Tipos de Slings

Logo que engravidei da primeira vez, quis saber mais sobre slings. Até um tempo atrás, os slings pareciam coisa de gente muito alternativa, mas eles foram ganhando popularidade e o pessoal percebeu que carregar os bebês junto ao corpo é muito prático e mesmo confortável, além de deixar as mãos livres para outras coisas.  Descobri que tem vários tipos e que cada um tem uma característica especial que se adapta melhor a cada perfil de pessoa, a cada atividade e por quanto tempo a pessoa vai ficar carregando o bebê.

Por aqui eu gosto do Wrapsling, e usei muito, muito, muito quando o Caê era pequenininho. Usava para passear com ele, para fazê-lo dormir e também para eu conseguir fazer algumas coisas da casa com o pequeno junto.  Basicamente o sling é uma faixa de tecido que é amarrada ao corpo do adulto que irá carregar o bebê, mas existem diferentes amarrações e posições para se levar o bebê. Uma das grandes vantagens do sling é que ele pode possibilitar uma postura mais correta e evita as dores na coluna, nas costas e nos braços que muitas pessoas sentem por carregar os bebês por tempo demais. Também é superfácil e prático amamentar enquanto se está de sling.

Vou falar um pouco sobre cada tipo de sling que existe e as características e usos deles, assim você pode escolher o que mais se adapta para você. E aproveito para recomendar este link do Mamatraca que explica em vídeo como colocar os slings de um jeito bem legal.

Wrapsling – é uma faixa de tecido bem grande, de cerca de 5 metros, que pode ser amarrada de diversas maneiras. É um dos mais usados na Europa e tem a vantagem de distribuir o peso do bebê pelos dois ombros, de um jeito mais uniforme. Pode ser usado para bebês bem pequenos e é ajustável, pode ser usado tanto pela mãe como pelo pai ou outro adulto, mesmo com tamanhos e corpos diferentes. O bebê fica, em geral, sentado de frente para o adulto, ou de costas, como se fosse uma mochila, e suas pernas ficam com movimentos livres.

wrapsling 3

Sling de Argolas – também pode ser ajustado conforme o tamanho do adulto, mas é feito com menos tecido. Em uma das pontas ficam presas as duas argolas, que devem ser bem firmes, e a pessoa ajusta o tecido de maneir transversal, isto é, apoiada em um ombro e na lateral do outro lado do corpo. A desvantagem é que o peso é sustentado por um ombro só. pode ser carregada deitada, em pé, sentada para frente, sentada na lateral ou até mesmo de costas. É bom para bebês bem novinhos

sling de argola

Pouch sling – ele é colocado no corpo da mesma maneira que o de argolas, com a diferença de que é feito de um tecido inteiriço e sem ajustes. Ele fica como se fosse uma bolsa ou uma rede. Funciona bem para bebês de poucos meses até os mais velhos, mas tem a desvantagem de ser quase que individual e não poder ser usados por outras pessoas. Em geral é feito sob medida.

pouch sling

Canguru – é aquele que se parece mesmo com uma mochila, inclusive é confeccionado com alças acolchoadas. O bebê é encaixado na frente ou nas costas dessa mochila de tecido. É bom para bebês mais velhos, que já firmam bem o pescoço e conseguem ficar na posição “sentada” com as pernas uma para cada lado do corpo da mãe ou do pai, por exemplo.

canguru sling

Mei tai – é um sling inspirado nos modelos orientais, que têm tiras de tecido que são entrelaçadas e cruzadas para dar apoio ao bebê, que na maioria das vezes fica sentado e com as pernas livres, de frente para o corpo da mãe. Também dá para levar o bebê nas costas ou na lateral do seu corpo, com o peso distribuído entre os dois ombros.

sling mei tai

1 comentário

  1. Juliana

    Além de todas as facilidades, fortalece o vínculo mamãe e bebê. Essencial para o início da vida.

Deixe seu comentário