Quando um bebê sofre bullying, o mundo está perdido

Vou contar para vocês duas histórias.

Há pouco tempo, participamos de um amigo secreto. Eu, meu marido, meus dois filhos. Quando a pessoa que tirou o Caê no amigo secreto foi dar as características dele, para que os demais adivinhassem, citou justamente as suas orelhinhas, que são o que se costuma chamar de “orelha de abano”.

Dias depois, postei uma foto do Caê Instagram e o que aconteceu? Um leitor comentou, de forma pejorativa e bem maldosa, sobre as orelhas dele. Comentário esse totalmente desnecessário.

orelha de abano

Caê não tinha nem 1 ano quando esses dois episódios aconteceram. E o que isso me leva a constatar? Que meu filho não irá sofrer bullying devido a essa característica física, que ele JÁ está sofrendo.

Gente, estamos falando de um bebê! O que faz adultos acharem engraçado, divertido, fazerem piada com uma característica física de um bebê? (não, bullying não é divertido em nenhuma idade, mas com um bebê me parece ainda mais maldoso).

Eu vi, desde que o Caê nasceu, que ele tem orelha de abano. E sinceramente, isso nunca me incomodou. Me incomodaria se meu filho tivesse uma doença grave, eu sofreria se meu filho tivesse alguma deficiência. Mas orelha de abano, ah, isso se conserta. Tem cirurgia para fazer a correção e não é uma cirurgia complicada. Simples de resolver (se chegarmos à conclusão que vale a pena fazer a correção).

Mas o que não é simples de resolver é o bullying ao qual ele estará exposto. O que não é simples de resolver é a ignorância humana, que acha divertido fazer piada com possíveis “defeitos” dos outros. O que não é simples de resolver é a necessidade de mudança de uma cultura tosca que existe desde que o mundo é mundo.

E aqui, quando falo sobre o nojo que é o bullying, não me refiro só ao problema do meu filho, mas me refiro a todo tipo de bullying: por ser gordo, por ser magro, por usar óculos, por ser gay, por ser quem se é.

Uma pena que nosso mundo é assim. Que em vez de se ver a vivacidade do olhar, em vez de se ver a graça do sorriso ou de se perceber a doçura dos gestos de um bebê as pessoas ainda prefiram ver as orelhinhas que não são “perfeitas”.

E assim, deixo aqui o meu pedido: ensinem seus filhos a respeitarem as diferenças. Mostrem para seus filhos, desde cedo, que rir e fazer piada dos outros não tem a mínima graça. Deixem claro que bullying não é legal, não leva a nada e, pelo contrário, traz sofrimento.

Enfim, um post de desabafo, para nos fazer pensar e buscar, através da educação dos nossos filhos, construir um mundo melhor para se viver.

33 comentários

  1. Amanda

    Olá querida!!!!

    Te entendo perfeitamente, minha filha tem 5 anos e é bem fofinha… já foi chamada de gorda pelos coleguinhas diversas vezes!!!!! Mas sabe que os comentários vindos de outras crianças não me incomodam tanto, pq criança é verdadeira… sé ela vê uma criança mais gordinha, ela vai dizer a verdade, vai dizer o que está vendo realmente!!!! O que me incomoda mesmo, são os comentários dos adultos!!!!! São completamente desnecessários né? Quanto as crianças, acho que conforme as situações vão aparacendo, cabe aos pais explicar a maneira como elas devem agir diante do diferente. Ontem mesmo, encontramos um amiguinho da minha filha, que diante de um erro do cabelereiro, teve que passar a máquina 0 no cabelo!!!!! Adivinha qual foi a primeira coisa que minha filha apontou quanto encontrou o amigo? Mãaaaaaeeeee o “Fulano” tá careca!!!!!! Aí lá fui eu explicar… Beijos e parabéns pelos filhos lindos!!!!

  2. Maria

    Shirley, concordo com você. Devemos educar as nossas crianças desde cedo para não fazerem isso com outras crianças.
    Mas infelizmente não é assim, muitas vezes fazem bullyng por verem os próprios pais fazendo.
    Eu tenho orelha de abano desde sempre e vou te falar, na escola as coisas pioram muito. Gostaria de ter feito a cirurgia quando criança. Agora j superei, mas lembro até hj o que sofri quando criança. Se seu filho se sentir incomodado com isso qdo for mais velho pense na possibilidade da cirurgia. Meus pais não quiseram fazer e muito sofrimento podia ter sido evitado

    A aparência física não altera caráter e nem a essência da pessoa, mas infelizmente o mundo está muito maldoso

    1. Shirley Hilgert

      Sim Maria, vamos observar como a situação se desenrola e, se acharmos que será melhor para o Caê a correção, nós faremos. Bjs

  3. Elizângela

    Primeiramente, o Caê é lindo! A maldade do ser humano é tanta, que chego a desacreditar da humanidade! Tenho um filho de 7 anos, meu filho único. Meu marido e eu optamos por não ter outro filho, assim podemos investir de verdade na educação dele. Ano passado, ele mudou de escola, foi para uma escola ótima aqui em nossa cidade, ele estuda lá até hoje e pretendemos que estude até o ensino médio. Em uma aula no ano passado, ele havia esquecida a cola em casa e pediu emprestada à um amiguinho, que respondeu que não emprestaria porque ele é negro. Imagine a dor em meu coração quando ele me contou isso extremamente chateado. Eu só pensava o quanto isso é injusto, com os dois. Penso que essa criança não falou isso do nada, alguém ensinou ou permitiu que aprendesse. É triste. O que me restou? Ensinar meu filho a se amar acima de tudo, ensinar um pouca da história de luta e sofrimento dos negros e pedir a Deus paciência e sabedoria. Optamos por mantê-lo na escola, não queremos que ele pense que pode fugir dos problemas, infelizmente o racismo e preconceito estão por toda parte. Te entendo perfeitamente, o mundo está perdido.

    1. Shirley Hilgert

      Meu Deus, imagino a dor no seu coração. E que bom que você teve a sabedoria de perceber que não é culpa da criança, mas de quem a ensinou a ter esse pensamento preoconceituoso. Bjs

  4. Ana

    Olá, Shirley! Só uma observação: bullying é caracterizado por atos intencionais e repetitivos, a fim de diminuir a alvo da ação. Se aconteceu com o Caê em situações distintas e/ou com pessoas diferentes, conforme o que você relatou, foi falta de educação e noção mesmo. Claro que não diminui o acontecido, mas o bullying é algo muito mais profundo.

    Só faço essa observação para não propagar a ideia de que qualquer ofensa caracteriza bullying, assim como a expressão “estressado(a)” já ficou banalizada pelo uso quando qualquer cansaço se torna stress.

    Desculpe se pareci inconveniente e insensível.

    Parabéns pelos filhotes e pelo blog, sempre acompanho um texto aqui e acolá! ;)

    1. Shirley Hilgert

      Ana, de forma alguma inconveniente. Obrigada pelo esclarecimento. Bjs

    2. Liliane

      Nossa Ana, raramente comento posts em blogs, e mais raramente comento comentários.
      Mas estou escrevendo para dizer que adorei a sua resposta. Achei objetiva, direta, esclarecedora e, como disse a Shirley, de forma alguma inconveniente! (e adorei o trecho “sem educação e sem noção mesmo”)
      Que bom seria se todos os comentários nas redes sociais fossem construtivos assim :-)
      Bjos

    3. Aline

      Olha Ana, a verdade dói e muito, e agora me doeu constatar que meu filho sofreu bulling pelos próprios avós paternos. A família do meu marido é alta, meu marido tem 1,90 de altura e minha família, inclusive eu, somos baixos, em média 1,60 cm.
      Desde de que meu filho tem dois meses de vida comparam-no com a prima que na época tinha dois anos, apelidando meu filho de “perna curta”, dizendo que ele era “coitadinho” porque iria ser baixinho e que a prima “sim” ( em sinal de aprovação) iria ser alta, tinha as pernas compridas. Se íamos a casa de um parente juntos, lá estavam eles chamando o menino de “curtinho” e ” perna curta”, as pessoas discordavam deles e mesmo assim eles insistiam. Aguentei isso por um ano inteiro, até que um dia eu explodi dizendo que eu estava preocupada se ele teria um bom caráter e que altura não significava nada. Passei sete meses sem olhar pra cara deles, até que por fim me pediram perdão e nunca mais fizeram a discriminação.
      Hoje ele tem 2 anos e 2 meses e mede 90 cm, nem sei se é baixo ou alto pois é meu primeiro filho, sinceramente nem me preocupo com isso, o que importa é que ele é sadio e feliz !!

  5. Vanessa

    Concordo Shirley.. meu filho tem uma verruguinha de nascença na orelha… eu nem noto mais, mas não é raro qdo alguém que acaba de conhece-lo comenta “nossa ele tem um botãozinho”… alowww só isso vcs enxergaram? e o sorriso lindo? e os olhos azuis cor do céu que ele tem?

  6. Lucilene

    Eu sofri muito na minha infância com minha irmã mais velha me chamando de orelhuda etc, e minha mãe deixava isso tudo acontecer infelizmente. Sofri mais dentro de casa do que na rua. Até hoje não fiz nada de cirurgia mas pretendo fazer ainda, pq isso deixa traumas….

    Minha irmã fazia até musica para mim :( muito sem graça.

  7. lilian

    Bom dia! Shirley…Minha duas filhas tem a ovelhinha assim, na primeira eu colocava faixa de cabelo sempre pra disfarçar, era um pouco neura, tinha medo das pessoas ficarem falando, agora com a segunda estou mais tranquila e nem ligo para colocar faixas eu tento ser mais tranquila pois isso é de família o pai tinha qd era magro. ..rsrs agora que está gordinho nem tem mais, so que ja vieram falar para eu fazer a cirurgia na Júllia, mas eu tenho medo de levar ela para uma cirurgia que acho que agora não tem necessidade, espero que ela não sofra com isso, pois ela é tão linda e não vejo “Problema” na orelha dela.bjs e obrigada por sempre falar alguma coisa boa para nós.

  8. Andressa

    Nossa, falou tudo, difícil é saber lidar com a maldade alheia.Eu tinha orelha de abano e operei e meu filho herdou essa característica genética de mim, também já sofri muito com isso, como na primeira vez que levei ele ao meu trabalho para apresentá-lo aos colegas e ele foi chamado de Dumbo, saí de lá chorando e com ódio por não tê-lo defendido com toda a minha força. O tempo foi passando e acho que agora estou mais tranquila com isso, não gosto de comentários deste tipo com ninguém e muito menos com meu filho, mas sou obrigada a ignorá-los e não retribuir a desavença, assim vou mostrar para meu filho como é aceitar realmente as pessoas como elas são, até as sem-noção.

  9. Silvia

    Me identifiquei com seu texto! Meu bebê está completando 4 meses e tem uma mancha escurinha de nascença bem no rostinho, que vai do queixo até a orelha. Ele é um encanto, muito lindo, mas como você disse as pessoas são cruéis… Sofro em pensar o que ele irá certamente escutar por aí. Só espero que não seja abalado psicologicamente. :(

  10. Camila

    Sei bem como é isso. Lembro de quando minha filha tinha 6 meses, e um parente disse que não acreditava que as pessoas diziam que ela era bonita, pois era bem feia.
    Aquilo me doeu muito. Fiz o mesmo questionamento….Ela é só um bebe! Como pode dizer uma coisa dessa???
    Enfim, temos que saber lidar com a maldade, mas também com a inveja e ódio que está em muitas pessoas.
    Acredito que muitos não conseguem lidar com a diferença, pois se acham tão perfeitos, e mesmo assim, vazios de amor. Então, como pode uma criança feia, com orelhas de abano, nariz de batata e etc, ser amada e dar amor???
    Enfim, precisamos ensinar os nossos filhos a aceitarem o diferente e respeitar as pessoas, seja como for, mas infelizmente, a também saber lidar com essa maldade e preconceito.
    bjs

    1. Carol

      Olha Camila, é até difícil acreditar numa coisa dessas, mesmo sabendo o que as pessoas são capazes. Coisa mais triste e sem noção de uma pessoa dizer… Beijos para sua boneca…

  11. Si

    Muito Importante alertar as mamães sobre a importância de não perpetuar atitudes maldosas como o bullying.

    E o q falar de “pessoas” q praticam esse tipo de coisa, ainda mas com um bebê! Maldade pura! Cada um dá o que têm!!! Para mim são…desalmadas, amarguras, maldosas, doentes!!! No mínimo!!!

    Bj grande, e nos seus dois filhos lindos!!!

  12. Edilene Oliveira

    Minha filha de 8 meses tbm tem as orelinhas mais abertinha… E eu já ouvi de parentes e pessoas proximas: “vc já reparou que ela tem orelhas de abano?” e obviamente não gostei… O ser humano, pode ser muito maldosos…

  13. Veronica

    A nossa sociedade está doente, após as redes sociais, em que só postam fotos lindas ( que nem reconhecemos a pessoa), de pessoas viajando, com sucesso, acho tudo isso bem ridículo!
    Ao meu ver, esse tipo de atitude( absurda) é bem “normal” nessa de redes sociais e exposição de imagens.

  14. Débora Faoro

    Olá Shirley,

    Passei por isso também, aliás estou passando a minha vida toda! Tenho orelhas de abano, que hoje não me incomodam, mas que na infância, adolescência e um pouco mais foram motivos de muito sofrimento. Eu comecei a notar elas quando começaram a fazer piadas. É assim que acontece …E adivinhe quais foram os primeiros comentários quando coloquei uma fotinho da Lara no facebook ou até pessoalmente para mim! Sofro antecipadamente por ela e espero atenuar ao máximo! Abraços! Adoro suas postagens!

  15. Mitzi Hoss

    Nossa, bullying com bebê é osso! Se ele não entende ainda, fere os pais, com certeza! Sei de gente na própria família que fica ressaltando os “defeitos” da criança, defeitos esses impostos pela nossa sociedade “grega” que estabeleceu um padrão visual. Às vezes as pessoas nem notam isso, mas por exemplo um nariz grande como foi o caso de Michael Jackson, que era zoado pelos próprios irmãos causa todo um complexo que a pessoa arrasta pela vida inteira. Os pais devem ficar bem atentos e construir uma imagem positiva de seus próprios filhos para que no futuro eles tenham segurança como adultos.

    Meu blog: http://www.mamaetrabalhadora.blogspot.com.br

  16. Fernanda

    Lembro que a primeira vez que fui participar do amigo oculto de Natal na família do mau marido, quando nós casamos, a tia dele assim me “descreveu”: o meu amigo oculto é a mais nova gordinha da família”.
    Todos, obviamente, acharam engraçadíssimo, exceto eu, cujos olhos encheram d’água quase que instantaneamente, e meu marido, que ficou muito bravo, mas preferiu não falar nada para não me expõe mais e não acabar com a noite de natal.
    Resultado: nunca mais participamos da brincadeira.
    Infelizmente as pessoas são assim…
    Mas concordo que com um bebê é muito pior, pois se eu, uma ” burra velha” de 28 anos na época, quase chorei, imagina uma mãe ouvindo falar isso de seu filho? Sinceramente, não sei se choraria ou mandaria para a p…

    1. Carol Irizaga

      Passei por isso na família do meu ex namorado. Ele foi me apresentar a uma tia, que me olhou e disse: “ah, mas é gorda. Mas é bonitinha”… Todos caíram na gargalhada, exceto minha ex sogra (uma mãe pra mim até hoje). E meu ex? Não só riu como ainda me disse que eu estava exagerando quando desabei no choro (no quarto, porque na frente da mulher fiquei firme, não sei como).

  17. Luciane Ferreira

    Esse post reflete tudo que eu penso, há uns dias atras eu li em uma matéria no G1 sobre uma mãe fazendo apelo ela dizia assim “parem de humilhar meu filho ” ele que tinha nascido com a síndrome de Pfaiffer que causa anomalias faciais e cranianas e criaram um meme comparando aquela crianças que não tinha acho q nem 3 anos aum cão da raça pug. Gentee aquilo me destruiu por dentro meu lado mãe, ser humano veio a tona e eu chorei horas e ainda me emociono de relembrar, então eu pensei como pode um ser ter coragem de zombar de uma criança por qqer característica dela, o que pode haver no coração de quem ri e compartilha imagens onde pessoas são satirizadas por sua feição eu não entendooo msm.
    Então concordo Shirley como mães devemos ensinar e não tolerar tais atitudes de nossos filhos pra ver se o futuro possa ser melhor.

  18. Alessandra

    Querida… fiquei chocada de ler isso, NUNCA REPAREI na orelha do Caê.. talvez pq eu preste atenção ao seu olhar, seu jeito fofo… seu desenvolvimento e no amor que envolve as suas fotos…
    Fiquei imaginando a cena do amigo oculto em família… que falta de educação eu diria, uma pessoa fazer isso com outra, quem dirá com um bebê…. Enfim, adoro ler tudo por aqui e adorei ler esse seu desabafo… Ensino a Marcela com 3 anos e 5 meses a não falar de nenhum defeito de nenhuma pessoa, digo à ela que todos somos bonitos, especiais e diferentes…. Sua Família é linda Shi.. uma benção!!! E Caê é perfeito… principalmente aos olhos de Deus!

  19. Carol Irizaga

    Eu sofri bullying na escola pelas notas altas, por ficar vermelha por qualquer coisa… Estou acima do peso e não raro observo as pessoas fazendo comentários bastante maldosos. E se eu, aos 30, me indigno… Com uma criança, considero até covardia, além de falta de noção e consideração. Meu irmão sofria bullying pelo peso e por ser uma criança bastante reservada. Isso gerou um transtorno para todos nós, que tínhamos que administrar essa situação em casa e ele, aos 15, neurótico com corpo, peso e saúde, comendo até pedra SS dissessem que ele emagreceria. As pessoas estão cruéis demais.
    Quanto ao Caê? É lindo sem ressalvas, encantador e simpático.

  20. Suelen

    Shirley passei por isso com o meu ruivinho de 2 anos e meio em plena adaptação na creche e adiamos a adaptação para escolher outra creche. Não foi relacionado a uma característica física dele, mas 3 meninos de 5 e 6 anos cercaram ele e ficaram provocando ele para assustá-lo por ele ser menor e mais tímido. Ainda bem que eu estava na recepção e ouvi ele chorando, as professoras nem viram. Resolvi depois disso escrever um artigo no site falando exatamente deste tema e o quanto o problema as vezes vem de dentro das casas dos pais: http://womanslounge.com.br/chega-de-bullying/
    Eu nunca reparei na orelha dos seu filho e só notei porque você comentou sobre o episódio, realmente as pessoas estão cada dia piores!
    Bjão!

  21. Camila

    Eu entendo sua preocupação, pois foi exatamente com isso que me preocupei quando minha bebê que acabou de completar 1 ano foi diagnosticada com estrabismo e teria que usar óculos. Temos que dar todo o suporte em casa para que isso não atinja nossos filhos e ensiná-los a nunca fazer esse tipo de “brincadeira” com um coleguinha, a final tudo passa e se concerta.

  22. Aline

    A grosseria de algumas pessoas, me enoja. Certo dia, estava na casa da minha sogra e um amigo dela teve a ousadia de chamar minha filha de feia e meu marido de gay. Se a pessoa não consegue enxergar a beleza, que guarde para si sua opinião. Fiquei com raiva infinita dele. Se estivéssemos na minha casa, ele seria convidado a se retirar(na base do cabo de vassoura, kķk)!!!

  23. Lu

    Amei o tema do post!
    O Cae é lindo de qualquer jeito!
    Comentários toscos receberemos sempre. “Não se atira pedra em árvores que não tenham frutos”. Se estão criticando é porque você tem muito valor! “Os caes ladram e a caravana passa”. Importante é sabermos que nosso valor esta dentro de nós e não é dado fora.
    O mais importante é que nossos filhos saibam seu valor, tenham auto estima, e ajam conforme o que acreditam. Se nao serão marionete dos comentários dos outros. Se não toda menina colocará silicone, nenhuma menina bonita estudará engenharia, … etc.
    Comentários toscos receberemos sempre, tenhamos personalidade de forma que esses comentários sejam insignificantes.

  24. Juliana Doerner

    Olá, Shirley!

    Como é triste isso! Sofri bullying minha vida inteira na escola e quando pensei que isso tinha passado, tive que enfrentá-lo na faculdade, durante um semestre. Sei exatamente o que é sofrer, chorar de medo de ir pra a escola. Sou revoltada com isso e desde que os gêmeos eram bebês ensino pra eles sobre tudo que mencionou no post. Realmente, o mundo está perdido!

  25. Juliana

    Enquanto as pessoas propagarem a ideia de que é normal ofender os outros pelas diferenças o mundo nao muda. desculpe Shirley, mas cheguei aqui pelo teu instagram.. e foi muito chocante ler certas palavras dizendo que isso era normal e que todo mundo teve apelidos na infancia. Enfim, é triste ver esses comentários partindo de màes, pois essas estarao passando esse tipo de ideal a seus filhos.. é uma pena que as pessoas nao saibam lidar com diferenças.
    O teu filho é lindo. sei que, como mae, voce deve ficar porreta com isso tudo, admito, eu tb fico! mas o melhor que tem é ensinar aos teus filhos como lidar com essa falta de noçao alheia, para q nao vire um problema no futuro. Sucesso!

  26. Cristina

    É inacreditável q isso aconteça, ainda mais com um bebê.

    Acho que quem faz esses comentários maldosos deveria ouvir uma bela resposta desaforada da mãe ou do pai da criança! Eu ainda não consigo responder na cara da pessoa pq meu jeito é assim. Mas admiro quem responde na hora e coloca a pessoa em seu “devido lugar “.

Deixe seu comentário