Quanto tempo é necessário brincar com meu filho?

Hoje, mais um texto superbacana, interessante e útil da Ale Palazzin e da Graziela Faelli, fisioterapeutas e autoras do blog Tempo Mágico, que compartilha informações úteis e relevantes sobre desenvolvimento infantil. No post de hoje, elas respondem uma dúvida que todos nós, pais e mães temos: afinal, quanto tempo devo brincar com meu filho por dia? Tem um tempo certo, uma número mágico, um período ideal?

Venha ver a resposta!

Foto Letícia Felix

Quanto tempo é necessário brincar com o meu filho?

Por Ale Palazzin e Graziela Faelli, fisioterapeutas e autoras do blog Tempo Mágico

Que brincar com seu filho é importante todo mundo sabe. O que estamos falando aqui é aquele brincar junto, em que a única coisa que os dois estejam fazendo seja brincar, com atenção total, de forma exclusiva sem o “brincar enquanto….”. São esses momentos que permitem que vocês se conheçam melhor, interajam e que a criança se abra para você, seja contando coisas que não costuma falar (é nessa hora que você pode descobrir o que eles fazem enquanto estão na escola, por exemplo), ou por aquelas demonstrações de carinho espontâneas que derretem o nosso coração. Além disso, o vínculo que é formado nestes momentos favorece, e muito, o desenvolvimentos dos pequenos.

Mas quanto tempo precisamos brincar com eles para que todos esses efeitos surjam? Qual é o numero mágico para isso?

Primeiro queremos levantar algumas questões importantes que fazem a diferença para determinar o tempo ideal. Muitas vezes,  as crianças (especialmente as menores) demoram um certo tempo para entrar na brincadeira, elas precisam de alguns momentos para fazer a transição de uma atividade ou brincadeira que estavam fazendo antes e imergir neste momento de brincar com você. O mesmo acontece para nós. Estamos chegando do trabalho, do mercado, ou estávamos fazendo alguma tarefa de casa e precisamos de uns minutos para nos centrar, concentrar e focar. Além disso, a própria brincadeira precisa de um tempo para se formar, você e seu filho começam o planejamento de o que irão fazer (jogar, brincar de faz de conta, bola, pega pega…), onde ela irá acontecer (no quarto, no parque, na sala..)… Será que precisa de alguns instrumento ou brinquedo ou será tudo na imaginação? E mesmo após a brincadeira começar muitas vezes são necessários alguns minutos para que seu filho realmente se entregue a ela ou para que você perceba que  seria interessante mudar um pouco de curso para que vocês dois se divirtam. Este é o aquecimento da brincadeira.

Na sequencia, é o período em que a brincadeira de fato acontece, em que estão se divertindo, focados, entretidos e que a mágica aparece. A “conversa” entre vocês se torna fácil e fluida, há troca de olhares, aquele entendimento um do outro que vai além da linguagem, e onde há a descoberta de pontos de interesse em comum ou de diferenças e características que você pode ainda não ter visto, além de diversão, é um momento de conhecerem – se.

E por último há a fase de preparação para o fim e encerramento. Na maioria das vezes seu filho não vai querer que a brincadeira termine, e eles precisam de avisos que ela está chegando ao fim, então é bom prepará – los para a transição para a próxima atividade (e quanto mais você der parâmetros específicos para isso melhor, do tipo: “quando acabarmos de montar o quebra-cabeça”, ou , “depois que chutarmos a bola 5 vezes…”, pq nem sempre as crianças – principalmente as pequenas – têm noção do tempo do relógio).  No início, pode ser que eles resistam um pouco, mas logo vão entendendo como funciona a rotina do brincar e fica mais fácil esse momento de troca.

Pelo que já descrevemos acima vocês podem imaginar que 10 minutos não seriam suficientes para esse processo e para que todos os benefícios de brincar juntos aparecessem, mas também sabemos que com o dia a dia, a rotina, trabalho, casa e tudo mais, as vezes, não temos horas para ficar exclusivamente com eles. Então afinal, qual é esse número mágico?

Podemos dizer que entre 30 minutos a uma hora já é um tempo apropriado para que ocorra toda essa interação e seu filho se sinta nutrido, amado e como uma prioridade na sua vida, que ele tem esse momento especial com você. Mas queríamos ressaltar alguns pontos importantes. Primeiro, que esse tempo não é uma receita de bolo ou fórmula mágica, pode ser que seu filho precise um pouco mais, ou se ele for menorzinho e vocês trabalhem em casa, ter mais de um momento de brincar durante o dia seja muito válido. A observação do seu filho durante esse tempo vai te dar indicativos do quanto ele precisa, lembrando que não tem a ver com a vontade de continuar brincando, porque ele provavelmente sempre vai querer mais, mas com o quanto o faz se sentir tranquilo e preenchido de carinho e atenção.

Segundo fator importante é a presença, pode ser que vocês não consigam grandes blocos de tempo mas estar focados, sem distrações será fundamental. 30 minutos de atenção total tem efeito muito maior do que 2 horas de “brincar enquanto… (assiste TV, lava louça, mexe no celular ou computador, conversa com alguem no telefone…)”  ou sem estar realmente imersos na brincadeira.

Então, quando for planejar o seu dia, a sua semana, tenha isso em mente: Em que momentos você vai brincar com o seu filho? E aí, reserve um tempo do seu dia para essa interação, e tão importante quanto o tempo que vocês passam com eles é a frequência que isso acontece. Aqui não precisaria nem responder, que vocês já sabem, não é? Todos os dias, como regar uma plantinha que está crescendo e se desenvolvendo.

Leia também: Brincar de faz de conta – essencial para o desenvolvimento saudável

Alessandra Palazzin é fisioterapeuta, especializada em neuropediatra, mestre em aprendizado motor e mãe do Pedro. Graziela Faelli também é fisioterapeuta, especializada em neurologia pela USP, mestre em neurociências (UNICID) e mãe do Rafael. As duas são autoras do blog Tempo Mágico, que trata sobre desenvolvimento infantil. Siga o blog Tempo Mágico nas suas redes sociais e fique por dentro de informações interessantes e úteis sobre desenvolvimento infantil: Facebook e Instagram.

Curta e compartilhe esse post nas redes sociais:
Pinterest