Por que toda mãe precisa de um planejamento pós-parto? | Macetes de Mãe
planejamento

Por que toda mãe precisa de um planejamento pós-parto?


3 de julho de 2018

Fala-se muito sobre o planejamento de parto, mas você sabia que o planejamento pós-parto é tão importante quanto? Precisamos nos preparar para tudo o que está por vir com a chegada do bebê. A organização da rotina doméstica e familiar é fundamental para que a nossa experiência materna seja positiva. Hoje, trago a tradução livre de um texto publicado originalmente no Scary Mommy e que descreve muito bem a importância de um planejamento pós-parto para o bem estar da mãe e ainda traz algumas dicas valiosas.

Leia também: Sono pós-parto – como se preparar e o que esperar do seu sono e o sono do bebê

Por que toda mãe precisa de um planejamento pós-parto?

Christina Freeman

Depois de ter filhos, você pode se enquadrar facilmente em estereótipos e padrões que não são justos, saudáveis ​​ou equilibrados. Estamos tão exaustas, ocupadas e focadas nessa nova vida que levamos que, às vezes, apenas esperamos que o dia termine. Então, depois de ter passado os 9 meses da gravidez se planejando para o nascimento, eu gostaria de dizer que o mais importante é o seu planejamento para o pós-parto.

Embora não existam duas famílias exatamente iguais, todos podemos considerar um ponto de partida racional e mais estratégico. Utilizar um planejamento que envolva: os horários do dia, cardápio semanal, escola das crianças, distribuição de tarefas e, por fim, como você encara sua jornada de mãe (dona de casa ou que trabalha fora), promoverá a igualdade entre o trabalho e o ambiente de casa e, como resultado, você terá uma experiência materna muito mais agradável.

Como você faz o planejamento do desconhecido?

Comece com o básico. Você sabe que estará amamentando – ou dando mamadeira – o tempo todo, por alguns meses. O TEMPO TODO. Você sabe que estará trocando fraldas ou treinando seu filho no penico, correndo atrás das crianças pequenas e executando 14 coisas ao mesmo tempo, antes do horário escolar. Você sabe que vai limpar a cozinha e cozinhar 5 vezes por dia, porque eles estão sempre com fome e você tem que alimentá-los. Você sabe que estará arrumando a bagunça ou organizando brinquedos por horas e horas. Você vai trabalhar e agendar consultas médicas ou o encanador no seu horário de almoço. Depois do trabalho, você voltará para casa para jantar, banho, livros, abraços e provavelmente mais trabalho depois que todos estiverem na cama.

As mães geralmente carregam o fardo do trabalho doméstico e a “pressão psicológica” de dirigir a família. Um estudo recente da Welch descobriu que as mães trabalham o equivalente a 2,5 empregos. E tenho certeza de que isso não é um choque para NENHUMA MÃE. Infelizmente, não há uma solução fácil (sem tocar no assunto da diferença salarial entre gêneros), mas há algumas coisas que podemos fazer para trabalhar em prol do equilíbrio em nossas casas e controlar nossas vidas.

Leia também: 10 dicas para os primeiros dias do bebê em casa

Dicas para você seguir

1. Faça planos e tenha uma estratégia.

Se formos mais racionais sobre nossas escolhas, podemos optar por romper padrões injustos. Como por exemplo:

Liste TODAS as tarefas domésticas e divida-as igualmente entre você e seu parceiro. Se você combinar a divisão desse trabalho antecipadamente, não ficará sobrecarregada e ainda compartilhará, com seu parceiro, a frustração de realizar essas tarefas.

Faça um plano para eventos específicos da vida. Quando você tem um bebê novinho, você não precisa ser a única pessoa que: pega o bebê toda vez que ele chora, conhece os truques para fazê-lo dormir ou ficar em casa com o bebê enquanto seu parceiro leva seu filho mais velho ao futebol ou cinema.

2. Organize-se.

Ter uma casa organizada – bem como um escritório organizado – cria um ambiente de “trabalho” muito melhor para todos. Por exemplo:

Ambos os pais devem saber onde estão as lancheiras, as coisas do futebol e para onde vão os brinquedos. Da mesma forma, ambos os pais devem estar alinhados com os cronogramas e as regras domésticas (por exemplo: hora de dormir, o que pode ou não comer, tempo na TV ou tablet). Ser organizada é importante para que os deveres de cuidar das crianças sejam divididos sem problemas com o seu parceiro, acompanhante ou babá – fato que lhe dará muito mais liberdade.

Simplifique sua vida. Quando sua família tem menos brinquedos, roupas e “coisas” domésticas em geral há, naturalmente, menos para limpar, lavar e arrumar. Como resultado, temos mais tempo para brincar, ler ou qualquer outra coisa que você goste de fazer (porque ninguém fica entusiasmada em procurar e guardar 35 pares de meias para um bebê). Tenha em sua casa, permanentemente, sacos de doações para roupas, utilidades domésticas e brinquedos. Sabendo que ele está lá, facilitará a desfazer de coisas desnecessárias à medida que você as encontrar.

3. Pratique, sem remorso, o zelo e respeito pela sua maternidade.

Você merece tempo para si mesma e uma pausa todos os dias. Se o seu único tempo livre na semana é uma hora na pedicure ou uma aula de Ioga no domingo, isso não é suficiente. Exija seu tempo, e exerça isso!

Não aceite tarefas que lhe tomem tempo, seja de colegas, dos seus sogros, da pessoa na fila do supermercado, do seu parceiro ou de qualquer outra pessoa que impeça que você, por exemplo, deixe o trabalho mais cedo para ver uma apresentação do seu filho. Priorize as coisas que fazemos para cuidar de nós mesmas e de nossa família. Elimine as microagressões do seu dia a dia e apoie as atitudes de outras mães, que elas lhe apoiarão de volta.

Seja qual for o caminho escolhido, saiba que criar filhos é a coisa mais sagrada e importante que você pode fazer como pai e mãe. E tenha sempre orgulho do caminho que você está trilhando nessa criação.

Leia também: 6 dicas para organizar a chegada do segundo filho

Se você gostou desse post, não deixe de conferir esse vídeo no Canal MdM: dicas para os 3 primeiros meses do bebê