Dicas para um enxoval de bebê mais funcional

Dicas para um enxoval de bebê mais funcional


16 de julho de 2013

Vira e mexe estou falando aqui no blog sobre enxoval de bebê. Em muitos desses posts eu dou dicas de itens para comprar e falo por que eles são importantes (ou não). Pois, há alguns dias, em um post, li um comentário muito interessante  de uma leitora contando não ter comprado vários itens considerados super básicos e necessários no enxoval de bebê. Itens como roupas, mamadeiras e carrinho, por exemplo. Isso mesmo que você leu! Ela contou que não comprou e explicou como e por que fez isso. Na hora convidei-a a falar a respeito, pois fiquei curiosa e achei que seus conselhos poderiam ser muito úteis para muitas mamães que sentem-se quase que na obrigação de comprar coisas que nem tem certeza se irão mesmo usar.

Com vocês, o depoimento da Isabel Kaehler. Vale a pena ser lido.

Dicas para um enxoval mais funcional

A maternidade está recheada de fases. Depois da notícia da gravidez e com a chegada do sentimento de maior estabilidade e conforto consigo mesma, principalmente se você demorou a engravidar, ou teve sangramentos no início ou simplesmente enjoava a tudo e a todos, ou tudo isso junto, começa a viver uma nova etapa dessa aventura chamada maternidade considerada extremamente importante: a compra do enxoval.

Se você for mãe de primeira viagem como eu, o seu primeiro impulso será o de comprar tudo o que for necessário para suprir as necessidades de seu filho, sem contar que ficamos ansiosas para exibir todas aquelas coisinhas fofas, e, principalmente, em atender as expectativas de todos quanto à nossa capacidade de organização enquanto futuras mães. Afinal, temos que ser perfeitas.
Então eu e meu marido começamos a visitar as lojinhas de bebê, sites “especializados”, etc., e pegamos aquelas famosas listas com o enxoval básico para o bebê. Básico??!! Meu Deus!! Aquilo tudo era o básico?! E se eu quisesse ser extravagante, como seria?!?!

Ao longo de minha vida, sempre ouvi de muitas mães que, se tivessem sido bem aconselhadas durante a gravidez, não teriam comprado muitos dos itens do enxoval e teriam feito outras escolhas. Assim sendo, decidi consultar amigas recém-paridas ou que haviam se tornado mães há pouco tempo e lhes perguntar o que elas não usaram ou pouco usaram do seu enxoval. E a surpresa foi grande. Muita coisa ou não era tão necessária quanto parecia, ou absolutamente desnecessárias, ou, ainda, iria depender de seu estilo, filosofia, etc.

Digo isso porque, por exemplo, se você é adepta da filosofia da “criação com apego”, o leito ou o quarto será compartilhado. E também se não for, acredite, devido ao cansaço e à humana necessidade de dormir, em alguma hora seu filho vai chegar no seu quarto/cama. Então para quê comprar uma babá eletrônica ultra-moderna, dotada de câmera com infravermelho, etc., se você não irá usar??

As considerações que vou fazer são bastante particulares e podem ajudar dependendo da necessidade de cada um. Eu, por exemplo, moro num apartamento pequeno mas bastante confortável, porque aprendi (e não foi fácil) a ter e usar apenas o necessário. Como tenho problema de espaço, então não poderia me atrever a comprar demais, sob o risco de não conseguir usar (e organizar) tudo.

Lá vai:

1.Kit berço: para quem gosta, aconselho comprar apenas um. Ocupa muito espaço para guardar e você não usa tanto, principalmente porque quando o seu pequeno começar a “correr o berço” – o meu começou pouco antes dos dois meses, você ficará preocupada com sufocamentos, etc., já que ele se arrasta para debaixo das almofadas e não vira o corpo. Neurótica?! Pode ser, mas quando você entrar no quarto e vê-lo sob aquelas almofadas, talvez mude de ideia.

2.Kit de limpeza (garrafa térmca, etc): esses kits tem modelinhos lindos, muito fofos, etc., mas também muito caros. Outra coisa que é preciso analisar sempre  é “vai ser fácil de limpar?”. Se em algum momento você pensar NÃO, principalmente aquelas feitas em vime, desista. Mais vale comprar uma garrafa térmica normal, bandeja e potinhos de cerâmica que são vendidos nessas lojas de artigos para casa. Prático, barato e funciona.

3.Carrinho: se conhecer alguém que comprou e não está usando, peça emprestado como eu fiz. Acredite, dará pouco uso a ele. Meu carro tem um porta-malas grande, mas dependendo do modelo do seu carro não vai caber, a não ser que leve no banco traseiro e ninguém mais ande com você (tenho uma amiga que passa por isso). Mas se pensa: será para passeios próximos, etc., veja logo como estão as calçadas, porque a depender do estado delas você também não vai usar. E para que serve então?? Para o bebê dormir no seu quarto, caso não compartilhe o leito, e para deixá-lo na sala assistindo a Galinha Pintadinha enquanto você corre para fazer alguma coisa. Acho que vale a pena comprar daqueles pequenos, tipo passeio, quando o filhote estiver muito pesado e você for a shoppings ou supermercado.

4.Sling/Canguru: alternativa barata para o carrinho, uso demais o meu sling. Particularmente acho uma maravilha, deixa as mãos livres e levo o meu bebê para todos os lugares nele. Ao contrário do canguru, o sling não é tão fácil de usar e muitas mães logo desistem dele. Mas nada que um pouco de paciência e cursos via YouTube ou Google não resolvam.
5.Roupinhas do bebê para a maternidade: também não comprei. Sempre haverá alguém perguntando se você já comprou para poder lhe presentear (ganhei todas). E depois você não tornará a usar.

6.Sapatos: não compre nenhum. Nem meias de nenhum tipo. Você não é a única pessoa que os acha fofos demais, por isso se prepare para ganhar alguns pares de presente, inclusive aquelas meias que simulam sapatos.

7.Roupas: meu filho tem 03 meses e até hoje só comprei duas regatas e seis bodys P. Roupa é outra coisa que você ganha muito. Eu acredito que até depois dele completar um ano não compro mais nada do tanto que ganhei. O ideal é comprar algumas poucas peças RN e P, porque seu filho pode nascer muito pequeno, pequeno, médio grande, muito grande, e isso vai definir o tamanho das peças que, no início, ele vai usar mais. Os outros tamanhos, à medida que ele for crescendo ou engordando, vão sendo comprados e ocupando o lugar daquela que não dá mais, isso se você não já tiver ganho de presente. Lembram do meu problema com espaço? Pois é…

8.Aspirador nasal: esse sim um item essencial. Recomendo o suíço Nose Frida porque funciona de verdade, aspira tudo. Não vende nas lojas do Brasil, mas podem encomendar num site (comprei o meu no Mercado do Bebê) ou a um amigo que esteja em viagem.

9.Edredom: os colchões impermeáveis são muito duros e você vai usar para deixar o colchão mais gostosinho para seu filho. Como me alertaram para o fato que bebês não devem ser cobertos, ainda não conheço quem deu outra finalidade.

10.Babá eletrônica: acho legal ter uma, mesmo que você compartilhe o quarto. Mas será útil apenas para usar naqueles poucos momentos durante o dia em que ele vai estar no quarto dele, sozinho, sem você. Compre modelos simples ou encomende dos EUA.
11.Fraldas de algodão: servirão à mãe como absorvente para os seios, conforme orientado pelo banco de leite, ou para o filho como pano de boca.

12.Mamadeiras: eu não comprei nenhuma (tenho duas porque ganhei e ainda não foram usadas). Amamentar é das coisas mais difíceis que já vivenciei, mas com a ajuda dos profissionais do banco de leite para correção da pega, etc, pode dar super certo. Espere para comprar após o nascimento já que é algo muito fácil de encontrar. Talvez mais tarde, quando seu filho não estiver apenas amamentando, você precise. Ou não, se optar pelo uso de copos e colheres.

13.Uma coisa que não consta na maioria das listas e considero essencial é o umidificador de ambiente. Apesar de morar no litoral (Recife), ele dorme com ar ligado e acho que faz toda diferença. Para regiões com clima seco é indispensável para o conforto e a saúde do pequeno.
Claro que esses conselhos podem ser úteis para algumas pessoas, para outras não. Mas acho que vale muito a pena conversar com outras mães e avaliar a real necessidade de cada item para uma compra bem funcional. Mesmo que você possa comprar fora ou tem alguém que pode trazer tudo para você, não vale a pena gastar com o que não se usa ou com coisinhas lindas que lhe darão muito trabalho para manter limpo ou manejar ou ainda entulhadas na sua casa.



Isabel Kaehler tem 36 anos e é mãe de primeira viagem do Luiz Felipe, de três meses. Ela é servidora pública e mora em Recife – PE.