Minha rotina com o Léo e dicas de como criar uma rotina para o bebê | Macetes de Mãe

Minha rotina com o Léo e dicas de como criar uma rotina para o bebê


16 de Janeiro de 2013
Quando eu cheguei da maternidade, eu fiquei neurótica com essa ideia de criar uma rotina para o bebê. Tudo que eu tinha lido afirmava e tudo que eu ouvia falar das minhas amigas que já tinham filhos confirmava que uma rotina era a melhor coisa do mundo para um bebê. Que ter um sequência lógica e sempre igual de atividades ajudava a mantê-lo calmo, pois ele já sabia o que esperar.
Eu entendi o conceito e concordei 100% com a idéia, mas sabe como é, mamãe de primeira viagem, que quer fazer tudo certinho e que já tem um perfil by the book, acaba confundindo um pouco as coisas e errando justamente onde quer acertar.
Bom, como a vida muitas vezes prega umas peças na gente, quanto mais eu queria e tentava introduzir uma rotina diária na criação do Léo, mas as coisas saiam do eixo. O Léo, diferente dos filhos das minhas amigas sempre deu trabalho para mamar, não tinha intervalo regulares entre as mamadas. Eu nunca sabia que horas ele ia querer mamar. Tinha horas que o intervalo era de 1,5h e outras de 3 ou 4. Como eu dava peito e complemento eu tinha um pouco de noção do quanto ele mamava, e isso também não era regular. Em alguns momentos ele mamava super bem da mamadeira e outros não queria nem saber, não mamava nada, apesar de também quase não ter ficado no peito. Ah, além disso, ele também passou pela fase que mamava pouquissimos minutos (às vezes menos de 1!) e caia num sono profundo (e nada o fazia acordar para voltar a mamar) e pela fase que começava a mamar, depois de alguns minutos berrava feito um condenado, e desistia de continuar mamando. OU seja, caos total!
Com o tempo, descobrimos que o problema do choro nas mamadas e de mamar sempre quantidades diferentes em cada uma das mamadas é porque ele tinha refluxo oculto (resultado de APLV), mas até entendermos isso e conseguirmos tratar, foi caos total, rotina zero, e a mãe aqui quase arrancando os cabelos porque tinha certeza de que estava fazendo tudo errado.
 
Só consegui organizar mesmo a rotina do Léo depois que ele fez três meses. E vou dizer uma coisa, não foi algo do dia para a noite. Foi algo beeeeeeem aos pouquinhos, respeitando o jeitinho e as limitações dele.
Bom, mas o que eu aprendi com essa experiência não muito fácil e que posso compartilhar com vocês, a fim de ajudá-las a criar a rotina dos seus filhotes? Muita coisa! Abaixo seguem algumas dicas simplesinhas, mas às vezes não muito obvias para mamães de primeria viagem.
  1. No início, não tente IMPOR uma rotina. Deixe a rotina ACONTECER aos poucos. O que eu quero dizer com isso? Basicamente, no início, a rotina do bebê é definida pelos seus horários de fome e sono. Tem uma linha, super utilizada nos EUA, que diz que o bebê tem que ter suas atividades divididas e organizadas em períodos de 3h. OU seja, a cada 3h o bebê irá mamar, fazer uma atividade (que na verdade pode ser uma troca de fraldas) e dormir. É a famosa rotina EASYdo livro Os segredos de uma encantadora debebês. Já tem outra linha que segue a ideia de livre demanda. Nela, o bebê deve ser alimentado sempre que quiser, mesmo que em intervalos irregulares e muito menores que 3h. Eu havia lido o livro Os Segredos de uma encantadora de bebês, além disso, minhas amigas mais próximas tinham implementado essa técnica e tinha da dado super certo. Então o que fiz? Me convenci que era assim que tinha que funcionar aqui em casa, que era assim que seria melhor para mim e para o Léo. Mas um bebê não é igual ao outro e aqui isso não funcionou de jeito nenhum no início do processo. O que aprendi com tudo isso? Que no início vale a técnica da Livre Demanda. Ou seja, o bebê deve ser alimentado e colocado para dormir quando demonstrar fome e sono e não em intervalos regulares. Com o tempo, o próprio organismo dele irá se adequando. Com a técnica da livre demanda, a mãe passa a produzir cada vez mais leite (pois a produção é estimulada quanto mais o bebê mamar) e, assim, o bebê passa a alimentar-se cada vez melhor e em maior quantidade. Isso fará com que ele fique satisfeito por mais tempo e acabe, naturalmente, fazendo intervalos maiores entre uma mamada e outra. Assim, aos poucos, ele mesmo criará a sua rotina  ela pode chegar à tão sonhada rotina dividida em intervalos de 3 horas durante o dia e intervalos maiores que isso durante a noite. (A livre demanda é indicada pelos médicos até os seis meses de idade do bebê. Isso não é loucura da minha cabeça. Kkk!). E, eu, posso garantir de antemão: no meu próximo filho mandarei essa ditadura das 3h para a espaço e vou liberar a livre demanda aqui em casa. Com certeza, no seu tempo, o bebê entrará numa rotina mais organizada (isso tudo, claro, se o bebê não apresentar os probleminhas que o meu primeiro filho apresentou. Se o problema se repetir – APLV, refluxo oculto, …. – já estarei preparada para não ter uma rotina organizadinha tão cedo).
  2. Como já comentei acima, a rotina do bebê é, basicamente,  estabelecida pelo seu ciclo de sono e fome, e que, no caso de bebês novinhos, ela poderá variar muito, pois o indicado é a livre demanda nos primeiros meses. Entretanto, não é porque os intervalos entre mamar/dormir irão variar que você não pode criar uma rotina. Assim, mesmo que você faça intervalos menores de 3h com seu filho, ou mesmo intervalos irregulares, estabeleça uma rotina de ordem de atividades. O que quero dizer é: preste atenção no comportamento do seu bebê e tente atender as suas necessidades sempre de maneira regular. Por exemplo: se o seu filho tende a dormir quando mama no seu peito, estabeleça a rotina de que ele irá  (1) mamar um seio, depois (2) você trocará a fralda dele e, depois (3) você oferecerá o outro peito. Evite trocar a franda antes da mamada numa vez, depois da mamada na outra, no meio da mamada numa terceira e por aí vai. Ou seja, vá criando um padrãozinho de atividades e repita-as, mesmo que em intervalos de horários irregulares.
  3. Assim que os bebês mamam, eles tendem a ficar sonolentos, então a dica é ficar de olho nos sinais de sono do seu bebê para colocá-lo para dormir imediatamente e, se possível, no berço. Não acostumei o Léo a dormir no berço de dia, com medo que ele confundisse o dia com a noite, e me arrependo até hoje. Então, aqui a dica é: aproveite que os bebês ficam sonolentos após mamarem e não percam o ponto ideal de colocá-los para dormir (é quando eles começam a ficar irritados, olhos vermelhinhos, olhinhos vidrados, coçar os olhos. Ou seja, o segredo está em ficar de olho nos olhos das criaturinhas). Com o tempo, eles começarão a demonstrar sono sempre nos mesmos horários e você verá a rotina do sono, assim como a da fome sendo criada naturalmente.
  4. Importante para criar a rotina e ajudar no ritmo do sono do bebê: bebês devem dormir de dia e de noite no berço (eu errei feio aqui, como disse, de dia eu deixava o meu pequeno dormir em qualquer lugar, menos no berço), só que deve-se fazer uma distinção clara entre dia e noite. De dia, ele deve dormir à meia luz (não 100% claro porque atrapalha o descanso, mas não escuro para ele não se confundir e trocar o dia pela noite) e mantendo-se os barulhos regulares da casa. À noite ele deve dormir no escuro e com a casa com um pouco mais de silêncio.
  5. Já que você não pode estabelecer horários para as mamadas e para as sonecas (se você seguir a linha da livre demanda), estabeleça horários para outras atividades do seu bebê. Passeio e banho são ótimos para isso. Eu sempre passeava com o Léo bem cedinho e dava banho no fim da tarde, também próximo do horário que ele estava começando a demonstrar o início do sono noturno(normalmente, os bebês tendem a querer dormir quando o sol se põem e a acordar quando ele nasce).
  6. Se o seu bebê sofre de cólicas você já deve ter percebido que elas tendem a parecer sempre no mesmo horário (as do Léo eram de madrugada, 5h da manhã, e no fim do dia, por volta de 18h). Aqui também é um outro momento que vale a pena criar uma rotina, pois isso ajuda os bebês a passarem por esse momento terrível com mais tranquilidade. A minha sugestão de rotina para a hora da cólica é: colocar uma bolsinha quente no bebê, envolvê-lo com uma mantinha fazendo um charutinho, niná-lo bem próximo a seu corpo e ficar com ele nos braços até que ele pegue no sono e que o pior da cólica passe. Eu sempre fazia isso e era tiro e queda. As cólicas do Léo que eram terríveis acabam ficando mais amenas e ele chegava até a dormir. (Fiz um post só sobre esse assunto. Vale a pena dar uma olhada.).

Veja aqui como fazer a técnica do charutinho:

8. Não faça como eu, que fiquei neurótica e achava que, se um dia o Léo saisse da rotina, tudo iria por água abaixo. É importante sim a repetição para a rotina se estabelecer, mas se um dia você fizer uma coisinha diferente, você não voltará à estaca zero. Principalmente porque a cada cinco dias úteis vem um final de semana, e nesses dois dias final de semana é meio óbvio que em algum momento vamos sair da rotina. O ideal é que, ao se sair de casa para fazer algum programa, se tente seguir a rotina normal, mas se não for possível, porque nem sempre é, paciência. Nem tudo estará perdido.

Bom, essas são as dicas que eu posso passar para vocês baseada na minha experiência pessoal (muito mais do que nos livros). Acho que elas funcionam super bem com bebês de até 3 meses. A partir disso, já dá para ir tentando organizar a rotina com base em horários um pouco mais determinados (aí sim acho que a rotina EASY pode ser usada). Como eu disse, eu tentei seguir tudo que lia à risca, e não deu certo aqui. Cada bebê é um bebê e cabe a nós ficar de olho nos sinais deles e aprender a entendê-los antes de tentarmos impor uma rotina. Apesar de não ter feito a livre demanda aqui em casa, hoje eu olho para trás e acho que teria funcionado bem melhor (pelos motivos que eu já expliquei no tópico 1). Respeitar as necessidades do bebê é o primeiro passo para criar uma rotina saudável e que irá funcionar no longo prazo.

Bom, depois de falar tuuuuuuuudo isso e quase deixar vocês zonzas, anuncio que hoje o Léo tem uma rotina. Eeeeeee! Mas também, ele já está com quase oito meses. Eu comecei a conseguir estabelecer uma rotininha mais organizada para ele quando ele fez três meses (quando descobrimos a alergia alimentar e começamos a tratar), mas acho que só posso dizer que realmente ele tinha uma rotina legal lá pelos seis.
Hoje, o dia a dia do Léo é o seguinte (quando estamos em casa, sob condições normais de temperatura e pressão, é claro!):
  • 7h30min – Léo acoda, toma uma mamadeira e eu troco a fralda dele
  • 8h até 8h30min – momento de alegria máxima no dia do Léo, quando ele é liberado para assistir à Galinha Pintadinha e ele próprio libera a mamãe aqui para lavar o rosto, se vestir, tomar o café da manhã e dar um beijo no marido
  • 8h30min – 9h30min – Léo e eu saimos para passear de carrinho pelo bairro
  • 9h30min – retornamos e o Léo toma uma mamadeira de suquinho de laranja (e na sequência troco a fralda. Manti o padrão de trocar a fralda após cada mamada ou refeição)
  • 10h – 12h – Léo tira a sonequinha da manhã (tem horas que empedra e vai além e tem horas que não aguenta tanto tempo assim na cama. Aqui varia bastante)
  • 12h – Almoço do Léo (papinha salgada)
  • 13h30min – Mamadeirinha de leite (dada sempre, no mínimo, uma hora após finalizar a última refeição)
  • 14h – 15h30min –  Léo tira outra soneca de 1h30min (em média)
  • 15h30min – Lanche do Léo, que pode ser frutinha esmagada ou mais leite (se ele não quiser comer fruta, como às vezes acontece)
  • 16h – 17h – Brinco com o Léo
  • 17h – Jantar do Léo, que é papinha salgada de novo
  • 17h30min – 19h30min – Léo brinca ou vamos passear
  • 19h30min – Léo mama
  • 20h – Léo toma banho
  • 20h15min – Léo mama o resto da mamadeira ou dou uma mamadeirinha extra
  • 20h30min – Léo é colocado no berço acordadinho e pega no sono sozinho (esse é o meu grande orgulho! A única coisa que consegui fazer direitinho desde a primeira noite do Léo em casa)
Ah, quase todas as madrugadas o Léo ainda nos brinda com uma acordadinha para mamar. Mas essa não tem horário fixo.
 
Ah número dois: esses horários não são 100% rígidos. Vira e mexe tem uma variação de meia hora para mais ou para menos (ou até de mais tempo). Quando isso ocorre, vou adaptando os horários seguintes.
Juro que sair um pouquinho da rotina num dia nunca prejudicou a rotina do dia seguinte.
 
Bom, espero ter ajudado de alguma forma. Sei que rotina é importante, que ajuda horrores mamãe e bebê, mas temos que ter em mente sempre que as necessidades do bebê devem ser atendidas antes de tudo. Quando ele chorar, esqueça o relógio e siga seu coração (falar agora é fácil né! Kkk!)