Dicas para o desfralde noturno (e como desfraldei o Leo de um dia para o outro)

Desfraldamos o Leo. Quer dizer, desfraldado do dia ele já estava há muito tempo (quase 2 anos), mas ainda faltava tirar a fralda da noite.

Há uns 6 meses, mais ou menos (talvez um pouco mais) eu tentei o desfralde noturno. Tentei por 1 semana e não foi legal. Desisti. Achei que o processo estava bem complicadinho, com muitos escapes, ele sem muito interesse, etc… Enfim, bem diferente do desfralde diurno dele que foi bem fácil.

E aí, voltei atrás na ideia do desfralde. Achei que ainda não era a hora, que estava começando o frio e que isso estava atrapalhando um pouco e que seria melhor esperar. Mesmo que isso significasse ele usar fralda para dormir por mais tempo que a maioria das pessoas considera “normal”, “adequado”, “ideal” (eu contei os detalhes da desistência do desfralde noturno aqui).

desfralde-noturno

Photo Credit: Monkey Mash Button Flickr via Compfight cc

E agora, retomei o desfralde noturno. E quer saber? Foi tirar a fralda numa noite para ele estar desfraldado no dia seguinte. Isso mesmo. Simples assim. Da noite para o dia, sem stress, sem escapes, sem choros e frustrações, sem mil promessas de ganha isso e ganha aquilo. Sem trabalho para mim ou para o pai dele. Do jeito que eu acho que é o ideal (bom, pelo menos para mim).

E como é que você conseguiu esse  milagre meu Deus do céu? Como? Como? Como? Conta aí Shirley. A verdade é bem simples e eu resumo em uma coisa: eu esperei o tempo dele. Eu não apressei as coisas. EU ESPEREI. Talvez muito mais do que as outras mães costumam esperar (Leo está com 4 anos e meio).

“Ah, mas isso é coisa de gente preguiçosa!”. “A criança não pode ficar tanto tempo assim de fralda!”. “Isso faz mal para o psicológico dela!”. Certeza que tem gente pensando e dizendo isso, mas quer saber, não acredito nisso não e não estou nem aí para quem pensa assim. Se quiserem achar que eu sou preguiçosa, por mim ok. A verdade é que prefiro sim o processo simples, rápido e tranquilo para mim e para o meu filho. Sem grandes trabalhos para ele ou para mim (se quiserem chamar de preguiça, beleza). E também não vejo nenhum, mas nenhum problema mesmo da criança levar meio ano ou um ano a mais usando fralda. Gente, no que isso vai influenciar na vida dela? Se tiver alguma explicação psicológica para isso, adorarei fazer e aí venho aqui compartilhar nesse post essa informação. Mas de bate pronto, para mim, não parece trazer nenhum dano para a criança ela usar fralda por um tempo um pouco maior do que é o visto como “normal”(diferente de tirar uma chupeta, por exemplo, que pode sim prejudicar a posição dos dentes e aí não é tão tranquilo assim levar anos para tirá-la da criança).

Mas agora que falei, falei, falei e deixei clara a minha opinião sobre desfralde, vou compartilhar com vocês as dicas que eu tenho certeza que me ajudaram, e muito, por aqui em todo esse processo.

Respeitar o tempo da criança e entender o seus sinais:

Como eu disse lá em cima, tentei fazer o desfralde noturno do Leo há alguns meses e foi bem caótico. Por mais que eu o levasse para fazer xixi 2 ou 3 vezes à noite, sempre tinha escapes. Aí voltei atrás, desisti, e retomei a ideia agora, depois de esquecer de colocar fralda nele uma noite e ele levantar e vir até a minha cama pedindo para eu levá-lo para fazer xixi. Na noite seguinte ele já dormiu sem fralda e assim permaneceu até hoje (isso faz 7 ou 8 dias). E em todo esse tempo, só tivemos escape uma única vez, que foi numa das noites que ele não aceitou fazer xixi quando eu o levei ao banheiro às 23h. Só por isso.

Outro sinal muito claro de que a criança está pronta para o desfralde noturno é a fralda acordar seca durante várias noites. Se você começar a ver a fralda seca ao acordar, pense em começar o deslfrade. Será mais fácil.

Cortar líquidos antes:

Mais uma dica muito importante para o desfralde: cortar líquidos antes da criança ir para a cama. Leo ainda toma leite antes de dormir, mas agora, em vez de tomar na hora que vai para cama, ele toma antes do banho e, na hora que está indo para seu quarto para dormir, eu o levo para fazer xixi.

Levar dormindo para fazer xixi:

Aqui, na hora que eu vou dormir, que costuma ser entre 23:30 ou 00:30 eu levo o Leo para fazer xixi. Tiro ele da cama dormindo mesmo, levo no banheiro, coloco-o de pé e converso com ele para ele fazer xixi. Ele faz dormindo mesmo. Acho isso super, super, super importante, pois ajuda a liberar a bexiga para ela aguentar até o dia seguinte (isso e não dar líquidos mais tão próximo à hora de ir para cama).

Explicar para a criança tudo que está acontecendo, o que ela tem que fazer para colaborar e quais são as implicações disso:

Acredito que a criança tem que entender qual o seu papel em cada situação da sua vida. Ela não pode ficar achando que está fazendo o desfralde porque o pai e a mãe querem, porque vai ganhar um presente no final, porque nenhum dos seus amigos usa fralda mais, etc… Acho que ela tem que entender que está fazendo o desfralde porque ELA NÃO PRECISA MAIS de fralda para dormir, porque já tem condições de segurar o xixi ou de acordar e pedir para ir no banheiro quando estiver com a bexiga cheia. Quando ela entende que ela já tem condições de fazer isso e quando ela entende o que tem que fazer para colaborar, ela colabora e as coisas acontecem de uma forma bem mais simples. Por exemplo: aqui explicamos para o Leo que ele estava pronto para não usar mais fralda e que a prova disso era que eu esqueci de colocar a fralda nele numa noite, ele percebeu que estava sem fralda e, na hora de fazer xixi, levantou e veio pedir para eu levá-lo no banheiro. Ele entendeu mesmo que estava pronto. E aí explicamos que ele tinha que colaborar. Que se seguisse tomando leite na hora de ir para cama e não aceitasse fazer xixi no meio da noite na hora que eu o levo para fazer xixi, iria ter escape (e ele não gosta, é claro, de acordar molhado). Ele entendeu isso também no dia que não fez xixi quando o levei ao banheiro e aí ele teve escape. Entendeu a questão de causa – consequência (não fiz xixi quando a mamãe me levou e aí teve escape) e aí passou a colaborar e sempre fazer xixi quando a gente o leva ao banheiro mesmo que dormindo.

Usar protetor de colchão, tapete higiênico de cachorro ou forrar o colchão com plástico:

Essa dica não ajuda especificamente no desfralde, mas ajuda a mãe na limpeza da bagunça caso aconteça algum escape. Por isso, enquanto estiver fazendo o processo de desfralde, não esqueça de forrar e proteger o colchão, se não, você poderá ter problemas.

Ah, e quanto tempo depois é certeza de que a criança desfraldou mesmo? Não terá escapes? Olha, acho que a criança ter um ou outro escape não quer dizer que ela não desfraldou. Se ela amanhece a maior parte das vezes seca e raramente tem algum escape, ela já desfraldou. Afinal, num determinado dia ele pode ter tomado mais líquido que o normal, estar com o sono mais pesado e não acordar para pedir para ir ao banheiro ou até você esquecer de levá-la ao banheiro no meio da noite. Para mim, Leo desfraldou, mesmo que isso tenha acontecido há uma semana. E por que penso assim? Porque nesse tempo todo ele teve um único escape e o motivo eu sei claramente (eu não insisti para ele fazer xixi quando o levei no meio da noite para esvaziar a bexiga).

 

 

Deixe seu comentário