Porque precisamos voltar a cuidar de nós e da vida a dois

Já há algum tempo, tenho contado aqui no blog que estou tentando me reencontrar. Passei por um período difícil após o nascimento do Caê e, quando cheguei no fundo do poço (eu tive depressão pós parto), percebi que precisava de ajuda e tinha que voltar a cuidar de mim.

Por estar cansada, estressada e me sentindo sobrecarregada, a convivência com o Leo, o meu filho mais velho, estava difícil (ele estava birrento, teimoso, difícil de controlar). A relação a dois também andava bem abalada.

foto casal

Photo Credit: Emma Fierberg via Compfight cc

Assim, tentando reverter essa situação e encontrar o equilíbrio da minha vida, eu busquei a ajuda de uma psiquiatra e, já na primeira consulta, seu diagnóstico foi categórico: “você está deprimida, sobrecarregada, cansada, exausta, no seu limite. A maternidade está tomando conta de toda a sua vida, sugando todas as suas forças, e você precisa voltar a cuidar de si, a descansar, a se dar momentos de prazer.” Minha médica foi além. Ela me disse que, para melhorar, eu precisava voltar a fazer exercícios físicos e, principalmente, retomar a intimidade do casal. “Encontre uma forma de, pelo menos uma vez a cada 15 dias, sair com o seu marido, só vocês, e se curtirem a dois. Retomar a intimidade do casal ajuda no equilíbrio e bem estar de toda a família. Você irá se beneficiar disso e seus filhos também.”

Bom, agora virou prescrição médica. Eu precisava dar um tempo do meu papel mãe 24h por dia e encontrar uma forma de incluir a Shirley pessoa e a Shirley esposa nessa rotina.

E foi isso que eu fiz. Encontrei uma pessoa para ficar com meus pequenos na sexta feira à noite, a cada 15 dias, por quatro ou cinco horas e, nesse período, eu saio para aproveitar a vida a dois. Nessas horinhas só nossas, a gente não fala de filhos, a gente não discute os problemas, a gente não resolve pendências. Nessas horinhas só nossas, a gente vai a nossos restaurantes favoritos, vai ao teatro ou ao cinema, namora.

E é incrível como essa pequena mudança na nossa rotina, que não foi nem tão difícil assim de organizar, fez toda a diferença na nossa relação como casal.

Com essas horas só nossas, nós nos reaproximamos, voltamos a ser um casal e não só os pais do Leo e do Caê. Esse fortalecimento da nossa relação interferiu também no comportamento do Leo, que ficou bem mais tranquilo.

Por isso, hoje quero deixar aqui um conselho: assim que passar a fase “olho do furacão” da chegada de um bebê, voltem a olhar para si mesmas e retomem a vida a dois. Isso é importante. Isso é imprescindível. Sei que nem sempre é fácil encontrar tempo, encontrar alguém que ajude, ficando com as crianças, ou se sentir à vontade para retomar o romance. Mas é importante e vale a pena.

Muitas mulheres reclamam que acham difícil retomar a intimidade do casal porque estão cansadas ou porque sentem dor durante a relação sexual. Mas isso pode ser contornado. Com o tempo, o cansaço diminiu, o bebê nos deixa dormir melhor. Quanto à dor, ela pode ser comum em mulheres que amamentam, pois a prolactina diminui a nossa lubrificação. Já existe no mercado um hidratante vaginal que trata o ressecamento vaginal do pós parto e resolve o problema da pouca lubrificação que muitas mulheres têm. Falo do Vagidrat, um hidratante que, após aplicado, tem eficácia por três dias, o que faz com que ele não precise ser aplicado na hora, deixando o ato bem mais natural, sem nada de constrangimentos. Converse com o seu ginecologista e tire todas as dúvidas sobre o produto. O Vagidrat pode ser um ótimo aliado para você retomar o prazer da vida a dois.

Acesse o site do produto  e solicite a sua AMOSTRA GRATUITA PARA EXPERIMENTAR. Vale a pena conhecer.

publi-incentivo

23 comentários

  1. Patrícia

    Olá Shirley, sempre acompanho seu blog, mas hoje tenho que comentar. Esse post caiu como uma luva, estava conversando ontem com uma amiga sobre isso. O meu “problema” é que eu trabalho e já fico longe da minha pequena durante o dia e quando chega a noite e nos finais de semana não tenho “coragem” de deixar ela, então saímos nós três, fico triste de deixar ela, ela já fica em casa a semana toda, então nos finais de semana levo ela pra brincar no clube, natação. Mas estou pensando em rever isso, uma vez ou outra, sair só nós 2, por algumas horinhas não vai me matar né. Bjos

    1. Shirley Hilgert

      Patrícia, faça isso. Não precisa ser toda a semana. Comece fazendo uma vez por mês. É tão bom!!!!!

  2. Adrielle.

    Verdade. Fale mais como foi a experiência e o que foi preciso para os pequenos ficarem tantas horas sem vc? Como foi esse processo?
    Meu bêbê tem 7 meses e chora muito quandi me afasto.
    4 horas sem mim seria um desafio muito grande. Bjo

    1. Shirley Hilgert

      Adrielle, o Leo já estava acostumado a ficar longe de mim e o Caê ficou também tranquilamente. Eles ficaram com pessoas conhecidas, então foi bem tranquilo. Bjs

  3. Gabi

    Oi Shirley!
    Você poderia passar o contato da sua psicóloga e da psiquiatra?
    Obrigada

    1. Shirley Hilgert

      Gabi, por favor, me mande um email: shirley@macetesdemae.com. Eu te respondo por lá. bjs

      1. Gabi

        Oi Shirley!
        Te mandei o e-mail!
        Obrigada

        1. Gabriela

          Shirley, boa noite!
          Você recebeu meu e-mail?
          Abs

          1. Shirley Hilgert

            Gabi, acho que não. Vc manda de novo? shirley@macetesdemae.com

  4. Camila

    Olá Shirley!

    O assunto não é relativo ao post, mas queria dar uma sugestão… minha filha de 8 meses tem problemas com sono (precisa de colo para dormir, acorda algumas vezes a noite, precisando de aconchego, quando não precisa mamar para voltar a dormir (está em aleitamento materno), etc) e todo mundo me diz “vai passar!!”… já pensei em consultoria do sono, li várias livros, tentei técnicas, inclusive as dicas da Marcia aqui do seu blog, mas sempre acaba em chororô e meu fraco coração de mãe desiste na primeira noite…
    Ai que entra minha sugestão, um post com relatos de mães, com todos os ângulos, as mães que não fizeram nada, quanto tempo levou para que o filho dormisse a noite toda, as que fizeram, quando fizeram, para que as mães que estejam na mesma situação que eu saibam o que esperar, pois o que mais vejo na internet é histórias de mães que se valeram de técnicas para o bebê dormir sozinho/a noite toda e não encontro relato de mães que deixaram acontecer pra ver onde ia dar, sabe?
    É isso! Adoro seu blog, aqui é mundo real, a vida como ela é, sem filtros, sem perfeccionismos, sem contradições, principalmente! beijos

    1. Shirley Hilgert

      Amiga, eu sou a mãe que deixou as coisas andarem para ver onde ia dar. Ahahahaha! Leo dormiu a noite toda assim que fez 1 ano. Foi batata! Mas Cae já tem quase 1 ano e 3 meses e ainda acordar 2 ou 3 x à noite. Eu faço tudo certinho, tenho rotina, mas ele acorda. E de noite, quando ele acorda, eu atendo.
      Sei que um dia ele irá dormir a noite toda. Até lá, tento manter a paciência. ahahah! bjs

  5. Alessandra de Paula

    Shirley amo ver seus snap, e acompanho sempre que posso seu blog, mas hoje esse post falou muito CMG. Tenho deixado minha vida de mãe tomar conta da minha vida social, tanto com meu marido como com as minhas amigas. Depois do que você escreveu vou repensar em muitas coisas. Obrigada por compartilhar.

    1. Macetes de Mãe

      Olá, Alessandra!
      Obrigada pelo carinho, continue acompanhando :) <3
      Que bom que o texto te ajudou.
      Bjss

  6. ANA PAULA

    OLÁ, SHIRLEY… TENHO UM FILHO DE 1 ANO E 5 MESES E REALENTE A RELAÇÃO DO CASAL MUDOU MUITO DESDE QUE ELE NASCEU… NÃO TINHA TEMPO PRA MIM, VOLTEI A TRABALHAR E ME SENTIA SOBRECARREGADA…. PERCEBI QUE EU PRECISAVA MUITO REVERTER ESSE QUADRO, ACHAR UM TEMPO PARA DEDICAR A MIM E AO MEU CASAMENTO. VOLTEI PARA A ACADEMIA E PEDIMOS PARA A MINHA IRMÃ FICAR COM NOSSO FILHO ÀS VEZES PARA SAIRMOS SÓ NÓS DOIS…. COM CERTEZA É IMPORTANTE RETORNAR O ROMANCE E A RELAÇÃO A DOIS PARA MANTER A HARMONIA DE TODA A AFAMÍLIA.

  7. Deborah

    A gente sabe disso tudo, mas não colocá em prática! Por cansaço, sono, preguiça, vontade de ficar largada no chão com as crianças…
    Lendo seu post parecia alguém contando a minha história já quase dois anos, quando vivemos uma crise em nosso casamento, e foi exatamente esse o conselho da psiquiatra: saia sozinha com seu marido, sem filho, e vá namorar! Curtir, jantar, passear, dançar… Ou seja: temos que regar diariamente a nossa plantinha!!! Cuidar de nós mesmas e do nosso casamento, em bem do relacionamento e de toda família!
    Quando você posta fotos de “maternidade real” eu me vejo na cena! Tenho também dois filhos: João Pedro, de 4 anos, e Davi Luiz, de 6 meses. Estou exausta, porém feliz!!

  8. Juliana

    Puxa, como é interessante esse tema. Vi alguns comentários de pessoas que se identificam com a história. Comigo foi exatamente da mesma forma.
    Alguém tem alguma babá para iniciar?

  9. Luciana

    Minha filha está com 9 meses e o relacionamento com meu marido ainda continua duficil, quando eu estava grávida ele dizia q nao conseguiria trocar fralda dar banho essas coisas, no fundo eu achei q com o Nascimento dela isso mudaria. Mas nao mudou realmente nao posso contar com ele pra nada no que se refere aos cuidados com ela. Minha mae faleceu 2 meses antes dela nascer e minha unica irma fui diagnistucada com cancer de boca no mes que a minha filha nasceu, nao tive e nao tenho ninguém pra me ajudar. Amo meu marido e sei q ele tbem nos ama, mas ele tem receio de machucar nossa filha qdo lidar com ela. Ele cuida de todo p andamento da casa, pgto contas, supermercado, farmacia etc. Mas com o fim da minha licença maternidade não consegui voltar ao trabalho, pq meu horário era até as 21h como deixar uma criança 3 horas com um pai q nao troca nao da banho ou comida???? Isso tudo refletiu no casamento, já chirei muito, carrego uma mágoa e frustração com isso td. Como retomar a intimidade me sentindo assim? Hoje cuido da minha filhota o dia todo e estou tirando forças em Deus pra manter

    1. Shirley Hilgert

      Luciana, difícil dar um conselho certeiro sobre isso. Relacionamento a 2 é meio complicado, né? Sugiro você conversar com seu marido e pedir para ele ir fazendo as coisas com a sua filha aos poucos, para ir pegando confiança, sentindo segurança. Pode começar levando para dar uma volta de carrinho, depois brincar, e depois vai para a fralda, banho, etc… Aí, ele fazendo isso, com certeza você se sentirá melhor porque terá alguma ajuda. E você se sentindo melhor as coisas a 2 melhoram também. :-) Bjs

  10. Natália

    Oi Shirley, eu simplesmente AMO seu blog, seus relatos do lado b da maternidade me faz sentir menos culpada de não achar td um mar de rosas!
    Qto tempo o Cae tinha quando você começou a fazer isso?
    Obrigada!
    Bjs no coração

    1. Shirley Hilgert

      Oi Natália, tudo bem? Obrigada pelos elogios! Fiquei muito feliz. Cae tinha 8 meses quando voltei a me cuidar.

  11. Debora

    Oi Shirley:

    Ler o seu post hoje foi como se eu estivesse lendo parte do meu diário (se ele existisse rs..)! Achei que era uma coisa minha passar por isso, mas estou vendo que é mais comum do que eu pensava. Tenho dois filhos tb, em idades bem parecidas com os seus, então me identifico muito com o que vc escreve. Qts meses o Caê tinha, qdo vcs começaram a sair pra namorar? O meu maior tem 3 anos e o meu bb tá com 3 meses!!

    1. Shirley Hilgert

      Tinha uns 8 meses. bjs

  12. ELIS REGINA VASCO GOMES

    Eu tive essa fase de me resgatar tb… o Rafa estava ja com 11 meses. Consequentemente melhorou a intimidade com o maridão.
    A gente pode ser tudo… mãe, profissional, esposa, etc. Temos uma força que nem acredito as vezes!
    Temos que vencer tb a preguiça e investir mais no lado sexual… em nossa libido.
    Quando comecei a cuidar de mim automaticamente isso foi mudando.

Deixe seu comentário