Como proteger as crianças das viroses mais comuns na volta às aulas

Daqui a pouco, as férias chegam ao fim e volta a preocupação dos pais: “meu filho vai entrar na escola e ficar doente toda semana!”, “meu filho estava ótimo nas férias, mas agora, junto com as aulas, voltam os probleminhas de saúde”.

Quem tem filhos na idade escolar sabe que isso é comum. Na verdade, uma criança saudável tem, em média, 10 episódios de viroses por ano. E é normal! Além dos resfriados e gripes, ainda há alta incidência de diarreia viral nos mais novos e amidalite bacteriana nos maiores.

imagem-destaque-post-floratil

Photo Credit: woodleywonderworks Flickr via Compfight cc

Mas você sabia que é possível proteger as crianças das viroses mais comuns que circulam no ambiente escolar? Tomando alguns cuidados simples, você garante mais saúde para os nossos pequenos. Veja aqui quais são:

  • Prolongar a amamentação da criança pelo maior tempo possível. O leite materno é um dos principais responsáveis pelo fortalecimento do sistema imunológico infantil.
  • Garantir que a alimentação seja equilibrada e rica em nutrientes. Isso também ajuda a fortalecer o Sistema imunológico (crianças que comem adequadamente pegam muito menos doenças).
  • Conversar com a escola para que objetos como talheres, pratos e copos sejam de uso individual e não compartilhado. Se possível, também cuidar para que as crianças não compartilhem brinquedos que vão à boca. Outro cuidado que pode ser solicitado é manter o ambiente sempre muito bem ventilado.
  • Manter a caderneta de vacina em dia.
  • Ensinar seu filho a lavar bem as mãos com sabão e água corrente sempre que chegar em casa.
  • Quando a criança estiver doentinha, evitar que ela vá a escola – tanto para não passar a doença para outras crianças quanto para preveni-la de pegar algo diferente.

Mesmo com as precauções, as crianças acabam pegando uma virose aqui e outra ali. Nesses casos, o mais indicado é sempre conversar com o pediatra, ainda que por telefone ou WhatsApp. Só o médico pode indicar o melhor tratamento para o seu filho. Ainda assim, é importante ficar atento no quadro geral da criança (principalmente quando bebê) para evitar que uma virose evolua rapidamente. E aqui estão algumas dicas:

  • Oferecer bastante água ou soros de reidratação oral (como Floralyte®) para a criança, para não correr o risco de ela desidratar. Isso vale para viroses que trazem febre e também para as que resultam em vômito e diarreia. Só lembrando que, quando a criança está com náusea e vomitando, é importante oferecer líquidos lentamente, para que o organismo não rejeite.
  • Ofereça opções que ajudam na recomposição da flora intestinal, como o Floratil®, que é um probiótico, ou seja, um microorganismo vivo que age no controle das diarreias (e que é sempre usado por aqui desde que o Leo era bebê, pois tinha muito problema intestinal por conta da APLV). Leia mais sobre o Floratil® no final desse post. Vale a pena entender melhor sobre o assunto*.
  • Deixar a criança descansar – ou seja, dormir! Quanto mais ela puder dormir de dia e de noite, mais rápido se recuperará.
  • Manter a dieta equilibrada, mesmo quando seu filho não quer comer. Nesse caso, vale a pena oferecer alimentos que agradam mais o paladar dele e que sejam fáceis de mastigar e de engolir. Mas, claro, evite aqueles que podem piorar os casos de diarreia e vômito: açúcares, refrigerantes, verduras cruas e folhosas (tem muitas fibras), leguminosas (soltam o intestino), frutas que soltam o intestino (mamão, ameixa, pera) leite e derivados (se você amamenta, evite consumir leite e derivados também), alimentos gordurosos e com condimentos em excesso.

Sobre o Floratil®:

Um dos grandes benefícios do Floratil® é o seu tempo de ação. Ele começa a agir até 4x mais rápido no organismo da criança (as demais opções chegam a levar até 1 dia para começar a agir e sabemos que, quando se trata de diarreia e do risco iminente de uma desidratação, quanto antes o medicamento fizer efeito, melhor). Ainda, Floratil® não tem restrição de idade e pode ser dado para crianças a partir do primeiro mês de vida (Leo usava desde muito bebezinho, pois por conta da APLV dele ele tinha muita diarreia) *. Ele também é bastante prático de ser administrado, pois vem nas versões sachê, com sabor tutti-frutti, que pode ser dada direto na boca ou misturada em sucos, frutas e papinhas, e na versão cápsula, sem sabor, que também pode ser aberta e ter seu conteúdo misturado a líquidos ou alimentos.

Floratil® foi indicação do pediatra dos meninos, mas como trata-se de um medicamento, sugiro que você converse com o seu pediatra e pergunte sobre o uso. Ninguém melhor que o seu médico para dar as orientações adequadas.

*Frequentemente lactose é encontrada como excipientes em probióticos. A lactose é um açúcar presente em produtos lácteos. Floratil possui menos de 35 mg de lactose, enquanto iogurtes comuns possuem até 7,4g de lactose por unidade*. Porém vale lembrar que pacientes alérgicos a um dos excipientes e/ou leite não devem utilizar o produto.

(ref: http://actapediatrica.spp.pt/article/viewFile/4414/3272)

FLORATIL® É UM MEDICAMENTO. SEU USO PODE TRAZER RISCOS. PROCURE O MÉDICO E O FARMACÊUTICO. LEIA A BULA

Floratil® (Saccharomyces boulardii-17 liofilizado) M.S 1.0089.0090. Floratil® está indicado como auxiliar na restauração da flora intestinal e também como auxiliar no tratamento de diarreias de diferentes causas.

FLORALYTE® É UM MEDICAMENTO. SEU USO PODE TRAZER RISCOS. PROCURE O MÉDICO E O FARMACÊUTICO. LEIA A BULA.

Floralyte® (cloreto de sódio, citrato de potássio monoidratado, citrato de sódio di-hidratado, glicose anidra). MS 1.0089.0336. Floralyte® 45 é indicado para prevenir a desidratação ou manter a hidratação (após a fase de reidratação), em quadros de diarreia aguda, de qualquer causa, tanto em crianças quanto em adultos. Floralyte® 90 é indicado na reidratação ou para a manutenção da hidratação (após a fase de reidratação), em quadros de diarreia aguda, de qualquer causa, tanto em crianças quanto em adultos.

SE PERSISTIREM OS SINTOMAS, O MÉDICO DEVERÁ SER CONSULTADO.

4 comentários

  1. Gisele Legnani

    “Porém vale lembrar que pacientes alérgicos a um dos excipientes e/ou leite não devem utilizar o produto.”

    Então, como utilizava com Leo se ele tinha APLV??????

    1. Shirley Hilgert

      Gisele, o medicamento informa que tem lactose (uma açucar) e o Leo era alérgico à proteína do leite. Acredito que por conta disso nunca tivemos problema. Bjs

  2. Mariana

    Oieee
    Assisto todos os seus instastories e amo!!!
    Queria dicas pra lancheira da escola, o que levar.
    Meu filho tem 2 anos e começa hoje às aulas.
    Beijos

    1. Macetes de Mãe

      Olá, Mariana!
      Obrigada pelo carinho!!! Fico super feliz <3
      Tem um post sobre assunto aqui no blog: http://www.macetesdemae.com/2016/08/preparando-a-lancheira-o-que-levar-e-o-que-evitar.html espero que ajude.
      Bjss

Deixe seu comentário