Quando você tem a impressão que só você não dá conta

Quando você tem a impressão que só você não dá conta


22 de agosto de 2015

Ando numa fase meio “incomodada”, com aquela sensação de que a minha vida está uma bagunça, não tenho tempo para nada, não consigo dar conta das coisas e vou deixando um monte de tarefas e obrigações pelo caminho. Horas para um pouco de prazer então, nem pensar. Ou estou cuidando de filho, ou estou trabalhando no blog, ou estou tentando dormir (Cae dorme muito mal à noite, por isso, coloco os dois na cama e, muitas noites, vou dormir sem nem sequer jantar, para garantir algumas horinhas de sono pelo menos).

E aí, comparo essa zona que se transformou a minha vida, com a vida de outras mães com filhos da idade do meus – ou até mais novos – e sinto que algo está bem errado por aqui. Tenho a impressão que todo mundo leva a maternidade de uma forma leve, controlada e bem tranquila e só eu meto os pés pelas mãos e passo as 24h do dia correndo atrás do rabo.

todo mundo da conta
Quer alguns exemplos?

Quer alguns exemplos?

Tem uma outra blogueira de maternidade que eu acompanho, é uma pessoa super querida, fofa, simpática e que eu adoro. Ela tem três filhos e o mais novo dela é um dia mais novo que o Caê. Quando eu a acompanho através das redes sociais, seja no perfil pessoal ou do blog, a impressão que tenho é que ela já conseguiu colocar tudo em dia na sua vida, tudo flui perfeitamente e ela tem tempo para tudo que é importante. Ela já foi no show dos seus músicos favoritos (tirando e deixando leite materno para o pequeno tomar na madrugada), já retomou a academia, vai no salão, viaja a turismo e a trabalho e está sempre muito presente na vida dos filhos.

Também tenho outra amiga que acabou de ter uma filha. Ela mora em Londres. Sua mais velha tem a idade do Leo e a mais nova poucos dias de vida. Lá, ela não tem ajuda nenhuma, cuida de tudo – casa, filhos, marido, ela mesma – e ainda tem tempo para se arrumar e aproveitar o verão Londrino na companhia das duas pequenas.

Fora essas duas, ainda tenho outra amiga que tem um bebê de 10 meses. Ela trabalha fora, faz pós-graduação, frequenta a academia e viaja bastante, a turismo e a trabalho. Tudo na mais perfeita sincronia, sem deixar a peteca cair e achando tudo super tranquilo e natural.

E eu? Bom, eu sou uma vergonha se for comparar com esses exemplos acima. Academia é uma coisa impensável para mim, unha só consegui voltar a fazer quando Cae completou 6 meses, sair à noite é algo que só imagino acontecendo daqui a muitos meses e dormir, que é o básico do básico, virou um verdadeiro luxo na minha vida.

E aí, vendo tanta gente com bebês de poucos meses ou até poucos dias levando uma vida tão tranquila e tão em ordem, me pergunto: onde eu estou errando? Por que eu simplesmente não consigo me organizar e achar tempo para coisas importantes e que me dão prazer? Por que para mim as coisas tem que parecer tão difíceis e desafiadoras?

Bom, está aí algo a se pensar, analisar, tentar entender. E, claro, tentar mudar e melhorar. Porque a maternidade não pode ser isso, não pode ser esse “meter os pés pelas mãos e correr atrás do rabo” o tempo todo. Tudo bem que um bebê demanda, mas se tem tanta gente conseguindo dar conta e vivendo uma vida “normal”, eu também deveria conseguir. Vocês não acham?

E com vocês, como é? Vocês também estão tendo um início de maternidade meio atrapalhado, sem conseguir fazer as coisas e sempre se sentindo em débito com a rotina ou já conseguiram se organizar e levam a vida numa boa? Contem como estão as coisas, falar ajuda a colocar tudo no lugar (é o que também estou tentando com esse post).