Por que um tempo longe das crianças é tão bom para um casamento? | Macetes de Mãe
Casamento

Por que um tempo longe das crianças é tão bom para um casamento?


25 de setembro de 2018

Eu já disse AQUI que um casamento muda pouco a vida da gente e que a nossa vida  muda mesmo é quando os filhos nascem. Quando eu e o Otávio casamos, quase nada mudou nas nossas vidas. Seguíamos fazendo os mesmos programas. No entanto, quando o Leo nasceu, surgiu uma nova dinâmica. E arrisco dizer que muda para todo mundo. Porque a gente não faz os mesmos programas e quando faz sempre tem algumas restrições. A gente acaba saindo menos à noite, as viagens são definidas de acordo com o que o lugar oferece também para os pequenos, nossas prioridades mudam e por aí em diante.

Mas hoje, depois de um tempo do nascimento das crianças e com elas um pouquinho maiores, sou a favor do equilíbrio e acredito que todo casal não necessariamente precisa, mas merece um tempo longe das crianças.

Por isso, aqui em casa estipulamos alguns momentos a dois. Todos os sábados, por exemplo, os meninos dormem nos avós. Então, essa é a nossa noite! Noite em que vamos ao cinema, saímos para jantar fora ou até ficamos em casa vendo Netflix juntos. Até viagem a dois já tomei coragem para fazer e fizemos. A verdade é que tanto faz o programa, o importante é ser um programa só para os dois.

E nessa pegada, da importância de momentos a dois quando se é três ou mais, que decidi trazer para vocês a tradução de um texto originalmente publicado no site Scary Mommy e traduzido livremente para o MdM. A autora do texto é mãe de 4 filhos e relata porque é bom ter um tempo só para o casal, sem as crianças por perto. Confira!

Por que um tempo longe das crianças é tão bom para um casamento?

Por Rita Templeton

O casamento é difícil, mas o casamento com as crianças é ainda mais. De fato, estudos mostraram que a taxa de término do relacionamento é quase duas vezes mais rápida entre casais com filhos versus casamentos sem filhos. Não sou cientista nem psicóloga, mas sou casada e tenho quatro filhos. Então, embora eu não possa apoiar minha teoria com os fatos, posso dizer por experiência pessoal que o provável culpado é tão somente o cansaço.

Porque criar filhos é difícil, cara.

Crianças e seus cuidados absorvem a maior parte do nosso foco. É como uma maratona: longa, implacável, e continuamos mesmo quando estamos exaustos (o que é, basicamente, todo e qualquer dia). As brechas surgem poucas vezes, se é que surgem, e quase nunca são suficientes para nos sentirmos totalmente recuperadas. Então, enquanto nós estamos criando os alicerces familiares para nossos filhos, nossos casamentos vão tendo cada vez menos prioridade. E esperamos que eles se autossustentem enquanto nos dedicamos ao negócio de criar os filhos.

A dura rotina da família com filhos

É onde meu marido e eu estamos ultimamente, navegando como dois navios à noite. Ele trabalha pelo menos 60 horas por semana, toda semana. Eu também trabalho e, duas noites por semana, dou aula numa academia, então saio assim que ele entra pela porta. Nos dias em que não estou dando aula, estamos levando as crianças de um lado para o outro para a prática de escotismo e basquete. E mesmo que não haja nada disso, há sempre um fluxo interminável de trabalhos de casa, projetos e compromissos escolares.

Nós caímos na cama, às vezes, mal tendo visto ou conversado um com o outro. Nossa intimidade reduzida a um beijo nos lábios antes do ronco começar (o dele, claro, nunca o meu). Nós nos amamos profundamente, mas até mesmo os melhores relacionamentos exigem conexão. E no cenário de uma vida compartilhada agitada, momentos para se conectar nem sempre são fáceis de encontrar.

Mas recentemente, graças aos esforços combinados do trabalho árduo do meu marido, da generosidade do tipo de chefe que todos deveriam ter e de uma mãe graciosa o suficiente para observar nossos filhos, pudemos passar uma semana juntos – só ele e eu, sem crianças – em um resort tropical.

Nós estamos casados ​​há 18 anos, nunca tivemos uma lua de mel e, eu posso contar em uma mão, o número de vezes que ficamos fora por apenas uma noite ou duas. Então, naturalmente, nós pulamos em um avião o mais rápido do que você pode dizer “mojitos à beira da piscina.”

Veja também: os benefícios de viajar a dois

Eu não vou mentir, eu tive alguns problemas em trocar meu perpétuo “modo mamãe” pelos primeiros dois dias. Mas, assim que o fiz, algo mágico aconteceu: eu me lembrei de como é ser uma esposa. Uma parceira. Uma amante. Todas essas coisas, livres das exigências da maternidade, voltaram como um velho amigo familiar de nossos dias mais jovens.

Nós pudemos conversar longamente sobre outros assuntos além do “quem está levando a criança de oito anos para seu jogo de basquete” e “como podemos fazer com que nosso aluno do ensino médio tire boas notas”. Pudemos nos concentrar um no outro, sem as interrupções quase constantes que acompanham o cotidiano das crianças. Ninguém gritou: “Mamãe, você pode ajudar a me limpar?”

Foi glorioso. E sim, poderíamos ir além daquele beijo superficial na hora de dormir. Sem nos preocuparmos com uma batida na porta do quarto.

A viagem toda tornou óbvio que estávamos sofrendo com um “esgotamento do relacionamento”, e nós nem percebíamos isso. Isso porque não veio na forma de brigas, de gritos ou ressentimentos fervilhantes; nós não éramos abertamente infelizes ou à beira do divórcio, mas havia uma desconexão sutil, um abismo entre nós que se abria quando a vida cotidiana se infiltrava. Em algum lugar ao longo do tempo, paramos de nos encontrar além dos nossos papéis como pais e como parceiros no sentido mais funcional – parece até que faltou alguém para nos lembrar disso. E isso acontece tão facilmente, a mudança para o piloto automático, o lento empobrecimento do romance para os companheiros de quarto.

Você também pode ver como foi a minha experiência de viajar sem filhos!

Nossas férias não foram passadas olhando amorosamente nos olhos um do outro e com longo e apaixonado tempo entre os lençóis (lembrete: casados há quase duas décadas). Mas não foi necessária a cena romântica de filme para reacender o fogo. Apenas um momento para voltar atrás, respirar e olhar um para o outro fora dos parâmetros da paternidade era tudo o que realmente precisávamos.

Removendo-nos temporariamente do trabalho diário e mudando nosso foco, fomos lembrados de que nós – ele e eu – somos a base de nossa família. Nossos filhos reúnem suas forças e seu senso de segurança a partir desse alicerce. E se é fraco, nossa estrutura familiar também será. Negligenciar nosso relacionamento é fazer um desserviço aos nossos filhos. O que é irônico, porque nossa devoção à unidade familiar é a razão pela qual nosso casamento é empurrado para segundo plano.

Eu sei que uma semana inteira de distância nem sempre é viável – se fosse, todos estaríamos em completa felicidade conjugal. Poxa, levamos 18 anos para ter essa oportunidade. Mas embora uma semana de férias tenha sido fantástica, agora sei que não é preciso gastar muito tempo ou dinheiro para conseguir a reconexão de que tanto precisamos. Simplesmente requer uma conscientização de como a vida atrapalha e um compromisso de fazer “nós”, uma prioridade. Não importa o que aconteça… Mesmo que as crianças tenham que perder um treino de basquete ou uma reunião de escoteiros aqui e ali. Pode levar anos até termos a chance de sair em outras férias. Mas isso não significa que não podemos fazer pequenas coisas.