O que é acretismo placentário

Você já deve ter ouvido falar sobre acretismo placentário se acompanha as notícias de celebridades que engravidam e têm seus bebês. Esse é o problema que teve a socialite norte-americana Kim Kardashianm que deu à luz ao seu segundo filho em novembro.

Eu já tinha tido contato com este problema antes, quando uma amiga minha teve isso e só descobriu na hora do parto. Foi bastante tenso, pois há algumas vezes que é preciso retirar o útero da mulher. Não foi o que ocorreu com minha amiga, ainda bem, mas ela teve uma recuperação bastante dolorosa da cesárea.

Acretismo placentario

Photo Credit: Grahford via Compfight cc

Mas o acretismo placentário é mesmo raro, por isso que não é uma coisa que todo mundo saiba que pode acontecer. Ocorre em uma a cada cem mulheres na primeira gravidez e o risco aumenta se é a segunda gestação, por exemplo.

Como é um assunto pouco falado, resolvi fazer este post contando o básico que a gente deve saber sobre este problema.

O que é – é uma doença que pode acontecer na gravidez e que faz com que a placenta se comporte de maneira diferente do normal. O que acontece é que a placenta invade a parede do útero, às vezes afetando até órgãos próximos.

O que causa – pode ser predisposição genética ou cirurgias e cortes realizados na região uterina. Não dá para saber com antecedência, só na gravidez, e na verdade muitas vezes só se descobre isso na hora do parto, como ocorreu com a minha amiga. Isso pois não tem nenhum sintona específico. Uma coisa que pode indicar que há mais riscos do problema é quando nos ultrassons aparece a placenta prévia, e aí sim podem ocorrer alguns sangramentos no primeiro trimestre que geram mais atenção dos médicos e da gestante.  Outra coisa que aumenta os riscos é quando há cesáreas anteriores ou quando a mulher precisou passar por um processo de curetagem.

Quais os riscos para mãe e bebê? – não há grandes riscos para o desenvolvimento do bebê, mas para a mulher, na hora do parto, as coisas podem se complicar. A placenta não sai normalmente e por completo, podendo ficar presa no útero e no abdômen, isso pode causar homrragias e até a necessidade de retirada do útero depois do parto.

Dá para prevenir? – Prevenir completamente não dá. Mas diagnosticar cedo pode ajudar e muito. Quanto mais cedo se descobrir o problema, melhor, e isso é feito por meio de ultrassom e ressonância magnética. Aí a recomendação é que a gestante não faça nenhuma atividade física intensa, de resto, a vida é normal.  Descobrir cedo permite inclusive que se planeje o parto, desde como ele será realizado até as necessidades específicas. Uma coisa que os especialistas recomendam é que o parto de quem tem acretismo placentário seja realizado em ambiente hospitalar, em especial por conta do risco de hemorragia. Importante ter UTI e banco de sangue no local para garantir que exista o necessário em caso de emergência.

Futuras gestações – quem já teve uma gravidez com acretismo placentário tem muito mais riscos de ter a segunda com o mesmo problema. E pode ser mais difícil engravidar de novo. O que se recomenda é q realização de exames para avaliar o endométrio, que deve estar recuperado dos traumas da gravidez anterior. Depois, é preciso acompanhar de perto a gestação para antecipar e prevenir problemas.

5 comentários

  1. Carolina

    Oi Shirley,
    Eu tive! E o meu foi dos mais trágicos possíveis, infelizmente….perdi o útero, fiquei 20 dias no hospital, sendo 10 na UTI. E foi minha primeira gravidez, com 29 anos :(
    É difícil demais, mas agradeço por ter tido a oportunidade de ser mãe e estar aqui para minha filha!
    Beijos,
    Carol

    1. Mara

      Oi, eu também tive, segunda gestação, mas meu bebê nasceu prematuro com 24 semanas e faleceu após 6 dias na UTIn, também agradeço a Deus por ter uma filha, pois também tive que retirar o útero com 31 anos. Gostaria muito de ser mãe novamente, mas estou conformada com toda a situação e agradecida pela minha vida. Foram 3 dias em UTI e um enorme susto.

  2. Maria Romeiro

    Olá Shirley!
    Eu também tive acretismo é só descobri na hora do parto e como tive pré-eclâmpsia

  3. Maria Romeiro

    Olá Shirley!
    Eu também tive acretismo placentário e só descobri na hora do parto. Minha filha nasceu prematura de 7 meses e meio pois tive pré-eclâmpsia, graças a Deus não foi necessário retirar o útero e minha recuperação foi muito tranquila, o meu obstetra acha que se a gestação tivesse ido até o final, poderia ser mais complicada a situação. Para mim foi um susto pois desconhecia essa patologia.

  4. Thays

    Tem tive foi no meu terceiro filho e quase perdi o útero fiquei 10 dias no hospital mais foi te Bemando graças a Deus!!!

Deixe seu comentário