Qual o tempo ideal entre uma gestação e outra?

Aqui em casa a família demorou só um pouquinho para crescer. Primeiro tive o Leo e só depois de quase 3 anos (mais precisamente 2 anos e 9 meses) chegou o Câe. Esse intervalo entre uma gestação e outra, no meu caso, foi ótimo, assim consegui me adaptar à rotina de mãe e me organizar, na medida do possível claro, para a chegada de mais um bebê.

Só que nem todo mundo espera todo esse tempo. Esses dias a atriz Thais Fersoza, casada com o cantor Michel Teló, anunciou que está no início do segundo trimestre da gestação de um menino. O casal já tem uma filha, a Melinda, de apenas 6 meses. A notícia teve uma enorme repercussão por que os dois são bastante queridos, mas também por que a situação gerou uma dúvida entre as mamães de primeira viagem: será que é melhor engravidar logo do segundo filho ou esperar mais um pouco. E até quando?

Photo Credit: Iker Merodio | Photography Flickr via Compfight cc

Por experiência própria, antes de pensar na segunda ou terceira gestação, acredito que é preciso se atentar há alguns detalhes. O primeiro deles é o nosso organismo. A gravidez muda muito o corpo da mulher (só quem já foi mãe sabe). A circulação do sangue aumenta até 50%, o que exige mais esforço do coração e do pulmão. O útero cresce, os outros órgãos sofrem alterações de lugar, os músculos, até os vaginais e abdominais, assim como o peso e a massa magra, também não são mais os mesmos. Ainda no pós-parto, muitas mulheres têm perda de nutrientes, como ferro e sais minerais, o que precisa ser reposto antes da chegada de uma nova gestação.

Então, do nascimento do bebê até que tudo volte “ao normal” o ideal é esperar cerca de um ano e meio, segundo a maioria dos médicos. Assim, além de estar com a saúde mais preparada, os irmãos também ficam com uma diferença pequena de idade, de cerca de 2 anos (e você não perde o pique de ser mãe).

Esse tempo de recuperação, podemos assim dizer, é importante também por que evita que a criança nasça de parto prematuro, que tenha baixo peso ou desenvolvimento abaixo do normal. Além disso, tem outro fator que devemos pensar: a amamentação. Engravidar ainda amamentando pode levar toda a energia da mulher para o primeiro filho, por que o corpo dá prioridade para ele, de forma natural.

Mas vale ressaltar, essas são orientações e não proibições!

Ainda antes de engravidar é preciso pensar não só na saúde, mas nas questões financeiras e no desejo do casal. Claro.

Mas, nesta balança, também existe uma contrapartida, já que esperar demais não é legal. Aguardar mais que cinco anos para ficar grávida novamente aumenta a chance de parto prematuro e de o bebê nascer com baixo peso (os mesmos riscos caso você engravide logo após o nascimento de um filho). Para as mulheres com mais de 35 anos, esperar muito também não é indicado, pois a fertilidade diminui ao longo dos anos.

Sendo assim, ao pensar na chegada de um novo filho converse com o seu médico e verifique se a saúde está em dia para receber da forma mais saudável possível mais um bebê em casa.

Leia mais sobre temas similares:

Diferentes tipos de parto – características, benefícios e riscos

 

1 comentário

  1. Marina Coutinho

    Faltou comentar sobre os efeitos pro filho recém nascido, psicológicos, emocionais e sociais. Que vai perder o colo e o peito mais cedo e a divisão de atenção. Aconteceu com uma colega minha, que engravidou 3 meses após o parto. A bebê mais velha é retraída, triste e carente. Não interage e se isola bastante. Eu acho que esse deveria ser o principal fator que nós como mães deveríamos considerar.

Comentários fechado.