Mídias digitais para crianças (tem novas recomendações)

Mídias digitais para crianças (tem novas recomendações)


17 de Janeiro de 2017

Imaginar um mundo em que nossos filhos não tenham nenhum tipo de acesso às mídias digitais realmente se tornou impossível. Então é hora de pensarmos em como fazer com que essa tecnologia só traga benefícios.

E foi com essa mesma intenção que a Academia Americana de Pediatria (APP) lançou novas diretrizes quanto ao acesso à internet, seja ele por meio de computador, tablet, celular ou TV (link – informações em inglês)

O conteúdo é bem legal, está totalmente relacionado à nossa realidade e o melhor, tem dicas fáceis de adotarmos no dia a dia (o que adoro). Olha só que bacana:

Benefícios X prejuízos

Segundo a associação médica, o que se sabe até agora é que as crianças menores de três anos têm o cérebro imaturo e dificuldade para transferir o que vêm da tela para a vida real. Por isso, ainda não é possível medir se as mídias digitais ajudam ou atrapalham nessa fase.

Já depois dos três anos, se o programa tiver boa qualidade ele pode sim ensinar às crianças novas ideias (mas cuidado que nem tudo que vem descrito como “educacional”, realmente é), porém mesmo assim é preciso ter cautela em questões de exposição. Na primeira infância, que vai dos 2 aos 3 anos, nosso filhos precisam ter o tempo bem distribuído em diversas atividades, como brincar, dormir, lidar com as emoções, construir novas amizades e também usar a tecnologia. Se houver excesso de contato com as telas nessa fase, a criança pode ter problemas relacionados à má qualidade do sono, deficiência no desenvolvimento infantil e na saúde física, como aumento no índice de massa corporal.

Outra situação apontada pela associação é sobre usar a mídia digital para acalmar os pequenos. A dica pode ser bastante útil em aviões ou procedimento médicos, mas tornar isso uma rotina limita a capacidade deles de lidar com as emoções.

E tem puxão de orelha para os pais também

Entre as recomendações da sociedade médica eles alertam para que os pais também limitem o próprio tempo em contato com as mídias digitais. O uso frequente desses dispositivos móveis em casa diminui o diálogo e as brincadeiras entre a família e pode até gerar conflitos.

Dicas importantes sobre o uso das mídias digitais para crianças de 0 a 5 anos

– O ideal é evitar o contato dos bebês de até 24 meses com computadores, tablets ou celulares. A exceção vale para conversas de vídeo, para quando a família está longe;

– Se por acaso você já deixou seu filho com menos de 2 anos ter contato com as mídias digitais escolha muito bem o programa ou joguinho que ele for usar e evite que ele mexa sozinho;

– Você pode ouvir de outras pessoas “Ah, mas se o seu filho não aprender agora vai ficar atrasado em relação às outras crianças”, só que isso não tem nada a ver. Os pequenos vão aprender rapidamente em qualquer momento, porque essas interfaces são intuitivas;

– Dos 2 aos 5 anos a criança já pode ter contato com as mídias digitais, mas sempre seguindo aquela recomendação de oferecer para ela programas de qualidade e que você, ou outro adulto, esteja sempre  por perto para explicar o que ela está vendo (é legal testar antes de apresentar à crianças). E atente-se ao horário: só uma hora por dia, ok?

– Às vezes é tentador e ajuda, mas não faça uso de mídias digitais como forma de acalmar o seu filho. Isso pode fazer com que ele desenvolva dificuldades de lidar com as emoções.

– Evite também aplicativos muito acelerados ou com conteúdos violentos;

– E, por último, mas não menos importante, não use celular, computador ou TV nos horários das refeições, no quarto e nem até uma hora antes de dormir.

Como disse, tudo bem simples e possível de ser realizado. Se você tiver alguma outra dica que use em casa compartilhe com a gente também!