Categorias: bem estar | Organização

Mudança com crianças – dicas práticas

Compartilhe:
pin it

Quem me acompanha por aqui, pelo Facebook ou pelo Instagram já deve ter percebido que andei (e sigo andando) bem louca nos últimos dias. E essa loucura toda se deve a uma coisinha chamada mudança. Sim! Eu saí do meu antigo apartamento, onde vivi os momentos mais importantes da minha vida (lá eu estava quando casei, quando engravidei do Leo, quando o Leo nasceu e agora que engravidei do segundo baby) e agora estou habitando uma casa nova. Quer dizer, nova para mim, pois nova-nova ela não é, mas é o meu novo lar.

Pois bem, depois de encarar essa maratona num final de semana (fazer a mudança e colocar praticamente tudo no lugar), venho hoje aqui dar dicas de como fazer uma mudança quando se tem filhos e não perder a sanidade nessa aventura.

mudanca com criancas

Ah, mas faz diferença ter ou não ter filhos quando se muda? Claro que faz, e isso porque a criança estranha, e muito, as grandes mudanças na sua rotina e no seu ambiente, assim, uma mudança de casa é uma mudança colossal para os pequenos e o indicado é que ela aconteça da forma mais tranquila e natural possível, para eles não estranharem e sofrerem demais.

Pois bem, tendo isso em mente, e ainda com as dicas fresquinhas na minha cabeça, tudo fruto do que vivenciei nos últimos dias, resolvi fazer o post de hoje. Nele você encontrará dicas simples e práticas para fazer uma mudança de residência sem causar grandes traumas nos pequenos (pelo contrário, ainda transformar isso numa maravilhosa novidade). Espero que curtam e que seja útil!

1. Faça todo o possível para levar as crianças para conhecerem a nova casa antes de vocês mudarem-se para lá. Explique que esse local será a nova casinha da família e tente mostrar os pontos positivos da casa (o meu grande trunfo foi que a nova casinha é perto da casa da vovó e tem uma pequena área para o Leo jogar bola).

2. Sempre que se referir à mudança, fale com um tom positivo e sempre ressalte tudo de legal que terá na nova casa. Mas lembre-se: crie uma expectativa positiva, mas sem criar uma expectativa muito grande, para a criança também não ficar ansiosa e sofrer.

3. Antes do dia da mudança, separe uma mala de roupas e objetos pessoais para você, uma para cada filho, uma para o seu marido e, ainda, uma de objetos de valor, como jóias, câmeras, documentos, tablets, etc… Essas coisas você leva no seu carro, para garantir que não irá se perder e você terá o mais importante e essencial sempre à mão. E não esqueça que em se tratando das crianças, além das roupas, vai muita coisa extra nessa bagagem: itens de alimentação, alguns brinquedos, fraldas, itens de higiene, etc…

4. Se possível, contrate uma empresa que não faça só o transporte, mas que também já embale todos os móveis, objetos, roupas, etc… . Vale super a pena pagar por esse serviço, pois irá economizar dias e dias de trabalho.  E detalhe: alguns dias antes da mudança faça uma bela limpeza nos seus armários e descarte tudo aquilo que não tem uma real utilidade. Leve para a casa nova só o que vocês usam mesmo. Isso irá poupar trabalho na hora de desfazer os volumes.

5. Peça para algum familiar ou amigo próximo, com o qual as crianças já tem bastante intimidade, para ficarem com elas no dia da mudança e no dia seguinte (se possível dormindo fora de casa na primeira noite). Essa dica se deve a dois principais motivos: primeiro porque a criança se incomoda em ver as coisas da casa todas bagunçadas e  acaba se estressando. Eu percebi isso pelo Leo. No dia que ele viu nosso ex apto desmontado e encaixotado ele ficou super ansioso, acelerado, e queria abrir tudo para tirar as suas coisinhas de dentro. O segundo motivo é que mudança gera sujeira e pó e isso não é bacana para crianças, principalmente as alérgicas, como é o caso do meu filho.

6. Quando organizar as coisas na casa nova, dê prioridade para arrumar primeiro os ambientes que as crianças frequentam mais (como o quarto delas e a sala). Assim, se não der tempo de colocar tudo no lugar antes dos pequenos chegarem para conhecer o novo lar, pelo menos os espaços que eles mais aproveitam estarão ajeitadinhos.

7. Tente fazer com que o novo quarto das crianças lembre o quarto antigo. Se você não mudar a decoração, faça o possível para deixar os móveis na mesma disposição, para elas estranharem menos. Mas caso opte por uma decoração nova, utilize alguns objetos aos quais a criança é mais apegada para ela se sentir mais segura.

8. Tente criar novidades atrativas para a criança na nova casa. Pode ser a montagem de um cantinho de estudos e brincadeiras (eu fiz isso), a criação de um mini campinho de futebol atrás da casa ou qualquer outra coisa que a criança curta e que irá agradá-la. E só lembrando que não é necessário fazer nenhum investimento. Basta aproveitar os brinquedos e objetos da antiga casa só que dando um novo “ar” ou propósito para eles (ex: eu aproveitei um corredor mais largo da casa e fiz ali a brinquedoteca do Leo. Para esse espaço foi tudo que ela já tinha – tapetinho, brinquedos, mesinha com cadeira, etc… – mas como agora tudo está junto, num espaço único, e reaproveitei uma estante do antigo apto para organizar as coisas, o resultado ficou diferente e atrativo para ele.

brinquedoteca com marca macetes

9. Na primeira vez que as crianças entrarem na casa, com ela já arrumada, faça questão de visitar e apresentar todos os cômodos para elas. E sempre perguntando a opinião delas sobre o ambiente. Elas gostam de se sentir incluídos.

10. Por fim, a dica de ouro: muito diálogo e paciência. Sempre. Mudança não é algo fácil para crianças menores. Apesar delas se adaptarem mais fácil do que a gente imagina, no início elas realmente estranham e podem passar a ter comportamentos que não tinham antes, como demorar mais tempo para pegar no sono, não querer ficar no quarto, acordar no meio da noite. Por isso que é tão importante sempre dialogar e explicar as novidades que estão acontecendo, para a criança se tranquilizar quando um momento de insegurança bater.

Veja mais!