Primeiro dia de escolinha do Léo | Macetes de Mãe

Primeiro dia de escolinha do Léo


5 de Fevereiro de 2014

Hoje foi o primeiro dia de adaptação do Léo. Quer dizer, primeiro dessa segunda fase, pois o Léo já havia ido para a escolinha no ano passado mas, por alguns motivos de saúde, tivemos que tirá-lo (no final do texto tem os links para os posts que contam toda a história). Bom, mas eis que hoje ele voltou. E eu já fui para lá super preparada para uma adaptação difícil, pois o pequeno anda bem mais esperto, não aceita ficar com qualquer um e, para completar, desde que voltamos de férias, anda beeeeem mais apegado a mim. E, quer saber? Me enganei redondamente. Feliz, feliz, muiito felizmente, ele não deu trabalho algum. Entrou na escola, ficou alguns minutos do meu lado, mas logo foi se soltando.

A adaptação hoje foi super simples e curtinha (ficamos na escola, ao todo, 1h e 10min). Eu fui com ele até a escola às 10h15min da manhã, levei-o pela mão até a sala do grupo dele e lá fiquei sentadinha numa cadeira, só observando. A professora fez “as honras da casa” como manda o figurino (veja nesse post sobre adaptação o que se falou sobre isso), e eu fiquei ali só marcando presença.

Nos primeiros cinco minutos, como disse, o Léo pegava os brinquedinhos e vinha para o meu lado. Depois, já deu uns passinhos e foi brincar mais longe. Logo, pediu água e a professora se ofereceu para pegar com ele no local que fica a água, fora da sala. Assim que eles voltaram, ela avisou que ele tinha visto algumas motocas, que tinha pedido para brincar com elas, que eles iriam até lá e que eu poderia ficar aguardando na recepção da escolinha (de onde eu conseguia ver o Léo brincando com as motocas e outros amiguinhos).

E assim foi, 15 minutos depois que entramos na escolinha, ele já se “jogou no mundo”. Já escolheu o que queria fazer, interagiou com alguns amiguinhos e ficou super à vontade com todo mundo.

A professora ficou todo o tempo acompanhando-o de perto e dando total atenção. Quando ele queria fazer uma coisa ela seguia e ajudava, quando ele queria experimentar outra, ela estava ao lado. E eu lá, de olho, de longe, tirando algumas fotos e vibrando de ter visto o meu pequeno tão solto, tão seguro, tão à vontade e tão feliz.

Afinal, é para isso que a gente cria os filhos, não é mesmo? Para dar asas e descobrirem o mundo. E vamos viver e ter que lidar com esse tipo de situação – deles se distanciando de nós – desde pequeneninhos, pois assim é a vida. Então, amigas, minha dica é: preparem seus corações e mentes para a separação, sintam-se seguras e transmitam essa segurança para os pequenos que isso ajudará demais na adaptação.

Como o Léo já havia frequentado essa escola no ano passado, por dois meses (quando ele tinha oito meses e meio) talvez ele ainda guarde na memória algumas boas lembranças e isso tenha ajudado. Mas, com certeza, não foi só isso que ajudou. O meu coração leve e a minha empolgação para vê-lo se divertindo na escolinha, junto de outras crianças e adultos preparados para cuidarem bem ele, com certeza, pesou demais.

Leo na escolinha
Eu observando, de longe, o Léo ir brincar com as motocas.

Dicas:

  • Como eu disse, a mãe estar segura da decisão tomada e passar essa segurança para a criança ajuda muito!
  • Preparar a criança para a mudança que haverá na sua rotina, explicando o que virá de forma positiva, também colabora. Eu passei os últimos dias falando para o Léo que, dentro de alguns dias, ele iria brincar em  um lugar bem legal, cheio de outras crianças, com um monte de brinquedos, plantas e até com um parquinho cheio de areia. Assim ele foi criando uma expectativa positiva sobre a experiência. Nesse discurso vale a pena salientar coisas que a criança gosta e que terá lá (bola, motoca, caixa de areia, outras crianças, etc…), mas antes cheque se tem mesmo e nunca, jamais, invente ou minta, pois a criança chegará e irá esperar por tudo aquilo.
  • Se possível, converse antes com a escola e informe-os sobre as coisas que o seu filho gosta para que eles possam se preparar e esperá-lo com essas coisas à disposição. Eu avisei que o Léo ama bola e motos. Quando chegamos, tinham algumas motinhos  na sala à disposição dele. Claro que ele já criou uma simpatia maior pelo lugar. :-)

Abaixo, compartilho alguns posts sobre o período que o Léo passou na escolinha no ano passado. Vale à pena uma espiadinha, pois tem dicas legais.