Relato de acidente com kit berço

Relato de acidente com kit berço


4 de Abril de 2014

Não sei se todas as leitoras sabem, mas o uso de kits berço é contra indicado pela Sociedade Americana de Pediatria por conta do risco de sufocamento e por ele servir de “trampolim” para os bebês escalarem e pularem o berço.

Eu mesma lembro de ter ouvido da pediatra do Léo, na primeira consulta com ela (hoje ela não é mais pediatra dele, mas na época era), que deveríamos tirar o kit berço do Léo imediatamente ou, no máximo, quando ele completasse um mês. Isso porque, a partir dessa idade, era pouco provável mas ele poderia sim, de alguma forma, se mover, chegar até as bordas do berço e lá se sufocar com o acessório (aproximar-se tanto que não conseguiria mais respirar e nem se afastar dele, por ainda ter pouco controle de seus movimentos).

Pois bem, sabendo desses perigos venho pensando em escrever sobre esse assunto há bastante tempo. Mas antes mesmo de eu iniciar  um post sobre isso recebi o relato de uma leitora, que viveu na prática o pesadelo de um acidente quase fatal causado por um kit berço extremamente perigoso.

Abaixo, a história vivida pela Luciana Morais Vicco, numa madrugada de março de 2012. Acho importante a leitura para todas as mães ficarem cientes do perigo que esse tipo de acessório pode causar, principalmente se ele tiver detalhes e enfeites, como era o caso do kit berço utilizado pelo João Marcelo, filho da Luciana.

Relato de acidente com kit berço,

Por Luciana Morais Vicco

O João Marcelo nunca dormiu conosco na cama. O primeiro mês foi no carrinho e, em seguida,  no seu berço, que ficava no nosso quarto pois estávamos reformando a casa. Na madrugada do dia 17 de março de 2012, quando o João Marcelo estava prestes a completar 10 meses, acordamos com um choro baixo, resmungos bem de longe e rapidamente meu esposo levantou e foi vê-lo. Eu fiquei olhando da cama e percebi que ele não conseguia levantá-lo. Quando acendi a luz e corri até o berço, vi que o JM estava com o rosto “grudado” na almofada lateral do kit berço,  com o seu pescocinho enrolado num cipó que enfeitava o kit com o tema safári.

foto acidente kit berco 2
No lado direito, os cipós que causaram o acidente.

No desespero, comecei a gritar e pedir uma tesoura. Eu lembrava que havia uma de unha, essas de RN, mas meu esposo foi até a cozinha para pegar outra maior enquanto eu tentava manter a almofada distante do nariz para o João Marcelo não sufocar. Além disso, eu tinha que cuidar para não puxar demais, pois se fizesse isso, corria o risco de estrangulá-lo.

Tínhamos, mais ou menos, um dedo de espaço para cortar o tal cipó e para piorar a situação, ele era de um fio nada fácil de se cortar com uma tesoura. Assim que conseguimos livrar o JM do cordão que o prendia ao kit , peguei-o e amamentei-o imediatamente, justamente para verificar se ele estava succionando e respirando normalmente, já que ele seguia sonolento e não tinha despertado por completo.

Mais tarde, quando fomos dar banho nele, percebemos que o seu pescoço estava totalmente marcado e quando amanheceu vimos que seus olhos estavam arroxeados (foi horrível!).

foto acidente kit berco
Pescocinho marcado.
foto acidente kit berco 1
Marca onde o pescoço ficou preso ao cordão.

Por muito tempo após esse incidente eu fiquei arrasada, me sentindo a pior pessoa do mundo, e a minha vida era chorar. Afinal, meu pequeno correu sério risco de vida, embaixo dos meus olhos, por culpa de uma ideia que tivemos buscando fazer o melhor para ele (comprar um kit berço para deixar o seu espaço de descanso mais bonito e confortável).

Confira mais informações sobre o perigo do uso do kit berço neste vídeo do Canal MdM e já inscreva-se no canal: 

No mesmo dia, contatei a loja onde compramos o kit berço e implorei que eles retirassem esse modelo de circulação e que recolhessem ou que pelo menos avisassem os compradores dos que já haviam sido vendidos. Mas isso, infelizmente, não foi feito, porque um tempo depois eu recebi um email de uma loja virtual vendendo o mesmo produto.

Então, mamães, já que os fabricantes, distribuidores e vendedores não tem responsabilidade sobre as mercadorias que produzem ou comercializam,  cabe a nós ficarmos muito atentas para evitar esse tipo de incidente extremamente perigoso.

Espero que o meu relato sirva para informar e alertar outras mães. Não podemos deixar que uma preocupação estética, ou de uma “pseudo-segurança” (evitar que os bebês prendam pernas e braços nas grades), acabe levando nossos filhos a situações de extremo risco.

Confira dicas para escolher um berço seguro para o bebê: