5 atitudes que prejudicam o vínculo emocional entre pais e filhos

Criar filhos não é tarefa fácil. Muito pelo contrário. Cuidar, educar, ensinar, proteger, é algo que demanda, e muito, de nós, pais. Mas é através dessas atitudes que o vínculo emocional entre pais e filhos é estabelecido e, por isso, que devemos ficar tão atentas a elas.

E tendo isso em mente, resolvi fazer o post de hoje, o qual eu trago uma listinha de ações simples (e muitas vezes corriqueiras) que nós devemos evitar se quisermos ter um vínculo forte com nossos filhos.

Eu levantei essa relação de atitudes com base na minha experiência pessoal, como mãe, em conversa com uma amiga psicóloga e também através da pesquisa em alguns sites e blogs que já trataram sobre o tema.

Então, vamos lá. Aqui estão 5 atitudes que podem enfraquecer o vínculo emocional entre pais e filhos, ou seja, distanciar um do outro e tornar a relação mais frágil e superficial

Photo Credit: IamNotUnique Flickr via Compfight cc

Não escutá-los: Para ter uma boa relação com os filhos, uma das coisas que mais temos que colocar em prática é o hábito de escutá-los. Ignorar ou sempre repreender a criança é o mesmo que abrir um abismo entre pais e filhos. A criança precisa fazer perguntas, questionar situações, tirar dúvidas ou comentar sobre algo, mesmo que seja em um momento errado (já que elas nem sempre sabem o que é um momento certo ou errado). Quando os pais falam o famoso “agora não é hora” ou “depois a gente conversa” e esse tempo nunca surge, as crianças percebem e vão deixando de questionar, o que é péssimo para a formação de conhecimento delas. Ou, ainda, elas podem perguntar para outras pessoas, que nem sempre vão responder do jeito que gostaríamos. Então, responda as dúvidas que surgirem e sempre converse com o seu filho. Caso não seja possível na hora, não se esqueça de fazer isso depois. No diálogo ou na explicação, use palavras fáceis, mantenha as ideais claras e seja paciente caso precise repetir a explicação. Esse ato é essencial para um vínculo duradouro.

Compará-los e rotulá-los: Outra atitude que deve ser evitada é comparar e rotular as crianças. A comparação com o irmão, com o primo ou com um amiguinho gera um sentimento negativo, de inferioridade, ressentimento, insegurança e até ira em relação aos pais. Ao invés de comparar o seu filho, incentive-o a aprender e elogie o esforço de realizar uma atividade.

Gritar com eles: Gritar não educa e pode criar uma barreira entre pais e filhos. A criança “educada” aos gritos geralmente tem baixa autoestima, tem falta de confiança e ainda pode crescer estressada.

Castigá-los: O castigo entra na mesma lista dos gritos. Relacionar educação com punição não é legal, cria uma imagem autoritária dos pais e uma insegurança dos filhos de conversar até mesmo sobre coisas que eles fizeram e não sabem se foram corretas ou não. Ao invés de castigar, explique que tal atitude não é a ideal e que o certo seria agir de outra forma.

Não dar atenção e carinho a eles: Qual o tempo que você disponibiliza para dar atenção, mostrar afeto e entender os sentimentos do seu filho? Mesmo com uma agenda cheia, é preciso reservar um espaço diário para conversar e compreender o que a criança está pensando. Dizer “tudo bem, isso não foi nada” não é a melhor resposta para criar um vínculo, assim como a falta de contato físico, de abraços e beijos. O afeto é fundamental para o desenvolvimento emocional da criança.

Sei que, na correria do dia a dia, nem sempre conseguimos ser os pais perfeitos que escutam sempre, não gritam e não castigam nunca e tem tempo de sobra. Sei muito bem que, vez ou outra, nos pegamos fazendo uma ou outra dessas atitudes que não são as ideais. Se esse for o seu caso (de quem não é? ), não se culpe. E aproveite essa leitura para mudar algumas atitudes de agora em diante.

Garanto que o resultado será extremamente positivo.

Outros posts que sobre o tema vínculo emocional entre pais e filhos:

4 comentários

  1. Mariana

    Coisas que podem parecer óbvias mas é sempre bom ter um texto assim para esclarecer. Parabéns!!

  2. Katia

    Não pode bater, não pode gritar, não pode castigar ….. é, na teoria é tão lindo!

  3. Ana

    O problema é quando os outros comparam seu filho, no caso da minha são duas netas da mesma idade e sempre são comparadas pelos avós paternos. Ninguém merece!

  4. Daniela

    E é por isso que tem tanto adolescente matando estuprando não pode castigar não pode gritar não pode por limites, ridículo

Deixe seu comentário