#PrimeirasDescobertas: Saindo do colo

Se tem uma fase marcante na vida das mães é quando o bebê começa a ficar mais independente: senta sozinho, começa a engatinhar, dá os primeiros passinhos… Esse é um período cheio de descobertas para ele, mas também recheado de aprendizados para nós.

Quando nossos pequenos passam do colo para o chão, ou seja, naquela fase entre 6 meses e 2 anos, eles descobrem um novo mundo. A curiosidade vem à tona e parece que eles não têm limites para explorar o ambiente ao seu redor: escalam móveis (nossas mesas que o digam, no Snapchat já criei até um bordão: “Caetano, mesa não é palco!”), entram em espaços minúsculos, arrastam-se pelo chão, sobem e descem escadas, querem experimentar/tocar tudo com as mãos (principalmente alimentos) e por aí vai.

imagem-destaque-0-ano-1

E é claro que, com tanta energia e vontade de descobrir e explorar, eles não param um segundo. Por isso, nessa fase, é importantíssimo ficar atenta para questões de segurança da nossa casa e dos ambientes que frequentamos. Começa a época de instalar portõezinhos em escadas (e, assim que possível, ensinar a criança a subir e descer com segurança), fixar móveis ou grandes objetos que possam vir a tombar caso o bebê se dependure neles, colocar protetores de quina naquelas mais perigosas e mais próximas da altura dele entre outros cuidados que vamos descobrindo conforme nossos pequenos vão explorando o ambiente.

E nesse período, de vai e vem e sobe e desce, outra coisa que passa a chamar bastante atenção das mães são as roupinhas dos pequenos. Se antes elas eram perdidas simplesmente porque ficaram pequenas (sim, enquanto a criança só fica no colo as roupas permanecem impecáveis) agora elas se perdem porque são gastas mesmo. E assim, se não receberem uma dose extra de cuidado e carinho, acabam por ficarem detonadas rapidinho.

Então, para que a curiosidade dos nossos pequenos não nos faça ter que montar um guarda-roupa novo a cada mês, resolvi fazer o post de hoje com  dicas simples e práticas para mantermos as roupinhas das crianças em ótimo estado apesar das peraltices que esses anjinhos aprontam por aí:

  1. Na hora de comprar as roupinhas, dar prioridade para os tecidos naturais (como algodão), que são mais leves, flexíveis, confortáveis e resistentes. Ou seja, tecidos que não vão restringir seus movimentos. Ainda, se não for confortável, poderá acabar por irritar sua pele (principalmente os joelhos na fase em que a criança engatinha) e se não for resistente, a peça não irá durar nem até o mês seguinte, afinal, os pequenos irão colocá-la à prova a todo instante.
  2. Evitar roupinhas de tecido sintético, principalmente que contenha poliéster, que é o grande responsável pelo aparecimento das terríveis bolinhas que dão aquele aspecto de roupinha velha, acabada. E como criança nessa fase (6 meses a 2 anos) acaba sujando muito roupa, as peças têm que ser lavadas frequentemente e isso aumenta o aparecimento das desagradáveis bolinhas.
  3. Para tirar as manchas (sim, nessa fase o que não falta são manchas: comida que espirrou, joelho que sujou, …), vale a pena investir em produtos eficientes e dermatologicamente testados, que são seguros para a pele delicada do bebê;
  4. Na hora de colocar as roupas na máquina de lavar, não misturá-las com a roupa dos adultos. Primeiro porque as roupas das crianças costumam ser mais delicadas, então precisam um ciclo de lavagem indicado para esse tipo de roupa. Depois, porque os produtos utilizados para a limpeza da roupa dos adultos podem não ser indicado para a pele das crianças (nesse caso, OMO Puro Cuidado é uma opção segura).
  5. Se a roupa a ser lavada tiver detalhes e apliques (bem comum em roupas de crianças), virá-la do avesso antes de colocar na lavadora. Isso porque, os detalhes aplicados podem se soltar ou até enroscar e danificar outras peças.
  6. Na hora de passar, nunca deixar o ferro em temperatura muito elevada. Os tecidos das roupas de crianças costumam ser delicados e a temperatura muito quente pode prejudicar as fibras. Ainda, no caso de detalhes e apliques, optar por passar as peças do lado avesso ou, então, passá-las com aqueles vaporizadores.
  7. Na hora de guardar, tomar alguns pequenos cuidados para garantir a organização e a vida longa das roupinhas:
    1. Não guardar peças sobrepostas em cabides, pois você não visualiza o que está embaixo e aí acaba por não usar.
    2. Não colocar pilhas muito altas em gavetas, pois isso pode fazer as peças de cima rasparem no móvel na hora de abrir e fechar a gaveta (e assim danificar a peça).
    3. Quando guardar conjuntinhos (bermuda e camiseta, calça e casaco, etc…), manter as peças dos conjuntos juntas, para facilitar na hora de montar o modelito.
    4. Colocar algumas unidades de giz nas cômodas e armários para evitar mofo nas peças.

Bom, essas são as minhas dicas de cuidados com as roupinhas dos nossos pequenos exploradores. Com certeza, você também tem as suas, então, comente aqui embaixo e deixe a sugestão para outras leitoras.

Esse post contou com o apoio de OMO Puro Cuidado, cuja fórmula é hipoalergenica e dermatologicamente testada e foi desenvolvida pensando especialmente na pele delicada dos pequenos.

publi-incentivo

Deixe seu comentário