Alegrias bizarras de mãe

Alegrias bizarras de mãe


1 de Fevereiro de 2015

Se há alguns anos alguém me dissesse que eu iria ficar feliz, eufórica, pulando de alegria com as bizarrices a seguir eu iria me jogar no chão e rolar de tanto rir. Ia ter certeza que a pessoa havia pirado da batatinha, usado drogas ou qualquer coisa do gênero.

Mas aí a gente vira mãe, nos despimos de preconceitos e nojinhos e viramos as pessoas mais estranhas da face da terra, só compreendidas por… outras mães!

alegrias bizarras de mae
Photo Credit: nathansnostalgia via Compfight cc

Assim, resolvi fazer hoje uma listinha das alegrias mais bizarras que o Leo já me proporcionou e que só quem é mãe irá entender:

Show de flatulências: um peido do Leo quando ele estava com cólica era o mesmo que Mozart para os meus ouvidos. Mentira, era muito mais que isso, até porque nunca gostei de Mozart. Era algo “Só Para Contrariar” em fim de festa na época de faculdade. Explosão da alegria popular.

Um cocô bem feito: sei que ando pegando pesado na escatologia desse post, mas com certeza puns e cocôs estão entre as alegrias mais bizarras da maternidade. O filho fica três dias sem fazer cocô e aí, quando vem aquele explosivo, só falta a gente arrancar a fralda e sair correndo e gritando pela sala “Salve Aleluia Senhor!”. Um sentimento incomparável. Mesmo! (só quem já viveu fases trashs de intestino preso da cria sabe o que é isso).

A caca que sai: caca trancada no nariz do filho é u ó. Dá um desespero na criança, um faniquito na gente. Aí, quando a gente consegue arrancar o negócio de lá, depois de muita reza braba (ou usando o Nosefrida), a alegria máxima. A gente quer quase fazer um quadrinho com o negócio para não esquecer do feito alcançado (daqueles que são uma caixinha de madeira com vidrinho na frente).

E para vocês, que alegrias bizarras a maternidade já proporcionou? É sempre importante lembrar, pois nada melhor que fazer uma limonada com aqueles azedíssimos limões que a gente encontra por aí.