Para se proteger de estranhos: a regra que seus filhos não devem esquecer nunca

Eu assino uma newsletter de um site maravilhoso, gringo, com muita informação interessante sobre filhos, família, maternidade, paternidade, etc… e, esses dias, recebi um material que me chamou atenção. Era sobre uma regra importante para ajudar crianças a se proteger de estranhos. O título do texto dizia o seguinte: Mom’s Certain These Two Words Saved Her Kids From A Near Abduction (numa livre tradução, algo como: “Certamente, essas duas palavras de uma mãe salvaram seu filhos de um quase rapto”).

Na hora que eu li isso, estava na correria, para variar, então guardei o texto para ler mais tarde. Nesse final de semana, consegui sentar para ler e ver o que essa mãe falou para seus filhos e que ajudou-os a se proteger de estranhos e evitarem uma situação de grande perigo.

Photo Credit: Boris Thaser Flickr via Compfight cc

Na verdade, ela começa contando a história toda:

Certo dia, ela não pode pegar seus filhos na escola porque teve uma urgência de saúde e teve que correr ao hospital. Nessa hora, ela ligou para o vizinho e pediu ajuda. Ele se prontificou a pegá-los mas, no caminho para a escola, acabou atrasando-se e as crianças esperaram, sozinhas, por 40 minutos (não me perguntem como é que duas crianças ficaram sozinhas esperando do lado de fora de uma escola que eu não sei dizer. Mas enfim, o ponto não é esse. O ponto é o que ela disse para essas crianças ao longo da vida que ajudou a mante-las seguras nessa situação de perigo).

Continuando…

Enquanto as crianças esperavam o vizinho chegar, dois rapazes se aproximaram delas e pediram ajuda. Eles disseram que um terceiro amigo estava num banheiro próximo, com medo de sair de lá, e que se os meninos fossem até lá e explicassem que era seguro do lado de fora o rapaz sairia. Com certeza!

Depois, os meninos contaram que esses estranhos tentaram e tentaram diversas vezes convencê-los a sair de onde estavam e irem até o tal banheiro, mas eles não se moveram.

Assim que o vizinho chegou, os dois rapazes (e o terceiro, que estava no banheiro mesmo), entraram num carro e fugiram rapidamente.

Quando as crianças contaram para a mãe o que havia acontecido, ela quis entender o que, afinal, fez com que eles não se movessem, não acreditassem no que os rapazes diziam e não aceitassem ir com eles para lugar algum. E aí, eles deram a resposta, que para mim parece genial, justamente pela sua simplicidade e coerência:

“Mãe, você sempre nos disse que não devemos confiar quando um adulto pede a ajuda de uma criança. NUNCA UM ADULTO PEDE A AJUDA DE UMA CRIANÇA. Ele não precisa. Um adulto vai pedir a ajuda de outro adulto”.

Gente, está na nossa cara isso! Isso é algo tão simples, tão óbvio, mas muitas vezes esquecemos de passar essa mensagem aos nossos filhos.

E é muito importante passá-la. Crianças não assimilam tudo que a gente fala (como ninguém assimila). Elas assimilam em torno de 10% do que ouvem. Então, precisamos dar dicas e passar regras simples e claras. Fáceis de serem entendidas e que fazem sentido para elas. E essa regra – “adultos não procuram a ajuda de crianças” é tudo (ou quase tudo) que seu filho precisa saber para se proteger numa situação de risco.

Enfim, espero que esse post ajude. Que a partir de agora mais e mais famílias batam nessa tecla com seus filhos: “Adultos não procuram a ajuda de crianças”. Se isso acontecer, alerte seu filho para não confiar nessa pessoa e buscar a ajuda de alguém adulto conhecido que esteja próximo imediatamente.

Para ver a história toda, confira o post no site Scary Mommy.

E confira, nesse vídeo do Canal Macetes de Mãe, dicas importantes para evitar o roubo, sequestro ou rapto de crianças.

2 comentários

  1. Sthephana

    Obrigada, sempre alerto meu filho, mas percebo que ele não assimila tudo! Uma dica maravilhosa.

  2. D'Avila.

    O site fica atualizando , aí o vídeo para, só consegui assistir pelo youtube. Melhor se o site parar de ficar fazendo isso… Ótimas dicas ! Obrigada!

Deixe seu comentário