Calor e desidratação infantil – saiba tudo sobre isso

Como tem feito muuuuuito calor ultimamente, resolvi voltar a falar sobre o assunto hidratação/ desidratação infantil. Na verdade, é só aumentar a temperatura que eu passo a ficar ainda mais atenta à questão da hidratação dos meninos e, para isso, tomo alguns cuidados: ofereço água mais vezes ao dia, dou prioridade a locais ventilados e frescos e evito colocar roupas sintéticas ou grossas, priorizando também tecidos naturais, como o algodão.  E isso não é à toa. Há alguns anos, vivi um episódio bem sério de desidratação do Leo e não quero passar por isso de novo (ele pegou uma virose quando estávamos no Chile. Contei sobre isso aqui.).

Mas, mesmo com todo esse cuidado de ingerir líquido pode acontecer dos pequenos ainda ficarem desidratados, isso porque eles são mais sensíveis e, às vezes, junta calor + excesso de exposição solar + transpiração e aí, pronto! Eles ficam desidratados. Sem contar que ainda tem a perda de líquido causada por viroses frequentes de verão  (lembram do caso do Leo no Chile, que mencionei acima?), as quais provocam vômito e/ou diarreia e, em alguns casos, ainda dor de garganta, o que piora ainda mais a questão pois prejudica a ingestão de líquidos e alimentos.

Photo Credit: theloushe Flickr via Compfight cc

Resumindo: a desidratação vai surgir quando a criança perder mais líquido do que ela consegue repor e aí, vale lembrar que esse líquido não é água pura, mas água com sódio e potássio, e por isso que ela faz tanta falta.

Então, se o seu filho fizer um xixi mais concentrado e em pouquíssima quantidade ou ficar irritado, cansado, com a pele seca e os olhos fundos pode ser um sinal da perda de líquido e de uma possível desidratação.

O que faço aqui em casa é primeiro tentar a reidratação caseira. Ofereço água ou, se eles não quiserem, o suco da fruta preferida dos meninos, mas tudo aos poucos (já que a criança não reidrata de uma hora para a outra e se tomar muito rápido pode até vomitar). 

Mas vocês devem estar pensando: e o famoso soro caseiro? Ele também está na lista. O soro não pode ser preparado com frequência, mas em situações graves como em desidratação por diarreia ou vômito a sua ingestão é indicada sim.

E, só para lembrar, a receitinha básica é de 1 colher de sopa rasa de açúcar para uma colher de chá rasa de sal. Isso, misturado em 1l de água filtrada, fervida ou mineral (Ps: para checar se fez certo, tenha em mente que o gosto fica parecido com o da lágrima. Ah, e tem também a solução pronta, vendida na farmácia. Neste caso, é só diluir o pó na água. E quanto a criança deve tomar do soro? Bom, se a criança for pequena, a recomendação é oferecer duas colheres de chá de soro a cada cinco minutos e se ela passar uma hora sem vomitar intercalar a bebida a cada quinze minutos.

Ah, e outro aviso muito, muito, muito importante. Em nenhuma hipótese dê remédio para “segurar” o intestino ou cortar a náusea sem orientação médica. Certos medicamentos dão sono e a criança, por estar dormindo, ingere menos líquido ainda. Além do que não sabemos o real motivo da desidratação e a medicação só vai inibir ou dificultar o diagnóstico, então, muito cuidado com isso.

Agora se em 24 horas, apesar de todos esses cuidados, não houver nenhuma melhora é preciso consultar um pediatra o quanto antes, pois a desidratação é um assunto muito sério. No hospital, a reidratação é feita com soro na veia (Leo já tomou) e em pouco tempo os pequenos estarão ótimos brincando. Mas, mesmo assim, é preciso ficar de olho, a fim de evitar um novo episódio de desidratação.

Quer saber mais sobre desidratação? Confira os posts abaixo:

Desidratação: o que causa, como identificar, como evitar e como tratar

Crianças: as doenças de verão mais comuns (sintomas e como prevenir)

8 Dicas para garantir o bem estar dos pequenos em viagens (em tempos de calor)

Deixe seu comentário