Vitamina D: importância para a criança

E seu estoque de vitamina D, como está?


18 de Maio de 2015

Se você fizer um exame de sangue, talvez irá descobrir que você ou seus filhos estão com deficiência de vitamina D. Isso não é nada incomum. Eu mesma, em vários períodos da vida, já tive.

Mas o que é a vitamina D? Por que a sua falta tornou-se tão comum e por que a ela é tão importante? Vou responder a todas essas perguntas no post de hoje e você irá entender direitinho a importância desse assunto.

imagem destaque
Photo Credit: retost via Compfight cc

Por mais que a vitamina D se chame “vitamina” ela é, na verdade, uma espécie de hormônio que é produzido pelo organismo quando este entra em contato com o sol (em torno de 80 a 90% da sua produção depende da exposição ao sol). Muito pouco da vitamina D que circula no nosso corpo é proveniente da alimentação, por isso a exposição ao sol, em horários específicos, é tão importante para manter os níveis desse hormônio em equilíbrio.

Só que a vida moderna complica um pouco as coisas nessa história. Atualmente vivemos muito mais em ambientes fechados, e tanto adultos quanto crianças tem pouco contato direto com o sol. Ainda, os raios solares que entram pelas janelas não ajudam muito, já que o vidro “filtra” a luz do sol.

A importância da vitamina D está diretamente ligada com a absorção de cálcio. Adultos e crianças com baixos índices de vitamina D tendem a ter mais problemas na formação dos ossos e dentes, pois podem chegar a absorver até 30% a menos do cálcio que é ingerido na sua dieta.

Em crianças abaixo de 2 anos, a falta de vitamina D pode causar raquitismo, que é, na verdade, deformação nos ossos e atraso no crescimento. Já quando são um pouco maiores, a vitamina D é importante para que seu organismo atinja todo o potencial de desenvolvimento físico (os ossos estão crescendo e precisam de cálcio para se desenvolverem). Ainda, durante a gestação e a lactação, os cuidados devem ser redobrados, já que a mãe, nesse período, é provedora da nutrição do seu filho e precisa fornecer cálcio para o feto, o que sem vitamina D é torna-se bastante complicado.

E agora que vocês já sabem por que a vitamina D é tão essencial para o corpo da criança e da mulher, é importante saberem de que forma se “recarrega” o organismo com esse hormônio.

Bom, como eu já disse, uma das formas é por meio da exposição ao sol, de 10 a 15min diários, das 10 às 15h e sem proteção solar (o protetor solar impede a síntese de vitamina D em até 95%). Só que aqui caímos em outro problema, já que a exposição recomendada é justamente no horário menos recomendado pelos médicos – e ainda sem proteção solar!

Outra forma de se obter a vitamina D é por meio da alimentação, mas essa é pouco efetiva. Até mesmo o consumo de salmão, que é a maior fonte desse hormônio, provém ao organismo uma quantidade insuficiente de vitamina D (100g fornecem pouco mais de 6% da quantidade diária ideal). Ou seja, essa também não é a melhor forma de fornecer vitamina D ao nosso corpo.

Por fim, há a opção de se obter vitamina D pela suplementação. No caso de adultos, ela é indicada quando exames de sangue identificam a deficiência desse hormônio. Já em se tratando de crianças até 2 anos de idade, a sua ingestão diária é indicada pela Sociedade Brasileira de Pediatria a partir do sétimo dia de vida, como forma de prevenção ao raquitismo.

Mas como fazer a suplementação de vitamina D? Uma forma é através da ingestão do suplemento DoseD, do laboratório Aché. O DoseD possui 200 UI de vitamina D por gota. Fale com o seu médico ou seu pediatra sobre a dose adequada para a sua família.

DoseD é encontrado no sabor maçã verde – agradável ao paladar das crianças – e não possui glúten, açúcar e corante (o que é ótimo pois crianças podem consumi-lo sem problemas).

Agora que você já sabe da importância da vitamina D, converse com seu médico e com o pediatra do seu filho sobre esse assunto. Ele poderá esclarecer melhor suas dúvidas sobre esse hormônio e sobre sua suplementação.

publi-incentivo