Tendinite pós-parto

Tendinite pós-parto


23 de julho de 2015

Há algum tempo, uma amiga me mandou uma foto do seu pulso imobilizado e eu tomei o maior susto. Achei que ela tivesse caído ou coisa assim. Mas aí ela explicou que não era nada disso e que, na verdade, tratava-se de uma “tendinite pós-parto” e que o ortopedista havia dito para ela que isso está se tornando cada vez mais comum.

E não é que está mesmo? Pois no dia seguinte, recebi um email de uma leitora relatando a mesma coisa. Ela contou que desenvolveu uma tendinite 3 meses após o nascimento da filha e que os médicos que ela consultou deram todos o mesmo diagnóstico: Tenossinovite De Quervain ou tendinite gestacional.

Tendinite
Photo Credit: swambo via Compfight cc

Mas o que é essa Tenossinovite De Quervain? O que a causa? Quais seus sintomas e o que pode ser feito para resolver o problema?

O termo tendinite é usado para descrever a situação em que algum tendão, principalmente das mãos, inflama. Isso em geral é causado por movimentos e esforços repetitivos que fazemos com essa parte do corpo e dói muito. Principalmente ao fazer esses mesmos movimentos.

A tenossinovite de Quervain, também conhecida como tendinite gestacional, afeta os punhos da mulher e pode ser causada por conta das alterações hormonais que o corpo sofre nessa fase. O problema pode aparecer bem cedo, já no primeiro trimestre da gestação, ou depois do bebê nascer, mas é fato que o problema piora depois do parto.

Isso por que o movimento de carregar o bebê, segurá-lo para amamentar, para ninar ou dar banho pode forçar a área já inflamada e sensível. E se tendinite já é um problema bem chatinho de tratar normalmente, para as grávidas e mãe fica um pouco mais complicado, pois um dos tratamentos para alívio da dor é o uso de anti-inflamatórios, que não podem ser usados nessa fase.

O que pode ser feito então é fisioterapia e a imobilização com talas e faixas, mas para algumas mulheres em que o caso é mais grave chega até a precisar operar! Claro que não é para todo mundo, mas é uma possibilidade que existe sim. Tem gente que fala que não consegue nem segurar um copo de água ou colher, imaginem o tamanho da dor. Para chegar ao diagnóstico, ortopedistas costumam pedir que sejam realizados exames físicos e radiografias. E muitos dos exercícios de fisioterapia podem ser feitos em casa e devem ser seguidos à risca para melhores resultados.

Depois que a mulher passa a trocar menos fraldas, segurar menos o bebê no colo ou na posição de amamentar a dor costuma diminuir, além da possibilidade de se tomar outros medicamentos depois de parar com o aleitamento. Mas algumas dicas podem ajudar a prevenir e aliviar os sintomas da tendinite:

  • Na hora de amamentar, apoie os braços de maneira adequada e confortável. Seu pediatra pode ajudar a indicar uma posição correta.
  • Faça movimentos circulares com os punhos de tempos em tempos e várias vezes ao dia, para relaxar os ligamentos
  • Se o seu médico liberou atividades físicas e exercícios, procure fazer
  • Aproveite qualquer tempinho para deixar os braços e mãos relaxados, nem que por cinco minutos, entre segurar seu bebê, trocar fraldas e amamentar