Brincadeiras para estimular o desenvolvimento de crianças de 0 a 1 ano | Macetes de Mãe
brincadeiras para estimular

Brincadeiras para estimular o desenvolvimento de crianças de 0 a 1 ano


11 de agosto de 2018

Mamães, uma questão muito comum entre nós é descobrir brincadeiras para estimular o desenvolvimento dos nossos filhos. Principalmente, do período de 0 a 1 ano, quando são muito pequeninhos. Eu mesma sempre pensava que tipo de brincadeira e atividade eu poderia fazer para divertir e, de quebra, colaborar com o desenvolvimento cognitivo e motor do Leo e do Caê. Muita coisa, acabamos fazendo de forma intuitiva, mas quando temos mais conhecimento, é muito melhor!

Por isso, no post de hoje, a Alessandra Palazzin e Graziela Faelli, do Tempo Mágico, indicam as melhores brincadeiras para estimular o desenvolvimento de crianças de 0 a 1 ano. O texto está incrível, cheio de dicas e macetes do jeito que a gente gosta.

Melhores brincadeiras para estimular o desenvolvimento de crianças de 0 a 1 ano

Você já se deu conta de quantas mudanças os bebês passam no seu primeiro ano de vida? Eu diria que é o ano mais intenso da vida de qualquer pessoa (risos).

De seres totalmente dependentes, sem habilidade para controlar nem os próprios movimentos, ao final de um ano, aproximadamente, já são capazes de se comunicar (nem que seja por gestos), se relacionar, se movimentar para onde desejarem e, mais,  modificar o mundo que está à sua volta.

E você consegue pensar em quantas habilidades motoras, sensoriais, cognitivas, sociais, emocionais e linguísticas estão por trás disso?

Não é à toa que uma dúvida comum a tantas mães seja “como eu posso contribuir com todo esse processo?” ou “como ajudar meu filho a se desenvolver de forma saudável, em todos os aspectos, especialmente nesse primeiro ano de vida?”. Considerando o quanto se sabe hoje sobre a importância do brincar na vida de qualquer criança, naturalmente a pergunta se torna: “quais as melhores brincadeiras para estimular o desenvolvimento do meu filho?”

A questão é: como resumir um ano inteiro de experiências e aprendizados em algumas brincadeiras mais importantes?

E depois de muito pensar, analisar tantas brincadeiras já descritas e considerar minha experiência como fisioterapeuta pediátrica e mãe, resolvi resumir essa resposta da seguinte forma: AJUDE! PERMITA com que o seu filho faça o que ele naturalmente teria o impulso de fazer. E DIVERSIFIQUE todas essas experiências. Quanto mais vivências diferentes essa criança tiver, mais rico será o seu aprendizado. E mais ela estará preparada para novos aprendizados.

Mas o que qualquer criança tem o impulso natural de fazer? Conhecer sobre ela mesma e conhecer e interagir sobre o mundo à sua volta (não é o que você faria se estivesse chegando em um lugar completamente novo?) Pode parecer que não, mas isso para ela é uma grande brincadeira, um grande diversão, você sabia?

Pensando nisso, faça sempre 2 perguntas:

  1. Como posso, neste momento, ajudar meu filho a conhecer mais sobre ele mesmo?
  • brincadeiras que exploram as sensações sobre o próprio corpo da criança.

Aqui estão brincadeiras como massagem, que envolvem “balanço”(serra-serra, dançar com a criança no colo), que identificam as partes do corpo, etc.

Essas brincadeiras são importantes pois, além da diversão, ajudarão na capacidade da criança em planejar e controlar seus movimentos.
  • brincadeiras que ajudam a criança a explorar suas habilidades que estão sendo desenvolvidas nesse primeiro ano de vida, que, em grande parte, se traduzem através dos seus movimentos.

Aqui estão atividades que envolvam alcançar, chacoalhar, arremessar, bater as pernas na água, andar, correr, etc

A repetição dos movimentos é fundamental para o aprendizado motor. Além de alimentar a autoestima da criança (por ser algo que ela é capaz de fazer)

Veja algumas ideias de brincadeiras

  1. Como posso, neste momento, ajudar meu filho a conhecer mais sobre o mundo que está à sua volta e interagir com ele?
  • brincadeiras que ajudam a criança a adquirir informações sobre o mundo à sua volta

Aqui entram aquelas brincadeiras sensoriais “tradicionais” que envolvem estímulos táteis (areia, tinta, tecidos, etc), estímulos sonoros (músicas, sons de animais, sons da casa, ou a própria conversa da mãe com o bebê), estímulos gustativos (de certa forma é o que os alimentos fazem) e, além disso, visuais também! (toda vez que você mostra coisas para a criança, objetos da casa ou coisas na natureza e os descreve para o bebê, imagens em livros, etc).

Não se esqueça de que quando pensamos em uma atividade, até podemos explorar um dos sentidos mais do que os outros. Mas no dia-a-dia a criança irá tentar usar todos ao mesmo tempo (por isso, sim!, ela precisa tocar nas coisas, colocar na boca, etc e não apenas “ver com os olhos”).
  • brincadeiras que envolvam a exploração de objetos, do ambiente ou de “eventos” do dia-a-dia
Aqui estão as brincadeiras relacionadas às “experimentações” de fato. Nós sabemos que uma bola rola e pula mas um cubo de madeira não. Sabemos o que é uma imagem refletida no espelho. Que as pessoas saem no nosso campo de visão mas que elas não foram embora para sempre. Mas os bebês não sabem nada disso e se encantam com cada uma dessas coisas. Por isso, explore essas situações e o que você terá serão diversas brincadeiras :-)

Veja mais algumas ideias de brincadeiras

Algumas observações

1) Não se esqueça de que o mundo do bebê, logo que nasce, se resume praticamente à mãe! Então, muitas vezes, só o som da sua voz, o contato da pele, o olho no olho, fazer caretas já são grandes estímulos para ele.

2) Lembra o que eu falei sobre diversificar? Vou dar alguns exemplos do que isso significa:
  • “será que posso balançar meu filho em alguma direção diferente?”
  • “já que ele agora está gostando de arremessar as coisas no chão (para ver que sons elas provocam), será que eu poderia dar algum objeto diferente?”
  • “como posso ajudá-lo a explorar esse objeto de uma forma diferente da que ele fez?”
  • “meu filho já sabe andar. E se eu fizer uma trilha de almofadas para ele caminhar em cima?”

Resumindo:

Quando estiver com seu filho, observe o que ele está fazendo (ou tentando fazer), o que o está interessando naquele momento e o mundo ao redor de vocês. Para brincar você não precisa necessariamente de algum brinquedo ou preparar alguma brincadeira específica. Muito do que traz diversão (e aprendizado) para qualquer criança pode estar no seu próprio corpo ou nesse “admirável mundo novo”.
Até mais!