Técnicas que estimulam o bebê a andar

Técnicas que estimulam o bebê a andar


14 de novembro de 2013

bebe andandoBom, vou começar esse post deixando uma coisa bem clara: eu sou contra, super contra, acelerar as coisas. Acho que cada bebê tem seu tempo (até já falei sobre isso aqui) e não é nada bacana para eles terem o pai ou a mãe “no seu pé” forçando-os a fazer algo que eles ainda não estão prontos para fazer. Tanto é que o meu pequeno só foi andar com quase um ano e quatro meses! Isso mesmo! Sou tão a favor de respeitar o tempo da criança que não fiz nada de diferente para forçar o Léo a andar antes disso. Só que é claro que há algumas técnicas que nós podemos empregar que ajudam a criança a se sentir mais segura para experimentar ficar de pé, depois experimentar dar uns passinho com apoio e, finalmente, se aventurar a andar sozinha. E é sobre isso que eu falo hoje, sobre técnicas que estimulam o bebê a andar, no tempo dele, com segurança e prazer. Vamos a elas…

1. Criar e manter um ambiente organizado e seguro para que o bebê se sinta à vontade para se aventurar nos primeiros passinhos. Se os lugares da casa que o bebê costuma ficar mais são cheios de obstáculos, de objetos espalhados e de coisas que atrapalhem a sua movimentação, é claro que ele não se sentirá seguro para ficar em duas pernas e arriscar alguns movimentos.

2. Deixar o bebê no chão. Outro ponto importante, depois do ambiente estar limpo e organizado, é o bebê ter contato com o chão para poder andar. Crianças que vivem no colo, em cadeirinhas ou em carrinhos levam mais tempo para andar porque experimentam menos o chão.

3. Deixar o bebê pegar as coisas por si só, em vez de entregar tudo para ele. Se o bebê quer alguma coisa, deixe-o ir atrás e pegar. Isso também ajuda-os a criar autonomia e os leva a ensaiar os primeiros passinhos.

4. Usar calçados adequados. Bom, esse é um ponto interessante, pois não existe um opinião unânime sobre o assunto. Alguns especialistas dizem que o melhor é o bebê ficar descalço ou com calçados de sola bem fininha e maleável, já outros, são totalmente contra e dizem que o melhor é o bebê usar um calçado com uma sola mais grossa, firme e que dê estabilidade para o bebê. Bom, vou falar por mim, contar a nossa experiência. O Léo usava só calçados macios e beeeeemmm maleáveis, até que uma fisioterapeuta me indicou um tênis mais robusto, confortável, mas firme,  e eu comprei. Senti que depois disso ele deu melhor os seus passinhos, pois o pezinho não ficava bambo, balançando o corpo de um lado para o outro, mas bem mais estável. Então, nesse ponto, acho que vale a pena você testar as três opções – descalço, calçado com sola fina e calçado com sola mais firme – e sentir o que funciona melhor para vocês.

5. Colocar o bebê entre o pai e a mãe (ou entre duas pessoas ) e estimulá-lo a ir de um para o outro. O que você deve fazer é sentar no chão, segurar o bebê pela roupinha e estimulá-lo a ir até  o pai, que quando recebê-lo deverá enchê-lo de beijos e assim despertar nele a vontade de dar uns passinhos para atingir o seu objetivo.

6. Colocar o bebê para andar em outras superfícies. Eu sentia que o Léo já tinha condições de andar, mas tinha medo. Então, o que fiz foi levá-lo para andar bastante na grama da casa da avó. Lá, ele se soltou e deu seus primeiros passinhos. .

7. Enrolar uma toalha ou cachecol largo e passar sobre o peito do bebê e embaixo dos seus bracinhos, segurando firme nas costas. Isso fará com que ele se sinta mais seguro e se arrisque a andar.

8. Colocar, na frente do bebê, um objeto firme para ele se apoiar e empurrar. Algumas opções são puffs e banquinhos. Se o chão permitir essa movimentação (não “travar” o objeto”), o bebê andará com mais facilidade e logo se sentirá pronto para andar sozinho.

9. Andar de mãos dadas com o bebê. Dar a sua mão para o bebê andar com você é um super estímulo para que ele comece a andar sozinho.

10. Não transparecer ansiedade. Isso mesmo! Os bebês não são bestas e sentem a nossa ansiedade quando queremos que eles façam muito alguma coisa rápido. E aí, tudo só complica mais. A dica é relaxar e até esquecer o assunto, caso você esteja muito preocupada com isso.

Bom, as dicas são essas. Só quero finalizar esse post dizendo algumas coisinhas:

A idade mais comum para os bebês andarem é entre um ano e um ano e três meses. Mas se seu filho andar antes disso  não tem nada de errado e se ele andar depois, mas demonstrar uma evolução gradual no processo, também não tem problema nenhum. É só o tempo dele, não precisa forçar. Ok?

Sobre o andador: a Sociedade Brasileira de Pediatria não indica o seu uso, por dois motivos. Primeiro, porque ele é perigoso (as crianças podem perder o controle estando dentro deles e caírem de degraus e escadas, baterem em móveis e objetos, tombarem, etc…) e depois porque ele acaba “ensinando” o bebê a andar na ponta do pé (o que irá atrasar o processo de andar em vez de acelerá-lo, pois essa não é a forma natural de se andar).

Depois que o seu pequeno estiver andando, lembre-se de dobrar a atenção sobre com relação à segurança da casa . Sugiro, para evitar preocupações e acidentes, você dar uma olhada neste post: Dicas para evitar acidentes domésticos.