Categorias: Coluna Ginecologista e Obstetra

Fertilização in vitro: 7 coisas que um casal precisa saber para fazer

Compartilhe:
pin it

Eu recebo muitas dúvidas de leitoras sobre fertilização in vitro. Não me sinto muito à vontade em responder, pois não sou especialista no assunto. Mas sempre que surge pauta sobre esse tema, gosto de compartilhar aqui no blog.

Dessa vez, nosso colunista, o Dr. Roberto Antunes, compartilha conosco 7 coisas que um casal precisa saber para fazer fertilização in vitro. Confira!

Leia também: a luta conta a infertilidade e a sonhada gravidez

O que um casal precisa saber para fazer uma fertilização in vitro

O planejamento de uma fertilização in vitro começa antes mesmo do casal saber que vai precisar do procedimento. É preciso olhar para o planejamento familiar desse casal. Precisamos saber o primeiro passo, primeiro ponto: quantos filhos aquele casal deseja ou pretende ter?

Por exemplo: um casal em que a mulher tenha 40 anos de idade e queira ter 3 filhos, e não tenha nenhum, nós vamos ter que adaptar. Talvez ela tenha que recorrer a uma fertilização in vitro de cara e, eventualmente, pode ser até que tenha que recorrer até a um banco de óvulos doados.

Agora, se for um casal que tenha 30 anos e só quer ter um filho, pode ser que nós consigamos resolver em um tratamento que não precise chegar a fertilização.

Mas na fertilização in vitro, especificamente, há pontos interessantes e importantes que os casais devem saber.

1. Quanto tempo em média dura um tratamento de fertilização in vitro

O Tratamento de fertilização in vitro, a parte de estimulação ovariana, dura em média de 8 a 12 dias. Vamos colocar 2 semanas, como uma média, em linhas gerais, para que nós consigamos estar com os óvulos coletados em mãos. Então, esse é o ponto inicial.

2. As medicações da fertilização in vitro

De modo geral são medicações à base de dois hormônios que são produzidos por uma glândula chamada de hipófise, que fica na cabeça e que vai estimular os ovários chamados de FSH (hormônio folículo-estimulante) e LH  que é o (Hormônio luteinizante). Essas são às duas bases do tratamento do estímulo ovariano.

As medicações são aplicadas de forma injetável, mas não são injeções intra-musculares e dolorosas. Normalmente são injeções subcutâneas, injeções que o próprio paciente é treinado para se aplicar e isso é feito de uma forma muito tranquila. Uma vez terminado esse período de estímulo nós vamos para a coleta dos óvulos.

3. Coleta de óvulos

A coleta dos óvulos é feita sob sedação. Então a paciente deve estar sedada e não sente dor.

É um procedimento rápido,  que normalmente dura de 20 a 30 minutos, no máximo.

É feito através de pulsão dos ovários. Ou seja, você entra com uma agulha através da vagina, na maioria das vezes, e aspira todos os  folículos que tenham sido estimulados ao longo daquele ciclo de fertilização.

Dentro dos folículos você tira os óvulos e esses óvulos são encaminhados para o laboratório para que nós possamos fazer a fertilização que é pegar o espermatozoide, pegar o óvulo e formar um embriãozinho.

4. Coleta de Sêmen

A coleta do sêmen normalmente é feita por masturbação simples na clínica, Ao contrário, do que o pessoal costuma brincar: “não é tão simples, não é tão confortável, tão fácil como vocês acham”. É um procedimento que é feito ali na hora, enquanto a paciente está coletando os óvulos, o marido está coletando o sêmen.  Embora seja algo relativamente simples, nós temos pacientes que têm um pouco de dificuldade em função de estar fora de  casa e pelo nervosismo todo devido ao procedimento.

5. A formação dos embriões

Uma vez que os embriões se formam, ou seja, que nós pegamos os espermatozoides e os óvulos para formar os embriões, nós colocamos eles em cultura. Então vão para uma incubadora de embriões, onde esses embriões podem se desenvolver. Eles podem se desenvolver em até 7 dias nessas incubadoras antes da gente precisar transferir ou congelá-los.

De modo geral, atualmente, o estado da arte da medicina reprodutiva  ele é muito favorável a transferência de embriões de quinto a sétimo dia  que são os embriões chamados de blastocistos.

6. Quantos embriões eu posso transferir por tentativa

Aqui no Brasil você tem uma norma que diz que até 35 anos, você pode transferir até 2 embriões por tentativa, entre 35 anos e 39 anos, você pode transferir até 3 embriões, e acima de 40 anos até 4 embriões. Essa norma tem que ser obedecida. lembra? É até 2, até 3, até 4.

Atualmente nós tentamos sempre que possível estimular as transferências de até um embrião por vez. Essas transferências únicas diminuem muito as chances de uma gestação gemelar, que é uma gestação que pode ter uma série de outras complicações  tanto para o bebê quanto para a mãe. E

Em linhas gerais, a questão da fertilização in vitro deve ser bem abordada pelos casais com seus ginecologistas, e uma vez necessário, que eles sejam encaminhados ao especialista em reprodução.

7. O Fator idade

O último ponto que eu acho fundamental, nós falarmos, já que eu toquei nessa questão do planejamento familiar, é ficar atento a idade, gente. A idade principalmente da mulher. Nós sabemos que a idade da mulher é um dos fatores principais para o sucesso da fertilização, quanto maior a idade da mulher mais difícil da gente conseguir ter uma gravidez nesse processo de fertilização.

Então os casais precisam se planejar, e dentro do possível dessa correria da vida moderna, e encaixar essa questão do planejamento familiar da melhor forma possível e vale sempre falar com um médico, com um especialista para que ele possa te orientar melhor, fazer uma avaliação de reserva ovariana, uma avaliação da viabilidade desse planejamento e para evitar ir para uma fertilização in vitro.

CONHEÇA MEU LIVRO: “GRÁVIDA E PRÁTICA – UM GUIA SEM RODEIOS PARA A MÃE DE PRIMEIRA VIAGEM”:

Veja mais!