    boa tarde estou nesta fase esqueci totalmente de mim, tenho uma filha de 5 anos e um bebê de 2 meses . Me identifiquei muito e fico feliz de saber que não estou sozinha
    Muito obrigada bjss

  11. Nívea

    Ai, que saudade de ser eu mesma também, Shi!

    Saudade de comer coxinha na padaria, sem hora para voltar. De ir ao cinema assistir a um filme bacana (eu jurei que amanhã Catarina vai dormir na avó e eu vou para “Perdido em Marte”).

    Saudade de tomar um bom vinho com o marido, sem ter que acordar cedo no dia seguinte.

    Saudade principalmente de não me preocupar.

    Beijos, querida!

  12. Thaís

    Super me identifico com o que você escreveu. Faz um ano e meio que minha vida gira praticamente só em torno do meu trabalho e do meu filho. Vida social, amorosa, hobbies, atividade física, EU, praticamente inexistem mas, pouco consigo deixar meu filhote… Quando estou com ele não consigo fazer quase nada a não ser estar com ele e quando estou sem ele estou sentindo falta dele e pensando nele. Eita ambiguidade. Rs

  13. Catia

    Eu também sou assim. Esta semana mesmo minha mãe disse: – Você nunca mais fez uma unha… Trabalho a semana inteira e nos finais de semana me divido entre as coisas da casa e cuidar da minha filha. Sei que tenho que me dividir, mas é muito bom saber que nosso filho está bem.

  14. Michelle

    Shi, mesmo tendo facilidade com as palavras, nunca consegui traduzir essa relação dessa forma. Você explicou o inexplicável. É exatamente assim por aqui também. Só agora, quase três anos após a maternidade, é que eu estou conseguindo me reencontrar comigo mesma. Amei o texto!

    Beijo,
    Michelle

  15. Ana

    Saudades de não me preocupar!
    Isso diz tudo!
    Por mais que tire um tempo pra mim, a preocupação nunca se afasta.

  16. Dani

    Estou no terceiro filho e é a mesma coisa. Na verdade agora tenho que cuidar de três. Trabalho meio horário e quando saio de lá me dedico integralmente aos filhos e casa. Preciso muito de um tempo pra fazer coisas como uma atividade física mas tá difícil.

  17. Erika

    Sinto muita saudade de mim mas, na realidade, nem sei dizer exatamente do que…
    Até quando deixo minha filha de 2 anos e 4 meses com alguém para sair sozinha, trabalhar ou sair com o marido, simplesmente não consigo “me curtir”… Cabeça sempre nela. Parece um vício! rsrsrs
    Muito louca essa vida de mãe!

  18. Kátia

    Tamo junta!!!!!!!!!
    Muuuuita saudade, rsrsrs!
    Bjão

  19. Dabiana

    Adoro ler seus posts pois me identifico muito.

    Tenho um filho de dois anos e meio, trabalho fora, não tenho empregada e também não consigo fazer nada pelas metades.

    Sempre cuido de todos e de tudo para depois cuidar de mim e quando chega a minha vez já estou sem forças…

    Obrigada por dividir seus sentimentos no blog, pois assim não me sinto sozinha.

    Um abraço!

  20. Tatiana

    Oiii, amo sei blog!
    Tenho um menino de 1ano e 10meses, e me sinto exatamente assim, perdi praticamente toda minha vaidade, penso no meu filho 24hs, não desligo nunca, não gosto de deixar com ninguém quando não seja para trabalhar, me arrepio em pensar em sair com marido e deixar ele. Sensação sufocante é certeza que me perdi nesse caminho da maternidade!

  21. Taice

    Nossa, ainda esses dias comentava com uma amiga sobre isso! Tenho a sensação de que nunca mais voltarei a encontrar a mim mesmo. São períodos tão intensos e olha que minha Sophia só tem 5 meses.Saudades de acordar sem ter feito o planejamento de todo o dia anterior e ficar sem ter a sensação de que está faltando algo ou o dia está truncado!

  22. Roberta

    Nossa, me vi neste tei relato. Pois estou com 3 pequenos e ainda voltei a trabalhar… São tantas coisas na e nha cabeça q está semana estacionei o meu carro num lugar tão absurdo q foi rebocado/ guinchado. Ufa, não estou dando conta….

  23. Aline

    Ontem me peguei aos prantos pensando exatamente isso. E agora ainda vem o segundo bebê.
    Mas acredito, preciso acreditar, q essa fase passará, pois sempre fui muito vaidosa e agora não vejo n reflexo de quem era há uns 4 anos.
    Tenhamos fé amigas!!!rs

  24. Priscila

    Descreveu exatamente o sentimentos d3 várias mães , incluindo a mim.
    tenho 2 filhos (8 anos e 4 meses) e tenho me sentido exatamente assim… distante de mim !
    Seu post me fez refletir e vou também tentar olhar mais só pra mim em alguns momentos.

  25. Carolina

    Sou bem assim também, tenho um filho de 3 anos e meio e estou grávida de outro menino. Lembro que no primeiro ano de vida do Francisco, eu me anulei, vivia somente para ele, não tinha auto estima, quando voltei ao trabalho que mudei um pouco, mas até hoje dedico pouquíssimo tempo para mim mesma e para meu marido, muitas vezes falo que vou sair com meu marido um pouco, mas sempre deixo para depois….

  26. Thaiza

    Eu nem me lembro mais de como eu era,como era minha vida antes de ter meu filho,agora estou no segundo,e nem sei como vai ser daqui Pra frente!!
    Só sei q não sei fazer nada sem pensar nas crianças, e é difícil!!

  27. Paula - mãe do Pedro Kalel

    Esses dias tenho brigado com meu marido, assim, do nada…acho que é isso…uma hora a gente cansa e deseja um tempinho para ficar sozinha, sem cobrança, sem compromisso.

    Gente, eu adoraria ter uma tarde inteirinha só para mim, mas é meio impossível, o meu instinto de proteção me impede de ficar longe da minha cria…

  28. Nossa, tenho muita saudade de seu eu! Meu filhote tem 2 anos e meio e nesse tempo já passei por momentos de total anulação da minha pessoa e momentos em que consegui ter uma vaga lembrança de mim… Mas para me dar espaço tenho mesmo que anotar na agenda. Se deixar por conta esse tempo não dá as caras. Adorei o post!

  29. Keyla

    Eu tbm sou assim! Mais de uns dias pra cá tenho me policiado e refletido sobre as coisas, meu marido andou reclamando da falta de cuidado com ele e disse que sente sozinho, foi nesse momento que eu entendi que ele se sente como eu, pq eu tbm me sinto sozinha e as vezes carente de um chamego dele, sendo assim separei todos os sábados para nós, minha mãe fica com a minha filha e nos ficamos juntos, as vezes ficamos em casa assistindo filme e comendo alguma coisa, mais já é suficiente pra se ” encontrar ” como casal e trazer a memória como é bom ser gente, rs já que desde que virei mãe parece que deixei de ser mulher, esposa, gente de verdade. Também tenho tentando olhar pra mim e me cuidar, sempee fui vaidosa e as vezes na correria a gente tende a esquecer de nos mesmas,tô me reeducando!
    #adoreiopost

  30. Bianca

    Seu blog pra mim é o melhor! Vc diz td que eu penso, como pode? Kkk
    Preciso de um tempo pra mim é mais ainda de um tempo pro marido, mas como fazer? Não estou dando conta disso não…

  31. Kasusa

    Olá Shirley, nossa como sou eu descrita!! Tenho também 02 filhos, um casal, a menina de 3 anos e 2 meses e o menino de 1 ano e 9 meses. Também vivo imensamente para eles, dedicação quase integral. Pela manhã fico com as crianças em casa, brinco, lavo, arrumo, cozinho, almoçamos juntos (ou tentamos…), dou banho, educo… às 11.30 vovó (minha querida sogra) vem busca-los para passar a tarde em sua casa, às 12:00 saio para o trabalho, às 19:00 hs quando retorno, vou busca-los na casa da vovó. Ao chegar em casa, mais brincadeiras, mamadeiras, dengo, colo, banho, histórias e carinhos para dormir… Só por volta das 22 hs consigo tomar banho, jantar (ou lanchar… mais pratico), para então arrumar, guardar, limpar… E assim acontece todos os dias. meu marido apesar de ser um paizão, carinhoso, atencioso, etc.. quase nunca esta em casa, trabalha de segunda a sábado e faz faculdade a noite. Enfim, sinto muita falta sim, de mim!

  32. Ana

    É bem assim mesmo.
    Nossa, as vezes me dá uma vontade de simplesmente sair por ai, ver vitrines e tomar um lanche sem nenhuma pressa para voltar.
    Ou simplesmente atacar um livro e ler sem perder de vista.
    Mas ai… escutamos alguem gritando “mamãe” e puft… a vontade se esconde lá no fundo da nossa alma de novo.

    Amei o post. Super real.

  33. Rachel

    Como é bom ouvir histórias e experiências de outras mães para MD dar cinta de que as coisas não acontecem só comigo.
    Tenho um filho de 3 anos e outro de 3 meses..Minha vida? Uma loucura!!!Além da maternidade estou mexendo com mudança de casa.
    Em relação à maternidade o que mais me suga as energias é o fato de não dormir à noite. Isso é tortura pra mim. Meu segundo filho é super grudado em mim e não fica no colo de ninguém, o que demanda ainda mais.
    No final das contas, o que penso é que tudo na vida passa e que daqui a pouco ele estará andando, falando o que quer e este desgaste inicial não existirá mais.
    Adicionalmente, sempre quis ser mãe e graças a Deus tenho 2 anjinhos lindos, que me possibilitou a realização pessoal.

  34. gabriella

    estamos todas neste barco, o meu om apenas 8 meses e eu tb não consigo fazer nada só eu comigo mesma! rsrsr

  35. Maria

    Adorei esse post! Fiquei aliviada q nao sou só eu q me sinto assim! Sou mae de 2 e estou esperando o 3!! E penso muito q as vezes quero ser EU um pouco!

  36. camila

    😁 Tamo junto!!!kkk
    Tenho 2 filhos Miguel 11meses Luiza 6 anos a rotina é bem puxada os dois a escola saímos cedo todos os dia trabalho o dia todo quando chego em casa é roupa janta tema de casa todos querem atenção as vezes da vontade de sair correndo daí a gente respira e renda fazer o melhor que da e atender todo mundo.Esses dias meu marido disse que eu andava parecendo um espantalho fiquei com raiva na hora fiquei magoada, mas comecei a me olhar sem um tratamento no cabelo unha a fazer a pele ainda manchada da gravidez dai vem aquele pensamento onde eu estou nesse corpo essa não sou eu, to tentando reagir mas não é fácil.

  37. Fabiane

    Bem assim…
    Cadê eu nesta história?
    Também sou o tipo de pessoa q se entrega 100% para tudo, mas eu trabalho fora e sofro muito por isso. Todo e qualquer tempo livre que tenho dedico ás minhas filhas. Atualmente estou de licensa maternidade da segunda e já sofrendo pelo retorno.
    Não tenho tempo pra mim. Não consigo ter. Qualquer minuto que tenho disponível sinto que tenho que dar a elas. O marido reclama, não dá falta de atenção a ele, pq quando elas dormem a atenção é dele, mas a não consigo mais me cuidar como antes. A unhabfica pra depois, o cabelo…Hoje levo as duas pro salão e vou tentar a academia pelo segundo dia, sem elas por perto não consigo.
    Acho que sofro de FILHODEPENDÊNCIA.
    Existe isso???

  38. Deborah

    Texto maravilhoso! Quando eu estava começando a me reencontrar, depois que meu primeiro filho já estava com 3 anos, engravidei da Joana. Sou exatamente assim: mãe intensa. Isso me deixa feliz, mas eu não reconheço mais o reflexo do espelho.

  39. Thaís

    Tbm tenho me sentindo assim! Minha filha tem 6 meses e eu não tenho conseguido ter um tempo pra mim. Mas acredito que vai melhorar!

  40. Maria

    Fico aliviada que não sou só eu que sinto falta de mim mesma! Tenho dois filhos e estou grávida do terceiro! Tenho a sensação de que nunca vou voltar a ser eu mesma! É muito estranho esse sentimento!

  41. Viviane

    Super me vejo nessa situação, mas sei que é uma fase que vai passar ,mas as vezes me sinto sem viver kkk

  42. amanda

    Que bom saber disso estou na minha segunda gravidez desejada sim mas estou a pensar quando vou conseguir fazer as coisas pra mim… eh mesmo contraditório esse amor

  43. Larissa

    me sinto mt mal com uma dor interna….fico me sentindo sozinha mesmo sendo casada e mesmo estando com minha filha! não tenho mais tempo pra respirar parece! tenho depressão e acho que não vai passar nunca essa fase ruim.

    1. Macetes de Mãe

      Olá, Larissa!
      Você deve procurar ajuda. A terapia pode te ajudar muito.
      Bjs

  44. Lais

    Boa noite!

    Estou com minha pequena de 3 meses e meu dia e noite é inteiro dela. Já tem 3 meses que não vou na manicure, no salão fazer algo para mim. Além dela tem o marido que cobra atenção também. Eu sempre fico pra depois. Até para lavar meu cabelo é amanhã e vou adiando até enquanto dou conta.

  45. Ana Paula Martini

    Ahhhhh que saudade de mim…

Deixe seu comentário