Como motivar as crianças a praticar coisas difíceis | Macetes de Mãe
prática deliberada

Como motivar as crianças a praticar coisas difíceis


20 de agosto de 2019

Algo que também nos preocupa no dia a dia, são os desafios que nossos filhos vão enfrentar e coisas difíceis que, inevitavelmente, eles terão de fazer. E para contornar isso, uma dica é a prática deliberada, que vai estimular a realização de coisas consideradas mais difíceis.

Veja o texto e entenda um pouco mais sobre esse conceito! Numa livre tradução extraída do site Greater Good Magazine. Aproveite!

Como motivar as crianças a praticar coisas difíceis

Pesquisas recentes podem nos ajudar, para que possamos ensinar as crianças a praticar o caminho certo para alcançar seus objetivos.

Por Maryam Abdullah

De acordo com uma pesquisa recente da Sociedade de Gestão de Recursos Humanos, 97% dos empregadores dizem que a confiabilidade é uma qualificação muito ou extremamente importante para um emprego de nível de entrada; está no topo da lista de quase todos. Como os pais ajudam seus filhos a aprenderem a ser confiáveis? Pessoas em quem os outros podem confiar para fazer seu melhor trabalho de forma consistente.

Um lugar para começar é ensinar às crianças a importância da prática. As crianças praticam todos os tipos de metas – escrevendo seus nomes, driblando com uma bola, tocando uma música no violão. Mas eles nem sempre são motivados para a prática e nem sempre praticam da maneira certa.

Uma técnica altamente eficaz e bem pesquisada chamada prática deliberada permite que você trabalhe repetidamente em uma habilidade mental ou física com o objetivo de melhorar no futuro. Pesquisas sugerem que crianças de até cinco anos podem começar a entender a prática deliberada. E as crianças e adolescentes que participam dela obtêm ganhos em desempenho escolar e habilidades motoras.

Ao incentivá-los a se envolver em práticas deliberadas à medida que crescem, podemos ajudar nossos filhos a alcançarem seus objetivos.

O que é prática deliberada?

De acordo com a pesquisadora Lauren Eskreis-Winkler e seus colegas, a prática superficial é como a maioria das pessoas estuda. Eles praticam o que já sabem enquanto estão apenas parcialmente focados, o que não é particularmente eficaz. Em contraste, eles explicam, a prática deliberada tem quatro princípios:

1. Trabalhando com pontos fracos:

Em vez de fazer coisas que você já faz bem, a prática deliberada concentra-se nas que são difíceis para você. Por exemplo, você pode repetir a parte do solo de seu trompete com as notas altas que você está tendo problemas, em vez das partes que você conhece bem.

2. Concentração total:

A prática deliberada é difícil quando você enfrenta distrações que dificultam a tarefa, como ruídos, mídias sociais ou pessoas próximas. Em vez de escrever um ensaio com o seu telefone ao seu lado enquanto passeia com seus amigos, você pode ir a uma biblioteca silenciosa e colocar o telefone na sua mochila.

3. Feedback:

A prática deliberada envolve descobrir o que você acertou e onde você cometeu erros perguntando a um professor ou treinador ou verificando seu trabalho. Por exemplo, se você cometeu erros no seu dever de casa de divisão longa, pode rever seu trabalho novamente e conversar com seu professor sobre como resolver esses problemas corretamente no futuro.

4. Repetição até o domínio:

A prática deliberada exige que você continue trabalhando nas suas fraquezas, permaneça na tarefa e obtenha feedback até dominar sua meta específica.

Como motivar as crianças para a prática deliberada

Como você motiva as crianças a se dedicarem à prática deliberada, que tende a ser mais exigente que a prática superficial?

Em vários experimentos, Eskreis-Winkler e seus colegas estudaram alunos do ensino médio americanos entre o quinto e o sétimo ano, bem como estudantes universitários. Eles dividiram aleatoriamente adolescentes de várias escolas em dois grupos: um grupo aprendeu habilidades típicas de estudo, e o outro grupo aprendeu a diferença entre a prática superficial e a prática deliberada usando vídeos animados, sugestões de reflexão e atividades curtas de redação.

Em alguns dos vídeos, as pessoas compartilharam suas experiências com o quão difícil é a prática deliberada e algumas dicas sobre como lidar com o desafio:

1. Espere e esteja bem com o fracasso:

Pessoas famosas falaram sobre como o fracasso é uma parte normal do aprendizado. Eles descreveram ter falhado muitas vezes antes de se tornarem bem sucedidos. E enquadrar os erros como uma parte necessária da prática deliberada que os levou a suas conquistas.

2. Tolerar, sentir-se frustrado e confuso:

Um estudante contou sua história de vida, desde crescer pobre e ter problemas para aprender no ensino fundamental até se formar no MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts). Ele compartilhou que você comete muitos erros enquanto trabalha em suas fraquezas. O que pode ser frustrante e confuso, mas significa que você está na “zona de estiramento”. Em vez de pensar que é um mau sinal e hora de desistir, isso é realmente a hora de continuar. As pessoas podem aprender a tolerar sua frustração com a prática.

3. Questione suas crenças sobre o talento

Um ator, um atleta e um músico falaram sobre como a prática os levou a ter sucesso em suas diferentes metas de vida. E nenhum deles mencionou talento. As pessoas pensam erroneamente que o talento é o fator mais importante. Pois não veem todas as horas de prática que vão para as apresentações finais das pessoas. Como um ator levando dias para memorizar as falas, um nadador acordando de madrugada durante meses para praticar o traço de borboleta ou um romancista escrevendo durante anos para completar um manuscrito.

Leia também: A importância da leitura para o desenvolvimento da criança

Para solidificar essa lição, os pesquisadores mostraram aos adolescentes citações anônimas de outros alunos que descreviam seus hábitos. Por exemplo, uma citação dizia: “Eu achava que as crianças que eram boas em frações eram mais espertas do que eu. Mas, nos últimos dois meses, percebi que, fazendo uma prática profunda, eu poderia ter tantos problemas de fração quanto eles pudessem. Quando trabalho duro e pratico profundamente o dever de casa com minhas frações, venho à sala de aula podendo responder tantos problemas quanto as outras crianças. ”

Finalmente, os pesquisadores pediram aos adolescentes que escrevessem uma pequena carta para outros alunos que não sabiam sobre a prática deliberada para comunicar o significado do que haviam aprendido. (Os pesquisadores explicam que “uma das maneiras mais eficazes de persuadir um participante de uma mensagem é fazer com que o participante defenda a mensagem para os outros.” A pesquisa mostra que esse efeito de “dizer é acreditar” influencia sua memória posterior e sua impressão o tópico.)

Os pesquisadores descobriram que essas breves lições motivaram os adolescentes a se engajarem na prática deliberada de problemas de matemática. E melhoraram suas notas de curso e médias após um trimestre acadêmico.

Se você quer que seus filhos aproveitem esses benefícios, diga e mostre a eles o quanto você pratica para trabalhar em metas. Como você experimenta o fracasso diariamente e como você tolera a frustração e a confusão. Lembre seus filhos sobre como seus jogadores de futebol favoritos ou nadadores trabalham com seus treinadores para obter feedback. Incentive seus filhos a conversar com seus irmãos, primos ou amigos sobre como eles usam a prática deliberada para se preparar para suas performances. Para que possam colher os benefícios do efeito de “dizer-é-acreditar”.

Você também pode gostar: Desenvolvimento das habilidades sociais nas crianças

Além de ajudar as crianças a lidar com o quanto a prática deliberada sente no presente, outra maneira de motivá-las é encorajar bons sentimentos sobre o futuro desejado. De acordo com um estudo sobre como a prática deliberada se desenvolve nas crianças.

Melissa Brinums e seus colegas estudaram 120 crianças australianas de quatro a sete anos de idade. Primeiro, os pesquisadores mostraram aos filhos três jogos que poderiam jogar: golfe, arremesso de bola ou copinho-e-bola. Então, eles foram informados de que eles seriam testados em um jogo de destino (digamos, golfe). E poderiam ganhar um adesivo cada vez que pontuassem.

Os pesquisadores atribuíram aleatoriamente as crianças a dois grupos. Antes de deixar o quarto por alguns minutos, eles disseram a um grupo: “Se você quiser, pode usar esse tempo para se preparar para o teste”. Eles disseram ao outro grupo: “Se você quiser, pode usar esse tempo para brincar com qualquer um dos jogos”. Quando eles retornaram, perguntaram às crianças qual jogo eles jogavam mais, por que e o que eles poderiam fazer para melhorar nos jogos.

Os pesquisadores mediram a quantidade de prática deliberada em que as crianças se envolveram. Com base em qual jogo escolheram jogar primeiro e por quanto tempo jogaram o jogo alvo. Eles também usaram as respostas das crianças às perguntas para avaliar sua compreensão da prática. As crianças obtiveram uma pontuação mais alta se falaram sobre praticar, melhorar ou ser persistentes. Do que se falassem sobre diversão ou sorte ou se não pudessem responder às perguntas.

Os resultados

As crianças de seis e sete anos de idade entendiam a prática deliberada e se envolviam nela sem serem indicadas. Crianças de cinco anos mostraram alguma compreensão e, às vezes, praticaram deliberadamente. Crianças de quatro anos ainda não entendiam a prática deliberada.

“Esses aumentos na compreensão e no envolvimento na prática deliberada podem ser devidos a melhorias relacionadas à idade nas capacidades cognitivas”, explica Brinums e seus colegas. A previsão episódica – a capacidade de imaginar o futuro e agir de acordo – começa a se desenvolver nos anos pré-escolares. E melhora durante toda a infância. A previsão episódica nos permite prever como o futuro pode nos fazer sentir. Em comparação com as crianças mais novas, as crianças mais velhas provavelmente estavam mais motivadas para a prática. Porque elas eram mais capazes de prever o teste e se sentir felizes por receberem adesivos para pontuar no jogo.

Embora os pré-escolares não consigam prever o futuro ainda, os pais podem encorajar seus filhos em idade escolar – que não estão ansiosos para praticar piano, por exemplo – a imaginar como estar bem preparado os fará sentir durante um recital futuro.

Por fim, os pais podem ajudar as crianças à medida que aprendem a valorizar a prática. Seja na escola, no primeiro emprego – mesmo que temporário – ou na família e comunidade. A prática deliberada pode não lhes garantir uma medalha de ouro nas Olimpíadas. Mas pode melhorar seu desempenho para que eles façam o melhor possível. E isso os ajudará a crescer para ser alguém em quem os outros possam confiar.