Como eu fiz o Leo largar a chupeta

Como eu fiz o Leo largar a chupeta


20 de Abril de 2016

Leo vai fazer 4 anos em maio e, até poucos dias, ainda usava chupeta para dormir (e a grande verdade é que, em alguns momentos em que estava mais cansado durante o dia, também pedia a bendita, e aí era aquela briga porque eu não queria dar). Enfim, o fato do Leo ainda usar a chupeta (com quase 4 anos!!!) estava me incomodando muito e eu não queria mais que ele usasse de jeito nenhum (percebi que os dentes de cima, da frente, estavam ficando mais para frente e ele também estava dormindo de boca aberta).

Só que eu tinha certeza que tirar a chupeta seria dificílimo, seria uma guerra, iríamos todos nos estressar, porque ele ainda era bem apegado, então eu acabei postergando, e postergando e postergando (mas com essa história me incomodando mesmo! Leia aqui sobre o uso de chupeta e suas consequências).

chupeta
Photo Credit: frokenann via Compfight cc

Cogitamos tirar a chupeta na Páscoa, pedindo que ele deixasse a dita para o coelhinho pegar quando viesse trazer o ovinho de Páscoa dele, mas aí mudamos de ideia porque, na semana após a Páscoa ele faria a sua postectomia (cirurgia de fimose) e aí estaria mais ansioso, carente, “chatinho”, então não seria uma boa hora para a mudança.

Além do mais, eu costumo seguir muito a minha intuição. Sempre que temos alguma mudança importante a fazer (tirar a fralda, mudar de quarto, etc…) eu espero algum “sinal” da criança ou alguma “deixa” da situação e só aí coloco em prática a mudança. Eu acho que, dessa forma, as coisas fluem mais naturalmente e isso torna o processo todo muito mais fácil.

Bom, e a tal “deixa” para tirarmos a chupeta chegou. O sinal da criança não veio, é claro, pois o Leo seguia apegadíssimo à chupeta, mas uma coincidência aconteceu aqui em casa e eu aproveitei a oportunidade.

No dia 13 de abril, uma quarta, saímos para comer uma pizza na casa da vovó e, quando voltamos, e eu fui colocar o Leo para dormir, a chupeta dele simplesmente havia desaparecido. Eu procurei pela casa toda, por uns 40 minutos, passando e repassando pelos lugares que eu já havia procurado. E nada! Eu não fazia a mínima idéia de onde ela tinha parado, o Leo muito menos e assim eu não consegui encontrar a dita chupeta.

>>>> Outras dicas de como tirar a chupeta aqui e aqui.

Claro que o Leo chorou, gritou, pediu, disse que não ia dormir, deu um show, fez escândalo, mas não tinha o que eu fazer. Eu não sabia onde estava a chupeta, não era mentira, não era encenação.

Nesse momento pensei: bom, não tenho escolha. Hoje ele vai dormir sem chupeta (ele só tinha uma, pois justamente eu estava querendo tirar, aos poucos, esse acessório), pois a gente não achou a chupeta. Depois que o Leo já estava cansado de tanto chorar, levei ele para a cama dele, disse que ficaria lá com ele até ele dormir (normalmente o deixo acordado e saio do quarto) e resolvi contar uma historinha que pudesse explicar o sumiço da chupeta.

Eu disse: “Leo, acho que a sua chupeta foi morar na casa de outra criança. Você já está grande, não precisa dela. Ela foi cuidar de outra criança que precisa dos cuidados dela. Foi cuidar de um bebê.”. Leo reclamou um pouco, mas acabou logo se entregando ao sono.

Eu achei que a noite seria um caos, com ele acordando por estar sem a chupeta, dando show pra voltar a dormir e essas coisas. Mas que nada! Ele dormiu a noite toda e só acordou no dia seguinte. E ainda mais tarde que o normal.

Assim que cheguei no quarto dele, ele perguntou sobre a chupeta. Eu contei a mesma história: “Ela não voltou. Acho que foi para a casa de outra criança que agora precisa dela”. Todo o dia ele passou na escola e, quando voltou, perguntou de novo sobre a chupeta e eu respondi de novo a mesma coisa: “Não voltou, está cuidando de outra criança.”.

E para minha imensa surpresa, ele nunca mais perguntou pela chupeta. Ou pela sua bubuia, como ele costumava chamá-la. Eu quase não acreditava no milagre, pois achei que seria uma situação dificílima e, no fim, foi muito tranquila e natural.

E o que eu tirei de aprendizado dessa situação e posso passar de dica para vocês?

No meu caso, não deu para aproveitar um sinal da criança de que ela estava pronta para largar a chupeta. Se eu fosse esperar por isso, acho que ele estaria chupando chupeta com 9 anos. O que eu fiz foi aproveitar uma deixa da situação. A chupeta sumiu, eu aproveitei isso e fiz com que ela não aparecesse mais. O legal de ter acontecido dessa forma é que não foi algo forçado. Quando eu dizia para o Leo que não sabia onde estava, eu falava com convicção, porque era verdade, eu não estava mentindo, e aí eu acho que ele sentiu isso.

Acho que usar a história de que chupeta foi morar em outra casa, para cuidar de outra criança, porque ele já está grande e não precisa dela também ajudou. Ele não ficou pensando que ela estava perdida por aí (para a criança eu acho que a chupeta é quase como um ser vivo, e aí ele poderia sofrer por ela estar “perdida no mundo”) e também se sentiu importante por eu falar que ele estava grande e não precisava mais dela.

Enfim, eu agarrei a oportunidade que surgiu e sugiro que você faça o mesmo quando quiser tirar a chupeta do seu filho. Antes, vá acabando com as chupetas que tem pela casa. Ou seja, uma estragou, não compre outra. Deixe só uma chupeta na casa e aí, quando essa sumir por algum acidente (um dia isso vai acontecer), você aproveita e não volta mais a dar chupeta nenhuma.

Mas garanta que você será verdadeiro com seu filho quando falar que ela sumiu. Crianças são mais sensíveis e intuitivas do que a gente pensa e se você for mentir elas podem perceber e aí a reação poderá não ser tão tranquila (eles não aceitarão tão fácil que ela desapareceu).

Enfim, como sempre, acredito que a verdade (a chupeta havia sumido mesmo) com um pouco de magia e encanto (a história de que ela foi cuidar de outra criança) nos ajudam a resolver as coisas com os nossos filhos. Fica a dica!

Confira dicas do Canal Macetes de Mãe para tirar a chupeta: