Tocante série de imagens da fotógrafa Anne Gueddes chama atenção para uma doença séria: a meningite

Essa semana, por meio de um evento promovido pela GSK, tive acesso a uma série de fotos que me tocaram profundamente. Entitulada de “Protecting our Tomorrows”, a série, feita pela famosa fotógrafa Anne Gueddes (aquela mundialmente conhecida por fotografar bebês), chama atenção para uma doença extremamente perigosa: a meningite.

destaque_anne_guedes_meningite

 

Através de suas lentes, Anne Guedes retrata imagens de crianças e adultos que tiveram sequelas causadas por essa doença. São imagens tocantes, que nos fazem perceber o quão nociva pode ser essa doença e, ao mesmo tempo, celebram a vitória dos sobreviventes.

Essa série, composta por 25 imagens, foi exposta na Toolbox Art Gallery, em Washington DC, mas ganhou o mundo por meio de sites, revistas e jornais, pela carga emocional que carregam.

meningite anne guedes 1

Megan teve meningite com apenas 2 anos. Como consequência da doença ela teve suas pernas e nove dedos amputados. Ainda, teve que passar por uma cirurgia de reconstituição do joelho.

meningite anne gueddes 2

Benjamin teve meningite com apenas 4 meses e, após passar meses internado no hospital, ele teve alta com diversas sequelas físicas e mentais.

meningite anne gueddes 3

Vitória, de 5 anos, perdeu as duas pernas devido a meningite.

meningite anne gueddes 4

Elias teve meningite aos 2 anos. Como consequência da doença ele teve as duas pernas amputadas e ficou com diversas cicatrizes pelo corpo.

meningite anne gueddes 5

Essa para mim é uma das imagens mais tocantes. Amber contraiu meningite aos 2 anos e teve os dois braços e pernas amputados.

Bernadette Giribaldi- 6 years old

Bernardete teve meningite com 3 anos. Ela teve ambas as pernas amputadas logo abaixo dos joelhos e também perdeu alguns dos seus dedos.

Definitivamente, essas imagens mexem com a gente (Baixe aqui, gratuitamente, o e-book com a série completa). Mas a intenção da fotógrafa, Anne Gueddes, não é nos chocar. Ela quer nos fazer parar, pensar e enxergar o perigo dessa doença que ainda mata e deixa sequelas importantes em tantas crianças ao redor do mundo.

E inspirada nessa emocionante série de fotos, aproveito para também fazer a minha parte, contribuindo com esse projeto de conscientização e alerta sobre a doença falando um pouco sobre ela aqui e esclarecendo as principais dúvidas que nós, pais, costumamos ter.

Primeiramente, é importante explicar o que é a meningite. A meningite é a inflamação da meninge, a membrada que reveste e protege o cérebro e a medula espinhal.

A meningite pode ser causada por vírus, bactérias (os agentes causadores mais comuns), fungos e outras doenças que não são infecciosas.

A meningite causada por vírus é a mais frequente, mas ela é mais branda. Normalmente, trata-se apenas os seus sintomas e, muitas vezes, o paciente nem fica internado.

Já a meningite causada por bacteria é que é o grande problema, por isso, é a ela que vou me deter aqui. Ela  é uma infecção bacteriana aguda, causada principalmente pelo pneumococo, meningococo e hemófilo, de rápida evolução e que pode ser fatal.

São cinco os sorogrupos que são os maiores responsáveis pela meningite – A, B, C, W e Y – e os sintomas da doença costumam ser febre, prostração, manchas vermelhas pelo corpo (petéquias), vômito, dor de cabeça e rigidez da nuca.

O contágio da doença se dá por meio de contato direto com gotículas/secreção respiratória (o meningococo fica alojado no nariz e faringe) que se espalham através de tosse, espirro, beijo ou contato com copos e talheres contaminados (as principais bactérias que causam a meningite são pouco resistentes ao ambiente externo, por isso, não “ficam” em móveis, paredes, objetos ou ar).

Já a prevenção é feita através de bons hábitos de higiene, como lavar as mãos com frequência, evitar compartilhar comida, pratos e talheres, e, principalmente, por meio de vacinas, que estão disponíveis na rede pública e/ou privada de saúde e indica-se a sua aplicação nas seguintes idades:

CRIANÇAS

3 Meses – Men C (rede pública e privada) e Men B (somente rede privada)

5 Meses – Men C (rede pública e privada) e Men B (somente rede privada)

7 Meses – Men B (somente rede privada)

12 a 15 meses – Men ACWY e Men B (ambas somente na rede privada)

5 e 6 anos – Men ACWY (somente rede privada)

11 anos – Men ACWY (somente rede privada)

ADOLESCENTES:

ACWY – 2 doses com 5 anos de intervalo

Men B – 2 doses com 1 mês de intervalo

Para mais informações sobre vacinas contra a meningite, leia esse post já publicado aqui no blog ou consulte o seu pediatra.

Essa doença é realmente muito perigosa e merece nossa total atenção. Mesmo com o diagnóstico rápido e com tratamento adequado, ela pode matar até 10 a 20% das pessoas infectadas. Já sem o tratamento, a mortalidade aumenta para 50% ou mais. E aqueles que não chegam a morrer devido à doença, acabam ficando com sequelas sérias, como amputação dos membros, perda de audição e dificuldade de aprendizagem.

Bom, espero que esse post sirva como alerta para nós, pais, não desconsiderarmos os riscos da meningite. E para mais informações sobre o assunto, converse sempre com o seu pediatra. Ele é a pessoa indicada para tirar suas dúvidas e orientá-lo sobre os melhores métodos de prevenção.

Saiba mais sobre a meningite no site Casa de Vacinas da GSK.

Confira mais informações nas redes sociais através da hashtag #VençaAMeningite.

publi-incentivo

 

 

1 comentário

  1. Carla Simon

    As vacinas do tipo ACWY e B precisam de reforços? (me refiro além das doses regulares)Dei por conta na minha filha a acwy e o pediatra disse que tinha posto dinheiro fora, ajudado a enriquecer o fabricante e nos chamou de burros! Claro que naquele nunca mais voltei, mas tenho essa dúvida. Obrigada por compartilhar!

Deixe seu comentário