O que pedir no chá de bebê

Os cinco itens mais úteis para lista de chá de bebê


29 de Março de 2013
Quando uma mamãe resolve fazer o chá de bebê do pequeno que está para chegar, uma das coisas que ela tem que decidir (e que nem sempre é fácil, ainda mais quando se é mãe de primeira viagem) é o que incluir na lista de presentes.

Algumas optam por pedir apenas fraldas, pois são os itens mais consumidos pelos bebês, outras escolhem uma gama mais variada de coisas (desde os itens de consumo basiquinhos até roupinhas e brinquedinhos mais divertidos), o que foi meu caso.

Não há dúvidas que todas querem pedir itens que sejam realmente úteis, mas como acertar na escolha se a gente nunca foi mãe a ainda não sabe como a coisa funciona na prática?

Bom, eu já tenho uma experiência razoável como mãe (o Léo está com dez meses) então já sei um pouco melhor o que um bebê usa e o que não usa e, por conta disso, posso dar algums dicas, agora muito mais baseadas na minha experiência que na minha intuição.

Em primeiro lugar, sugiro não vou pedir itens diversos do enxoval pois isso o bebê costuma ganhar aos montes quando nasce, mas também não acho uma boa ideia pedir só fraldas, porque aí se deixa os convidados com muita pouca opção. O que eu acho bacana é colocar na listinha do chá os itens de higiene mais consumidos pelo bebê no seus primeiros 12 meses de vida.

Acho que assim funciona bem, pois dá opção para os convidados darem algo mais caro ou mais barato e também facilita a vida dos pais, que não terão que gastar com isso e nem correr atrás dos itens que vão precisar a toda hora.

Abaixo a listinha com os cinco itens que eu acho que toda lista de chá de bebê deve conter, com, ainda, em alguns casos, a minha indicação de marca favorita.

Fraldas:

Bom, claro, óbvio, como já era de se esperar, fralda tem que entrar na lista. Acho bacana os pais darem prioridade por pedir os tamanhos P, M e G, que são os que mais se usa. RN sugiro nem pedir, porque dependendo do tamanho do bebê, ele nem irá usar (esse tamanho vai até 3,5kg do bebê). Nesse caso, vale a pena comprar um ou dois pacotes em um lugar próximo de casa e que aceite troca. Assim, se o bebê não usar, dá para ir lá e pegar outro tamanho de fralda no lugar. XG e XXG acho que também podem ficar de fora da lista ou pedir uma quantidade muito pequena, porque irá demorar para o bebê usar (a fralda G vai até 14kg do bebê, ou seja, atende bem todo o primeiro ano). Testei várias fraldas com o Léo e as que mais gostei foram da marca Pampers. Acho que além delas absorverem bem o xixi, elas são mais macias e com um acabamento melhor que o das marcas concorrentes. Uso de dia a Pampers Total Confort e à noite a Premium Care.

Algodão:

Quase todos os pediatras indicam que, para limpar o bebê durante a troca de fraldas, seja usado algodão e água morna, pois assim ajuda a evitar assaduras. E vou dizer uma coisa, vai algodão nessa brincadeira, minha gente! Credo! Se tiver cocô então, aí sim que o algodão evapora. E algodão não é um artigo barato. Muito pelo contrário, ele custa os olhos da cara, pelo menos para o meu bolso. Como algodão em discos é muito melhor e mais prático que algodão em bolas ou aqueles que vem em caixas, o negócio fica mais feio ainda, porque esses costumam custar uma pequena fortuna considerando-se o o quanto um pacotinho. Eu indico o uso de algodão em discos porque esses não deixam fiapos grudados no bumbum do bebê, o que é um saco de tirar. A marca que eu mais gosto de usar é a Cremer, que tem o disco bem prensadinho (não solta fiapos), mas é ao mesmo tempo super macio e delicado (sem aquelas bordas ásperas do prensado que algumas marcas tem).

Lenço umedecido:

O pediatra não indica usar, mas quando estamos fora de casa ou quando o estrago do cocô foi muito grande, não tem como escapar, tem que recorrer aos lenços umedecidos. Eu testei várias marcas e a que mais gostei foi a Pampers Sensitive. Depois dela, gostei da Johnsons. A Huggies Turma da Mônica é boa, macia, mas rasga fácil e às vezes, na correria, isso atrapalha.

Pomada para assadura:

Esse item também é bastante consumido então super vale a pena entrar na listinha do chá de fraldas. A marca mais vendida no Brasil é a Hipoglós, mas eu, particularmente, não gosto dela. Acho o cheiro muito forte e acho que ela não protege 100% e nem trata as assaduras que aparecem. Tem muita gente que gosta, mas eu tentei e não consegui usar. Marcas que são consideradas muito boas aqui no Brasil são a Bepantol e a Welleda, mas nunca provei. Ambas tem preços bem salgadinhos, mas quem usa diz que a qualidade compensa o valor. Eu uso no Léo a Desitin, que é uma marca importada. Adoro! Por comprar lá fora, paguei super barato. Muito, mas muito mais barato que as melhores marcas daqui. E tão boa quanto.

Shampoos e sabonetes:

Esses dois itens o bebê não consome em grande quantidade, mas acho que vale a pena entrar na lista, pois são itens de higiene que são usados por vários e vários anos. Eu não gosto muito daquela opção que, à primeira vista, parece super prática: os famosos sabonetes da cabeça aos pés, que servem como shampoo para os cabelos e sabonete para o corpo. Isso porque eles não são práticos de aplicar ao corpo (abrir a embalagem com uma mão, colocar o sabonete na outra e ainda segurar o bebê. Como???). Acho que eles só funcionam direito no caso de se ter um dispenser com válvula pump em casa, o que nem sempre se tem. Assim sendo, sugiro que o sabonete seja em barra (mais prático de passar, por incrível que pareça) e que o shampo seja shampoo e pronto. Usei as marcas Natura Mamãe e Bebê e Johnsons Hora do Sono de sabonete em barra e gostei. Já o shampoo estou usando o da Turma da Mônica e tenho gostado. O Léo não chora quando vai no olho e tem um cheirinho delicado e gostoso. Importante: quando for escolher a marca do shampoo para colocar na lista, certifique-se de que a opção eleita não contenha nenhuma dessas duas substâncias: formaldeído e 1,4 dioxando. Esses dois componentes são cancerígenos e aparecem em alguns produtos infantis, como o Shampoo Johnsons.

Mamães, há, ainda vários outros itens de higiene que o bebê usa, mas que, na minha opinião, acho que vale muito mais a pena comprar do que pedir, pois eles são consumidos em pequena quantidade, muitas vezes apenas uma unidade. Alguns deles são: cotonete, gaze, álcool gel, álcool 70%, água oxinenada, óleo de amêndoas, entre outros.

Também há aqueles produtos que indico não pedir e nem comprar, porque dificilmente você irá usar, e se for usar, deixe para comprar na hora que precisar: condicionador e creme hidratante.